DIFICUDADES DE APRENDIZAGEM NAS OPERAÇÕES FUNDAMENTAIS DE MATEMÁTICA PARA ALUNOS DE 1 E 2 CICLOS NA ESCOLA RUY BARATA-Lidiane Picanço e Walma Santos

DIFICUDADES DE APRENDIZAGEM NAS OPERAÇÕES FUNDAMENTAIS DE MATEMÁTICA PARA ALUNOS...

(Parte 1 de 4)

DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM NAS OPERAÇÕES FUNDAMENTAIS DE MATEMÁTICA PARA ALUNOS DO 1º E 2º CICLOS NA ESCOLA “RUY BARATA”

Óbidos-Pa 2014

DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM NAS OPERAÇÕES FUNDAMENTAIS DE MATEMÁTICA PARA ALUNOS DO 1º E 2º CICLOS NA ESCOLA “RUY BARATA”

Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Programa de Formação de Professores da Educação Básica, do Instituto de Ciências da Educação, da

Universidade Federal do Oeste do Pará, sob orientação do prof. Msc. Ednilson

Souza, para efeito de obtenção do grau de Licenciatura Integrada em Matemática e Física.

Óbidos-Pa 2014

Pará, tendo sido considerado

Este documento corresponde à versão final do Trabalho de Conclusão de Curso intitulado DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM NAS OPERAÇÕES FUNDAMENTAIS DE MATEMÁTICA PARA ALUNOS DO 1º E 2º CICLOS NA ESCOLA “RUY BARATA” e apresentado por LIDIANE DE JESUS PICANÇO e WALMA MARIA DE AZEVEDO SANTOS à banca examinadora do curso de Licenciatura Integrada em Matemática e Física da Universidade Federal do Oeste do Óbidos-Pa 08 de agosto de 2014.

Prof. Msc. Ednilson Sergio Ramalho de Souza-Presidente Prof. Dr. João Roberto Pinto Feitosa-Membro

Prof. Msc. Sandro Aléssio-Membro Prof. Msc. Francisco Robson Alves-Membro

DEDICATÓRIA Walma Maria de Azevedo Santos

Dedicamos em primeiro lugar a DEUS que nos deu força para que pudessemos enfrentar esta jornada de ensino para que melhorassemos nossos conhecimentos.

Às minhas filhas, Isabelle Lohana e Andreina Roberta, como forma de reconhecimento e compreensão nas horas que passei sem lhes da a devida atenção.

À minha família em especial a meus pais Pedro Perreira dos Santos e Maria Zuila de Azevedo Santos que não se encontram mais nesse mundo mais que contribuíram muito em minha formação, aos meus irmãos e sobrinhos, o meu muito obrigado.

Lidiane de Jesus Picanço

Eu, Lidiane de Jesus Picanço dedico este trabalho de conclusão de curso a meu marido Manoel João, pela compreensão, por me acompanhar durante essa caminhada, a meu filho Vitor Yago, a meus pais Ilza e José Raimundo que muito me ajudaram e deram força para não desistir e chegar ao fim de mais esta etapa de meus estudos.

Agradecemos, primeiramente, a DEUS por ter nos dado força para cumprir esta etapa, pois muito foram os obstáculos encontrados nessa longa caminhada. Ao professor Ednilson Souza por ter sido dedicado e ter nos ajudado como nosso orientador nesse trabalho cientifico de licenciatura. À equipe de professores do curso de Matemática e Física representado pelo professor Ruberval Santos, coodernador do curso. À Universidade Federal do Oeste do Pará, que nos oportunizou a realiazação do curso. Aos funcionarios da escola, aos pais e alunos, que muito bem nos receberam para realização desta pesquisa. Aos nossos familiares que muito contribuiram para nossa formação acadêmica.

O objetivo deste trabalho consiste em analisar as dificuldades relacionadas com as operações fundamentais que os alunos da Escola “Ruy Barata” apresentam durante o processo de aprendizagem. Para isso, buscamos responder à seguinte questão de pesquisa: Quais as dificuldades enfrentadas pelos alunos do 1º e 2º ciclos na aprendizagem das operações fundamentais de matemática da Escola “Ruy Barata”? Optamos por uma pesquisa quali-quantitativa (MALHEIROS, 2011) com aplicação de questionários abertos. Os sujeitos da pesquis foram 02 professores do ensino fundamental menor, 08 alunos e 03 pais de alunos. Os resultados obtidos revelaram que os professores ainda se apegam muito ao metodo tradiconal, a maioria dos estudantes gostam de matemática, inclusive no que se refere às operações fundamentais e os pais sempre procuram ajudar seus filhos na tarefa para casa. Vale resaltar que utilizando metodos que desenvolva o raciocinio do educando ele aprenderá de forma bem mais prazerosa e gratificante.

