Psicopedagogia em debate - Alessandra Tibursky Fink

Psicopedagogia em debate - Alessandra Tibursky Fink

(Parte 1 de 8)

SÉRIE PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS 2008

Organizadores:

Alessandra Tiburski Fink Rosane de Fátima Ferrari Silvia Regina Canan

ISBN 978-85-7796-048-4 Psicopedagogia em Debate. Série Pesquisa em Ciências Humanas Frederico Westphalen Outubro 2008

SÉRIE PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS © Copyright 2008 – URI

Organização: Alessandra Tiburski Fink

Rosane de Fátima Ferrari Silvia Regina Canan

Revisão metodológica: Franciele da Silva Nascimento Diagramação: Evandro Preuss Capa/Arte: Sara Spolti Pazuch Revisão Linguística: Wilson Cadoná, Denise Almeida Silva

O conteúdo dos textos é de responsabilidade exclusiva dos(as) autores(as). Permitida a reprodução, desde que citada a fonte.

Catalogação na Fonte elaborada pela Biblioteca Central URI/FW

Bibliotecária Lucia Giacomoni CRB 10/1726

Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões Campus Frederico Westphalen

Presidente: Denise Almeida Silva (URI)

P974Psicopedagogia em debate [e-book] / organização: Alessandra Tibursky
Westphalen/RS: URI/FW, 2010

Fink, Rosane de Fátima Ferrari, Silvia Regina Canan. - Frederico 134 p. – (Série Pesquisa em Ciências Humanas). ISBN 978-85-7796-048-4

de Fátima, (org.). I. Canan, Silvia Regina, (org.). IV. Série

1. Psicopedagogia. 2. Aprendizagem – dificuldades. 3. Processo de aprendizagem. I. Fink, Alessandra Tibursky, (org.). I. Ferrari, Rosane CDU: 37.015.3

Reitor: Bruno Ademar Mentges

Pró-Reitora de Ensino: Helena Confortin

Pró-Reitor de Pesquisa, Extensão e Pós-Graduação: Sandro Rogério Vargas Ustra

Pró-Reitor de Administração: Clóvis Quadros Hempel

Diretor Geral: Luiz Mário Spinelli

Diretor Acadêmico: Arnaldo Nogaro

Diretor Administrativo: Paulo José Sponchiado

Diretor Geral: César Luis Pinheiro

Diretora Acadêmica: Edite Maria Sudbrack

Diretor Administrativo: Nestor Henrique De Cesaro

Diretor Geral: Gilberto Pacheco

Diretora Acadêmica: Dinalva Agissé Alves de Souza

Diretora Administrativa: Rosane Maria Seibert

Diretor Geral: Clovis Fernando Bem Brum

Diretora Acadêmica: Maria Saléti Reolon

Diretor Administrativo: Francisco de Assis Górski

Diretora Geral: Marlene Teresinha Trott

Diretora Geral: Sonia Regina Bressan Vieira

PRESIDENTE DA EDITORA Denise Almeida Silva

Edite Maria Sudbrack – Presidente

Área de Educação

Cláudia Ribeiro Belochio - UFSM Ane Carine Meurer - UFSM Tatiana Bolívar Lebedeff- UPF José Alberto Corrêa - Univesidade do Porto - Portugal Manoel José Jacinto Sarmento Pereira - IEC -

Universidade do Minho

Edite Maria Sudbrack – URI Anna Rosa Santiago - UNIJUI Maria Beatriz Moreira Luce – UNIPAMPA e UFRGS Berenice Corsetti - UNISINOS Pablo Gentille – UERJ Silvia Regina Canan – URI

Área de Filosofia

Jaime José Zitkoski - UFRGS Claudir Miguel Zuchi - URI Livio Osvaldo Arenhart - URI Denis Coitinho Silveira - UFPel

Área de História

Lúcio Kreutz - UCS Ricardo Rossatto - UPF Arthur Blásio Rambo - UNISINOS

Área de Geografia

Nelson Rego - UFRGS Rosa Maria Vieira Medeiros - UFRGS Marcos Aurélio Saquet - UNESP /UNIOESTE Carmem Regina Dornelles Nogueira - URI

