fernando

fernando

(Parte 1 de 3)

FAZU - Faculdades Associadas de Uberaba

QUÍMICA

UBERABA

2016

COMPOSTOS ORGÂNICOS NA AGRONOMIA

Trabalho apresentado como requisito parcial de nota para a disciplina Química , do curso de Agronomia, FAZU - Faculdades Associadas de Uberaba, Prof: Francisc Barbosa Ferreira

UBERABA

2016

SUMÁRIO

  1. INTRODUÇÃO

Neste trabalho vou falar sobre os compostos que são usados na agronomia, entre eles hidrocarbonetos, haletos, álcool, fenol, éter, aldeídos, cetonas, ácidos carbóxilos, ester, sais, aminas, amidas e nitros.

As substâncias orgânicas com propriedades semelhantes são agrupadas, elas podem até possuir características estruturais comuns, mas se diferenciam pelo grupo funcional.

Estas substâncias recebem a denominação de funções orgânicas, conheça nesta seção algumas delas e seus respectivos grupos funcionais:

Funções oxigenadas – aldeídos, cetonas, ácidos carboxílios, ésteres, éteres, álcoois;

Funções nitrogenadas – aminas, amidas; Funções halogenadas – haletos;

Função hidrogenada – hidrocarbonetos. 

Esta classificação surgiu da necessidade de organizar o grande número de compostos orgânicos em classes subdivididas que obedecem a propriedades químicas comuns.

  1. DESENVOLVIMENTO

    1. Hidrocarbonetos

      1. Definição

Como o próprio nome já diz, os hidrocarbonetos são compostos formados apenas por átomos dehidrogênio e carbono. São substâncias apolares e consequentemente não conduzem corrente elétrica, além de serem os compostos mais simples da Química Orgânica.

As principais propriedades físicas desses compostos são:

  • Insolubilidade em água e solubilidade em solventes orgânicos apolares;

  • Todos os alcanos tem densidade menor que 1,0 g/mL portanto flutuam na água;

  • Os alcanos não apresentem cor, odor e sabor;

  • Os compostos com até 5 átomos de carbonos estão no estado gasoso à temperatura ambiente;

  • Os compostos com de 5 a 17 átomos de carbonos são líquidos à temperatura ambiente;

  • Compostos que apresentam mais de 17 átomos de carbonos possuem forma de cera, ou seja, são sólidos.

Conforme o tipo de ligações existentes entre os átomos de carbono eles podem ser classificados em: alcanos, alcenos, alcinos, alcadienos, cicloalcanos e aromáticos. Lembrando que as duplas ou triplas ligações também podem ser chamadas de insaturações.

      1. Uso na Agronomia

Etileno (C2H4) – Usado na fabricação de polietileno usado para fazer plásticos. É produzido em frutos verdes e atua no amadurecimento desses frutos. Por este motivo enrolamos as frutas com jornal para que ela amadureça mais rápido. Desta forma o gás etileno está sendo aprisionado e acelera a velocidade de amadurecimento. 

Naftaleno (C10H10) – Usado como bolinhas de naftalina para matar insetos.

Metanal (CH2O)- é usado como solução aquosa, contendo 40% de aldeído fórmico, e essa solução é chamada de formol ou formalina. Usado para a fabricação de medicamentos, plásticos e explosivos. Usado também em produtos de beleza.

    1. Haletos

      1. Definição

Os haletos orgânico são substâncias provenientes de compostos orgânicos pela troca de um ou mais hidrogênios por halogênio – F, Cl, Br, I.

Exemplos:

Os haletos podem ser classificados de acordo com o halogênio que está na cadeia carbônica, como fluoretos, cloretos, brometos iodetos ou mistos.Também podem se classificar de acordo com o número de átomos de halogênio na molécula, como mono-haleto, di-haleto, tri-haleto, etc.A classificação mais importante é quanto à grande reatividade de dois grandes grupos, os haleto de alquila e os haletos de arila.

      1. Uso na Agronomia

Os haletos orgânicos são muito utilizados como solventes, na fabricação de plásticos, inseticidas e gás de refrigeração.

Tetracloreto de carbono (CCl4) - O haleto mais importante usado como solvente muito tóxico.

BHC (0C6H6Cl6) - É usado como inseticida.

Clorofórmio (CCl3) - Foi muito usado como anestésico desde 1847, na Inglaterra. Hoje, já não é usado para esta finalidade porque é muito tóxico. 

Freons (CCl3, CCl2F2) – Estes e muitos outros eram usados como gás de refrigeração. Com o tempo, descobriu-se que prejudicava o meio ambiente, destruindo a camada de ozônio e foi reduzida a sua produção.

DDT (C14H9Cl5) - Era um importante inseticida muito utilizado durante a Segunda Guerra Mundial. Sua produção foi proibida em vários países devido a sua alta toxicidade. Um inseticida que ficou mundialmente conhecido por sua eficiência em controlar doenças transmitidas por insetos (febre amarela, malária, tifo).

Agrotóxicos - No final do século XIX, foram sintetizados diversos compostos a fim de controlar diferentes pragas, além de misturas tais como de enxofre e cal, utilizada no controle da sarna-da-maçã, causada por um fungo; a mistura de sulfato de cobre e cal, conhecida hoje como calda bordalesa, usada no combate do míldio, doença causada por fungos na uva; o arsenito de cobre, também conhecido como verde de Paris, para controlar o besouro da batata nos Estados Unidos; o sulfato ferroso como herbicida seletivo; derivados de fluoretos inorgânicos, como o fluoreto de sódio, no controle de insetos como formigas.

