(Parte 1 de 2)

Criado e Desenvolvido por:

Todos os direitos são reservados ©2013. w.tioronni.com.br

No Brasil, estima-se que cerca de 200 mil mortes/ano são decorrentes do tabagismo. O cigarro contem 4.700 substâncias tóxicas e é responsável por 95% dos casos de câncer de boca, 90% das inflamações de mama, 80% da incidência de câncer no pulmão, por 97% dos casos de câncer da laringe, 50% dos casos de câncer de pele, 45% das mortes por doença coronariana (infarto do miocárdio) e 25% das mortes por doença cérebro-vascular (derrames cerebrais).

O uso do tabaco surgiu aproximadamente no ano 1000 a.C., nas sociedades indígenas da América Central, em rituais mágicos-religiosos. A planta, cientificamente chamada Nicotiana Tabacum, chegou ao Brasil provavelmente pela migração de tribos tupis-guaranis. Quando os portugueses aqui desembarcaram, tomaram conhecimento do tabaco pelo contato com os índios. A partir do século XVI, o seu uso disseminou-se pela Europa, introduzido por Jean Nicot, diplomata francês vindo de Portugal, após ter-lhe cicatrizado uma úlcera de perna, até então incurável.

O tabagismo é o ato de se consumir cigarros ou outros produtos que contenham tabaco, cuja droga ou princípio ativo é a nicotina. A Organização Mundial da Saúde (OMS) afirma que o tabagismo deve ser considerado uma pandemia, ou seja, uma epidemia generalizada, e como tal precisa ser combatido.

FONTE: http://www.fiocruz.br

Um estudo conduzido pela Universidade da Califórnia (UCSF), em São Francisco, mostra que a exposição a imagens de tabagismo em filmes apresenta uma forte relação com o início do hábito de fumar entre jovens adultos na faixa dos 18 a 25 anos. A faixa etária é considerada decisiva para a decisão de se tornar um novo fumante; largar o hábito de fumar ou de se prosseguir como fumante regular.

FONTE: http://oglobo.globo.com

A vida de uma pessoa que fuma 15 cigarros por dia é reduzida, em média, 5 anos e a que fuma 20 cigarros/dia tem probabilidade 20 vezes maior de desenvolver câncer de pulmão do que uma pessoa que não fuma .O fumo é responsável por: 30% das mortes por câncer, 90% das mortes por câncer de pulmão, 97% do câncer de laringe, 25% das mortes por doenças cardíacas, 85% das mortes por bronquite e enfisema, 25% das mortes por derrame e por 50% dos casos de câncer de pele. O fumo durante a gravidez pode levar a um aumento do risco de aborto, de nascimentos prematuros, de morte de fetos, risco de distúrbios do comportamento entre meninos e a um aumento da propensão à dependência de drogas entre as meninas. Causa impotência sexual, principalmente quando associado a stress, hipertensão, diabetes e doenças cardíacas. Agravamento de doenças como hipertensão, diabetes, colesterol elevado, doenças cardíacas e pulmonares. Mau hálito, impregnação de roupas, cabelos, objetos e ambiente doméstico, ansiedade, irritabilidade, acarretando uma má aceitação social. Redução entre 20 e 25% do salário do trabalhador.

Aspecto de uma parte de pulmão pertencente a um adulto não fumante. As pequenas manchas escuras foram causadas pela poluição de São Paulo.

Aspecto de uma parte de pulmão pertencente a um adulto fumante há mais de 20 anos.

Bryan (como era antes) com o seu filho no colo.

Sua esposa, filho e Bryan nos últimos minutos de sua vida.

pelo mundo[...][...]O que choca na imagem é a certeza de que não se trata de modelos maquiados num

Enquanto agonizava, em 3 de junho, sua mãe ligou para o St. Petersburg Times, jornal da cidade de St. Petersburg, na Flórida, pedindo a presença de um fotógrafo. As 11h56, Bryan morreu em casa, ao lado da mãe, da mulher, Bobbie, e do filho Bryan Jr. de 2 anos. Em poucos dias, o retrato de sua morte espalhou-se estúdio. Bryan estava morrendo e o cigarro - ele começou a fumar aos 13 anos, consumia dois maços por dia e só parou às vésperas da morte, quando lhe faltou força para aspirar a fumaça - foi realmente o principal responsável pela doença.

