CÓPIA-ESTÁGIO-1- 2014-Engenharias - PRE-ESCRITA-05-04-2014

CÓPIA-ESTÁGIO-1- 2014-Engenharias - PRE-ESCRITA-05-04-2014

Renovação de Trens - Metro ferroviário

RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO ENGENHARIA MECÂNICA – 7° Série – 1º Semestre de 2014

2 Aluno:

Renovação de Trens - Metro ferroviário

Relatório desenvolvido como requisito para aprovação da disciplina de Estágio Supervisionado em Engenharia de Mecânica da Faculdade Anhanguera de Jundiaí.

Orientador: Prof.

3 APRESENTAÇÃO DO ESTÁGIO

Nome: Estagiário/Funcionário:RA:
Professor Orientador:

Supervisor de Estágio na Empresa: Nome da Empresa: Alstom Brasil Energia e Transporte LTDA CNPJ: Endereço: Av. Raimundo Pereira de Magalhães, N°220-230 – Lapa – São Paulo - SP. _ Local do Estágio: Linha de montagem/ Produção Período do Estágio: Inicio: 01/04/2014 Término: 08/05/2014 E-mail:

4 RESUMO

A renovação de um trem (metro ferroviário) consiste em diversas fases a serem cumpridas, pois se trata de uma modernização de um grande veículo de transporte de massa, complexo com muitos itens, que serão implementados, ou substituídos por novos, que vai desde um simples parafuso, a um CBTC (Controle de Trens Baseado em Comunicação). Sistema que permite a operação do trem sem o operador (Maquinista), ou seja, o trem é controlado pelo CCO (Centro de Controle Operacional), entretanto, isso não será o foco do relatório. O foco do relatório será sobre o processo de trucagem e nivelamento do carro metro ferroviário (VAGÃO), onde se faz necessário um estudo, para a verificação e correção do comportamento do veículo ferroviário, com todos os novos equipamentos instalados, de forma à garantir o perfeito funcionamento do sistema de suspensão mecânico-pneumático do veículo metro ferroviário da linha 1 do Metropolitano de São Paulo.

Renovação de Trens - Metro ferroviário2
RESUMO4
REFERENCIAS6
INTRODUÇÃO7
APRESENTAÇÃO DA EMPRESA8
1.0 DEPARTAMENTOS DE PRODUÇÃO9
2.0 CRONOGRAMAS DAS ATIVIDADES9
3.0 RELATÓRIO DESCRITIVO10
3.1 Atividades Desenvolvidas10
3.1 Instalação do Truque e nivelamento da Caixa10
3.2 Instalação do Suporte da Barra de Ancoragem1
3.3 Desenvolvimento do novo Método de Nivelamento12
3.4 Conexão das Mangueiras de Ar-pneumático13
3.5 Nivelamento da Caixa/truque14
CONCLUSÃO17
ENGENHARIA MECÂNICA18

Sumário Nenhuma entrada de índice de ilustrações foi encontrada.

AHMED, A. Shabane, KHALED, E. Zaaza. Rail Roand Vhicle Dinamics / Uma abordagem Computacional. Edição Ilustrada. CRC PRESS, 23 de Julho, 2007.

BALAKUMAR, Balachandran, Edward, B. Magrab. Vibrações Mecânicas. 2a Edição, Cengane Learnig, São Paulo. 2011.

FERDINAND, P. Beer, E, Russel Johnston, Jr. Mecânica Vetorial para Engenheiros

/ Cinemática e Dinâmica. 5a Edição, PEARSON, São Paulo, 1991.

HIBBELER, RUSSELL C. Dinâmica – Mecânica para Engenharia. 12a Edição,

PEARSON, São Paulo, 2011.

