Linguistica aplicada ao ensino do português

Linguistica aplicada ao ensino do português

(Parte 1 de 12)

[Digite texto]

Curso: LÍNGUISTICA APLICADA AO ENSINO DE

Disciplina: LITERATURA BRASILEIRA Prof. DR. CLAUDIO SILVEIRA MAIA

Instituto Superior de Educaçaçãodo Vale do Juruena

Associação Juinense de Ensino Superior do Vale do Juruena

Pós-Graduação Lato Sensu em LINGUISTICA APLICADA AO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA Prof. DR. CLAUDIO SILVEIRA MAIA

Av. Gabriel Muller, 1065– Modulo 01 – Juina – MT – CEP 78320-0 w.ajes.edu.br – ajes@ajes.edu.br

Todos os direitos reservados aos autores dos artigos contidos neste material didático. De acordo com a Lei dos Direitos Autorais 9610/98.

Observar as transformações ocorridas na literatura brasileira ao longo do século X, em consonância com os principais acontecimentos que norteiam a cultura brasileira, é o principal objetivo. O eixo norteador da disciplina é a autonomia intelectual, perseguida desde os tempos da independência cultural apregoada pela estética romântica e alcançada com esmero pelos escritores modernistas.

ASSIS, Joaquim Maria Machado de. Instinto de nacionalidade. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1999. BOSI, Alfredo. História concisa da literatura brasileira. São Paulo: Cultrix, 1994. CAMPOS, Augusto (et. alli). Teoria da Poesia Concreta. Textos críticos e manifestos. 1950-1960. Cotia: Ateliê Editorial, 2006. DE DECCA, Edgar Salvadori (org.) Pelas margens – outros caminhos da história e da literatura. Porto Alegre/Campinas: URGS/UNICAMP, 2000. LIMA, Luiz da Costa. Lira e antilira: Mário, Drummond, Cabral. Rio de Janeiro: Topbooks, 1995. LUCAS, Fábio. Do barroco ao moderno: luzes da literatura brasileira. São Paulo: Ática, 1989. MELO E SOUZA, Antonio Candido. Literatura e sociedade. São Paulo: Publifolha, 2000. _. Vários escritos. São Paulo: Duas Cidades, 2004. SCHLAFMAN, Leo. A verdade e a mentira - novos caminhos para a literatura. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1998.

Instituto Superior de Educaçaçãodo Vale do Juruena

Associação Juinense de Ensino Superior do Vale do Juruena

Pós-Graduação Lato Sensu em LINGUISTICA APLICADA AO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA Prof. DR. CLAUDIO SILVEIRA MAIA

Av. Gabriel Muller, 1065– Modulo 01 – Juina – MT – CEP 78320-0 w.ajes.edu.br – ajes@ajes.edu.br

Todos os direitos reservados aos autores dos artigos contidos neste material didático. De acordo com a Lei dos Direitos Autorais 9610/98.

Modernismo no Brasil: Sinopse04
Breve análise transsecular dos séculos XIX-X12
Mo(vi)mentos em busca da poesia moderna35
O enigma bandeiriano45
Raízes do popular na escritura rosiana49
Clarice Lispector56
Campos de Carvalho6
Literatura brasileira e cânone literário78
Um cânone da literatura brasileira atual82

Instituto Superior de Educaçaçãodo Vale do Juruena

Associação Juinense de Ensino Superior do Vale do Juruena

Pós-Graduação Lato Sensu em LINGUISTICA APLICADA AO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA Prof. DR. CLAUDIO SILVEIRA MAIA

Av. Gabriel Muller, 1065– Modulo 01 – Juina – MT – CEP 78320-0 w.ajes.edu.br – ajes@ajes.edu.br

Todos os direitos reservados aos autores dos artigos contidos neste material didático. De acordo com a Lei dos Direitos Autorais 9610/98.

Modernismo no Brasil

Literatura Modernista 1ª geração do Modernismo Brasileiro QUADRO GERAL: 1ª GERAÇÃO DO MODERNISMO BRASILEIRO INÍCIO: 1922 - evento da “SEMANA DE ARTE MODERNA” no teatro municipal de São Paulo. TÉRMINO: 1930 - publicação do livro “Alguma Poesia”, de Carlos Drummond de Andrade.

CARACTERÍSTICAS ESPECÍFICAS: • Rompimento com as estruturas do passado.

• Caráter anárquico e destruidor.

• Nacionalismo.

• Pesquisa através da volta às origens.

• Tentativa de criar uma língua brasileira; a língua falada nas ruas, pelo povo.

