Seminário- preconceito linguístico. LETE17 DEFINITIVO

Seminário- preconceito linguístico. LETE17 DEFINITIVO

O círculo vicioso do preconceito linguístico págs. 73 a 103 do livro Preconceito linguístico- BAGNO, Marcos. 35ed. São Paulo: Loyola, 2004.

Universidade Federal da Bahia

LETE17- Língua Portuguesa I Semestre: 2014.2

Professora: Silvana Soares Costa Ribeiro

Componentes: Ana Carolina, Cleide Santos e Taís Teles

Data: 13/11/2014 Grupo: 7

☻ Vocês acreditam que a mídia pode ser um mecanismo de combate ao preconceito linguístico? ☻Vocês concordam com o truque defendido por Dad Squarisi?

Tese do livro

A crítica ao preconceito linguístico e o exercício da tolerância.

Elementos do preconceito Linguístico

NAPOLEÃO MENDES

Propaga por meio dos COMANDOS PARAGRAMATICAIS, especificamente em suas colunas de jornal :

O que são de FATO esses comandos paragramaticais?

  • “[...]formidável poder de influência dos meios de comunicação e dos recursos de informática”(BAGNO,2004,p.77)

  • “tudo o que eles fazem de concreto é perpetuar as velhas noções de que “brasileiro não sabe português” e de que “português é muito difícil”(BAGNO,2004,p.77)

Não erre mais! de Luiz Antonio Sacconi

  • Não tem critério de organização

  • Tenta ensinar coisas inúteis

  • Corrigir “erros comuns”

Não erre mais! de SACCONI

“[...] lendo o livro, o leitor descobre que todos os brasileiros, com exceção o autor, são ignorantes.” (BAGNO,2004,P.84)

Exemplos de expressões preconceituosas de Sacconi.

A desinformação por parte de Sacconi leva-o atribuir a Bahia e a influência Africana, como responsáveis, por maior parte, das variantes do português do Brasil.

  • A vocalização do /λ/ (talho-> taio)

  • A assimilação –nd> -nn> -n (comendo->comeno)

  • Rotacismo (alto->arto)

  • Lambdacismo (cerveja-> celveja)

Dad Squarisi,

Seu absoluto desconhecimento da complexidade dos fenômenos linguísticos gera:

Sujeito Passivo

Reanálise sintática

“O que a gramática normativa insiste em classificar como sujeito a gramática intuitiva do brasileiro interpreta como objeto direto” (BAGNO,2004,P.97)

Analise dos enunciados linguísticos:

Por MARCOS BAGNO

☻ Vocês acreditam que a mídia pode ser um mecanismo de extinção do preconceito linguístico? ☻Vocês concordam com o truque defendido por Dad Squarisi?

Agradecemos a atenção de vocês!

Referências Bibliográficas

  • BAGNO, M. (1999). Preconceito linguístico: o que é, como se faz. São Paulo: Loyola.

  • BAGNO, Marcos. Comandos Paragramaticais: a política linguística dos meios de comunicação do Brasil. [online] Disponível na Internet <http://www.jstor.org/discover/10.2307/41678204?uid=2&uid=4&sid=21104472254561> Acesso em 09 de novembro de 2014.

  • Os 8 mitos do preconceito linguístico. Disponível em: <http://www.mundodse.com/2011/06/os-8-mitos-do-preconceito-linguistico.html>Acesso em 12 de novembro de 2014.

Comentários