Sustentabilidade empresarial

Sustentabilidade empresarial

(Parte 1 de 3)

I CONVIBRA – 24 a 26 de novembro de 2006

SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL: Conceito e Indicadores

Geraldino Carneiro de Araújo (Mestrando em Agronegócios – UFMS)

Miriam Pinheiro Bueno (Mestranda em Agronegócios – UFMS)

Adriana Alvarenga de Sousa (Mestranda em Agronegócios – UFMS) Paulo Sérgio Miranda Mendonça (Doutor em Administração, Docente - UFMS)

Resumo: Este artigo se propõe a apresentar as primeiras definições sobre desenvolvimento sustentável, difundido primeiramente como ecodesenvolvimento; relata as conferências mundiais (Conferência de Estocolmo e Rio-92) e os relatórios gerados (Relatório de Brundtland e Agenda 21); e alguns pontos de vista sobre o significado de desenvolvimento sustentável. Este artigo ainda levanta a discussão sobre a definição de desenvolvimento sustentável e sustentabilidade e com o intuito de expor a conceituação da sustentabilidade empresarial. O objetivo é apresentar o conceito de sustentabilidade empresarial e os principais indicadores de sustentabilidade das empresas brasileiras. Para tanto a estrutura do trabalho parte da apresentação do termo desenvolvimento sustentável e das abordagens existentes para então expor dados da sustentabilidade empresarial brasileira. A pesquisa se caracteriza como descritiva e qualitativa. Utilizou-se a análise de dados secundários para a pesquisa. Com base no relatório do Conselho Empresarial Brasileiro de Desenvolvimento Sustentável (CEBDS) realizou-se o levantamento dos indicadores de sustentabilidade empresarial das organizações brasileiras.

Palavras-chave: desenvolvimento sustentável; sustentabilidade empresarial; indicadores.

Abstract: This article proposes to present the first definitions on sustainable development, spread out first as ecodevelopment; it tells about the world-wide conferences (Conference of Estocolmo and River) and the generated reports (The Brundtland Report and Agenda 21); and some points of view on the meaning of sustainable development. This article still raises the quarrel on the definition of sustainable development and sustainability and with intention to display the conceptualization of the enterprise sustainability. The objective is to present the concept of enterprise sustainability and the main pointers of sustainability of the Brazilian companies. For this, the structure of the work starts on the presentation of the term on sustainable development and the existing boardings for then displaying data of the Brazilian enterprise sustainability. The research is characterized as descriptive and qualitative. Used analysis of secondary data for the research. On the basis of the report of the Conselho Empresarial Brasileiro de Desenvolvimento Sustentável (CEBDS) became fulfilled the survey of the pointers of enterprise sustainability of the Brazilian organizations

Key words: sustainable development; enterprise sustainability; pointers

I CONVIBRA – 24 a 26 de novembro de 2006

1.INTRODUÇÃO

Com os avanços tecnológicos advindos após a revolução industrial e o crescente aumento da população a atividade humana passou a causar mais impacto negativo ao meio ambiente, e o que durante muito tempo foi visto como fonte inexaurível de recursos disponíveis para servir às necessidades do homem agora passa a ser uma inquietação, porquanto os recursos são limitados.

O ciclo produtivo da sociedade capitalista extrai do meio ambiente os insumos necessários para a produção de alimentos e bens de consumo, entretanto, o processo produtivo retorna resíduos sólidos, efluentes líquidos e emite gases nocivos e poluentes em grandes quantidades, acarretando poluição ambiental e esgotamento dos recursos naturais. Outra preocupação que emerge é que uma volumosa camada da população mundial que sofre com a pobreza, fome e exclusão social. As empresas procuram resultados financeiros, ampliação de fatias de mercado e sobrevivência e manutenção de sua competitividade. A globalização da economia e o acirramento da competição mundial elevam a escala de produção, com a conseqüente busca da redução dos custos.

Diante deste panorama as empresas passam a se reestruturar para se adequarem a esta nova percepção. As pressões sociais e restrições impostas fazem com que as empresas sejam forçadas a buscar formas de reduzir seu impacto ambiental e a melhorar sua imagem frente a sua responsabilidade social. Neste sentido, muito tem sido feito para a sustentabilidade do setor produtivo (CORAL, 2002).

O objetivo deste artigo é apresentar o conceito de sustentabilidade empresarial e os principais indicadores de sustentabilidade das empresas brasileiras. Parte-se de uma evolução histórica sobre o pensamento do desenvolvimento sustentável para então se definir sustentabilidade empresarial e apresentar os indicadores sustentáveis promovidos pelas as organizações.

