Coleçao Pediatria - Urologia Pediatrica - Miguel Srougi

Coleçao Pediatria - Urologia Pediatrica - Miguel Srougi

(Parte 1 de 5)

MEDICINA li SJ Instituto da Criança

• Instituto da Cri anca

Hospital das Clínicás

Editores da colecão I

Instituto da Crianca I

Hospital das Clínicas

Ed iteres da colecão I

Benita G. Soares Schvartsman

P a u I o Ta u f i M a I u f J r.

Urologia

Amilcar Martins Giron Francisco Tibor Dénes

Miguel Sroug i

Benita G. Soares Schvartsman

Doutora em Pediatria pela FMUSP. Médica Assistente da Unidade de Nefrologia do Instituto da Criança do HC-FMUSP.

Paulo Taufi Maluf )r.

Professor Livre-Docente em Pediatria pela FMUSP. Médico Assistente da Unidade de Onco-Hematologia do Instituto da Criança do

HC-FMUSP. Responsável pelo Serviço de Pediatria do Hospital Nove de Julho, São Paulo, SP.

Urologia

Amilcar Martins Giron

Professor Livre-Docente da Divisão de Urologia do HC-FMUSP. Chefe do Setor de Urologia Perinatal.

Francisco Tibor Dénes

Professor Livre-Docente de Urologia. Chefe do Grupo de Uropediatria do HC-FMUSP.

Miguel Srougi Professor Titular de Urologia da FMUSP.

Manole

Copyright © Editora Manole Ltda., 2011, por meio de contrato com a Fundação Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HC-FMUSP).

Logotipos: Copyright © Hospital das Clínicas -FMUSP

Copyright © Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Copyright © Instituto da Criança -FMUSP

Este livro contempla as regras do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa de 1990, que entrou em vigor no Brasil.

Capa: Hélio de Almeida Projeto gráfico: Departamento Editorial da Editora Manole

Editoração eletrônica: Acqua Estúdio Gráfico Ltda. Preparação de texto: Carlos Villarruel Ilustrações: Mary Yamazaki Yorado

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação ( CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil)

Urologia I [coordenadores] Amilcar Martins Giron, Francisco Tibor Dénes, Miguel Srougi. -Barueri, SP: Manole, 2011. -(Coleção pediatria.

Instituto da Criança HC-FMUSP/editores da coleção Benita G. Soares Schvartsman, Paulo Taufi Maluf Jr.)

Vários autores.

Bibliografia. ISBN 978-85-204-3006-4

1. Urologia pediátrica I. Giron, Amilcar Martins. I. Dénes, Francisco Tibor.

I. Srougi, Miguel. IV. Schvartsman, Benita G. Soares. V. Maluf Junior, Paulo Taufi. VI. Série.

CDD-618.926 10-05881 NLM-WS 320

Índices para catálogo sistemático: 1. Urologia: Pediatria: Medicina 618.926

Todos os direitos reservados.

Nenhuma parte deste livro poderá ser reproduzida, por qualquer processo, sem a permissão expressa dos editores. É proibida a reprodução por xerox.

A Editora Manole é filiada à ABDR-Associação Brasileira de Direitos Reprográficos.

P edição -20 1

Direitos adquiridos pela:

Editora Manole Ltda. Avenida Ceci, 672-Tamboré

06460-120 -Barueri -SP -Brasil Tel.: (1) 4196-6000-Fax: (1) 4196-6021 w.manole.com.br info@manole com. br

Impresso no Brasil Printed in Brazil

Autores

Amilcar Martins Giron Professor Livre-Docente da Divisão de Urologia do HC-FMUSP. Chefe do Setor de Uro- logia Perinatal.

Andreia Watanabe

Médica Assistente da Unidade de Nefrologia Pediátrica do Instituto da Criança do HCFMUSP. Mestre em Ciências pelo Departamento de Pediatria da FMUSP.

Benita Galassi Soares Schvartsman

Doutora em Pediatria pela FMUSP. Médica Assistente da Unidade de Nefrologia do Instituto da Criança do HC-FMUSP.

Carlo Camargo Passerotti

Pós-Doutorado na Harvard Medicai School. Assistente Doutor da Divisão de Urologia do HC-FMUSP. Grupo de Urologia Neonatal.

Carlos Alberto Buchpiguel

Professor Associado Livre-Docente do Departamento de Radiologia da FMUSP. Diretor do

Centro de Medicina Nuclear do Instituto de Radiologia do HC-FMUSP. Médico Assessor do Grupo Fleury e do Hospital Alemão Oswaldo Cruz.

Cristiano Mendes Gomes

Doutor em Urologia pela FMUSP. Urologista do Setor de Disfunções Miccionais da Divisão de Urologia do HC-FMUSP. Fellow in Urology-University of Pennsylvania.

