SOLUÇÕES

SOLUÇÕES

Lisânia Maryele da Silva Lima

CUITÉ – PB 2017

Relatório apresentado à disciplina Química Experimental, solicitado pelo Professor Dr. Paulo Sérgio.

CUITÉ – PB 2017

1. OBJETIVOS---------------------------------------------------------- 4

1. OBJETIVOS

2. INTRODUÇÃO

Solução é qualquer mistura homogênea de duas ou mais substâncias. Os compostos de uma solução são chamados de soluto e solventes. O soluto é a substância dissolvida no solvente. Em geral, está em menor quantidade na solução; já o solvente é a substância que dissolve o soluto.

As soluções mais importantes para os seres vivos são aquelas em que o solvente é a água, também conhecida como solvente universal, denominadas aquosas. O tecido fluído dos tecidos, o plasma sanguíneo e a água que bebemos são exemplos de soluções aquosas.

A solubilidade é a propriedade que as substâncias têm de se dissolverem num solvente. Varia de soluto para soluto, com o tipo de solvente e é diretamente influenciada pela temperatura. A quantidade máxima de soluto dissolvida numa dada quantidade de solvente, a uma determinada temperatura, é denominada coeficiente de solubilidade.

Soluções moleculares são soluções formadas por compostos moleculares e não conduz corrente elétrica, sendo classificados como soluções não eletrolíticas. Exemplo: ar atmosférico, açúcar em água. Soluções iônicas formadas por solutos que possuem cargas (íons, compostos cristalinos), são capazes de conduzir corrente elétrica, formando soluções eletrolíticas. Exemplos: ácidos; bases; sais.

Observação: Apesar de os ácidos serem compostos moleculares, ionizam-se (reação química), em meio aquoso, formando íons. As soluções assim formadas são classificadas como iônicas. Coeficiente de solubilidade (C.S) indica a quantidade máxima de uma substância que, em determinadas condições de temperatura e pressão, pode dissolver-se em quantidade fixa de solvente. Exemplo: 7,2 g de KClO3/100g de H2O/20°C.

Leitura do coeficiente: 7,2 g de clorato de potássio (KClO3). O coeficiente de solubilidade permite outra classificação das soluções. Saturadas contém a quantidade de soluto dissolvido em uma determinada quantidade de solvente, considerando-se constante a temperatura e a pressão (exatamente igual ao coeficiente de solubilidade). Insaturadas soluções nas quais a quantidade de soluto dissolvida é melhor que a quantidade máxima que o solvente consegue dissolver, considerando-se constante a temperatura e a pressão (menor que o coeficiente de solubilidade).

Supersaturadas são soluções nas quais a quantidade de soluto dissolvido supera o coeficiente de solubilidade (na mesma temperatura). Tais soluções são altamente instáveis a qualquer perturbação ou adição de um germe de cristalização provoca a precipitação da quantidade de soluto que está em excesso ( em relação à solução saturada) tornando-se uma solução saturada com corpo de fundo.

São utilizados diariamente como produtos essenciais. Exemplos: bebidas, cosméticos, remédios, detergente, etc. que se apresentam sobe a forma de solução ou de dispersões coloidais.

Dispersão coloidal e coloide: alguns exemplos são a maionese e a gelatina. Suas partículas não são visualizadas a olho nu, por isso muitas vezes são confundidas com misturas homogêneas, mas são na realidade heterogêneas, como se pode ver com o uso de microscópios. Suas partículas não se sedimentam com a ação da gravidade, mas apenas com ultra centrífugas. Existem vários tipos de dispersões coloidais, que são: Sol, sólidos, gel, emulsão, espuma e aerossol. Separar esse tipo de dispersão não é possível com filtração, mas sim com uma membrana semipermeável. Suas partículas refletem a dispersão a luz.

3. PARTE EXPERIMENTAL 3.1 MATERIAIS E MÉTODOS

Balão volumétrico de 250 ml; Pêra de Hule;

Capela;

Copo de Béquer de 250 ml;

Bastão de vidro;

Pisseta com água destilada;

Proveta de 25 ml;

Pipeta volumétrica de 50 ml;

Pipeta graduada de 10 ml;

Hidróxido de sódio;

Ácido clorídrico;

Papel indicador universal.