PALAVRAS-CHAVE: Aprendizagens, operações fundamentais, dificuldades.

The goal of this work consists in analyze the difficulties related with the fundamental operations that the School students “Ruy Barata” present during the learning process. For that, we seek to answer to the following research matter: Which are the difficulties faced by the students from 1st and 2nd cycles in the mathematics fundamental operations learning of School “Ruy Barata”? Opt for a research qualiitative (MALHEIROS, 2011) with application of opened questionnaires. Pesquis subjects were 02 teachers of the smaller fundamental teaching, 08 students and 03 students parents. The obtained results revealed that the teachers still attach a lot to tradiconal, most students like mathematical, inclusive with regard to the fundamental operations and the parents always try to help their children in the task homewards. It is worth that using metods that develops of the educating him will learn of form much more joyful and gratifying.

Keywords: Learning, Fundamental Operations, Difficulties.

Gráfico 1. Gosto pela matemática na visão dos alunos45
Gráfico 2. Participação nas aulas de matemática46
Gráfico 3. Gosto pela resoluçaõ de operações fundamentais47
Gráfico 4. Resolução do dever de casa pelos alunos48
Gráfico 5. Ajuda dos pais no dever de casa49

LISTA DE GRÁFICOS Gráfico 6. Metodologia usada pela professora. ......................................................... 50

Figura 2. Vista posterior da escola31
aprendizagem31
Figura 4. Desafio lançado para os alunos do 5º ano34
Figura 5. Aluna resolvendo corretamente o problema35
Figura 6. Alunos tentanto resolver o desafio de matemática35
Figura 7. Quadrado mágico: segundo desafio36
Figura 8. Segundo desafio lançado para toda a turma37
Figura 9. Estudantes resolvendo o segundo desafio37
Figura 10. Dominó da multiplicação38
Figura 1. Alunos confeccionando o jogo Boliche das Quatro Operações39
Figura 12. Educandos jogando o Boliche das Operações Matemáticas40

Figura 3. Sala de aula (varanda da escola) em situação normal de ensino e

Matemática41

Figura 13. Crianças do 1º ano brincando o Jogo da Memória das Operações

Matemáticas42

Figura 14. Crianças do 2º ano brincano o Jogo da Memória das Operações Figura 15. Crianças do 1º e 2º anos brincando o jogo Barquinha dos Fatos. ............ 43

INTRODUÇÃO17
JUSTIFICATIVA19
CAPITULO I21
CONSIDERAÇÕES SOBRE O ENSINO DE MATEMÁTICA21
1.1. O ensino da matemática21
1.2. A matemática na formação do educando23

1.3. As dificuldades de matemática nas operações fundamentais no 1º e 2º ciclo. 24

CAPÍTULO I28
A PESQUISA DE CAMPO28
2.1. Formulação do problema28
2.2. Caracterização de pesquisa28
2.3. Lócus e sujeito da pesquisa29
29
2.4. Procedimentos para coleta e interpretação de dados29
2.5. Sobre os questionários aplicados4
2.5.1. Os alunos4
2.5.2. As professoras50
2.5.3. Os responsáveis52
CONSIDERAÇÕES FINAIS54
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS56
ANEXOS57
Anexo a: questionário professores57
Anexo b: questionários com os alunos57
Anexo c: questionários com os pais:57

Figura 1. Escola Municipal de Educação Infantil e Ensino Fundamental Ruy Barata. Anexo d: outras fotografias ................................................................................ 58

MEMORIAL À minha jornada estudantil começou quando eu, Walma Maria de Azevedo

Santos e minha família meu pai, minha mãe e meus sete irmãos tivemos que nos mudar de Óbidos para Santarém em busca de melhores condições de vida. Não lembro muito bem, mais tinha seis anos de idade quando fiz a alfabetização em uma escolinha onde não sei mais o nome, depois estudei de 1º a 4º série na Escola “Frei Ambrósio”. Nesse período, as coisas não foram muito bem para nossa família e tivemos que voltar para nossa cidade presépio Óbidos. Já fazendo a 5º série estudei na Escola “São José”, depois voltei a morar em Santarém em casa de família para estudar, só que não sei porque minha irmã mais velha havia cancelado a minha matrícula e tive que ficar esse ano sem estudar . No ano seguinte cursei a 6º, 7º e metade da 8º serie na Escola “Plácido de Castro”.