VI Urologia

"' Eder Maxwell Gouveia Acadêmico de Medicina da FMUSP.

Edison Daniel Schneider-Monteiro

Urologista e Doutor pela FMUSP. Ex-fellow da Clínica Urológica da Johannes Gutenberg Universitat-Mainz, Alemanha.

Elaine Costa

Professora Livre-Docente da FMUSP. Médica Assistente do Serviço de Endocrinologia do HC-FMUSP.

Erika Arai Furusawa Médica Assistente da Unidade de Nefrologia do Instituto da Criança. Doutora em Ciên- cias pela FMUSP.

Fabrício Leite de Carvalho Pós-graduando em Urologia pela FMUSP.

Flavio Eduardo Trigo Rocha Professor Livre-Docente de Urologia da FMUSP.

Francisco Tibor Dénes Professor Livre-Docente de Urologia. Chefe do Grupo de Uropediatria do HC-FMUSP.

Frederico Arnaldo de Queiroz e Silva Professor Associado da Disciplina de Urologia da FMUSP.

Gustavo Beojone Messi Médico Urologista. Residência Médica em Cirurgia Geral e Urologia pelo HC-FMUSP.

loannis Michel Antonopoulos

Doutor em Urologia pela FMUSP. Chefe da Equipe Cirúrgica da Unidade de Transplante Renal do HC-FMUSP.

Jean Felipe Prodocimo Lestingi Médico Residente da Divisão de Urologia do HC-FMUSP.

Lilian Maria Cristofani Professora Livre-Docente pelo Departamento de Pediatria da FMUSP.

Autores VIl

Lisa Suzuki Médica Radiologista do Instituto da Criança do H C-FMUSP. Doutora pela FMUSP.

Luiz Antonio Nunes de Oliveira

Médico Chefe do Serviço de Diagnóstico por Imagem do Instituto da Criança da FMUSP. Especialista em Diagnóstico por Imagem pelo Colégio Brasileiro de Radiologia.

Marcos Giannetti Machado

Médico Assistente Doutor do Setor de Urologia Pediátrica da Divisão de Urologia do HC-FMUSP.

Miguel Srougi Professor Titular de Urologia da FMUSP.

Renato Falei Júnior Urologista Assistente Doutor da Unidade de Transplante Renal da Divisão de Clínica

Urológica do HC-FMUSP.

Ricardo jordão Duarte

Assistente Doutor da Clínica Urológica do HC-FMUSP. Chefe do Centro de Ensino e Pesquisa em Cirurgia ( CEPEC) Vicky Safra. Chefe do Grupo de Laparoscopia. Membro do Grupo de Urologia Pediátrica.

Ronaldo Hueb Baroni

Assistente Doutor do Instituto de Radiologia do HC-FMUSP. Radiologista do Hospital Israelita Albert Einstein.

Simone Nascimento Fagundes Mestre em Ciências com concentraçao na Área de Pediatria pela FMUSP.

William Carlos Nahas Professor Titular de Urologia da FMUSP.