• Repensar a história da literatura no Brasil através da paródia e do humor.

• Valorização do índio-autêntico brasileiro.

• É uma fase rica em manifestos: “Pau-Brasil”, Oswald de Andrade - "Verde-Amarelo", e do "Grupo da Anta", com Plínio Salgado, • Nacionalismo crítico x utópico.

MÁRIO DE ANDRADE • Liberdade formal.

• Combate a sintaxe tradicional.

• Nacionalismo.

• Procura da linguagem brasileira.

• Tema principal: a cidade de São Paulo.

• Expressões ítalo-paulistanas.

• Linguagem coloquial.

• Pesquisa folclórica.

• Principais obras: “Paulicéia Desvairada” (1922); “Lira Paulistana” (1946); “Contos Novos” (1946); “Amar,Verbo Intransitivo” (1927); “Macunaíma” (1928); “A escrava que não era Isaura” (1925).

OSWALD DE ANDRADE • Lançou o movimento "Pau-Brasil" (1924) e o "Antropofágico" (1927).

• Linguagem telegráfica.

• Rupturas sintáticas.

• Capítulos curtos.

• Neologismos.

• Técnica cinematográfica.

• Linguagem coloquial e sintética.

• Humor, paródia.

• Temas do cotidiano.

• Quebra de fronteiras entre a prosa e poesia.

• Principais obras: “Memórias Sentimentais de João Miramar” (1924); “Serafim Ponte Grande” (1933); “A Morta” (1937); “O Rei da Vela” (1937).

MANUEL BANDEIRA • No início, influências simbolistas com ligações parnasianas.

• Fez poemas autobiográficos.

• Tom melancólico e lírico.

Instituto Superior de Educaçaçãodo Vale do Juruena

Associação Juinense de Ensino Superior do Vale do Juruena

Pós-Graduação Lato Sensu em LINGUISTICA APLICADA AO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA Prof. DR. CLAUDIO SILVEIRA MAIA

Av. Gabriel Muller, 1065– Modulo 01 – Juina – MT – CEP 78320-0 w.ajes.edu.br – ajes@ajes.edu.br

Todos os direitos reservados aos autores dos artigos contidos neste material didático. De acordo com a Lei dos Direitos Autorais 9610/98.

• Temas relacionados a doenças e mortes, principalmente a tuberculose. • Linguagem coloquial, tese social e folclore negro.

• Ás vezes usa a ironia.

• Versos livres.

• Rebeldia e sátira como no poema “Os sapos”.

• Temas populares.

• Saudade da infância.

• Desejo de libertação.

• Principais obras: “A cinza das horas” (1917); “Ritmo Dissoluto” (1924); “Libertinagem” (1930); “Estrela da Manhã” (1936); “Itinerário de Pasárgada” (1954).

OUTROS AUTORES • Alcântara Machado: Brás, Bexiga e Barra Funda.

• Cassiano Ricardo: Martim Cererê.

• Guilherme de Almeida: A flor que foi um homem.

• Menotti del Picchia: Juca Mulato.

• Combate ao passadismo; contra os padrões clássicos e tradição. • Irreverência contra o preestabelecido.

• Liberdade formal; versos livres; ausência de rima; liberação do ritmo; liberdade de estrofação.

• Linguagem coloquial, do dia-a-dia; regionalismo.

• Humor, ironia, paródia e poema-piada.

• Busca do novo, original, dinâmico refletindo a industrialização, máquinas, motores.

• Sem enfeites e rebuscamentos; a simplicidade.

• Abstenção de uma postura sentimentalóide.

• Preocupação com a observação e análise crítica da realidade.

• Consciência nacional.

Instituto Superior de Educaçaçãodo Vale do Juruena

Associação Juinense de Ensino Superior do Vale do Juruena

Pós-Graduação Lato Sensu em LINGUISTICA APLICADA AO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA Prof. DR. CLAUDIO SILVEIRA MAIA

Av. Gabriel Muller, 1065– Modulo 01 – Juina – MT – CEP 78320-0 w.ajes.edu.br – ajes@ajes.edu.br

Todos os direitos reservados aos autores dos artigos contidos neste material didático. De acordo com a Lei dos Direitos Autorais 9610/98.

Literatura Modernista Modernismo 2ª fase (1930-1945)

• Iniciou com o livro Alguma Poesia, de Carlos Drummond de Andrade. • Aprofundou os ideais e propostas da 1ª fase.

• Verso livre.

• Poesia sintética.

