Desafio profissional a1 2014 1 eng1

Desafio profissional a1 2014 1 eng1

FACULDADE ANHANGUERA EDUCACIONAL

Campus Osasco

Engenharia Civil-Semipresencial

Administração / Economia / Sistema de Gestão Ambiental e Certificação

Cesar Henrique Bognar Serrano – RA: 8978192914

Henrique dos Santos – RA: 8521933613

Rodrigo Pompeo – RA: 1299222631

Desafio Profissional – 1º Bimestre

Tutor: Felipe Santos de Melo

Data da entrega: 30/04/2014

PASSO 1:

Agora é com você! Explique a relação entre suprimentos de energia, preços da gasolina e demanda por veículos híbridos. O que poderia acontecer caso mais clientes desejassem comprar os carros híbridos?

Analisando  os suprimentos de energia no mundo, verificamos que: a maioria deles são bens escassos, como os combustíveis fósseis, o carvão mineral, o gás natural dentre outros, e pela forma como são extraídos e processados, cada vez teremos reservas mais reduzidas e consequentemente valores mais elevados pelos produtos geradores de energia. Uma forma de energia renovável que esta cada vez sendo mais explorada é a elétrica, as empresas geradoras de energias se aproveitam para aumentar o seu faturamento ano a ano com a constante demanda por este tipo energia elétrica considerada praticamente limpa.

Uma alternativa para o transporte mundial é o melhor aproveitamento das formas de energia que são mais utilizadas neste momento. Com o advento dos veículos híbridos as empresas montadoras de automóveis em geral estão inserindo uma nova linha de montagem de automóveis os veículos híbridos que buscam uma alternativa  sustentável  e econômica tanto para que as empresas se manterem ativas e produtivas no mercado. Como o aumento da procura e como alternativa de produção vem crescendo a importância da fabricação em larga escala destes veículos também tem em alguns países um forte incentivo financeiro ao projeto visando um menor impacto ao meio ambiente causado por esta forma de transporte.

Segundo especialistas do setor que alertar para o fato de que os veículos elétricos causarão maior impacto na redução do consumo de combustíveis fósseis do que no aumento do consumo de energia elétrica. De acordo com a previsão apresentada pelo diretor do Pietro Erber da INEE (Instituto Nacional de Energia elétrica), poderá haver uma redução de combustíveis fósseis de aproximadamente 5,5 milhões de tep (toneladas equivalentes de petróleo) em 2025. A previsão também aponta o crescimento do uso de veículos elétricos híbridos e veículos elétricos híbridos plug-in, cada um deles representando, respectivamente, 6,6 milhões e 4,3 milhões de automóveis, em 2025.

PASSO 2:

Descreva quais as estratégias envolvidas neste caso, baseando-se na ideia de um produto inovador como veículo híbrido, e na visão da empresa que espera triplicar as vendas em 6 anos. Quais fatores devem ser considerados pela empresa na elaboração de seu planejamento estratégico? Justifique sua resposta apresentando inclusive as vantagens de um planejamento eficaz.

De acordo com Lacombe e Heilborn (2006), o planejamento estratégico deve fazer com que os seus produtos, os clientes, os mercados e as tecnologias continuem crescendo junto com a organização, disponibilizando recursos e dedicando seus esforços. Considerando esse contexto, para o processo de elaboração e formulação do planejamento estratégico é necessário compreender alguns conceitos, tais como: o negócio, a missão, os princípios, a análise do ambiente externo e do interno, a visão, os objetivos, as estratégias competitivas e o plano de ação.

O modelo racional do processo de criação de estratégia está fortemente relacionado com o sistema de planejamento estratégico que, após três décadas, ainda é uma ferramenta amplamente utilizada pelas empresas de todos os ramos, inclusive da área automotiva. A escola do planejamento surgiu com a publicação de Ansoff (1965) que predominou na literatura nos anos 1970 e continua a ter influência nos dias atuais (MINTZBERG; AHLSTRAND; LAMPEL, 2000). A gestão estratégica, durante muito tempo, foi entendida fundamentalmente como planejamento estratégico e este como ferramenta de crescimento, por meio da expansão e diversificação. O planejamento estratégico, assim compreendido, ajuda a elaborar uma estratégia para as organizações, prevê a definição de um curso de ação a ser seguido a partir da identificação de pontos fortes e fracos da organização, e das oportunidades e ameaças advindas do ambiente empresarial (BERTERO; VASCONCELOS; BINDER, 2003).

O planejamento estratégico preconiza o esforço dos administradores de coletar informações sobre uma dada oportunidade empresarial e especificar como tais informações serão utilizadas para se criar uma nova organização, capaz de explorá-la adequadamente (DELMAR; SHANE, 2003). Assim, a sua grande contribuição não está na formulação de estratégias, mas na preparação das mentes dos administradores para a tomada de decisões estratégicas. Sob esta ótica, é uma ferramenta de aprendizado capaz de auxiliar os gestores a tomarem decisões estratégicas sólidas, fundamentadas em condições ambientais turbulentas e incertas (KAPLAN; BEINHOCKER, 2003).

A empresa deve ser vista como um grande sistema dinâmico, onde suas várias atividades técnicas e administrativas devem funcionar de modo relacionado. Como base fundamental do planejamento estratégico empresarial encontra-se a matéria-prima a ser transformada na linha de produção em produtos de qualidade semiacabados e/ou acabados, onde para isso precisa-se obrigatoriamente de uma grande disponibilidade de tecnologia (a qual é adquirida não somente pela compra das mais modernas máquinas) e de funcionários altamente qualificados.

