Diario de Um Adolescente Hipocondriaco - Aidan Macfarlane

Diario de Um Adolescente Hipocondriaco - Aidan Macfarlane

(Parte 1 de 7)

EDITORA 34

Distribuição pela Códice Comércio Distribuição e Casa Editorial Ltda. R. Simões Pinto, 120 CEP 04356-100 - Tel (011)240-8033 São Paulo - SP

Copyright © 34 Literatura S/C Ltda. (edição brasileira), 1993 The Diary of a Teenage Health Freak © Ann McPherson and Aidan Macfarlane, 1987 Originally published in English by Oxford University Press Book review by Adrian Mole © Sue Townsend, 1987 Illustrations © John Astrop, 1987

Capa. projeto gráfico e editoração eletrônica: Bracher & Malta Produção Gráfica

Ilustrações: John Astrop

Revisão: Sonia Regina Pereira Cardoso

1ª Edição - 1993, 7ª Reimpressão - 1996

34 Literatura S/C Ltda. R. Hungria. 592 CEP 01455-0 São Paulo- SP Tel./Fax (D 1)210-9478 Tel. (011)832-1041

CIP Brasil. Catalogação-na-fonte Sindicato Nacional dos Editores de Livros, RJ.

Mactarlane, Aidan, 1939 M26d Diário de um adolescente hipocondríaco / Aldan Macfarlane e Ann McPherson ilustrações de John Astrop tradução de André Cardoso. — Rio de Janeiro: Ed. 34, 1993 176 p. Il. (Coleção Infanto-Juvenil) tradução de: The diary of a teenage health freak

ISBN 85-85490-09-8 . . - 1 - Psicologia do adolescente. 2. Adolescência, I. McPherson, Ann. I. Título. CDD- 155.5 CDU - 159,922.8 -

http://br.groups.yahoo.com/group/digital_source/

Pra começo de conversa, por Ana Maria Machado Crítica do livro, por Adrian Mole Sobre o autor deste diário 1. Como descobri que era hipocondríaco 2. Como quebrei a barreira da dor numa bicicleta 3. De saco cheio 4. Blitz na escola: aluno é pego com maconha 5. Será que a Susie já 6. Também sofro minhas mudanças, mas elas acontecem mais devagar 7. Aprendendo a conviver com as minhas espinhas 8. A vida sexual da Sally entra pelo cano 9. Quando os alérgenos e os anticorpos se encontram 10. O meu primeiro cigarro quase me mata 1. Dores, contusões e falta de ar 12. Enjôo, doença e mal-estar, ou as férias de verão 13. Medo do futuro 14. Pequeno e grande 15. Verrugas e orifícios de odores repulsivos 16. Caninos não tão brancos assim 17. Alguns dias longe da escola 18. Quatro olhos 19. Sonhos de bêbado Índice onomástico

Aidan Macfarlane e Ann McPherson

Tradução de André Cardoso editora•34

Orelha

Peter Payne —típico adolescente inglês de 14 anos que anda de bicicleta, vai à escola, é apaixonado por uma garota mas não tem coragem de se declarar e come no McDonald’s — um dia descobre que sofre de hipocondria. Em outras palavras: ele é um maníaco por doenças, de carteirinha assinada.

A partir daí, Peter passa a anotar num diário, ao lado de histórias engraçadas do seu cotidiano, detalhes médicos que consegue reunir ao longo de um ano. Os fatos são retirados de todas as fontes possíveis: de extratos do diário de sua irmã de 13 anos — que ele lê escondido sempre que aparece uma chance — até panfletos da saúde pública da Inglaterra.

Essa profunda pesquisa, que inclui experiências pessoais, trata de diversos assuntos: espinhas, álcool, drogas, dor de cabeça, depressão, AIDS, acidentes, cigarro, sexo (camisinha, pílula, diafragma, etc), regimes e o esforço de sobreviver à convivência com os pais e duas irmãs.

Peter Payne vai fundo nos temas que garotos e garotas estão acostumados a descobrir e experimentar — seja através dos noticiários, na própria casa, ali com o vizinho, com o melhor amigo ou com eles mesmos.

