Autodesk Navisworks - manual do usuario - versao 01

Autodesk Navisworks - manual do usuario - versao 01

(Parte 1 de 5)

Este material está em fase de elaboração.

Seu autor é o ex-aluno do IFRN, Edy Jones Barbosa. Trata-se de um manual de uso do

Autodesk

Navisworks, com base no livro Mastering Autodesk Navisworks 2013 (de Jason Dodds e Scott Johnson, editora Sybex).

Este material refere-se a anotações feitas durante a leitura da referência da autodesk mastering navisworks 2013. Objetiva a produção de um material para os que estão tendo o primeiro contato com esses softwares, através de uma linguagem acessível.

1. CONHECENDO O AUTODESK NAVISWORKS

Antes de compreender os mecanismos do software explorado neste material, é importante explorar os principais comandos do navisworks que são organizados em sua interface visual. A seguir é apresentada uma imagem de tela de trabalho do Navisworks.

1.1. Organização da interface

Apresentação do botão N, semelhante aos botões utilizados nos aplicativos da autodesk. Ver imagem ao lado.

Barra de ferramentas de acesso rápido, como no revit;

Opções do navisworks: configura o sistema de trabalho (Localização de arquivos, salvamento automático, leitores de arquivos e ferramentas).

Na opção de ferramentas (dentro das opções), é possível alterar configurações de visualização de erros, materiais e arquivos anexados.

1.2. Explorando o Ribbon

Paleta de ferramentas de acesso visível, dividida em abas que, por sua vez, são divididas em painéis que contém ícones específicos para o trabalho.

Os painéis podem ser movidos clicando e arrastando neles; 1.3. Barra de status, indicadores de performances e menus.

Localizadas no canto inferior direito, contém o ativador ou desativador do navegador de projetos.

Indicam quanto do HD está sendo utilizado, bem como a proporção de desenho no projeto e a quantidade de modelo carregado da web.

2. ARQUIVOS E TIPOS DE ARQUIVOS

Descobrindo os princípios que envolvem os tipos de arquivos no Navisworks é essencial para formação de boa base para o entendimento de todas as potencialidades de tal aplicativo. A presente ferramenta BIM, envolve a junção multidisciplinar de muitas geometrias. Por isso, é importante compreender como o Navisworks trabalha com os diferentes tipos de arquivos. Ao final destas anotações é necessário verificar se:

Há capacidade de identificar e escolher os tipos de arquivos mais apropriados; Há capacidade de abrir e anexar todos os tipos de arquivos e;

Configurar a habilitação de objetos. 2.1. Tipos de arquivos do Navisworks

A força do Navisworks consiste em conseguir organizar, em um modelo de banco de dados geométrico, as mais variadas disciplinas dos mais variados softwares BIM. Tudo isso facilita a colaboração, uma vez que, além do exposto anteriormente, o Navisworks comprime a maioria dos arquivos de forma a reduzir em até 80% o tamanho original dele.

2.1.1. Formatos de arquivos nativos a. NWD

Consideravelmente pequeno em relação aos demais arquivos BIM, o formato NWD (NavisWorks Document) é o formato básico que contém toda a geometria importante e as respectivas detecções de conflitos entre os elementos.

b. NWC

NavisWorks Cache File é o formato- padrão, de apenas leitura, gerado quando algum arquivo é aberto ou anexado no software aqui estudado. Esse formato é o mecanismo de converter um modelo CAD/ BIM em um modelo do Navisworks. Por padrão, esse formato de arquivo é aberto junto ao formato nativo do Navisworks.

c. NWF

O NavisWorks File não conte geometria 3D, mas contém links de comunicação com o modelo nativo. Por esse motivo ele possui tamanho menor que os demais formatos, porém é importante que o usuário tenha acesso aos arquivos para sucesso da modelagem.