Área de Psicologia

Patricia Pereita Cava - UFPel Sérgio Roberto Kieling Franco - UFRGS Maria Lúcia Tiellet Nunes - PUCRS

Conselheiros Ad-Hoc

Danilo Romeo Streck - UNISINOS Amarildo Luiz Trevisan - UFSM Eliane Schlemmer - UNISINOS Patricia Rodrigues Fortes - URI

APRESENTAÇÃO5
Alessandra Tiburski Fink9
Margarida Maria Huppes16
Ivana Cescon Tramontina, Marosane Romio Cardozo29
Catiane Regina da Rocha, Elisiane Menzen, Sandra Facco do Nascimento42
56

Emanuele Froner2

Marisa de Fátima Piovesan Dal Piva70
Ana Lucia Gutkoski84
Roberta Mainardi, Rosana Beatriz Manfio Pessotto101
Jucineia da Silva114

A ESCOLA E O PROFESSOR PERANTE O TRANSTORNO DE DÉFICIT DE ATENÇÃO E HIPERATIVIDADE Adriana Maria Feltes, Leila Maria Prichula ................................................................................... 120

Pensar em educação nos tempos atuais nos leva a refletir sobre questões que envolvem a instituição educativa como um agente ativo e transformador do processo de ensino aprendizagem e ao mesmo tempo como um espaço que precisa estar aberto à diversidade cultural, social e econômica da sua comunidade. Sabe-se que a cada dia a tarefa de educar torna-se mais complexa e desta maneira a área da Psicopedagogia tem surgido como um campo de interesse e de inúmeras discussões pelos profissionais envolvidos com a educação.

A área da Psicopedagogia vem crescendo e ganhando destaque no campo educacional devido as suas inúmeras contribuições para a melhoria da aprendizagem, da prática pedagógica, das relações afetivo-emocionais, da organização do espaço escolar, na prevenção de dificuldades de aprendizagem, bem como no diagnóstico e intervenção dessas dificuldades de aprendizagem.

É importante ressaltar que o trabalho Psicopedagógico tem caráter interdisciplinar e multidisciplinar, recebendo contribuições de diversas áreas do conhecimento e de estratégias pedagógicas que possibilitem sua atuação no processo de desenvolvimento e aprendizagem com o ser cognoscente1 .

A área da Psicopedagogia pode envolver tanto o trabalho de cunho preventivo na instituição escolar auxiliando os profissionais da educação no seu fazer diário com as questões que envolvem a comunidade escolar, como o trabalho de cunho terapêutico ou clínico, diagnosticando e intervindo nas dificuldades ou transtornos de aprendizagem.

Sendo assim, é com convicção que defendemos a importância e a necessidade da valorização do profissional Psicopedagogo. E certos da grande preocupação da URI com a melhoria da qualidade do ensino e da aprendizagem, e também do seu reconhecimento pela importância da área da Psicopedagogia, que apresentamos com muita alegria e satisfação, mais uma edição da Revista Série Pesquisa, do Departamento de Ciências Humanas, na qual estarão contemplados os trabalhos de conclusão do Curso de Pós- Graduação em Psicopedagogia Clínica e Institucional.

1 Sujeito em processo de construção do conhecimento, sujeito aprendente.

O primeiro artigo, “Algumas contribuições da abordagem de Jerome Bruner para a aprendizagem das crianças pequenas”, traz algumas reflexões teóricas em torno dos estudos de Jerome Bruner, quem dedica grande parte de sua obra ao desenvolvimento e aprendizagem infantil. Seus estudos abordam a importância da interação entre o biológico e o cultural, dando ênfase ao papel da linguagem, da comunicação e da instrução no desenvolvimento do conhecimento e da compreensão, pautando-se numa criança enquanto sujeito ativo e capaz de interagir com seus pares, com a cultura e o meio em que está inserida, concepções estas de extrema relevância ao profissional que atua com crianças pequenas.

O segundo artigo, “Escrever corretamente: a função do psicopedagogo na descoberta do caminho da competência para o ensino e o aprendizado da ortografia”, traz os resultados de uma pesquisa realizada com alunos da 4ª série do ensino fundamental. Os resultados apontam para o nível ortográfico desses alunos e as possíveis causas de defasagem dos mesmos, destacando a importância da atuação do psicopedagogo institucional na escola.