2.CRESCIMENTO E PROGRESSO VERSUS ECODESENVOLVIMENTO

O crescimento é inevitável, é preciso criar uma estrutura para suportá-lo, supri-lo; de maneira a produzir mais, reciclar mais, conscientizar mais, e consumir menos. A população tem que agir menos agressivamente em relação ao meio ambiente, pois os recursos naturais são limitados. Para a CIMA – Comissão Interministerial para Preservação da Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento (BRASIL, 1991) a ótica populacional implica em dois fatores, o primeiro é constituído pela concentração progressiva da população em cidades, adensando o meio urbano e produzindo, em conseqüência, problemas ambientais; o segundo reflete a distribuição desigual do espaço, tanto no que diz respeito aos recursos naturais como nas atividades econômicas. A superposição destes dois fatores implica em níveis diferentes de intensidade dos problemas ambientais (além dos econômicos e sociais).

Produzir degradando menos de forma mais limpa e reduzindo o consumo são fatores a serem mais disseminados e realizados. No entanto, se depara com as desigualdades sociais; e mesmo assim, sob essas condições o país cresce, sem controle, a população

I CONVIBRA – 24 a 26 de novembro de 2006 aumenta e conseqüentemente avoluma-se os problemas sociais, políticos, econômicos, e em especial os relacionados ao meio ambiente, fazendo com que os recursos naturais fiquem escassos mais rapidamente. Os seres humanos têm um futuro comum, o que afeta uma sociedade afeta todo o mundo.

O modelo atual de desenvolvimento econômico vem gerando enormes desequilíbrios sociais. Em outras palavras, nunca houve tanto crescimento, riqueza e fartura ao lado de tanta miséria, degradação ambiental e a poluição, e é neste cenário que se encaixa o desenvolvimento sustentável, como uma maneira de equilibrar e dar continuidade a atividades essenciais a qualidade de vida. É neste cenário que surgem os ideais sobre o desenvolvimento sustentável.

O conceito de desenvolvimento sustentável surgiu pela primeira vez, com o nome de ecodesenvolvimento, no início da década de 70. Foi uma resposta à polarização, exacerbada pela publicação do relatório do Clube de Roma, que opunha partidário de duas visões sobre as relações entre crescimento econômico e meio ambiente: de um lado, aqueles, genericamente classificados de possibilistas culturais (ou ‘tecno-centricos’ radicais), para os quais os limites ambientais ao crescimento econômico são mais que relativos diante da capacidade inventiva da humanidade, considerando o processo de crescimento econômico como uma força positiva capaz de eliminar por si só as disparidades sociais, com um custo ecológico tão inevitável quão irrelevante diante dos benefícios obtidos; de outro lado, aqueles outros, deterministas geográficos (ou ‘eco-centricos’ radicais), para os quais o meio ambiente apresenta limites absolutos ao crescimento econômico, sendo que a humanidade estaria próxima da catástrofe. Mantidas as taxas observadas de expansão de recursos naturais (esgotamento) e de utilização da capacidade de assimilação do meio (poluição) (ROMEIRO, 1999, p. 2-3).

O autor afirma ainda que é neste contexto, que surge o ecodesenvolvimento como uma proposição conciliadora, que reconhece que o crescimento efetivamente é relativo aos limites ambientais, porém não os elimina; o crescimento econômico é condição necessária, mas não suficiente para a erradicação da pobreza e das disparidades sociais. Desta forma é necessário e possível à intervenção e o direcionamento do desenvolvimento econômico para conciliar a eficiência econômica, desejabilidade social e prudência ecológica (uma aceitação generalizada).

3.DISCUSSÕES SOBRE O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

As primeiras discussões sobre ecodesenvolvimento foram engendradas pelo Clube de Roma, organização formada em 1968 por iniciativa do industrial italiano Aurelio Peccei, com o objetivo de examinar o complexo de problemas que desafiavam a humanidade: a pobreza em meio à riqueza; a degradação do meio ambiente; a perda de confiança nas instituições; o crescimento urbano descontrolado; a insegurança no emprego; a alienação da juventude; a rejeição de valores tradicionais; e a inflação e outras rupturas econômicas e monetárias. Pressupunham que era possível entender o mundo como um sistema e analisá-

I CONVIBRA – 24 a 26 de novembro de 2006 lo como um todo (visão sistêmica). O Clube reunia cientistas, pedagogos, economistas, humanistas, industriais e funcionários públicos, com o objetivo de debater a crise atual e futura da humanidade (KRÜGER, 2001).

O resultado foi um relatório publicado pela primeira vez em 1972, The limits to growth (“Os limites do crescimento”), que defendia a necessidade de se conquistar um equilíbrio global baseado em limites ao crescimento da população, no desenvolvimento econômico dos países menos desenvolvidos e em uma atenção aos problemas ambientais. Tal relatório causou enorme impacto entre a comunidade científica, por apresentar cenários catastróficos de como seria o planeta, caso persistisse o padrão de desenvolvimento vigente na época. A partir daí, outros relatórios alertavam com freqüência para a necessidade de se mudar o padrão de desenvolvimento vigente (MARGOLIN, 1998).