PrefácioXIII
IntroduçãoXV

Sumário

1 Funçao renal do recém-nascido e da criança3

Seção I -Avaliação funcional e morfológica Andreia Watanabe

2 Avaliação da função renal com radioisótopos12

Carlos Alberto Buchpiguel

3 Diagnóstico por imagem das doenças urológicas e genitais23

Luiz Antonio Nunes de Oliveira

Lisa Suzuki Ronaldo Hueb Baroni

4 Avaliação urodinâmica na criança58

Cristiano Mendes Gomes Fabrício Leite de Carvalho

5 Hidronefrose perinatal7 5

Seção 1 -Anomalias congênitas Amilcar Martins Giron

6 Anomalias do desenvolvimento renal91

X Urologia Frederico Arnaldo de Queiroz e Silva

7 Anomalias ureter ais113

Eder Maxwell Gouveia

Carlo Camargo Passerotti

8 Refluxo vesicoureteral126

Francisco Tibor Dénes

9 Extrofia de bexiga, cloaca e epispádia139

Amilcar Martins Giron

1 O Válvula de uretra posterior156

Francisco Tibor Dénes Marcos Giannetti Machado

1 1 Hipospadia: conceitos, classificaçao e tratamento173

Amilcar Martins Giron

1 2 Síndrome de prune belly187

Francisco Tibor Dénes

Seção 1 -Genitália externa

1 3 Distúrbios do desenvolvimento sexual201

Francisco Tibor Dénes

Elaine Costa Frederico Arnaldo de Queiroz e Silva

1 4 Anomalias da genitália externa215

Carlo Camargo Passerotti

1 5 Infecção do trato urinário223

Seção IV-Infecções Benita Galassi Soares Schvartsman

1 6 Infecção urinária por fungos e vírus248

Erika Arai Furusawa

Sumário XI Seção V-Disfunções vesicais

na infância263

1 7 Disfunções miccionais não neurogênicas e distúrbios de eliminaçao

Flavio Eduardo Trigo Rocha Cristiano Mendes Gomes

1 8 Enurese noturna276

Simone Nascimento Fagundes

1 9 Bexiga neurogênica na criança286

Cristiano Mendes Gomes Jean Felipe Prodocimo Lestingi

20 Criptorquidia, hidrocele e varicocele305

Seção VI -Doenças testiculares Edison Daniel Schneider-Monteiro

2 1 O r quites e torça o testicular316

Edison Daniel Schneider-Monteiro

2 2 Li tíase urinária em crianças3 2 5

Seção VIl-Litíase urinária Ricardo jordão Duarte

Lilian Maria Cristofani

2 3 Tratamento intervencionista da litíase urinária na infância336

Ricardo jordão Duarte

Francisco Tibor Dénes

Seção VIII -Neoplasias

2 4 Tumores renais na infância3 51

Ricardo jordão Duarte

Lilian Maria Cristofani

25 Neoplasias testiculares366

Miguel Srougi

2 6 Rabdomiossarcomas384

XII Urologia

Lilian Maria Cristofani Ricardo jordão Duarte

2 7 Trauma do trato geniturinário393

Seção IX -Outros

Amilcar Martins Giron Gustavo Beojone Messi

2 8 Trombose de artérias e veias renais409

loannis Michel Antonopoulos

2 9 Transplante renal416

Renato Falei Júnior William Carlos Nahas

~ Indice remissivo ....................................................................................................... 43 7

Prefácio

Sinto-me honrado em prefaciar este precioso livro-Urologia-, que o Instituto da Criança do HC-FMUSP está lançando agora. Minha satisfaçao é tripla. Primeiro, pela convivência estreita e produtiva que tenho mantido, por décadas, com os coordenadores do livro -professores Amilcar Martins Giron, Francisco Tibor Dénes e

Miguel Srougi-da Disciplina de Urologia do Departamento de Cirurgia da FMUSP.

Como pediatra e nefrologista pediátrico, trocamos, ao longo desses anos, conheci- mentos e experiências técnico-científicas, na busca contínua da interdisciplinaridade. Aprendi a admirá-los por sua competência, seu compromisso institucional e seus valores humanos. Segundo, porque estes professores sao os continuadores de uma longa tradiçao de uma escola de urologia da FMUSP e do H C-FMUSP, pro- curando sempre projetar a urologia, nacional e internacionalmente, no campo da assistência, do ensino e da pesquisa. E, terceiro, porque este livro que prefacio é a traduçao palpável de um volume enorme de conhecimentos sistematizados e críti- cos, auferidos pela experiência de cada um e de toda a disciplina e cotejados com os conhecimentos urológicos de grandes centros nacionais e internacionais.

Essa experiência sistematizada e crítica está presente nas 9 seções e nos 29 capítulos do livro.

Ele se destina a estudantes de graduaçao, residentes de urologia e pediatria e também aos urologistas e nefrologistas. Você, meu caro leitor, vai se surpreender, favoravelmente.

Prof. Dr. Yassuhiko Okay

Professor Emérito da FMUSP Vice-Diretor Geral da Fundaçao Faculdade de Medicina

Introdução

A Urologia Pediátrica é uma subespecialidade da Urologia que tem apresenta- do um rápido progresso na década de 2000. Na área da pesquisa clínica, avançou na procura de marcadores biológicos

(proteômicos) na urina, importantes no diagnóstico e no monitoramento e preditores de eventuais respostas terapêuticas. Os marcadores têm sido pesquisados nas uropatias obstrutivas, no refluxo vesicoureteral, no transplante renal e entre outras doenças. Na pesquisa, houve um avanço substancial nas características genéticas e moleculares do tumor de Wilms e no tratamento de disfunções vesicoesfincterianas com toxina botulínica. Além da pesquisa, progressos evidentes acontecem com técnicas cirúrgicas contemporâneas na reconstruçao de hipospadia, extrofia vesical e incontinência urinária. A Endourologia, com o uso de instrumentos delicados, também permite tratamentos precoces em recém-nascidos com válvula de uretra posterior, uretero- cele e refluxo vesicoureteral. Os procedimentos por vídeo, tanto os laparoscópicos como os de cirurgia robótica também têm sido de grande aplicabilidade na Urolo-

gia Pediátrica. Este livro foi planejado para descrever as principais doenças, o conhecimento da fisiopatogia e as orientações terapêuticas atualizadas, de maneira clara e objetiva, permitindo que o pediatra, o nefrologista, o urologista pediátrico e o cirurgiao infantil utilizem-no como um verdadeiro guia terapêutico.