FONTE: http://medjunior.vilabol.uol.com.br

A fumaça do cigarro é uma mistura de aproximadamente 4.720 substâncias tóxicas diferentes; que se constitui de duas fases fundamentais: a fase particulada e a fase gasosa. Na fase gasosa é composta, entre outros por monóxido de carbono, amônia, cetonas, formaldeído, acetaldeído, acroleína. A fase particulada contém nicotina e alcatrão. Essas substâncias tóxicas atuam sobre os mais diversos sistemas e órgãos, contém mais de 60 cancerígenos, sendo as principais citadas abaixo:

* Nicotina - é a causadora do vício e cancerígena; * Benzopireno - substância que facilita a combustão existente no papel que envolve o fumo;

* Substâncias Radioativas - polônio 210 e carbono 14;

* Agrotóxicos - DDT;

* Solvente - benzeno;

* Metais Pesados - chumbo e o cádmio (um cigarro contém de 1 a 2 mg,

* Concentrando-se no fígado, rins e pulmões, tendo meia-vida de 10 a 30 anos,

* O que leva a perda de capacidade ventilatória dos pulmões, além de causar dispnéia, enfisema, fibrose pulmonar, hipertensão, câncer nos pulmões, próstata, rins e estômago);

Níquel e Arsênico - armazenam-se no fígado e rins, coração, pulmões, ossos e dentes resultando em gangrena dos pés, causando danos ao miocárdio etc.

FONTE: http://www.colegiosaofrancisco.com.br

Nem pensar, FUMAR DURANTE A GRAVIDEZ traz sérios riscos para a gestante como também aumenta o risco de mortalidade fetal e infantil, estes riscos se devem, principalmente, aos efeitos do monóxido de carbono e da nicotina exercidos sobre o feto, após a absorção pelo organismo materno. Estes riscos são:

· Abortos espontâneos; · Nascimentos prematuros;

· Bebês de baixo peso;

· Mortes fetais e de recém-nascidos;

· Gravidez tubária;

· Deslocamento prematuro da placenta;

· Placenta prévia e

· Episódios de sangramento.

O que é fumo passivo?

O fumo passivo produz dois tipos de fumaça letal: a secundária e a principal. Dois tipos de fumaça saem de um cigarro e entram no ambiente: a secundária e a principal. O fumo passivo tem uma grande variedade de nomes, como fumaça ambiental de cigarros (FAC), fumo indireto e fumo involuntário. O fumo passivo pode ser secundário (fumaça da ponta de um cigarro aceso) ou principal (fumaça expirada por um fumante).

Quando os médicos se referem ao fumo passivo, de maneira geral estão descrevendo a fumaça secundária, ou do ambiente. Quando um fumante acende um cigarro, aproximadamente 80% da fumaça se espalha pelo ambiente e somente 20% é inalada. A fumaça secundária, então, é mais perigosa do que a principal.

É praticamente impossível chegar a uma conta exata das substâncias presentes no fumo passivo, pois existem muitas variedades de fumo e muitas formas de se fumar. As principais influências no conteúdo do fumo passivo são:

• O tipo de fumo; • As substâncias químicas adicionadas ao fumo;

• O papel onde o fumo é enrolado;

• A forma como é fumado.

A fumaça que sai da ponta acesa do cigarro contém todos os componentes tóxicos que o fumante inala, porém em concentrações maiores: 3 vezes mais nicotina, 3 vezes mais monóxido de carbono, 50 vezes mais substâncias cancerígenas. Os poluentes do cigarro, dispersam-se homogeneamente pelo ambiente, fazendo com que os não fumantes próximos, ou distantes dos fumantes, inalem a mesma concentração de substâncias tóxicas.

Cada vez mais autoridades governamentais estabelecem regulamentos que protegem o nãofumante. Além disso, houve um aumento da conscientização dos indivíduos sobre o ar que eles respiram, não só em casa, como nos ambientes de trabalho e locais públicos. Tendo em vista que as pessoas passam 80% de seu tempo em ambientes fechados, o cigarro é considerado, pela Organização Mundial da Saúde, como maior agente de poluição doméstica ambiental.