SITE: https://online.alstom.com/Pages/default.aspx

O tema consiste em montagens mecânicas das peças que compõem a modernização dos carros metro ferroviário, utilizando os equipamentos desenvolvidos pela ALSTOM estando sempre em contínuo desenvolvimento para atender às necessidades dos clientes, por isso que essas mudanças são comuns no dia-a-dia. A ideia de mudança no processo de nivelamento surgiu como desafio de obter uma melhoria no processo visando maior confiabilidade, segurança, tornando eficiente, e mantendo a qualidade. A maior dificuldade na realização no processo de nivelamento é certamente adequar a massa dos equipamentos instalados nos carros, pois devido às diferentes características geométricas dos equipamentos, é necessário desenvolver dispositivos, novas ferramentas e também a mudança no layout do chão de fábrica. Para esse evento é preciso conhecer mais a fundo como se comporta o veículo em situação normal de operação, para isso, levou-se em conta todos os equipamentos instalados, inclusive a formação natural da composição do TUE (Trem Unidade Elétrico), que geralmente podem ser com 6, 8 ou até 12 carros (vagões), conectados em série. Em média um veículo ferroviário possui 45000 kg, cada. Sendo necessária uma análise específica dos movimentos e esforços a que é submetido, pois cada veículo possuem características que diferem uns dos outros. No caso citado, será o Metro da Linha 1, séria 108 que possui 6 carros metro ferroviários, com uma massa de 261.0 kg, sendo compostos por 2 carros tipo “A” e 4 carros tipo “B” denominado TUE (Trem Unidade Elétrico).

A empresa ALSTOM BRASIL ENERGIA E TRANSPORTE LTDA tem mais de 58 anos de fundação e seus produtos estão espalhados pelo Brasil e outros países dos quatro continentes com uma marca consagrada e um símbolo de qualidade e durabilidade, o que eleva o orgulho da Alstom e dos seus mais 5.0 mil funcionários que trabalham para o grupo. A empresa se divide em vários seguimentos, formando o grupo Alstom Brasil; Alstom Power; Alstom Grid; Alstom Transportes, que possui duas divisões, RS e Servises. Essas três empresas do ‘Grupo Alstom Brasil’ estão interligadas pelo espírito de esforço e pioneirismo ao prazer de inovações e respostas ao mundo em constantes mudanças.

A Alstom Transporte pertence ao “Grupo Alstom Brasil” e é uma empresa multinacional de origem Francesa situada na Avenida Raimundo Pereira de Magalhães, 220- 230 – Lapa – São Paulo – SP CNPJ: 8.309.620/0001-58 e que atua na fabricação de novos TUE (TRENS UNIDADE ELÉRTICO), como Metro Chennai da Índia; Metro Surpervia-RJ; Metro Rio; Metro Prada- África do Sul. Também atua na modernização de trens já existentes, como o Metro da linha 1 azul e linha 3 vermelha do Metropolitano de São Paulo com projetos inovadores e modernos. Conhecido como Metro-ferroviário. Seus principais clientes são o Metro - Companhia do metropolitano de São Paulo; CPTM - Companhia Paulista de Trans Metropolitano; Metro-Rio-RJ; Supervia-Trenas-Urbanos-RJ e Trensurb-Rs. A Alstom conta com várias parcerias com os principais fornecedores ferroviários no Brasil, como KNNOR Bremser; FAIVELEY Trasport; Fênix Fiber Glass; Céu Azul Metalúrgica dentre outras.

A empresa conta hoje, com 800 colaboradores, entre produção, setor admistrativo e técnicos especializados. Os Trens produzidos ou renovados são utilizados para transportar a grande demanda de pessoas nas grandes cidades pelas principais operadoras de transportes de massa no Brasil, e também exporta para outros países no mundo, como Índia, África do Sul, Argentina, Chile e Estados Unidos.

1.0 DEPARTAMENTOS DE PRODUÇÃO

O departamento de produção é o principal local de desenvolvimento do estágio, pois aqui são feitos todas as atividades e acompanhamento dos processos, bem como recolhidos os dados necessários, para o estudo preliminar de melhoria do projeto.

departamento de engenharia

Todas as informações técnicas referentes aos produtos da empresa são centralizadas no

2.0 CRONOGRAMAS DAS ATIVIDADES

A programação das atividades foi desenvolvida com o objetivo de descrever as rotinas que são desenvolvidas no departamento na linha da produção onde se efetiva e valida todas as modificações de um projeto. A empresa concedeu 6 horas diárias para o relato das tarefas desenvolvidas na realização do projeto, totalizando 30 horas semanais. As atividades foram realizadas no período de 01/04/1014 a 08/05/2014.