Amilcar Martins Giron

Francisco Tibor Dénes Miguel Srougi

Seção I Avaliação funcional e morfológica

Função renal do recém-nascido e da criança

Andreia Watanabe

Após ler este capítulo, você estará apto a:

1. Descrever os determinantes da função renal.

2. Reconhecer o processo de desenvolvimento e maturação da função renal no recém-nascido e na criança.

O rim é um órgao essencial para preservar a homeostase do organismo no ser humano. Por meio dos processos de filtraçao, reabsorçao e secreçao, ele é responsável pela eliminaçao de resíduos do metabolismo, como ureia, creatinina e ácido

úrico, e de drogas exógenas, colaborando significativamente para a manutençao dos equilíbrios hidreletrolítico e ácido-básico do organismo e da regulaçao da pressao arterial sistêmica 1 •

Além disso, o tecido renal também é capaz de realizar síntese de hormônios, co- mo eritropoetina, renina e hidroxilaçao final da vitamina D1 •

O desenvolvimento do tecido renal e suas funções se dao ao longo da 6ª a 36ª semanas de gestaçao2• Após o nascimento, as funções de filtraçao e reabsorçao aumentam rapidamente nas primeiras semanas de vida, atingindo sua funçao plena ao redor de 24 meses de idade3 •

4 Urologia

O glomérulo é responsável pelo processo de filtraçao, pois permite a saída de escórias potencialmente tóxicas ao organismo; entretanto, preserva as proteínas e os aminoácidos necessários para a homeostase. O processo de filtraçao é o primeiro passo para a formaçao da urina1 •

Estrutura do Glomérulo

A parede do capilar glomerular é uma membrana semipermeável, caracteriza- da pela capacidade de filtrar água e solutos e de reter proteínas plasmáticas. Essa membrana é constituída por três camadas. A camada mais interna, o endotélio, é uma superfície fenestrada recoberta por cargas negativas. Ao redor do endotélio está a membrana basal, que é constituída por glicoproteínas de carga negativa e é a principal barreira da membrana filtrante. Finalmente, o epitélio visceral é composto pelos podócitos que, por meio de seus prolongamentos denominados pedicelos, esta o aderidos à membrana basal glomerular1 (Figura 1.1).

A porçao central do tufo glomerular é composta pelas células mesangiais, cuja contratilidade pode alterar a área de superfície filtrante dos capilares glomerulares.

As células mesangiais também sao capazes de fagocitar as macromoléculas que atra- vessam a membrana basal glomerular3 •

eferente Túbulo distai glomerular

Epitélio Membrana basal

Endotélio Arteríola aferente

Membrana basal

Figura 1.1 Estrutura básica do glomérulo, da parede do ca- pilar glomerular e do aparelho justaglomerular1 •

Função renal do recém-nascido e da criança 5

Determinantes da Filtração Glomerular

O ritmo de filtraçao glomerular (RFG) é determinado pelo coeficiente de ultrafiltraçao, que é o produto da permeabilidade do capilar glomerular vezes a sua área de superfície total, e pela pressao efetiva de ultrafiltraçao4 (Figura 1.2).

Figura 1.2 Representação do processo de filtração glomerular.

O RFG é determinado pelo fluxo plasmático renal que entra no glomérulo através da arteríola aferente, pela pressão hidráulica no capilar glomerular (PCG) menos a pressão hidráulica no tú- bulo proximal (PHT), somada à pressão oncótica no túbulo proximal (PoncT) menos a pressão oncótica no capilar glomerular (PoncCG). O coeficiente de ultrafiltração (Kf) é determinado por propriedades que determinam a permeabilidade da membrana capilar5 .

aferente

Fluxo plasmático renal eferente

Ultrafiltração

A pressao efetiva de ultrafiltraçao representa a soma das forças hidrostáticas e coloidosmóticas através do capilar glomerular. A pressao hidrostática no capilar glomerular (PCG) e a pressa o coloidosmótica das proteínas do conteúdo tubular

proximal (PoncT) sao forças favoráveis à ultrafiltraçao, enquanto a pressao hidrostática no túbulo proximal (PHT), exercida na cápsula de Bowman, e a pressao co- loidosmótica das proteínas plasmáticas do capilar glomerular (PoncCG) sao forças contrárias à ultrafiltraçao. Em condições fisiológicas, o processo de filtraçao é de- pendente da pressao arterial do capilar glomerular, do fluxo sanguíneo renal (FSR) e do ritmo de fluxo plasmático glomerular. Apressao transcapilar glomerular tam- bém é regulada pelo equilíbrio da resistência arteriolar aferente e eferente6 •

Substâncias como angiotensina I, prostaglandinas, peptídeo atrial natriuréti- co, endotelina, óxido nítrico, bradicinina e adenosina e a inervaçao simpática regulam o RFG por meio da influência no tônus aferente e eferente e da contratilidade de células mesangiais3 •

(Parte 1 de 5)

Comentários