COGNITIVISMO JEAN PIAGET (1896-1980)

Biólogo;

  • Biólogo;

  • Estudou a Epistemologia Genética: teoria do conhecimento com base no estudo da gênese psicológica do pensamento humano

  • Sujeito epistêmico: formação e desenvolvimento de conhecimento

  • O desenvolvimento cognitivo e adaptativo do indivíduo é uma síntese rápida de toda a história evolutiva da espécie. A criança experimenta todas as fases que o homem passou em seu processo evolutivo. A ontogênese repete a filogênese.

  • Estudo dos processos de pensamento: como a criança pensa? Como a criança pensa em diferentes estágios de desenvolvimento?

Pressupostos:

  • Pressupostos:

  • I. O indivíduo herda uma série de estruturas biológicas (sensoriais e neurológicas) que pressupõem o surgimento de estruturas mentais

  • Entretanto, a inteligência não é herdada; herdamos sim um organismo que amadurece em contato com o ambiente. Desta interação resultarão as estruturas mentais

  • II O meio demanda da criança o desenvolvimento de recursos intelectuais;

  • As estruturas mentais são construídas e adquirem modos de funcionamento em função de sua ação no mundo

ADAPTAÇÃO

ADAPTAÇÃO

  • a construção do conhecimento tem função adaptativa

  • o desenvolvimento espontâneo do pensamento se processa na relação organismo-meio

  • a adaptação à realidade externa depende basicamente do conhecimento/pensamento

  • a adaptação busca equilibração da estrutura interna, sempre que esta seja percebida como desequilibrada.

  • Dois modos de funcionamento no vínculo entre realidade interna e externa: assimilação e acomodação

ASSIMILAÇÃO:

ASSIMILAÇÃO:

  • Recolhe ou utiliza pontos de referência externos que estejam em conformidade com a estrutura interna;

  • Incorpora objetos ou ideias ao que já é conhecido

  • O meio é organizado internamente em conformidade com o modo interno de conhecimento

  • Ex. brincadeira com imaginação; construção de conceitos: atribuir à algo novo um adjetivo ou categoria que já conhecemos. É a primeira estranheza do novo.

ACOMODAÇÃO

ACOMODAÇÃO

  • Transformação que o organismo sofre para lidar com o ambiente;

  • O funcionamento leva em conta a originalidade da realidade externa;

  • Modifica-se internamente em função da situação

  • A partir de um novo conhecimento, do contato com a novidade, da experimentação, o indivíduo refina seus conhecimentos e incorpora uma nova informação, o que proporciona a criação de um novo conceito, nova categoria.

  • Ex: Imitação; uso de novos conceitos no entendimento da realidade

ESQUEMAS E ESTRUTURAS MENTAIS:

  • ESQUEMAS E ESTRUTURAS MENTAIS:

  • padrão de comportamento ou ação que se desenvolve com uma certa organização e que consiste num modo de abordar a realidade e conhecê-la;

  • Ex. de esquema simples: reflexo de sucção

  • esquema complexo: operações lógicas

  • os esquemas simples vão se organizando, integrando-se a outros e formando esquemas mais complexos

  • dois esquemas que funcionam separadamente (como pegar e ver) vão aos poucos assimilando-se mutuamente e desenvolvendo um novo esquema (pegar algo e colocar no seu campo de visão).

  • pensar e agir não são atividades separadas; pensamento é ação inteligente

ESTÁGIOS DO DESENVOLVIMENTO COGNITIVO

SENSÓRIO-MOTOR: do nascimento até o aparecimento da linguagem

  • -atenção depende da ação

  • “pensa” uma ação externa: as coisas não existem fora da ação do organismo sobre elas

  • A coordenação dos movimentos e deslocamentos são incialmente centrados no próprio corpo e gradualmente se descentralizam;

  • Quando a criança descobre o objeto permanente (capacidade de abstração) o mundo físico ganha estabilidade

PRÉ-OPERACIONAL: de 2 anos à 7 anos

PRÉ-OPERACIONAL: de 2 anos à 7 anos

  • A cognição começa a separar-se da ação externa, mas as ações pessoais ainda dominam o pensamento

  • O pensamento é egocêntrico: tem como centro a própria perspectiva pessoal

  • O uso da simbolização: capacidade de representar a realidade

  • Não aceita a idéia do acaso e tudo deve ter uma explicação – finalismo

  • Animismo – características humanas a seres inanimados

  • Realismo – materializar suas fantasias

  • Artificialismo – explicar fenômenos da natureza através de atitudes humanas

Monólogo: fala para si mesma, como se pensasse em voz alta; é obrigada a falar agindo e vice-versa: serve da palavra para produzir ação; monólogo coletivo: fala alto e para si própria diante dos outros

  • Monólogo: fala para si mesma, como se pensasse em voz alta; é obrigada a falar agindo e vice-versa: serve da palavra para produzir ação; monólogo coletivo: fala alto e para si própria diante dos outros

  • Dado o egocentrismo, a criança não consegue colocar seu ponto de vista como um dentre outros possíveis

  • Não consegue tratar seu pensamento como objeto de pensamento. Ex.: é incapaz de reconstruir uma cadeia de raciocínio que acabou de seguir para solucionar um problema.

  • Seu pensamento não tem reversibilidade

OPERACIONAL CONCRETO: DE 7 ANOS A 12 ANOS

OPERACIONAL CONCRETO: DE 7 ANOS A 12 ANOS

  • Orienta-se para objetos e acontecimentos concretos

  • Descentração do corpo e da ação própria do sujeito para relações objetivas com acontecimentos, objetos e pessoas;

  • Ações são interiorizadas em função da capacidade de representação: reconstruir no campo da representação o que foi construído no plano da ação;

  • São chamadas operações concretas por estarem baseadas diretamente nos objetos e não em hipóteses enunciadas; Período de transição entre a ação e as estruturas lógicas mais gerais

  • Ex. contar nos dedos; experimentos em geral; importância de museus;

OPERACIONAL FORMAL: 12 anos em diante

OPERACIONAL FORMAL: 12 anos em diante

  • O raciocínio não se reduz a aspectos limitados e concretos, mas sim em função de todas as combinações possíveis, num método exaustivo de explorar combinações

  • Raciocina sobre proposições que considera como hipóteses

  • Os dados que manipula são enunciados ou proposições que são operadas por vínculos lógicos, prevendo as relações que são válidas ou não, como possíveis que têm validez real

Comentários