O ecodesenvolvimento pode ser visto como uma perspectiva sistêmica de análise e intervenção, aberta à harmonização dos aspectos simultaneamente ambientais, sociais, econômicos, culturais e políticos da dinâmica dos sistemas sociais (FERREIRA, 2003, p. 35).

Em 1987 emerge o conceito de desenvolvimento sustentável na Comissão Mundial de Meio Ambiente e Desenvolvimento (criada em 1983), dirigido pela ex-primeira ministra norueguesa Gro Harlem Brundtland, produziu, sob o patrocínio da ONU – Organização das Nações Unidas, o relatório Our common future (“Nosso futuro comum” também conhecido como Relatório de Brundtland), em que são detalhados os desafios e os esforços comuns, incluindo a administração de áreas comuns; paz, segurança, desenvolvimento e o meio ambiente; propostas de mudança institucional e legal. Constitui-se em um trabalho que visa:

[...] propor estratégias ambientais de longo prazo para obter um desenvolvimento sustentável por volta do ano 2000 e daí em diante; recomendar maneiras para que a preocupação com o meio ambiente se traduza em maior cooperação entre os países em desenvolvimento e entre países em estágios diferentes de desenvolvimento econômico e social e leve à consecução de objetivos comuns e interligados que considerem as inter-relações de pessoas, recursos, meio ambiente e desenvolvimento; considerar meios e maneiras pelos quais a comunidade internacional possa lidar mais eficientemente com as preocupações de cunho ambiental ; ajudar a definir noções comuns relativas a questões ambientais de longo prazo e os esforços necessários para tratar com êxito os problemas da proteção e da melhoria do meio ambiente, uma agenda de longo prazo para ser posta em prática nos próximos decênios, e os objetivos a que aspira a comunidade mundial (COMISSÃO MUNDIAL SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO, 1991, p. xi).

A Conferência de Estocolmo foi designada na época como “abordagem do ecodesenvolvimento” e, posteriormente, renomeado “desenvolvimento sustentável” (SACHS, 1993). Apesar da significativa similaridade de desenvolvimento sustentável com os preceitos do ecodesenvolvimento:

[...] o fator diferenciador entre ecodesenvolvimento e desenvolvimento sustentável reside a favor deste último quanto à sua dimensão, globalizante, tanto desde o lado do questionamento dos problemas ambientais como a ótica das reações e soluções que formuladas pela sociedade. Ele não se refere especificamente ao problema limitado de adequações ecológicas de um processo social, mas a uma estratégia para sociedade que deve levar em conta tanto à

I CONVIBRA – 24 a 26 de novembro de 2006 viabilidade econômica quanto a ecológica. Num sentido abrangente, a noção de que a sustentabilidade leva à necessária redefinição das relações sociedades humanas/natureza, portanto uma mudança substancial do próprio processo civilizatório, introduzindo o desafio de pensar a passagem do conceito para ação (OLIVEIRA FILHO, 2004, p. 8).

Por ocasião do vigésimo aniversário da Conferência de Estocolmo, em junho de 1992, foi realizada no Rio de Janeiro a conferência mundial sobre Gestão Ambiental e Desenvolvimento Sustentável, denominada Eco 92 ou Rio 92. Este acabou considerado como marco global das discussões sobre o assunto, pois teve a participação de representantes governamentais de todo o mundo; seus principais resultados foram dois grandes documentos: A Carta da Terra (rebatizada de Declaração do Rio) e a Agenda 21.

A Agenda 21 dedica-se aos problemas da atualidade e almeja preparar o mundo para os desafios do século XXI. Ela reflete o consenso global e compromisso político em seu mais alto nível, objetivando o desenvolvimento e o compromisso ambiental. A Declaração do Rio visa estabelecer acordos internacionais que respeitem os interesses de todos e proteja a integridade do sistema global de ecologia e desenvolvimento. A partir desse momento, começa a existir de maneira globalizada uma preocupação no que diz respeito à Gestão Ambiental e o Desenvolvimento Sustentável tanto por parte das entidades governamentais das organizações públicas e privadas como dos consumidores deste mercado global (OLIVEIRA FILHO, 2004, p. 6)

A Agenda 21 se trata de documento contendo uma série de compromissos acordados pelos 170 países presentes, que assumiram o desafio de incorporar, em suas políticas públicas, princípios do desenvolvimento sustentável.

No ano de 2002, aconteceu em Joanesburgo, na África do Sul, a maior conferência mundial sobre o tema Gestão Ambiental e Desenvolvimento Sustentável, denominada Rio+10, nesse encontro foi elaborado um documento chamado Protocolo de Kioto onde se firma um compromisso em que países com maior nível de industrialização, conseqüentemente maiores utilizadores de recursos naturais geradores de resíduos poluentes devem ser tributados e responsabilizados de maneira maior no que diz respeito às responsabilidades da não preservação do planeta para gerações futuras.

Num esforço gigantesco de compreensão e de síntese, a Cúpula Mundial do

(Parte 1 de 3)

Comentários