Os fumantes passivos sofrem os efeitos imediatos da poluição ambiental, tais como irritação nos olhos, manifestações nasais, tosse, cefaléia (dor de cabeça), aumento de seus problemas alérgicos, principalmente das vias respiratórias, e aumento de problemas cardíacos, principalmente elevação da pressão arterial e angina (dor no peito). Outros efeitos a médio e longo prazos são a redução da capacidade funcional respiratória (o quanto o pulmão é capaz de exercer a sua função), aumento do risco de ter aterosclerose e aumento do número de infecções respiratórias em crianças. Além disso, os fumantes passivos morrem duas vezes mais por câncer de pulmão do que as pessoas não submetidas à poluição tabagística ambiental.

Irritação nos olhosRedução da capacidade respiratória
Manifestações nasaisInfecções respiratórias
Tosse e cefaléiaAumento do risco de aterosclerose
Aumento dos problemas alérgicos e cardíacosInfarto do miocárdio

Efeitos a curto prazo Efeitos a médio e longo prazo ------ Câncer

O QUE DIZ A LEI N.º 9.294 DE 15 DE JULHO DE 1996:

É proibido o uso de cigarros, cigarrilhas, charutos, cachimbos ou de qualquer outro produto fumígero, derivado ou não do tabaco, em recinto coletivo, privado ou público, salvo em área destinada exclusivamente a esse fim, devidamente isolada e com arejamento conveniente.

Tabagismo foi descrito como uma desordem mental e de comportamento em razão da dependência à nicotina.

· Nove mortes por hora. · 80 mil por ano.

· 90% dos casos de câncer de pulmão.

· 80% dos enfisemas pulmonares.

· 25% dos infartos de miocárdio.

· 40% dos derrames cerebrais.

· 10 milhões de pessoas vão morrer nos próximos 30 anos, nas Américas.

· Quatro milhões morrem por ano.

Entre os danos ao meio ambiente causados pelo fumo está o desmatamento, que tem duas finalidades: limpar a terra para o plantio e produzir lenha para os fornos que curam (secam) as folhas do tabaco. No plantio e cultivo são empregados fertilizantes químicos, agrotóxicos e desbrotantes em grandes quantidades, para esterilizar o solo e exterminar as pragas. Estes causam doenças no agricultor e em sua família, contaminam o solo e as águas e, conseqüentemente, levam à contaminação e morte de animais. Os resíduos destes produtos permanecem nas folhas do tabaco e são encontrados até no produto final (cigarro, cachimbo, charuto, rapé, etc.), causando, também, malefícios aos fumantes e aos não-fumantes expostos à fumaça resultante da queima do tabaco. Um outro problema do plantio é a depleção dos nutrientes do solo, que é mais intensa no caso do tabaco do que em outras culturas. Isso leva à necessidade de uso de grandes quantidades de fertilizantes químicos. Para a produção do cigarro, a lenha é usada na cura (secagem) da folha. Neste processo, queimam-se muitas árvores, na produção de uma árvore para cada 300 cigarros produzidos. Além disso, árvores também são queimadas para a fabricação do papel utilizado na manufatura do cigarro. Em 1994, foram produzidos 163,95 bilhões de cigarros no Brasil, o que representou 546 milhões de árvores queimadas. Mesmo que as zonas desmatadas sejam reflorestadas, não serão refeitas as condições naturais quanto à flora e à fauna da mata nativa. Aproximadamente 15 a 25% dos incêndios, em todo o mundo, são causados por pontas de cigarros jogadas inadvertidamente.

FONTE: http://medjunior.vilabol.uol.com.br

DOENÇAS RELACIONADAS O tabagismo é diretamente responsável por:

• 30% das mortes por câncer; • 90% das mortes por câncer de pulmão;

• 25% das mortes por doença coronariana;

• 85% das mortes por doença pulmonar obstrutiva crônica;

• 25% das mortes por doença cerebrovascular.