Cursando a 8º serie voltei para Óbidos e pra matar a minha curiosidade pedi que fizesse minha matricula na Escola “Felipe Patroni”, pois nessa época tinha uma certa rivalidade com o São José e queria saber como era o ambiente escolar, não gostei muito. As pessoas eram legais mas a minha escola preferida era o São José.

Concluído o primeiro grau fiz o 1º, 2º e 3º ano de magistério no “São José”, pois era a única escola que tinha o segundo grau. Escolhi essa área não que eu quizesse, e sim porque minha mãe sempre nos falava que a melhor opção seria dar aula porque ela não tinha condições de nos mandar para fora em busca de melhores conhecimentos.

Terminei os estudos no ano de 1995, nesse intervalo não consegui nenhum trabalho. Na cidade só apareciam propostas para o interior e como era jovem nunca aceitei, com o passar do tempo, já em 1999 fiquei gravida e em 2000 tive uma linda menina que me fez mudar de ideia quanto às propostas do interior. E em 2003 fui lecionar na comunidade Mamauru, na Escola “Ruy Barata”, município de Óbidos estado do Pará, em uma turma multissérie de 3º e 4º série. No primeiro dia de aula meio sem saber direito o que fazer porque cheguei num dia e no outro já fui dando aula não tive tempo nem para fazer um plano e mesmo assim assumi a turma. Lembrome que o responsável nesse tempo me deu apenas um livro e pediu que eu passasse um texto, foi ai que fiquei arrasada, pois os alunos da 3º série não sabiam ler e os da 4º serie bem pouco. Pensei na mesma hora em desistir, pois achei que não ia dar conta do recado. Mais minha irmã que tinha mais experiência não deixou que eu desistisse, me ajudando bastante nessa longa caminhada que estava apenas começando.

No começo pensei que não era a minha área e que não levava jeito, mais a cada dia que se passava ficava pensando em uma maneira de como iria fazer para conseguir com que eles aprendessem até dar aula extra no turno da tarde eu dei e foi ai que percebi que minha vocação era mesmo ser professora, por que me preocupava bastante em encontrar uma maneira de fazer com que eles aprendessem e até hoje gosto muito da minha profissão.

Passado os anos continuo lecionando na mesma escola. Em 2006 uma tragédia abalou minha família com o suicídio do meu pai fiquei arrasada com a notícia, pois estava grávida e minha gravidez era de risco, mas deu tudo certo. Não perdi meu bebe e superei com a ajuda do meu marido. E em 2010 tive a felicidade de ser contemplada com uma vaga na Universidade Federal do Oeste do Pará (UFOPA) para nos proporcionar melhores conhecimentos, no começo a área que escolhi não era bem o que eu queria porque meu pai queria que eu fosse bancaria, mais o meu sonho era ser uma advogada mais como não tinha outra opção resolvi fazer o curso de matemática e física porque era a área que eu mais me afinava e a área de pedagogia era bastante procurada e poderíamos ficar de fora.

Quando foi em julho do mesmo ano começou a tão sonhada batalha que para mim não foi um bom começo, pois estava passando por problemas familiares muito tristes. Minha mãe estava com câncer o que me desanimou bastante mais graças a Deus deu tudo certo na sua cirurgia, pelo menos era o que pensávamos. Passado uns três anos já tinha me separado do meu marido e a doença havia voltada em minha mãe e dessa vez sem cura, depois de muita luta, varias viagens para Manaus, no ano de 2012 minha mãe veio a falecer logo depois que acabou o sexto período creio eu, perdi completamente a vontade de continuar estudando, só não desisti porque quero dar uma vida melhor para minhas filhas, pois foram elas que me deram forças para sobreviver e continuar meus estudos.

Hoje ainda sinto muito sua falta, e queria que ela estivesse presente nessa conquista que estou prestes a conseguir depois de tantas dificuldades que tive que passar. Nesse período, a luta de sair da sala de aula e já ir direto para os estudos era cansativo .Acordar de madrugada no tempo da seca para esperar barco para não chegar atrasada, fazer economia para quando chegasse o mês de janeiro ter como me manter com minhas filhas, pois sou professora temporária, ficando pior quando minha mãe faleceu.

Em fim com a vontade de vencer essa jornada tive que me fazer de mulher para conseguir finalmente chegar ao fim dessa caminhada de sucesso que tanto almejo para minha vida.