3.2 PROCEDIMENTOS EXPERIMENTAIS

PARTE 1: Preparação de solução de NaOH. Cada grupo receberá do professor uma solução a preparar. Soluto: NaOH. Volume da solução: 100 ml. Concentração: 1,0 M; 0,5 M; 0,25 M; 0,1 M; 1X10-3 M.

Sabido o volume de solução a preparar e sua concentração, calcular a massa de soluto necessária. Ver as indicações contidas no rótulo do mesmo, como: densidade, pureza, mol..., a partir dos quais se efetuam os referidos cálculos.

Pesar a massa calculada:

Em um copo de béquer dissolver inicialmente o soluto em alguns mililitros de água. Após, transferir este conteúdo para o balão volumétrico. Enxaguar o copo de béquer com a água destilada várias vezes e transferir novamente o conteúdo para o balão. Agitar para homogeneizar a solução. Completar o volume do balão, seguindo as técnicas de leitura. Acondicionar a solução obtida.

PARTE 2: Preparação da solução de HCl. Volume da solução: 100 ml. Concentração: 1,0 M; 0,5 M; 0,25 M; 0,1 M; 1X10-3 M.

Sabido o volume de solução a preparar e sua concentração, calcular a massa de soluto necessária. Ver as indicações contidas no rótulo do mesmo, como: densidade, pureza, mol..., a partir dos quais se efetuam os referidos cálculos.

Medir com pipeta o volume calculado. Adicionar o volume de soluto em um balão volumétrico contendo um pouco de água destilada. Completar o volume do balão, seguindo as técnicas de leitura. Adicionar a solução obtida.

PARTE 3: Medida de pH

Medir o pH de todas as soluções preparadas anteriormente utilizando o papel indicador universal e o pHmetro. Em seguida escolheu um valor de pH e obtenha esta solução a partir das soluções previamente preparadas pelo seu grupo.

Inicialmente foram feitos os cálculos para se saber o volume do ácido necessário para o preparo de 100 ml da solução problema. Em seguida preparou-se a solução efetuando a transferência de 0,6 ml de HCl para a bureta volumétrica. Após isso foi adicionado 20 ml de água a modo de completar a solução.

Os resultados obtidos foram: Mi . Vi= Mf . Vf= M1C1=M2C2 6,0 . V=0,1m . 0,1L V= 0,01/6=1,7 L

4. RESULTADOS E DISCUSSÕES

Foi preparada uma solução de HCl onde inicialmente foi calculada quanto de

HCl será adicionada a solução, e depois calculamos quanto de HCl teria na solução. Em seguida calculamos o volume de HCl que deveríamos usar na solução. Dirigimo-nos à capela para preparar a solução com uma proveta de 25 ml. Primeiramente adicionamos uma quantidade de 25 ml de HCl e assim preparemos a solução.

Em seguida foi calculado o pH da solução onde usamos diversos métodos. Com o papel de tornassol o pH da solução deu abaixo de 7, depois foi usado o vermelho de metila, onde foi notado uma variação de pH da solução menor do que 3, também foi usado o alaranjado de metila que também deu um valor abaixo de 3. Com esses resultados calculamos o pH da solução que deu 0,45.

a) 1mol ------------ 36,46 gb) 100 g de HCl -------- 37,25 g de HCl
0,6 mol ---------- XX --------- 21,8 g
X = 21,8 gX = 58,7 g HCl

Cálculos de quanto de HCl foram utilizados para se preparar a solução:

c) V = 58, 7g/ 1.19 g V = 49,4 cm

Cálculos do volume da solução:

V = 0,1 mol . 0,1 L / 6,0 V = 0,0016 L

5. CONCLUSÕES

A aula sobre Soluções foi muito proveitosa, pois aprendemos a preparar uma solução e também a calcular o seu pH. Nessa prática desenvolvemos passo a passo os procedimentos de como se deve preparar uma solução. Aprimoramos nossos conhecimentos em como calcular o pH utilizando diferentes métodos como por exemplo, o uso do pHmetro, o papel de tornassol, o alaranjado de metila dentre outros.

6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. BROWN, THEODORE L. ET AL (2005), QUÍMICA - A CIÊNCIA CENTRAL, SÃO PAULO, PEARSON EDUCATION DO BRASIL, 9ª EDIÇÃO.

2. SOUZA, Líria Alves de. "Solução"; Brasil Escola. Disponível em <http://brasilescola.uol.com.br/quimica/solucao.htm>. Acesso em 25 de agosto de 2017.

Comentários