3.0 RELATÓRIO DESCRITIVO

3.1 Atividades Desenvolvidas

As atividades desenvolvidas neste relatório têm como objetivo o estudo aprofundando sobre o comportamento em relação ao balanceamento das massas dos equipamentos instalados, devido ao desbalanceamento dos equipamentos que interfere nas medições e centralizações do carro com relação ao nivelamento caixa/ truques, pois se observou que o método indicado na instrução de trabalho (It L1 326) não atende o que requer o processo, fazendo-se necessário o estudo de melhoria do método aplicado pela (IT), para tal, foi necessário o acompanhamento efetivo durante execução das atividades e colhidos dados de suma importância para a análise e determinação de qual maneira seria viável. Após análise dos dados, observou-se que durante a aplicação das melhorias proposta, foi sugerida a utilização de calços de compensação sobre a bolsa de ar (mola pneumática), sendo essa uma solução adequada com base nos estudos da disciplina de “Vibrações Mecânicas”, que tem como base o estudo dos movimentos cinético e dinâmico; possibilitando o entendimento e aplicação desse conceito.

3.1 Instalação do Truque e nivelamento da Caixa

Esta atividade teve como finalidade a aplicação e o aperfeiçoamento do novo procedimento de trucagem e nivelamento proposto neste estudo. Posicionar o carro na linha nivelada, apoiar o dispositivo de madeira nos 04 macacos sincronizados para levantar o carro (fig.01), observando o ponto correto de apoio na viga lateral.

Fig.01(IT L1 PNE 326) Após estar com o carro levantado, remover os truques provisórios e fixar os braços do suporte do dispositivo de segurança caixa/truque (fig. 02) na cabeça do estrado e abaixar o carro lentamente até apoiar o truque. Instalar o dispositivo de segurança da caixa/truque (02) com 04 parafuso 3/4” x 2 ¼” (02), 04 porca auto-frenadora (03).

Aplicar torque de: 343,3 Nm “marcar com tinta vermelha os parafusos torqueados, fixar 04 parafuso de 3/4” x 2 ¼” (02), 04 porca auto-frenadora (03).

Fig.02 (IT L1 PNE 326)

Nota: Aplicar torque de 343,3 Nm. Item 01 e 02 conforme fig 02. (marcar com tinta vermelha os parafusos torqueados).

3.2 Instalação do Suporte da Barra de Ancoragem

Posicionar os “suportes da barra de ancoragem e fixá-lo utilizando 08 parafusos 3/4” UNC x 2½” (01), 08 arruelas M20 (03) e porca auto-frenadora 3/4” UNC (02).

Nota: Aplicar torque de 343,3 Nm. Conforme indicação na foto, acima (marcar com tinta vermelha os parafusos torqueados).

3.3 Desenvolvimento do novo Método de Nivelamento

Instalar os calços previamente removidos da parte superior dos protetores da bolsa de ar e acrescentar conforme necessidade, observando o limite máximo permitido de 40 m (fig. 03).

Obs: Observar se não há interferência com o coletor do 3º trilho, permitindo a movimentação livre do truque.

Fig. 03 (IT L1 PNE 326)

Posicionar os Truques e abaixar os macacos lentamente verificando a centralização e possíveis pontos de atritos item 01. Instalar a válvula de nivelamento, mantendo-se a regulagem entre a linha de centro dos pinos em 149,2 ± 12,7 m. Conforme

(fig.04)

3.4 Conexão das Mangueiras de Ar-pneumático

Conectar a mangueira de alimentação de ar na travessa suporte (Bolster). Com a bolsa de ar inflada e travessa suporte (Bolster) centrado no carro, verificar a folga entre amortecedor lateral de borracha (batente) e suporte do carro que deverá ser de: 12,7 ± 3,2 m.(Fig. 05). (Pino da Biela Central do Carro).

Obs: Calçar o necessário, para manter a distância em ambos os lados

(Fig.06) de forma a garantir a centralização e recolocar parafusos e porcas aplicando torque de 78 Nm. (marcar com tinta vermelha os parafusos torqueados).