Naturalmente, as empresas que detém um moderno sistema de tecnologia de informações levam também uma grande vantagem em termos de um forte estabelecimento de seu plano estratégico empresarial, de modo que as operações industriais mais rotineiras possam ser realizadas em um menor espaço de tempo.

A área automotiva é um setor de renovação tecnológica intensa, em que a pesquisa aplicada e o desenvolvimento de novos produtos estão fortemente associados à manutenção das posições de mercado das empresas. Assim, a melhoria contínua e evolutiva do Planejamento Estratégico de uma empresa e do Processo de Desenvolvimento de Produtos, mais que uma opção, transforma-se numa necessidade para essas companhias.

As empresas de automóveis, em geral, vivenciam a varias décadas a ideia de veículos movidos a combustão. Para uma empresa que irá direcionar a sua produção para um tipo de motor híbrido, no qual os seus profissionais não estão familiarizados, e devem ser capacitar os seus profissionais, além de buscar outros que possam facilitar a compreensão deste novo produto. Sendo assim terá mais assertividade, para ter um produto mais eficiente neste campo de atuação.

A empresa utilizará pesquisas de mercado para verificar qual faixa econômica que mais trará retorno de seus investimentos no curto prazo (6 anos).

O objetivo é produzir e colocar no mercado o maior número possível de veículos híbridos para a faixa econômica escolhida (classe média-alta), não deixando “brecha” aos seus concorrentes.

Outro ponto é a proximidade de sua fábrica de uma rodovia para escoar a produção com maior facilidade e menor custo.

Tendo em vista o mercado brasileiro, a empresa optou por fornecer uma garantia total de seus veículos por 5 anos, com um custo de revisão fixo e pré-programado para todas as revisões, fidelizando assim seus clientes.

A empresa tem como um dos seus princípios básicos a gestão ambiental e certificação de toda a sua planta da fábrica, das concessionárias e exige que seus fornecedores atendam também estas normas ambientais, bem como a certificação de todos os seus produtos e processos de produção.

PASSO 3:

A empresa contratou uma consultoria especializada em Meio Ambiente para acompanhar todo o projeto de crescimento da empresa e preparou um relatório com os principais problemas a serem solucionados para atender a legislação vigente. Entre suas apresentações ela abordou o fluxograma de um PDCA que demonstra claramente onde se enquadra as diretrizes do SGAC. A sua tarefa é apresentar um fluxograma demonstrando esse enquadramento.

Ao contratar uma consultoria, especializada em certificação ambiental, adotamos o processo PDCA. Utilizando-se desta  ferramenta da qualidade usada no controle do processo para a solução de problemas (PDCA). Nas quatro fases a seguir:

  1. P (plan – planejar): seleção de um processo, atividade ou máquina que necessite de melhoriacom medidas claras para obtenção de resultados;

  1. D (do –fazer): implementação do plano elaborado e acompanhamento de seu progresso

  1. C (check – verificar): análise dos resultados obtidos na execução do plano e se necessárioavaliação do plano

  1. A (act – agir): caso tenha obtido sucesso, o novo processo é documentado e se transforma em um novo padrão, conforme mostra a figura abaixo:

O processo funciona da seguinte forma: são instalados os procedimentos no momento de coleta de dados, que podem se visualizar a conformidade ou a não do processo. Não havendo a conformidade, se reinicia o ciclo para verificação dos pontos críticos, havendo a conformidade se dará continuidade ao ciclo de certificação.

PASSO 4

Agora você irá desenvolver um relatório analisando todas as situações propostas e relatar as relações com a Economia, Administração e a Gestão Ambiental, demonstrando se a empresa com essa inovação está inserida dentro das expectativas esperadas pelo consumidor exigente. Justifique sua resposta.

A empresa esta se atentando a todos os passos aqui apresentados nos itens anteriores, e seus profissionais estarem trabalhando compromissados com a missão e visão da empresa, produzirão com a mais alta qualidade os seus produtos, quer seja na manufatura ou no atendimento as concessionárias e vendas direta.

No aspecto econômico teremos como aliado o planejamento estratégico apresentado, a proximidade da fábrica a uma rodovia de fácil acesso, o capital que será investido não é fruto de financiamento bancário e sim da abertura do capital da empresa na bolsa de valores (Bovespa).

Com relação ao aspecto administrativo, a empresa trabalhará com um treinamento inicial e constante aos funcionários, que também receberão além dos benefícios legais a participação nos lucros da fábrica que podemos chamar montadora.

A empresa terá vantagens econômicas e administrativas aliadas aos obtidos com a implantação da SGAC (Sistema de Gestão Ambiental e Certificação), para todos os processos críticos da empresa.

Assim todos os envolvidos, terão o comprometimento com a qualidade e padronização de seus produtos, firmando junto aos seus clientes a confiança de obter um produto, com uma garantia estendida, e com as manutenções futuras com custo mensurado e acessível para a aquisição do veiculo híbrido.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

Fontes:

http://ged.feevale.br/bibvirtual/Monografia/MonografiaPaulaBarbosa.pdf

http://bell.unochapeco.edu.br/revistas/index.php/rgo/article/viewFile/654/418

http://www.cimm.com.br/portal/publicacao/arquivo/189/portalcimm.pdf

http://www.abve.org.br/destaques/2009/destaque09041.asp

Comentários