Outras doenças que também estão relacionadas ao uso do cigarro são:

• Aneurismas arteriais; • Trombose vascular;

• Úlcera do trato digestivo;

• Infecções respiratórias;

• Impotência sexual no homem.

arrecadação de impostos Falta ao trabalho - - - - - - Gastos com doenças

- - - - - - Perda de produtividade

- - - - - - Aposentadoria precoce

- - - - - - Danos ao meio ambiente

GANHOS x PERDAS

O Brasil é, desde 1993, o primeiro maior exportador e o quarto produtor de tabaco do mundo, atrás da China, EUA, e Índia. O recolhimento de impostos que incidem sobre o cigarro é muito significativo para a economia do país, mas os prejuízos decorrentes do tabagismo superam qualquer questionamento puramente econômico.

Nosso país taxa, atualmente, o maço de cigarro em 74%, enquanto países do Primeiro Mundo, como a Dinamarca, o taxam em 83%. Além disso, o cigarro brasileiro é um dos mais baratos do mundo (US$1,07) contra, por exemplo, US$ 5,40 na Dinamarca, estimulando o seu consumo.

TABAGISMO x RENDA FAMILIAR

Pesquisa realizada em 10 capitais brasileiras em 1988, mostrou que o consumo de cigarros tendia a ser menor nas classes de maior rendimento familiar per capita, e maior nas de menor rendimento. Essa diferença se deve, em grande parte, a maior desinformação das classes sociais economicamente mais pobres, da mesma forma que ocorre em outros países.

É importante notar que, entre a população de menor renda, uma grande parcela dos rendimentos é gasta com cigarros, em detrimento de outros itens prioritários, como, por exemplo, a alimentação. Este consumo maior, somado a outras condições às quais este grupo está submetido, como desnutrição, doenças infecciosas e do trabalho, leva a um adoecimento mais freqüente. Convém considerar que os ambientes confinados das pequenas moradias favorece, em muito, a inalação passiva das substâncias tóxicas por crianças, gestantes e pessoas doentes.

1- O CIGARRO começa por agredir a boca, garganta e estômago. Prejudica vias respiratórias, rins, pulmões e aparelho circulatório. 2- A NICOTINA aumenta a pressão arterial, leva a dependência, diminui o apetite. 3- O ALCATRÃO prejudica o coração e a circulação, causa câncer de pulmão, enfisema e bronquite. 4- A FUMAÇA favorece a deposição de colesterol nas artérias (arteriosclerose). 5- O FILTRO, embora reduza o alcatrão e nicotina, não torna o cigarro seguro, pois a fumaça continua a ser inalada. 6- As marcas com baixo teor de alcatrão e nicotina, para satisfazer ao fumante acabam tendo AROMATIZANTES que são cancerígenos adicionados à fórmula. 7- Melhora da potência sexual, fertilidade e cicatrização. 8- Não se limita aos próprios fumantes (ativos), mas estende-se a quem está em volta (fumantes passivos), que também inalam as substâncias tóxicas.

8 BOM MOTIVOS

Hoje, já existem no mercado diversos métodos para acabar com o vício do cigarro, basta querer e ter força de vontade.Citaremos alguns destes métodos:

· Goma de mascar com nicotina – são pastilhas que liberam pequenas doses de nicotina diminuindo os sintomas da abstinência.

· Skin Paches – são pequenos adesivos que colados à pele, liberam mais nicotina do que a goma de mascar.

· Inalante – o inalante tem a mesma forma do cigarro, o que leva o indivíduo a achar que está fumando, pois imita o gesto mão-para-boca do fumante só que com 1/3 da nicotina do cigarro.

· Zyban – este é um método sem nicotina, trata-se de uma droga antidepressiva que auxilia nas crises de abstinência.

Todos estes métodos devem ser receitado e terem acompanhamento médico.

1 - Não basta querer parar de fumar. Você precisa assumir esse compromisso com você mesmo. 2 - Tenha pensamentos positivos. Não imagine nem repita que será difícil abandonar esse hábito. Concentre-se no que você ganhará com isso e coloque a sua energia nessa direção. 3 - Não se esqueça de levar em conta os benefícios psicológicos decorrentes da sua força de vontade e da sua constância. Se você pode abandonar o cigarro, pode fazer muitas outras coisas. 4 - Marque uma data para parar de fumar. Tente associar essa data com alguma outra em que você já tenha tido algum sucesso de que se orgulhe.

(Parte 1 de 2)

Comentários