OBYC - Determinação - de - Contas

OBYC - Determinação - de - Contas

(Parte 1 de 2)

DETERMINAÇÃO DE CONTAS – OBYC

Encontra-se a seguir a lista de cada operação com exemplos de suas aplicações. Entre parênteses está indicada a respectiva chave de operação:

  • Agenciamento dos rendimentos (AG1)

Esta operação pode ser utilizada no agenciamento dos rendimentos de comissões, como p.ex. para comissões del credere. A chave de conta é utilizada nos esquemas de cálculo do agenciamento, para a determinação das respectivas contas de rendimentos.

  • Agenciamento do volume de vendas (AG2)

Esta operação pode ser utilizada no agenciamento, quando os lançamentos dos volumes de vendas forem ativados no customizing dos tipos de pagamento. A chave da conta é indicada no customizing do tipo de documento de faturamento.

  • Agenciamento das despesas (AG3)

Esta operação pode ser utilizada no agenciamento para as despesas de comissões. A chave de conta é utilizada nos esquemas de cálculo de custo do agenciamento, para a determinação das respectivas contas de despesas.

  • Despesa/rendimento do consumo do material em consignação (AKO)

Esta operação é utilizada na administração de estoques, durante as retiradas do estoque em consignação, ou durante as transferências do estoque em consignação no estoque próprio, quando o material é controlado com base no preço standard, e o preço em consignação for diferente do standard.

  • Despesa/rendimento do registro de transferência (AUM) Mov. 309

Esta operação é utilizada em caso de registros de transferência de estoque (material a material), quando o valor do material emissor não puder ser lançado por completo ao valor do material receptor. Isto é válido para materiais com preço standard e com preço médio móvel. No caso de materiais com preço médio móvel, ocorrem diferenças de preço, quando o estoque for negativo e o valor do estoque irreal devido ao registro adicional. A operação AUM independe do fato, se ocorre ou não uma mudança de centro com o registro de transferência. A despesa/rendimento é acrescentada ao material receptor.

  • Provisões liquidação posterior (BO1)

Ao utilizar a função da liquidação posterior de condições (p.ex. bônus), são criadas provisões durante as entradas de mercadorias por pedidos, caso estas estejam previstas para o tipo de condição

  • Redimentos liquidação posterior (BO2)

Durante a liquidação posterior de condições na revisão de faturas ou na contabilida financeira, são lançados os rendimentos através desta operação.

  • Rendimentos liquidação posterior após a liquidação (BO3)

Quando ocorre uma entrada de mercadorias após a liquidação da estipulação, alguns rendimentos provisionados não podem mais ser administrados pela liquidação posterior. Não deve mais ocorrer um lançamento na conta normalmente utilizada para os rendimentos provisionados. Como alternativa, o usuário pode lançar os rendimentos provisionados com esta operação, em uma conta separada.

  • Lançamento delta para estoque (BSD)

Esta conta é lançada, caso sejam efetuados lançamentos de encerramento para uma execução de acumulação. Trata-se de uma conta delta para uma conta de estoque de material. Isto significa que, ao inserir a conta de estoque, determina-se o valor do estoque, calculado através da acumulação. Com isso, são taxadas separadamente as diferentes áreas de avaliação (p.ex. comercial, fiscal) que podem ser utilizadas no balanço.

  • Modificação de estoque (BSV)

As modificações de estoque são registradas na administração de estoques, durante as entradas de mercadorias ou compensações posteriores por ordens de subcontratação. Se a conta aqui atribuída estiver definida como classe de custo, o usuário precisa atribuir à conta uma classificação contábil na tabela da atribuição automática de classificação contábil (customizing de Controlling). Isto é necessário, a fim de que as entradas de mercadorias por ordens de subcontratação possam ser registradas. No sistema standard, o centro de custo SC-1 está definido para este fim.

  • Registro de estoque (BSX)

Esta operação é utilizada para todos os registros em contas de estoque de material. Estes registros ocorrem, por exemplo,

    • na administração de estoques, durante as entradas de mercadorias no estoque próprio e durante as saídas de mercadorias do estoque próprio

    • na revisão de faturas, quando ocorrem diferenças de preço para os materiais com preço médio móvel durante as entradas de fatura, e a cobertura de estoque é suficiente.

    • na liquidação da ordem, se a ordem de um material possuir uma classificação contábil com preço médio móvel, e os custos reais da liquidação forem diferentes dos custos reais da entrada de mercadorias

Visto que esta operação depende da classe de avaliação, é possível administrar materiais com diferentes classes de avaliação em contas de estoque separadas.

Atenção

Observar que:

    • uma conta de estoque não será utilizada para nenhuma operação diferente de BSX

    • a conta não será lançada manualmente

    • a atribuição de conta não será modificada no sistema produtivo, antes que todos os estoques tenham sido debitados.