A figura a seguir apresenta o modo de trabalho do formato NWF:

d. Usando NWD e NWF no corriqueiro ambiente de trabalho

O Navisworks trabalha com a combinação dos três formatos de arquivos vistos anteriormente. Quando um coordenador de projetos inicia um projeto, ele procura por um arquivo de seu interesse para anexar no navisworks. Nesse momento são criados arquivos no mesmo diretório dos arquivos anexados com o formato NWC. No salvamento, o arquivo é salvo com o formato NWF, para que, futuramente na presença de modificações das demais disciplinas envolvidas, o arquivo NWF reconheça essas modificações e sejam feitas as devidas atualizações no projeto. Daí a importância de os arquivos estarem localizados no mesmo diretório, uma vez que há constante comunicação do arquivo central com os demais projetos linkados. Em comparação com o NWF, o NWD é utilizado apenas como arquivo de leitura. Além disso, este possui maior tamanho.

2.1.2. Leitores de arquivos

Ao se abrir um arquivo no navisworks, o formato de arquivo é associado automaticamente, de modo a exibir, sem perdas, todos os detalhes modelados por aplicações de desenho.

a. Formatos suportados

Os três formatos de arquivos podem ler até 40 diferentes formatos de arquivo CAD/ BIM, em sua geometria 3D. Isso é bastante interessante para consolidar a coordenação, colaboração e comunicação entre os diferentes profissionais. Além disso, o navisworks é uma ótima ferramenta de escaneamento de arquivos, a fim de se conseguir a previsão de interferências no projeto.

b. Configuração de leitores de arquivos

apresenta as configurações que podem ser alteradas para os leitores de arquivos

Na maioria das vezes, a configuração de leitores de arquivos é atendida automaticamente no projeto. Mas, na presença de uma necessidade, podem-se alterar as configurações dos leitores de arquivos: Opitions file readers. A imagem a seguir

2.1.3. Exportadores de arquivos a. Porque exportar um arquivo?

Formatos de arquivos baseados em modelagens de 3Ds MAX ou ArchiCAD, por exemplo, não são reconhecidos por formatos nativos do Navisworks. Na instalação do navisworks, há reconhecimento das aplicações já instaladas e que são compatíveis com o formato dele para serem instalados os apropriados exportadores de arquivos para as respectivas aplicações instaladas.

Há uma opção para instalar separadamente exportadores de arquivos: NWC File Export Utility. Essa extensão elimina as barreiras de exportação para outras aplicações e facilita a colaboração, comunicação e coordenação. Para tanto, deve-se ir: painel de controle programas duplo clique em Navisworks ad or remove features para adicionar as respectivas extensões de comunicação.

b. Exportando arquivos DWC de arquivos de origem

A figura a seguir apresenta as principais configurações de um exemplo de exportação de arquivos do Revit para o navisworks. Para tanto: no Revit, aba add ins ferramentas externas navisworks/ ano.

2.2. Agregação de arquivos

Em meio às mais variadas etapas de criação de um modelo, será notado que a agregação de uma infinidade de formatos de arquivos existentes no atual mundo da construção civil é bastante viável para o ambiente de projetos.

2.2.1. Abrindo arquivos

Assim como nos demais softwares da Autodesk, o Navisworks exibe uma caixa de diálogo com a inicial em destaque para a seleção de diferentes maneiras de se abrir um arquivo.

2.2.2. Anexando arquivos

Essa função é utilizada na criação de um modelo composto, que envolve disciplinas variadas. Através dela, o arquivo aderido, é alterado (alinhado, movido, rotacionado e é alterada sua escala) conforme os padrões do “modelo mãe” que está importando.

2.2.3. Associando arquivos

A associação de arquivos permite que algumas cópias de arquivos sejam feitas, de modo a combiná-los, sem a duplicação deles. No ambiente da construção, geralmente, os arquivos NWD/ NWF são exportados para revisões das diferentes disciplinas. Desse modo, há associação de arquivos que se enquadram nas respectivas disciplinas, conforme ilustra a imagem a seguir:

Isso posto, vários modelos são associados em áreas de revisão para retornarem sob o comando do coordenador. Isso facilita a detecção de interferências e aumenta, consideravelmente, a produtividade na indústria AEC.