3.5 Nivelamento da Caixa/truque

Para o nivelamento do carro, verificar a altura do assoalho (piso acabado).

Esta altura deve ser de 1112,8 ± 6,4 acima do boleto do trilho (fig. 07) - (conforme indicação da análise proposta nesse procedimento). Visando obter o resultado adequado, deve-se respeitar as cotas indicadas nesse instrumento de trabalho através das indicações.

Caso não atinja o valor desejado, pode-se regular utilizando calço sobre a bolsa conforme (Fig.08), levantando o carro com os macacos, acrescentar calços conforme a necessidade, evitando não exceder o máximo permitido de 40 m.

.Realizar a verificação da altura 1112,8 ± 6,4 acima do boleto do trilho após o esvaziamento e enchimento da bolsa e verificar a altura da bolsa de ar: 158,7 ± 6,4 m entre os discos de apoio, na condição normal (fig.09). Fig. 09 (IT L1 PNE 326)

3.6 Instalações dos amortecedores e Barra de Ancoragem

(fig.09)

Após o ajuste do nivelamento, realizar a verificação do item 1 (fig.04), mantendo-se a regulagem entre a linha de centro dos pinos da válvula de nivelamento em 149,2 ± 12,7 m. Devem-se respeitar as cotas indicadas conforme indicado no procedimento, assegurando que o carro permaneça nivelado, sem risco de ocorrer o desnivelamento do carro, com relação aos truques, caso ocorra algum desvio. Instalar as barras de ancoragem, observando as dimensões especificadas (730,2 ± 6,4 m): Nota: O torque em extremidades é 272,6 Nm.

Fig. 09(IT L1 PNE 326)

Fixar os amortecedores laterais e amortecedores verticais (Houdaille) no suporte do carro (fig.10). Apertar a porca até os coxins de borracha ficar comprimidos com 46 m entre as arruelas. Colocar o contra- pino na porca auto frenadora, conforme fornecido pelo fabricante (Koni). Observando as dimensões especificadas.

Nota: Aplicar torque: 262,3 ± 10,3 N.m (marcar com tinta vermelha os parafusos torqueados).

(Amortecedor Vertical Houdaille) (Amortecedor Horizontal Latera)

A mudança no projeto surgiu com a necessidade de melhoria de um processo existente que há tempos vem sendo produzido. O objetivo foi alcançado após vários estudos que envolveram diversos setores da empresa como: engenharia e projetos, planejamento e produção. Foi um grande desafio, onde todos foram essenciais, sem o suporte das áreas não seria possível tal melhoria.

O principal departamento envolvido na mudança nesse projeto foi o departamento de produção e engenharia. Esses departamentos juntos detalharam e aplicaram o estudo de alteração e melhoria no processo, onde o foco foi o balanceamento da massa dos novos equipamentos instalados, que, mesmo estando distribuídos, foi o maior desafio. O acompanhamento de todos foi indispensável e efetivo durante todo o processo, desde a captação dos dados a finalização do nivelamento do carro ferroviário.

Durante todo o período de atividades executadas pude observar que foi fundamental o conhecimento adquirido dos profissionais técnicos com quem tive contato, sendo importante para o desenvolvimento do estudado. A documentação técnica gerada nos permitiu realizar o que havíamos previsto.

Agradeço por ter participado ativamente dessa melhoria desde a fase inicial até a finalização. Foi uma experiência difícil, porem me permitiu aprender que projetar envolve trabalho, estudo de processos, contatos com diversos setores, mudança no layout etc. A interface entre as áreas é muito importante para o desenvolvimento de um projeto, proporcionando mais conhecimento e certeza de um trabalho bem feito.

O estágio supervisionado é de fundamental importância para o aluno, seja ele experiente ou não. O crescimento profissional está diretamente ligado ao aprendizado, e isto é adquirindo colocando em prático o que está sendo estudado.

FACULDADE ANHANGUERA DE JUNDIAÍ

18 ENGENHARIA MECÂNICA. Renovação de Trens – Metro Ferroviária

Nome Estagiário

Nome Supervisor de Estágio (empresa)

Protocolo de entrega na Coordenadoria de Estágios em: _/___/_____

Comentários