Patologias comuns no puerpério mediato

Patologias comuns no puerpério mediato

Patologias comuns no puerpério mediato

Carlos Oliveira

Fases do puerpério

O puerpério pode ser classificado em:

  • Puerpério imediato: dura aproximadamente entre 1ª hora e 2ª hora após o parto, com a saída da placenta;

  • Puerpério mediato: da 2ª hora ao 10° dia pós-parto. É nesta etapa que o útero volta ao seu tamanho normal, após a dilatação para a gravidez. 

  • Puerpério tardio: do 10º ao 45º dia pós-parto. Nesta etapa a mulher deve continuar sendo observada por cuidados médicos periódicos.

  • Ainda existe uma quarta fase, chamada de puerpério remoto, que se prolonga do 45º ao 60°dia até que a mulher consiga retornar a sua função reprodutiva.

As principais patologias no puerpério mediato

  • Tromboflebite profunda

  • Endometrite

  • Hemoragia

Tromboflebite profunda

Endometrite

É um processo inflamatório do endométrio, mucosa que reveste a parede interna do útero.

Forma mais frequente de infecção puerperal, tem relação direta com cesária e intervenções vaginais após partos prolongados e com muita manipulação intravaginal e intra-útero.

A sintomatologia da endometrite está associada a:

  • Febre acima dos 38 ºC;

  • Irritação uterina;

  • Hemorragias vaginais anormais;

  • Dismenorreia (dor durante a menstruação);

  • Corrimento vaginal com cheiro fétido,

com ou sem sangramento;

  • Inchaço ou distensão abdominal;

  • Dispareunia (dor nas relações sexuais).

Hemorragia

É a perda de 500 ml ou mais de sangue após o parto. Na maioria dos casos, o sangramento excessivo ocorre nas primeiras horas do puerpério, em geral dentro das primeiras 24 horas, embora também possa ocorrer entre a quarta e a sexta semana depois do nascimento do bebê.

A atuação da fisioterapia no puerpério

tem objetivos amplos: reeducar a função respiratória, estimular o sistema circulatório e prevenir tromboses, restabelecer a função gastrintestinal, promover analgesia da região perineal e da incisão da cesariana, retomar o condicionamento cardiovascular, reeducar a musculatura abdominal e oferecer orientações sobre posturas corretas ao amamentar e nos cuidados com o bebê. Diversos recursos existem na área como: técnicas de cinesioterapia e eletroterapia.

Referências

http://www.ebah.com.br/content/ABAAAAPToAE/complicacoes-puerperais

https://www.medipedia.pt/home/home.php?module=artigoEnc&id=788

http://tratarsaude.blogspot.com.br/2012/02/cuidados-ter-com-ferida-resultante-do.html

Comentários