É importante que na associação de arquivos para as revisões de desenhos externas (etapa 2 da figura anterior), os arquivos que possuem geometria e elementos semelhantes são unidos em um só arquivo e os outros são deletados, sem comprometer as informações que circundam modelo.

Por sua natureza de colaboração, os arquivos NWs podem ser atualizados. Na guia inicial refresh. O uso de tal ferramenta é importante para a qualidade do estudo a ser feito.

2.2.4. Salvando arquivos

Nesta seção, recomenda-se que o arquivo seja salvado no formato NWF, uma vez que pode ser editado e trabalhado pela colaboração.

2.3. Habilitadores de objetos

Plataformas de modelagem como AutoCAD se baseia em linhas soltas e não possuem objetos adequados para o trabalho no navisworks. Por esse motivo, faz-se necessária a habilitação de mecanismos de reconhecimento de objetos na comunicação entre as duas aplicações anteriormente citadas, por exemplo.

2.3.1. Explorando o habilitador de objetos

O habilitador funciona como um tradutor que facilita o reconhecimento dos objetos pelo navisworks.

A figura apresentada a seguir, explora alguns habilitadores de objetos que não foram encontrados em um arquivo do Navisworks. Parra ter acesso a tal caixa de diálogo: painel hibbon scene statistics.

2.3.2. Locando e configurando o habilitador de projetos

Os habilitadores de objetos podem ser encontrados no site da autodesk. Depois de efetuado o download, é necessário fazer alguns ajustes nos leitores de arquivos, de modo ao navisworks “entender” como deve ser feita a habilitação de objetos.

Tais configurações residem em: N options file readers DWG reader alterar versão de instalação do DWG e alterar o tipo de renderização para padrão.

2.4. Exercícios 2.4.1. Entendendo formatos de arquivos. Quais são os três formatos nativos que o Navisworks utiliza? Qual é a vantagem de se utilizar o formato NWF em comparação com o NWD? 2.4.2. Abrindo e anexando arquivos. Como a ferramenta Merge complementa o processo de revisão de projeto com uma equipe de trabalho grande? 2.4.3. Configuração de habilitador de objeto. Como mostrar um objeto customizado no Navisworks.

3. NAVEGANDO PELO PROJETO

Nesta seção, são expostas algumas maneiras que facilitam a análise dos objetos no Navisworks. Como exemplo, ver-se-á que os comandos Fly (voo) e Walk (caminhar) auxiliam na visualização de possíveis interferências.

Todas as ferramentas estudadas a seguir não são complicadas de se trabalhar. Elas são, aliás, imprescindíveis para o sucesso da qualidade do projeto a ser desenvolvido.

Objetivos:

Usar o mouse para navegar no Navisworks;

Caminhar e voar no modelo;

Compreender a ViewCub e as SteeringWheels. 3.1. Usando a barra de navegação

A barra de navegação, apresentada na figura ao lado reúne as principais ferramentas de visualização dos objetos no software(Steeringwheels, Walk/ Fly, pan, zoom, orbit, look).

Para customizar a barra de navegação, clica-se na setinha inferior da barra de navegação (mostrada na figura ao lado), podem-se definir as ferramentas que serão exibidas.

3.2. Comandos PAN e ZOOM

Essas ferramentas são essenciais para a análise dos objetos no software. Podem ser acionadas individualmente para visualizações ou em combinação com outras, facilitando a ação a ser executada.

3.2.1. A ferramenta Pan

Atalho: ctrl+6. Move a câmera de visualização em quatro direções. Semelhante aos demais aplicativos da Autodesk. Por isso, ele pode ser combinado com o comando orbit, clicando no scrool central do mouse e arrastando a visualização pra onde se deseja.