Lidiane de Jesus Picanço

Eu Lidiane de Jesus Picanço, iniciei meus estudos no ano de 1990, quando meus pais me colocaram para morar na casa de meus avós paternos para poder estudar, pois, na nossa comunidade havia uma professora mais não era formada. Comecei meus estudos aos sete anos na primeira série na escola Armélio Santos, não frequentei a pré-escola, mas minha mãe sempre me ensinava o alfabeto em casa, assim quando iniciei os estudos já conhecia algumas letras. Minha professora era muito rígida, muito tradicional, não permitia que perguntasse algo pra ela nem para os colegas e queria que soubessemos copiar do quadro e fazer outros tipos de atividades, em parte foi bom pelo menos eu me menos eu me esforcei e aprendi a ler e a escrever. Estudei nessa escola dois anos: a primeira e segunda série.

Voltei para junto de meus pais na comunidade Jacaré-Puru. Já havia uma professora formada em magistério e estudei com ela a terceira e quarta séries, pois era só até essa série que tinha nessa comunidade. Foi bom esse período, apesar das dificuldades que enfrentávamos, pois não tinha merenda, água era a professora que levava em garrafa térmica e era só um pouquinho pra cada um, consegui aprender mais um pouco e não fiquei reprovada.

Para cursar a quinta série foi morar em Óbidos na casa de meus tios. Estudei na escola “Felipe Patroni” até a oitava série. Aprendi muito, onde logo na quinta série aprendi a resolver as operções fundamentais, tirar prova real e dos noves, resolver as expressões numéricas que até então não sabia bem. Sempre gostei de matemática, mas apresentava dificuldades em certos conteúdos.

Passei a conhecer muitas outras coisas, pois quem mora no interior tem pouco conhecimento pincipalmente nessa época em que a tecnologia não era tão avançada. Cursando o ensino fundamental nunca fiquei reprovada em nenhuma série.

Estudei o ensino médio na escola “São José” a única de ensino médio em

Óbidos. Nesse período chegou para Óbidos o curso Normal, de quatro anos, eu não queria estudar essa área, pois, tinha que fazer o estágio e achava que seria muito dificil. Entretanto, meus pais pediram para que eu estudasse, pois achavam que era melhor opção, onde seria mais fácil arrumar um emprego de professora, com essa formação. Não querendo muito porque não pensava em ser professora acabei cursando-o.

Quando terminei o ensino médio passei dois anos morando em Óbidos. No ano de 2005 estava precisando de professor na comunidade onde morava e me perguntaram se queria dar aula. Pensei muito e acabei aceitando. No começo tive dificuldades, pois era multissérie e não tinha muita prática. Mas sempre procurei tirar minhas dúvidas com professores mais experiêntes, a SEMED sempre ofertou bastantes cursos e assim consegui bons resultados durantes esses anos de educadora. Ser professora tem seus pontos positivos e negativos, mesmo assim gosto do que faço.

Sempre tinha vontade de entrar na universidade para ter mais comhecimentos, mas era muito difícil. Até que surgiu o PARFOR. Escrevi-me no curso de Matemática e Física, pois era menos procurado e a chance de ser comtemplada era maior. Finalmente meu nome saiu na primeira lista. Comecei a estudar em 2010. No ínicio as dificuldades foram muitas, pois já não me lembrava de certos conteúdos e a questão de trabalhar e estudar é muito cansativo, tem que ter muita vontade para não desistir. Mas, finalmente estou chegando ao término do curso e conseguindo realizar meu sonho de ter o ensino superior e esperança de uma vida melhor.

O presente estudo decorre de questionamentos sobre a prática escolar cotidiana e a consequente busca de compreensão das dificuldades enfrentadas pelos professores e alunos para lidar com as operações fundamentais de matemática do 1º e 2º ciclos no ensino fundamental menor da Escola “Ruy Barata”. O interesse pelo tema surgiu apartir das dificuldades observadas nos alunos dos anos iniciais da referida escola nas operações fundamentais, visto que estes se encontram num índice baixo de aprendizagem o qual precisa ser melhorado.

A partir da seguinte questão de pesquisa: Quais as dificuldades enfrentadas pelos alunos do 1º e 2º ciclos na aprendizagem das operações fundamentais de matemática da Escola “Ruy Barata”? Temos por objetivo geral: Analisar as dificuldades relacionadas com as operações fundamentais que os alunos da Escola “Ruy Barata” apresentam durante o processo de aprendizagem. Especificamente, nossos objetivos são: Identificar as dificuldades apresentadas pelos alunos e professores; verificar as metodologias utilizadas pelo professor em sala de aula; sugerir materias didáticos educativos no sentido de melhorar algumas práticas metodológicas inovadoras para a resolução de operações fundamentais de matemática.

(Parte 1 de 4)

Comentários