Caso contrário, podem ocorrer diferenças entre o valor total do estoque dos registros mestre de material e o saldo da conta de estoque de material.

Determinação de contas em caso dos estoques avaliados para ordem do cliente e para projeto

Observar que, no caso dos estoques acima mencionados (estoque especial E e Q), é necessário atualizar uma determinação de contas para as chaves de conta BSX e GBB , a fim de que mensagens de aviso sejam evitadas durante a entrada de dados (pedido ou registro de transferência) para estoque avaliado.

Para os estoques não avaliados, o sistema tenta executar uma determinação de contas provisória para GBB durante a entrada de dados. Depois que os dados para o estoque avaliado forem entrados, o sistema substitui em background a determinação de contas provisória para GBB pela determinação correta para a conta do estoque de material (BSX).

  • Reavaliação de outros consumos (COC)

Esta chave de operação é necessária para a reavaliação de consumo dos componentes Cálculo de custo real/Ledger de material .

A reavaliação de consumo reavalia os consumos de nível único em relação aos preços reais determinados dos componentes Cálculo de custo real/Legder de material. Esta reavaliação pode ocorrer na conta original já lançada ou na conta coletiva.

A conta coletiva é determinada utilizando a transação chave de operação COC.

  • Del credere (DEL)

Chave de operação para os documentos de pagamento/listas de faturas em compras. A chave de conta é necessária no esquema de cálculo de custo da administração de pagamentos, para a determinação das respectivas contas de rendimento.

  • Diferenças mínimas administração de materiais (DIF)

Esta operação é utilizada na revisão de faturas, se o usuário define uma tolerância para diferenças mínimas, e o saldo de uma fatura não excede a tolerância.

  • Conta de compras (EIN), Conta de contrapartida de compras (EKG), Conta de compras de frete (FRE)

Estas operações só serão utilizadas se a administração de conta de compras estiver ativa na empresa.

Nota

Esta função foi desenvolvida especialmente para alguns países, visto exigências legais especiais (Bélgica, Espanha, Portugal, França, Itália, Finlândia).

Antes de utilizar esta função, verificar se ela é necessária para o país do usuário.

  • Compensação de frete (FR1), Provisões para frete

Estas operações são utilizadas para o registro de custos complementares de aquisição, em caso de entradas de mercadorias por pedidos e de entradas de fatura. A operação a ser utilizada para os custos complementares de aquisição depende dos tipos de condição, definidos no pedido.

O usuário pode também entrar algumas operações para custos complementares de aquisição nos tipos de condição.

  • Serviço externo (FRL)

A operação será utilizada para ordens de subcontratação durante as entradas de materiais e de faturas.

Se a conta aqui atribuída estiver definida como classe de custo, o usuário precisa atribuir à conta uma classificação contábil na tabela da atribuição automática de classificação contábil (customizing de Controlling). Isto é necessário, a fim de que as entradas de mercadorias por ordens de subcontratação possam ser registradas. No sistema standard, o centro de custo SC-1 está definido para este fim.

  • Serviço externo custos complementares de aquisição (FRN)

A operação será utilizada para custos complementares de aquisição por ordens de subcontratação.

Se a conta aqui atribuída estiver definida como classe de custo, o usuário precisa atribuir à conta uma classificação contábil na tabela da atribuição automática de classificação contábil (customizing de Controlling). Isto é necessário, a fim de que as entradas de mercadorias por ordens de subcontratação possam ser registradas. No sistema standard, o centro de custo SC-1 está definido para este fim.

.

  • Contrapartida de registro de estoque (GBB)

A contrapartida de registro de estoque é utilizada na administração de estoques e depende do agrupamento de contas, que está atribuído ao respectivo tipo de movimento. No sistema standard, encontram-se definidos os seguintes agrupamentos de conta:

    • AUA: para liquidação da ordem

    • AUF: para entradas de mercadorias por ordens (semclassificação contábil e para liquidação da ordem,caso AUA não esteja atualizado

    • AUI: alocação posterior da tarifa real do centro de custosdiretamente ao material (com classificação contábil)

    • BSA: para registros iniciais de estoque no sistema

    • INV: para despesa/rendimento das diferenças de inventário

    • VAX: para saídas de mercadorias por ordens de cliente semobjeto de classificação contábil (a conta não é umaclasse de custo

    • VAY: para saídas de mercadorias por ordens de cliente comobjeto de classificação contábil (a conta é uma classede custo)

    • VBO: para consumos do estoque colocado à disposição dofornecedor

    • VBR: para saídas de mercadorias internas (p.ex. para centrode custo)

    • VKA: para classificação contábil da ordem do cliente(p.ex. em caso de pedido individual)