3.2.2. A ferramenta Zoom

A ferramenta Zoom possui vários tipos, conforme será explanado adiante.

a. Zoom window

Atalho: ctrl+5. Essa opção permite a seleção de uma janela de visualização na qual se deseja visualizar com mais detalhe.

b. Zoom selected

É boa ferramenta para dar zoom em um objeto ou em um grupo de objetos previamente selecionados.

c. Zoom All

Utilizado para visualização de todo o modelo trabalhado. Maior abrangência de visualização.

d. Pan e Zoom em ação juntos

Em muitos casos de visualização 3D, os comandos Pan e Zoom, como á mencionado anteriormente, podem trabalhar em concomitância com outros comandos de nave- gação. A saber: orbitar e caminhar. Como no Revit, combinações de teclado com o botão central do mouse podem facilitar a visualização a ser desejada. Uma vez selecionado o comando Orbit, pode-se efetuar pan (sem retornar à seleção do comando), apenas clicando no botão central do mouse a arrastando para a posição necessária.

3.3. Comandos Walk e Fly

Tias comandos são de fundamental importância para a sensação de realismo durante a navegação em um projeto no navisworks. É importante salientar que o domínio sobre todos os comandos de navegação irá sendo aperfeiçoado gradativamente, o que requer prática de suas ferramentas.

3.3.1. Ferramenta Walk

Atalho: ctrl+2. A ferramenta Walk é utilizada para navegar no projeto como se o usuário estivesse caminhando através dele. Sua essência está em segurar e manter pressionado o botão esquerdo do mouse e direcioná-lo para onde se deseja caminhar.

Tal ferramenta inclui, ainda, algumas opções, tais quais: Tilt Angle, Glide e Walk Speed; referentes ao controle vertical em que a câmera está posicionada, ao movimento semelhante ao Pan da câmera e à velocidade de caminhamento pelo projeto.

Além dessas opções, pode-se também ativar a colisão entre o caminhamento e os objetos do projeto (ctrl+D); a gravidade (ctrl+G) para aumentar o realismo de contato com a superfície do projeto e; a terceira pessoa (ctrl+T), auxiliando nas percepções de análises do modelo 4D.

Tal ferramenta é utilizada, geralmente, em área externa das edificações. Permite visão “voo de pássaro”, facilitando animações para visualizações de colisões, terceira pessoa, associado à opção de gravidade, por exemplo.

Sua utilização consiste na seleção de seu comando (barra de navegação) e administrando seu visual com o botão esquerdo do mouse. O movimento vertical significa mudanças nas elevações. Já o movimento horizontal, significa mudanças na orientação da vista (esquerda ou direita).

3.3.3. Caminhando pelo modelo

É sabido que o comando caminhar é de fundamental importância para o domínio das análises a serem feitas no Navisworks. Com base no exposto, tem-se a seguir alguns exercícios sugeridos.

a. Abrir um arquivo NWD que contenha escadas, detalhes mecânicos e móveis; b. Habilitar colisão, gravidade e terceira pessoa; c. Caminhar ao longo do projeto (se possível, passar por locais de aberturas); d. Subir ao longo de uma escada; e. Posicionar-se sob uma bancada (conferir de a opção Crouch está desabilitada) e; f. Desabilitar terceira pessoa, colisão, gravidade e crouch para visualizar detalhe mecânico.

Com esses exemplos têm-se possível várias combinações que podem ser úteis na navegação de um projeto dentro do navisworks.

3.4. Comando orbitar e ferramentas de visualização

Ferramentas importantíssimas para revolver um objeto, bem como detalhar um ponto específico do projeto.

Tal comando possui várias opções que se seguem: a. Orbit

Visualizar revolvendo um modelo, tendo como sendo ele o objeto centralizado. b. Pivot Point

Obita em torno de um ponto específico.

3.4.2. Ferramentas de visualização a. Look Around

Examina o modelo em uma posição estacionária e permite a visualização dele através de uma direção específica.

b. Look At

(Parte 1 de 5)

Comentários