• Leia um trecho de "Na floresta do alheamento", texto publicado em Livro do Desassossego de Bernardo Soares, heterônimo de Fernando Pessoa. Sei que despertei e que ainda durmo. O meu corpo antigo, moído de eu viver diz-me que é muito cedo ainda... Sinto-me febril de longe. Peso-me, não sei porquê... Relacionando esse trecho com as novidades que a revista Orpheu trouxe e com características do Modernismo presentes em A Confissão de Lúcio, podemos afirmar que:

    I. O narrador se sente dividido, se, por uma lado, desperta; por outro, ainda dorme, como se fosse dois. Assim como Lúcio, em sua confissão, não conseguiu entender o ocorrido descrito na novela. Além de Lúcio não entender o que aconteceu, ele não sabia quem eram Ricardo e Marta, e se alguma vez de fato existiram e se existiram os dois.
    II. Essa desconfiança em relação ao real, a quem eu sou e quem é o outro aparece frequentemente no Modernismo português, principalmente na obra de Fernando Pessoa e de Mário de Sá-Carneiro.
    III. Fernando Pessoa criou os heterônimos para, de alguma forma, conseguir se multiplicar. No caso de Bernardo Soares, o que escreveu em prosa, é um sujeito que vive pelas sensações, é sinestésico. Pelo fragmento citado no conteúdo teórico, o narrador está num estado onírico, está angustiado e entediado, como um ser que vive entre o século XIX e XX.

    Podemos considerar como verdadeiras as afirmações:

    a.
    II e III.

    b.
    I, II e III.

    c.
    I e II.

    d.
    I e III.

    e.
    apenas a II.