• Questionamento da Realidade.

• Busca o “eu-indivíduo” e o seu “estar no mundo”.

• Investigação do papel do artista.

• Metalinguagem.

• Corrente mais intimista e espiritualizada.

• Evidencia-se a fragilidade do Eu.

• Domínio da prosa com o Romance regionalista nordestino, social e politicamente engajado.

POETAS DO MODERNISMO 2ª FASE

I - CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE: a) Temas específicos: o indivíduo; a terra natal; a família; os amigos; o social; o amor; a própria poesia; exercícios lúdicos com a poesia; visão de existência. b) Características: • 1925 - 1940: Poesia irônica; humor; saudosismo; individualismo; contempla o mundo e a si mesmo. Obras: Alguma Poesia; Brejo das Almas e Sentimento de Mundo • 1941 - 1945: Poesia social; guerra; ditadura; denúncias; a metalinguagem. Obras: A Rosa do Povo; poemas José e A Procura da Poesia. • 1946 - 1958: Poesia metafísica; ideologia; negativismo; descrença.

experimentalObra: Lição de coisas.

Obras: Poesia até Agora; Claro Enigma e Fazendeiro do Ar. • 1962 - 1968: Poesia objectual; liberdade poética; atitude lúdica; o prosaico; o irônico; poesia • 1968 - 1987: Últimas obras: certo erotismo e ecletismo.

Obra: Boi tempo; entre outras.

I- CECÍLIA MEIRELES a) temas específicos: a solidão; o amor perdido; a saudade; o espaço; o oceano; temas históricos; a fugacidade do tempo; a fragilidade do ser humano; os desacertos dos homens; o isolamento; a sombra; o nada. b) Características: • Escreve obras em poesia, prosa e também traduções.

• Influência simbolista (neo-simbolismo).

• Uso de lirismo.

• Ceticismo e melancolia.

• Musicalidade como apoio para seus lamentos.

• Versos curtos e com ritmo.

• Jogo de imagens, sons e cores.

• Subjetivismo.

• Corrente espiritualista do Modernismo. c) Algumas obras: • Espectros (1919)

• Romanceiro da Inconfidência (1953)

Instituto Superior de Educaçaçãodo Vale do Juruena

Associação Juinense de Ensino Superior do Vale do Juruena

Pós-Graduação Lato Sensu em LINGUISTICA APLICADA AO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA Prof. DR. CLAUDIO SILVEIRA MAIA

Av. Gabriel Muller, 1065– Modulo 01 – Juina – MT – CEP 78320-0 w.ajes.edu.br – ajes@ajes.edu.br

Todos os direitos reservados aos autores dos artigos contidos neste material didático. De acordo com a Lei dos Direitos Autorais 9610/98.

• etc.

I) VINICIUS DE MORAES a) Temas específicos: espiritualidade; amor platônico; amor real; a mulher; a sensualidade. b) Características: • Transcendental e místico numa 1ª fase.

• Versos mais longos e melancólicos.

• Proximidade com o mundo material; 2ª fase.

• Versos mais curtos; sonetos; às vezes um modelo de Camões; versos decassílabos e alexandrinos.

• Antíteses e paradoxos.

• Letras de músicas e criação de histórias infantis. c) Algumas obras: • O Caminho para a distância (1933)

• Ariana, a mulher (1936)

• Cinco Elegias (1943)

• etc.

PROSA DO MODERNISMO 2ª FASE

• A Bagaceira (1928): início da corrente regionalista nordestina. Retrata a vida dos engenhos de cana-de-açúcar, os retirantes, a seca. • Valores morais do homem nordestino.

I) RACHEL DE QUEIRÓS • Falou do Ceará; da seca; do povo que lá vive; da Terra.

• O Quinze, 1930: o tema é a grande seca de 1915; aspecto social junto com aspecto psicológico.

I) JOSÉ LINS DO REGO • Decadência dos engenhos desmantelados pelas usinas.

• Ciclo da cana-de-açúcar: sua vivência no engenho.

• O narrador de Menino de Engenho é o reflexo do próprio autor em alguns momentos.

• Em 1943, o autor publica Fogo Morto, sintetiza o ciclo e conta a história de um engenho chamado Santa Fé.

IV) JORGE AMADO • Regionalismo baiano, zonas rurais do cacau e zona urbana de Salvador.

• Tipos marginalizados.

• Análise da sociedade.