É importante considerar que muitos compostos inorgânicos utilizados em larga escala eram muito tóxicos, como foi o caso do ácido cianídrico usado nos Estados Unidos no final do século XIX, utilizado para eliminar insetos em moradias.

Apesar desse tratamento ter sido inicialmente muito eficaz, após algum tempo, os insetos desenvolveram resistência a esse ácido. Compostos orgânicos de origem vegetal também foram utilizados no combate às pragas. É o caso do piretro ou pó da Pérsia, proveniente de flores secas de Chrysanthemum cinerariaefolim e Chrysanthemum coccineu, planta encontrada na Iugoslávia e no Cáucaso, que teve seu uso difundido no século XIX. Os constituintes químicos presentes no piretro e que são responsáveis pela atividade inseticida são as piretrinas.

Em razão da baixa disponibilidade e foto instabilidade, estas não são usadas na agricultura, apenas em ambientes domésticos. Esse fato colaborou para o desenvolvimento de produtos foto estáveis análogos aos produtos naturais, denominados genericamente de piretroides. Em razão do largo espectro de atividade contra artrópodes, da baixa dosagem requerida, do baixo risco para os aplicadores e do baixo impacto ambiental, os piretroides obtiveram um grande sucesso comercial.

Outros exemplos de inseticidas naturais orgânicos são a nicotina e a rotenona. A nicotina, extraída das folhas de fumo (Nicotiana tabacum), começou a ser utilizada no século XVII para controlar insetos em jardins, prática feita até hoje.

A rotenona é isolada de raízes de Derris elliptica, planta comum na Malásia e na Indonésia, e de espécies de Lonchocarpus, existentes na África e América do Sul e, desde o final do século XIX, é utilizada para o controle de lagartas.

    1. Álcool

      1. Definição

São denominados álcoois todo composto orgânico que apresenta em sua estrutura a hidroxila ( -OH ), que deve estar ligada a um átomo de carbono saturado.

Os álcoois geralmente são líquidos (no máximo 10 carbonos no composto) ou sólidos (mais de 10 carbonos).

A única parte polar dos álcoois é o grupo OH (hidroxila), por isso, quanto mais carbonos o álcool tiver, menor será a solubilidade, pois "semelhante dissolve semelhante" (a água é polar).

Quanto maior for a cadeia do composto, maior será seu ponto de fusão e de ebulição.

Quando ouvimos falar em álcool, seja na TV, rádio, etc. na verdade estão se referindo a um tipo específico de álcool. Neste caso, é o álcool etílico, também chamado de etanol.

De acordo com a IUPAC, os álcoois devem ter a terminação OL, quem vem da palavra álcool. A cadeia principal é aquela que contém o carbono ligado à hidroxila. A numeração é feita a partir da extremidade que contém o grupo OH. O nome do álcool será o do hidrocarboneto correspondente á cadeia principal, porém sem a terminação o. deve ser trocado por OL.

Exemplos:

Se a hidroxila estiver ligada a um carbono insaturado (que está realizando uma dupla ligação), na verdade, não será um composto orgânico pertencente à função dos álcoois, mas sim à função dos enóis. E se a hidroxila estiver ligada diretamente a um carbono do anel benzênico, então teremos um fenol.

A nomenclatura dos álcoois segue a mesma regra denomenclatura dos alcanos, com a única diferença de que o sufixo é ol. Por exemplo, o álcool etílico possui dois átomos de carbono na cadeia (et), assim, seu nome oficial é etanol. Mais detalhes podem ser vistos no texto Nomenclatura dos álcoois.

A classificação dos álcoois mais realizada é de acordo com o tipo de carbono ao qual a hidroxila está ligada. Se o carbono for primário, ou seja, se ele estiver ligado somente a mais um átomo de carbono, então o álcool será classificado como primário. Se a hidroxila estiver ligada a um carbono secundário (que está ligado a dois átomos de carbono), o álcool será secundário. E se a hidroxila estiver ligada a um carbono terciário (que está ligado a três átomos de carbono), o álcool será terciário.

Classificação dos álcoois em primário, secundário e terciário

      1. Uso na Agronomia

Os dois monoálcoois mais comuns e de importância comercial são também os de estrutura mais simples, o metanol e o etanol.

O metanol foi por muito tempo obtido por meio da destilação da madeira e por isso é conhecido como álcool de madeira. Ele já foi usado como combustível em motores a explosão quando o etanol estava em falta. Mas esse uso foi abandonado porque ele é tóxico e corrosivo, além de ter uma chama transparente quando entra em combustão, tornando muito difícil o controle de casos de incêndio com ele. Hoje as suas principais utilizações são na síntese de formaldeído (formol) e como solvente de tintas e vernizes.

O metanol é usado como matéria-prima do formaldeído (usado na produção do formol), como solvente em processos de obtenção de produtos de origem animal e vegetal, como solvente de tintas e vernizes, em perfumaria (com o nome de essência colonial), na produção de biodiesel, no preparo de medicamentos e, principalmente, como combustível de motores à explosão, como aviões a jato e carros de corrida.

O etanol é o álcool comum, sendo chamado assim porque é o álcool mais usado. Ele pode ser usado em limpezas, desinfecção, higienização, como combustível, em laboratório, como solvente de tintas, vernizes e perfumes, na síntese de vários produtos orgânicos como acetaldeído, ácido acetoico e éter comum, além de estar presente nas bebidas alcoólicas.

(Parte 1 de 3)

Comentários