Partindo da necessidade de conhecer quais são os tipos de dificuldades e transtornos de aprendizagem que os professores podem encontrar em suas salas de aula, o artigo, “As dificuldades de aprendizagem e o lúdico na construção do conhecimento”, aprofunda o estudo sobre as dificuldades de aprendizagem bem como esclarece a importância de atividades lúdicas no trabalho pedagógico com as crianças. O texto também apresenta alguns resultados da pesquisa realizada com professores e as ações articuladas a partir desses resultados, as quais contemplaram encontros de formação com os mesmos. Durante os encontros com os professores, foram discutidos em torno das dificuldades de aprendizagem, conceitos, características, causas, sugestões, estratégias de intervenção e também a necessidade de trabalhar a ludicidade na sala de aula.

O quarto artigo, “Diferenciando e reconhecendo as dificuldades e os transtornos de aprendizagem”, além de discutir e diferenciar dificuldades e transtornos de aprendizagem pelo viés teórico, apresenta alguns resultados de um trabalho psicopedagógico realizado com professores. O objetivo do trabalho psicopedagógico realizado era de instrumentalizar esses profissionais para que eles pudessem estar realizando uma prática pedagógica que desenvolvesse as potencialidades dos educandos e que evitasse o fracasso escolar.

O quinto artigo, “Causas e consequências das dificuldades no processo de aquisição da leitura e escrita - um estudo de caso”, traz alguns apontamentos referentes a um diagnóstico realizado com uma criança com queixa de dificuldades na aquisição da leitura e da escrita. O estudo de caso foi realizado a partir de etapas diagnósticas, intervenção clínica individual, orientação, contato com a família e com a escola. O presente estudo também aponta para a função do psicopedagogo clínico que é identificar, analisar, planejar e intervir nas dificuldades ou transtornos de aprendizagem através das etapas de diagnóstico e tratamento.

O sexto artigo, “Limites e possibilidades do ensino de ortografia nas séries iniciais”, aborda algumas questões teóricas e práticas que auxiliam na busca por alternativas práticas e lúdicas que podem amenizar as dificuldades apresentadas pelos alunos com relação às questões ortográficas nos anos iniciais.

O sétimo artigo, “Dificuldades na aprendizagem relacionadas ao luto: um estudo de caso”, apresenta os resultados de um diagnóstico realizado com uma criança com queixa de dificuldades de aprendizagem. O estudo revelou uma limitação por parte da criança na compreensão e no raciocínio lógico- matemático decorrente de um bloqueio emocional por perda afetiva importante na primeira infância, apontando, assim, para a importância e até interferência das emoções e da afetividade no processo de aprendizagem da criança.

O próximo artigo, “Escola e família: uma união imprescindível”, resulta da ideia de que o acesso à escola tomou proporções nunca antes imaginadas, pois, a dedicação cada vez maior dos homens e mulheres ao trabalho fez com que as crianças, tanto quanto os pais passassem muito mais tempo fora de casa, e assim, o papel e a responsabilidade da escola na formação dos indivíduos passaram a ser ainda maior.

Na sequência temos o artigo, “Dislexia: será fácil diagnosticá-la?”, que se propõe refletir sobre as complexas questões que envolvem o diagnóstico e a intervenção da dislexia, bem como, trazer alguns resultados obtidos através de um diagnóstico realizado com uma criança que apresentava dificuldades no processo de aquisição da leitura.

E por fim, o último artigo, “A escola e o professor perante o transtorno de déficit de atenção e hiperatividade”, traz algumas considerações feitas a partir de reflexões teóricas em torno do transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) e de um diagnóstico realizado com um grupo de educandos com queixas de TDAH.

Encerramos esta apresentação com o desejo de que possam apreciar os estudos aqui publicados e que estes incentivem outros estudos na área da Psicopedagogia, que como já mencionado anteriormente, é de extrema relevância para a melhoria da qualidade da aprendizagem dos educandos e, consequentemente, uma grande aliada do sucesso escolar e da permanência destes educandos na escola.

Alessandra Tibursk Fink Coordenadora Pedagógica do Curso de Pós-Graduação em

Psicopedagogia Clínica e Institucional

Psicopedagogia em Debate. Série Pesquisa em Ciências Humanas Frederico Westphalen, p. 9-15, outubro de 2008. ISBN 978-85-7796-048-4.