• Utilização em suas obras da “fala do povo”.

a) Romances Proletários: mostram a vida em Salvador com um retrato social - Suor, O País do Carnaval e Capitães de Areia.

b) Ciclo do Cacau: a vida nas fazendas nas regiões de Ilhéus e Itabuna - Cacau, Terras do Sem-Fim, São Jorge dos Ilhéus.

c) Crônicas de Costumes e depoimentos líricos: novelas, romances com temáticas amorosas. - Mar Morto, Gabriela Cravo e Canela, A Morte e a Morte de Quincas Berro D’água.

V) GRACILIANO RAMOS • Início do trabalho com a publicação de Caetés (1933).

• Atividades subversivas; preso político / Memórias do Cárcere.

• Viagem aos países socialistas / Viagem.

• Clima de tensão; relações do homem com o meio natural; meio social.

• Final trágico

Instituto Superior de Educaçaçãodo Vale do Juruena

Associação Juinense de Ensino Superior do Vale do Juruena

Pós-Graduação Lato Sensu em LINGUISTICA APLICADA AO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA Prof. DR. CLAUDIO SILVEIRA MAIA

Av. Gabriel Muller, 1065– Modulo 01 – Juina – MT – CEP 78320-0 w.ajes.edu.br – ajes@ajes.edu.br

Todos os direitos reservados aos autores dos artigos contidos neste material didático. De acordo com a Lei dos Direitos Autorais 9610/98.

• O homem muitas vezes se animaliza. • A seca, os retirantes, a vida na caatinga.

Características da poesia e da prosa de 1930 1. Poesia a. Sedimentação – poesia menos anarquista, mais madura b. Tendência ao intimismo universalista c. Valorização de uma tendência espiritualista d. Valorização de uma tendência sócio – Político e. Valorização do cotidiano, da vida simples, comum, principalmente na poesia de Drumonnd f. Versos livres g. Linguagem lírica

2. Prosa (O romance Regionalista de 30)

• No Nordeste a. Vinculado aos problemas sociais e climáticos.

b. Enfoque para o ciclo da seca e do cangaço. c. Enfoque para o ciclo da cana-de-açúcar envolvendo questões do sul da Bahia e do latifúndio. d. Na região do sul da Bahia a temática se volta para a monocultura do cacau, envolvendo as lutas para posse de terra, o coronelismo, os jagunços, os trabalhos rurais etc., principalmente na obra de Jorge Amado e Adonias Filho.

No Sul e. Valorização das tradições na região sul. f. Trajetória épica – Aspectos históricos da formação da região, em especial dos pampas. g. Enfoque para a natureza e para os sentimentos do homem dos pampas e sua ligação com a terra natal e as tradições. Destaque para a obra de Érico Veríssimo.

Literatura Modernista

Pós-Modernismo ou 3ª fase 1945 até os dias de hoje

Período (1945 – 1960) • Contexto Histórico

1. Panorama Mundial a. Final da Segunda Guerra Mundial b. Explosão da bomba atômica (Hiroshima e Nagasak) c. Criação da ONU d. Publicação da "Declaração dos direitos humanos" e. Guerra Fria – Divisão do mundo em dois f. Blocos Ideológico Comunismo X Capitalismo = Rússia X EUA g. Política armamentista – filosofia do medo à era nuclear

2. Brasil a. 1945, Fim da “Era Vargas" – Getúlio é destituído b. 1946, é eleito Érico Gaspar Dutra c. 1947, Perseguição Política, o PC cai na ilegalidade em função da guerra fria e do movimento de repressão. d. 1951, Getúlio retoma ao poder através da eleição direta e. 1954, Insatisfação trabalhista e denúncias de corrupção faz as forças militares pressionarem para renúncia de Getúlio – Suicídio de Getúlio

Instituto Superior de Educaçaçãodo Vale do Juruena

Associação Juinense de Ensino Superior do Vale do Juruena

Pós-Graduação Lato Sensu em LINGUISTICA APLICADA AO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA Prof. DR. CLAUDIO SILVEIRA MAIA

Av. Gabriel Muller, 1065– Modulo 01 – Juina – MT – CEP 78320-0 w.ajes.edu.br – ajes@ajes.edu.br

Todos os direitos reservados aos autores dos artigos contidos neste material didático. De acordo com a Lei dos Direitos Autorais 9610/98.

f. 1960, Eleito Jânio Quadros g. 1965, Eleito JK para presidente com o lema "cinqüenta anos em cinco" h. política desenvolvimentista i. crescimento urbano j. investimento industrial k. construção de Brasília (em 1960) l. aumento da inflação e da dívida social

(Parte 1 de 12)

Comentários