    • VKP: para classificação contábil do projeto (p.ex. em casode pedido individual)

    • VNG: para sucata/destruição

    • VQP: para retiradas de amostra sem classificação contábil

    • VQY: para retiradas de amostra com classificação contábil

    • ZOB: para entradas de mercadorias sem pedidos (tipo demovimento 501)

    • ZOF: para entradas de mercadorias sem ordens de produção(tipos de movimento 521 e 531)

Pode-se definir também agrupamentos de conta próprios. Para registrar saídas de mercadorias por centros de custo (tipo de movimento 201) e saídas de mercadorias por ordens (tipo de movimento 261) em contas de consumo separadas, é possível, por exemplo, atribuir ao tipo de movimento 201 o agrupamento de contas ZZZ e ao tipo de movimento 261 o agrupamento de contas YYY.

Atenção

Caso sejam utilizadas no modo produtivo entradas de mercadorias por pedido (tipo de movimento 501), deve-se verificar a atribuição de contas do agrupamento de contas ZOB.

Se para as entradas de mercadorias esperam-se faturas do fornecedor que só podem ser lançadas na contabilidade, pode-se, por exemplo, entrar uma conta de compensação (semelhante à conta de compensação EM/EF, mas sem administração de partidas em aberto), que será compensada durante o registro da fatura do fornecedor na contabilidade.

Considerar que o movimento de mercadorias é avaliado com o preço de avaliação do material só quando nenhum montante externo é entrado

Visto que no sistema standard não é indicada nenhuma classificação contábil, a conta atribuída não é definida como classe de custo. Se uma classe de custo for atribuída, deve-se facilitar a entrada de uma classificação contábil através da seleção de campos, ou atualizar uma classificação contábil automática para a classe de custo.

Determinação de contas em caso dos estoques avaliados para ordem do cliente e para projeto

Observar que, no caso dos estoques acima mencionados (estoque especial E e Q), é necessário atualizar uma determinação de contas para as chaves de conta BSX e GBB , a fim de que mensagens de aviso sejam evitadas durante a entrada de dados (pedido ou registro de transferência) para estoque avaliado.

Para os estoques não avaliados, o sistema tenta executar uma determinação de contas provisória para GBB durante a entrada de dados. Depois que os dados para o estoque avaliado forem entrados, o sistema substitui em background a determinação de contas provisória para GBB pela determinação correta para a conta do estoque de material (BSX).

  • Pedido com classificação contábil (KBS)

O usuário não pode atribuir nenhuma conta a esta chave de operação. Ela indica que será transferida a classificação contábil do pedido, e auxilia na determinação da chave de lançamento para a entrada de mercadorias.

  • Diferenças de câmbio Administração de materiais(AVR) (KDG)

Ao executar uma reavaliação do consumo no ledger de materiais durante a execução da avaliação alternativa, as diferenças de câmbio que devem ser atribuídas ao consumo serão creditadas nas contas de diferenças de câmbio do material.

  • Diferenças de câmbio em caso de partidas em aberto(KDM)

As diferenças de câmbio em caso de partidas em aberto ocorrem quando uma fatura por pedido for registrada com uma taxa de câmbio diferente daquela referente à entrada de mercadorias, e o material não pode ser debitado ou creditado devido ao controle de preço standard ou a ruptura de estoque.

  • Diferenças por arredondamento de câmbio Administração de materiais (KDR)

Em uma fatura, pode ocorrer uma diferença por arredondamento de câmbio em moeda estrangeira. Caso ocorra um saldo devido ao arredondamento, durante a conversão das linhas de lançamento em moeda interna, o sistema gerará automaticamente uma linha de lançamento para as diferenças por arredondamento de câmbio.

  • Diferenças de câmbio dos níveis inferiores (KDV)

No caso de uma liquidação periódica multinível no ledger de materiais, é transferida para um produto semi-acabado ou acabado, uma parte das diferenças de câmbio que foram lançadas para as matérias-primas, produtos semi-acabados e centros de custo em atividade entrados durante o período.

  • Obrigações de consignação (KON)

As obrigações de consignação ocorrem devido às retiradas do estoque em consignação ou do pipeline, ou durante a transferência do estoque em consignação ao estoque próprio.

Dependendo da configuração das regras de lançamento para a chave de operação KON, é possível trabalhar com ou sem um agrupamento de contas. Ao se trabalhar com o agrupamento de contas, o sistema standard utilizará os seguintes:

    • nenhum para as obrigações de consignação

    • PIP para as obrigações de pipeline

  • Lançamento de contrapartida para diferenças de preço em hierárquias de objetos de custo (KTR)

O lançamento de contrapartida das diferenças de preço (operação PRK) por meio da liquidação via determinação de contas de material ocorre pela operação KTR.

