LPL III - Trabalho - Sintaxe

LPL III - Trabalho - Sintaxe

Fatec-SP

Faculdade de Tecnologia de São Paulo

SINTAXE

Prof. Dra. Maria Cecilia de Salles F. César

Automação de Escritórios e Secretariado

Língua Portuguesa e Literatura III

Data de Entrega: 27/04/2011

Alunas:

Camila da Silva Rodrigues 1010837-6

Luana Sato Suguiura 1010844-7

Pricila Yessayan 1010825-1

Sumário

Introdução

Do Grego clássico “σύνταξις” disposição; de “σύν syn” juntos; e “τάξις” (táxis) ordenação; Sintaxe é a parte da gramática que estuda a estruturação das palavras em uma oração e das frases no discurso, como também, a relação lógica entre as diversas composições possíveis, para que o receptor compreenda de forma clara a mensagem a ele transmitida.

“A sintaxe é uma questão de uso, não de princípios. Escrever bem é escrever claro, não necessariamente certo. Por exemplo: dizer ‘escrever claro’ não é certo, mas é claro, certo?”

Luís Fernando Veríssimo

Termo Essencial

Sujeito

Segundo o dicionário Houaiss “Sujeito é o termo da oração sobre o qual recai a predicação da oração e com qual o verbo concorda”. De acordo com a gramática o sujeito pode ser simples, composto, oculto, inexistente e indeterminado.

Quando o verbo não faz referência a uma pessoa em específico, classifica-se o sujeito como indeterminado. Há três modos de reconhecer o sujeito indeterminado numa frase:

  • Com o verbo na 3ª pessoa do singular acompanhado do pronome se:

  • Com o verbo na 3ª pessoa do plural;

  • Com o verbo colocado no infinitivo impessoal.

i

O sujeito é inexistente quando a ação verbal não faz referência a nenhuma pessoa gramatical. Assim, o verbo é classificado como impessoal, por exemplo: chover, anoitecer, amanhecer e em alguns casos, fazer (acompanhado de um complemento).

ii

Predicativo do Sujeito

Atribui uma característica no modo de ser, de agir e ao estado do sujeito, que podem ser tanto momentâneas quanto permanentes. Podem ser representadas por:

  • substantivo ou expressão substantivada;

  • adjetivo ou locução adjetiva;

  • pronome;

  • numeral;

  • oração substantiva predicativa.

iii

Predicativo do Objeto

Confere característica ou circunstância ao objeto direto ou indireto. E expresso por: substantivo e adjetivo. Pode vir antecedido de preposição ou do conectivo como.

iv

Termo Integrante

Agente da Passiva

Agente da passiva é o complemento de um verbo que está na voz passiva, correspondendo ao ser que pratica a ação sofrida pelo sujeito. É acompanhado, na maioria das vezes, da preposição por e, menos frequentemente, por de.

v

Objeto Direto

É o complemento do verbo transitivo direto, por isso, não vem precedido de preposição. O objeto direto pode ser constituído:

  • por um substantivo ou expressão substantivada;

  • pelos pronomes oblíquos o, a, os, as, me, te, se, nos, vos;

  • por qualquer pronome substantivo.

vi

Objeto Indireto

É o complemento do verbo transitivo indireto, por isso, vem sempre regido de preposição clara ou subtendido. Atuam como objeto indireto os pronomes: lhe, lhes, me te, se, nos, vos.

vi

Objeto Direto e Indireto

Alguns verbos possuem os dois complementos, objeto direto e indireto, dependendo do significado que têm em uma frase, esses verbos são conhecidos por bitransitivos ou transitivos direto e indireto.

vii

Termo Acessório

Adjunto Adnominal

É um termo que caracteriza, especifica ou explica um substantivo. Possui função adjetiva na oração, que pode ser desempenhada por adjetivos, artigos, locuções adjetivas, numerais adjetivos e pronomes adjetivos.

iii

Adjunto Adverbial

É um termo que expressa circunstância (de tempo, de intensidade, de lugar, etc.). Modificando, assim, o verbo, o adjetivo ou o advérbio.

  • de lugar:

viii

  • de tempo:

ix

  • de intensidade:

vii

Aposto

É a palavra ou expressão que explica algo mencionado anteriormente. O aposto é indicado normalmente por uma pausa, que na escrita pode ser representado por: vírgula, dois pontos ou travessão.

vii

Vocativo

Usado para chamar ou interpelar uma pessoa, animal ou coisa a que se dirige.

x

Bibliografia

BECHARA, Ivanildo. Moderna Gramática Portuguesa. 37. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2009.

CEGALLA, Domingos Paschoal. Novíssima Gramática da Língua Portuguesa. 46. ed. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 2005.

CUNHA, Celso; CINTRA, Luís F. Lindley. Nova Gramática do Português Contemporâneo. 5. ed. Rio de Janeiro, 2008. 

HOUAISS, Antonio. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. 1.ed. [S.l.]: Objetiva, 2009.

i LEITÃO, Matheus, e CLEMENTE, Isabel. A metamorfose de Dilma. Época. São Paulo, n. 533, p. 37-39, 22 dez. 2008

ii FAZZOLARI, Davi. Pequeno Manual para Redação em Vestibulares - Estudo de Caso. Guia do Estudante – Atualidades. São Paulo, 7. ed., p. 150-157, 2008.

iii

 ANA Maria Braga em Prêmio a Cientistas. Caras, São Paulo, 830. ed., n. 40, 02 out. 2009.

iv SOARES, Cláudio. A era Bush perto do fim - A casa Branca vê inimigos no mundo todo. Época. São Paulo, n. 533, p. 26-49, 22 dez. 2008

v GLAMOUROSAS Kate e Amanda. Caras, São Paulo, 830. ed., n. 40, 02 out. 2009.

vi GURFEIN, Martin. Natália Anderle no tempo certo. Caras, São Paulo, 830. ed., n. 40, 02 out. 2009.

vii MACHADO, Juliano O atirador de sapatos. Época. São Paulo, n. 533, p. 13, 22 dez. 2008

viii INSÓLITA Marcha dos Pinguins Gays, A. Época. São Paulo, n. 533, 22 dez. 2008

ix MUSEU Pinochet, O. Época. São Paulo, n. 533, 22 dez. 2008

x BECHDEL, Alison. Fun Home - Uma Tragicomédia em Família. Guia do Estudante – Atualidades. São Paulo, 7. ed., p. 15, 2008.

São Paulo

2011

Comentários