Alessandra Tiburski Fink1

A grande flexibilidade do pensamento da criança e seu constante desejo de exploração requerem a organização de contextos propícios de aprendizagem.

A criatividade emerge das múltiplas experiências infantis, visto que ela não é um “dom”, mas se desenvolve naturalmente se a criança tiver liberdade para explorar as situações com parceiros diversos. Zilma Ramos de Oliveira

Jerome Bruner nasceu em Nova Iorque em 1915, é professor e pesquisador de

Psicologia em Nova Iorque, sendo um dos principais representantes da teoria cognitivista. Sua linha de pesquisa sofre influências dos estudiosos Lev Vygotsky e de Nelson Goodman. Do primeiro, além de aproveitar várias idéias, dá ênfase a estrutura de “andaime”2 , que propõe que as crianças no seu processo de desenvolvimento, utilizem a linguagem e as histórias dos adultos para construírem suas próprias linguagens e histórias. Do segundo, traz a noção de que nenhum “mundo” criado e vivido pelo homem é mais “real” do que outro, nenhum deve ser considerado como o único mundo real3 .

A vida e o trabalho deste pesquisador no campo da Psicologia vem sendo construído por mais de sessenta anos, no qual trata de conceitos sobre cultura, intenção, significado, abordando temas como construtivismo, funcionalismo, construção social, entre outros, com o objetivo de contrapor-se à psicologia comportamentalista, em busca de uma psicologia que tivesse a construção cultural do significado como uma das questões centrais do processo de aprendizagem.

1 Professora da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões, Campus de Frederico

Westphalen, RS, Graduada em Letras e Pedagogia, Especialista em Psicopedagogia Clínica e Institucional pela Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões, Campus de Frederico Westphalen, RS e Mestre em Educação pela Universidade de Passo Fundo UPF.

2 Os professores ou adultos em convívio com as crianças, num processo interativo com elas, podem ir construindo andaimes, termo este, utilizado para entender o conceito de scafolding usado por Bruner, que são os suportes que o adulto vai oferecendo à criança para que esta se desenvolva e contrua seu conhecimento de mundo. Este conceito se assemelha muito ao conceito de Zona de Desenvolvimento Proximal de Vygotsky, no qual o professor ou adulto atua como um mediador na construção do conhecimento da criança, partindo da etapa em que ela está, dando-lhe suportes (perguntas, provocações, informações...) que possibilitam atingir níveis mais altos de desenvolvimento.

3 Nesta consideração está implícita a idéia de Bruner de que as pessoas têm contextos e realidades diferentes, e portanto, aprendem e se desenvolvem de formas e ritmos diferentes, não de uma forma padronizada.

Psicopedagogia em Debate. Série Pesquisa em Ciências Humanas

Psicopedagogia em Debate. Série Pesquisa em Ciências Humanas Frederico Westphalen, p. 9-15, outubro de 2008. ISBN 978-85-7796-048-4.

Estudar o papel mediador da psicologia do povo em todos os dias e a construção do seu significado é função da psicologia cultural, dominada por Jerome. Psicologia cultural exprime como os indivíduos fazem sentido do universo, de que forma são absorvidos os significados estabelecidos: com convicções, valores e símbolos de cultura. Como os indivíduos constroem realidades baseados em narrativas culturais comuns e símbolos, e como a realidade é “intersubjetiva” – cultivada por interação social (WILKE, 2004, p. 1).

No início de seus estudos em Harvard, Bruner estudou as questões relacionadas à percepção e aprendizagem animal. Seu interesse pela psicologia social, começou a aflorar com sua experiência na Segunda Guerra Mundial. Em 1960, ele participou da Fundação do Centro de Estudos Cognitivos, da Universidade de Harvard, no qual suas pesquisas ajudaram a preparar o terreno para a Psicologia Cognitiva, estudando a relação entre os processos de aprendizagem e desenvolvimento cognitivo no ambiente escolar, pois para ele, para entender como se dá a aquisição dos processos cognitivos é preciso estudar as crianças em sala de aula, em situação escolar.

(Parte 1 de 8)

Comentários