  • Conta de periodização (ledger de materiais) (LKW)

No caso da apropriação de custos do ledger de materiais (nenhuma reavaliação do estoque final), as diferenças de preço e de câmbio, que devem ser efetivamente acrescidas ao estoque, são lançadas em contrapartida em contas com a chave de operação LKW.

Porém, caso ocorra uma reavaliação do estoque final durante a determinação do preço no ledger de materiais, as diferenças de preço e de câmbio são lançadas na conta do estoque, e reavaliadas.

  • Diferença de preço do WIP explodido (Lar.) (PRA)

Ao utilizar a reavaliação WIP do ledger de materiais, os desvios de preço do estoque WIP explodido de um tipo de serviço ou de um processo empresarial serão registrados na conta de diferenças de preço com a chave de operação PRA.

  • Diferenças (tarifa AVR) (PRC)

Na execução da avaliação alternativa no ledger de materiais, parte dos desvios incorridos nos centros de custos será transferida para os produtos acabados ou semi-acabados.

  • Diferenças de preço (PRD)

As diferenças de preço ocorrem para materiais com preço standard em todos os movimentos e faturas, que são avaliados a um preço, diferente do standard. Exemplos: entradas de mercadorias por pedidos, quando o preço de pedido for diferente do preço standard; saídas de mercadorias, nas quais é indicado um montante externo; faturas, quando o preço da fatura for diferente do preço de pedido e do standard.

As diferenças de preço podem também ocorrer em faturas com materiais com preço médio móvel, quando não existir nenhuma cobertura de estoque para a quantidade faturada. No caso de movimentos de mercadorias em área negativa, o preço médio móvel não é modificado; ao invés disso, os desvios de preço ocorridos são lançados em uma conta para diferenças de preço.

Dependendo da configuração das regras de lançamento para a chave de operação PRD, é possível trabalhar com ou sem agrupamento de contas. No caso de se trabalhar com agrupamentos de conta, os seguintes serão utilizados no sistema standard:

    • nenhum para entradas de mercadorias e de fatura por pedidos

    • PRF para entradas de mercadorias por ordens de produção eliquidação da ordem

    • PRA para saídas de mercadorias e outros movimentos

    • PRU para registros de transferência (diferenças de preço emcaso de montantes externos)

  • Diferenças de preço (ledger de materiais, AVR) (PRG)

Ao executar uma reavaliação do consumo no ledger de materiais durante a execução da avaliação alternativa, as diferenças de preço, que devem ser atribuídas ao consumo, serão creditadas nas contas de diferenças de preço.

  • Diferenças de preço em hierarquias de objetos de custo (PRK)

Nas hierarquias de objetos de custo, ocorrem diferenças de preço para os materiais atribuídos com preço standard, assim como para as contas da hierarquia de objetos de custo. Durante a liquidação das hierarquias de objetos de custo segundo a liquidação via determinação de contas de material, as diferenças de preço são lançadas por meio da operação PRK.

  • Diferença de preço do WIP explodido (Mat.) (PRM)

Ao utilizar a reavaliação WIP do ledger de materiais, as diferenças de preço e de câmbio do estoque WIP explodido de um material serão lançadas na conta de diferenças de preço com a chave de operação PRM.

  • Diferenças de preço coletor de custos do produto (PRP)

No caso de um estoque avaliado para ordem do cliente, são lançadas as diferenças de preço com a operação PRP, durante a liquidação de um coletor de custos do produto na produção repetitiva.

Esta operação é utilizada no momento apenas nos seguintes casos:

- Coletor de custos de produção no release 4.0

- Coletor de custos de produção no IS-Automotive do release 2.0 (coletor de custos de produção em conexão com APO)

  • Lançamento de contrapartida diferenças de preço coletor de custos de produção (PRQ)

O lançamento de contrapartida para o lançamento de diferenças de preço (operação PRP) ocorre através da operação PRQ durante a liquidação de um coletor de custos de produção na produção repetitiva, no caso de um estoque avaliado para ordem do cliente.

Esta operação é utilizada no momento apenas nos seguintes casos:

- Coletor de custos de produção no release 4.0

- Coletor de custos de produção no IS-Automotive do release 2.0 (coletor de custos de produção em conexão com APO)

  • Diferenças de preço de níveis inferiores (PRV)

No caso da liquidação periódica multinível no ledger de materiais, é transferida para um produto semi-acabado ou acabado uma parte das diferenças de preço, as quais foram lançadas para as matérias-primas, produtos semi-acabados e centros de custos em atividade, entrados durante o período.

  • Diferenças de preço para o ledger de materiais (PRY)

Durante a liquidação no ledger de materiais, serão lançadas as diferenças de preço do ledger de materiais com a operação PRY.

  • Despesa e rendimento da reavaliação (RAP)

(Parte 1 de 2)

Comentários