Agora, pela primeira vez no Brasil, a edição integral e sem censura deste diário se encontra à disposição de outros adolescentes, com todas aquelas coisas que eles sempre tiveram vontade

PRA COMEÇO DE CONVERSA por Ana Maria Machado

aromaterapia e florais, um mestre em cristais, e outros que tais, todos os demais
Sacou? Certo? ErradoPete Payne é inglês. E por mais que ele se pareça com uma

Peter Payne é um adolescente com mania de doença. Aquele tipo de pessoa que a gente conhece bem, que quando ouve falar em epidemia de gripe já começa a espirrar e ter calafrios. Ou que, assim que lê um artigo na página de saúde de um jornal, tem certeza de que o autor estava descrevendo seu caso e começa a descobrir que tem todos os sintomas mencionados. Figurinha conhecida. Aquele cara capaz de levar horas discutindo os últimos lançamentos de remédios encontráveis no balcão da farmácia e comparando com os mais antigos — que já experimentou todos. Aquele sujeito que tem uma agenda cheia de telefones de médicos e está sempre por dentro de todos os modismos alternativos, que tem dicas de um fantástico massagista japonês, um homeopata incrível, uma loja natural que tem uns chás maravilhosos, uma mãe-de-santo capaz de fazer milagres, um consultório com uma equipe que estudou acupuntura na China, uma mulher que é fera em bioenergética, uma sumidade em shiatsu e do-in, um especialista em porção de gente que a gente conhece (ou, às vezes, com uma caricatura de nós mesmos), o arsenal de recursos à sua disposição é muito diferente.

olhe láNão precisa, o outro é excelente.

Para começar, na Inglaterra ninguém chega na farmácia e vai comprando remédio assim sem mais nem menos, sem receita nem nada. Nem vai consultando o farmacêutico ou o balconista, como se ele fosse alguém que tivesse estudado medicina e pudesse tomar decisões responsáveis sobre a saúde dos outros. Lá tem uma coisa que se chama Serviço Nacional de Saúde, um dos direitos elementares de qualquer cidadão, que funciona muitíssimo bem e é gratuito — e é o que todo mundo usa, sem burocracia nem cartões, sem seguro hospitalar. Médico particular? Só para milionário e, mesmo assim,

Como é que ele funciona? É o seguinte: quando uma família se muda para uma casa, alguém passa na agência de correios mais próxima e pede a lista dos GPs do bairro (a não ser que queira manter o médico anterior, o que também pode. Mas vamos fazer de conta que não, para explicar melhor). GP quer dizer General Practitioner, ou seja, um médico de clínica geral. Pago pelo governo, com o dinheiro do imposto dos contribuintes, que lá é alto, todo mundo paga, e não é desviado para outras coisas. Se tentarem, dá cadeia. Um sistema desses custa rios de dinheiro. Mas vale. Porque, veja bem, o cara

médicoQuando houver a consulta, dependendo da gravidade do caso, o clínico-geral

olha a lista, seleciona o médico de sua preferência (dá até para visitar vários e escolher) e. uma vez escolhido, ainda antes de adoecer, o futuro paciente se registra com ele, faz uma fichinha com o atendente, e pronto. Quando precisar, é só ir lá ou chamar em casa. De graça. Também funciona para dentista gratuito. Só quero explicar como é para resolve por ali mesmo ou encaminha a um hospital, para a opinião de um especialista e os exames necessários — laboratório, raios-X, etc- Em caso de emergência, não precisa nada disso. Chama-se uma ambulância que chega rapidíssimo (como no capitulo 2, quando ele quebra o braço) e o atendimento vem antes, a burocracia depois.

Ao chegar ao hospital, o paciente não precisa de senha, carteirinha, nada dïsso. Basta a receita-encaminhamento de seu GP. Dependendo do caso, pode apenas ser conveniente que ele telefone antes e marque hora, para evitar esperar muito tempo na sala de espera até ser atendido. Se o caso for de internamento, ele dá entrada no hospital. Se for daqueles em que o cara pode ir andando pelas próprias pernas, se consultar e voltar para casa, ou seja, ser atendido em ambulatório, pode haver necessidade de remédios quando acaba a consulta ou quando vem o resultado da bateria de exames. Nesse caso, o médico do hospital dá uma receita e ali mesmo, em outro andar, na farmácia hospitalar, o paciente comparece munido do papel e retira a medicação. Na maioria das vezes, de graça. Ou a preços razoáveis. Mas apenas por ordem médica.

tema e exigem bom nível

Mas então, como é que o nosso amigo Pete Payne pode dar vazão a sua ânsia de se informar mais sobre doenças, se não pode ficar de papo com o cara da farmácia, tentando descolar as últimas dicas e novidades? Ah, muito simples. Não é só no setor de saúde que os impostos dos contribuintes criam um sistema de apoio social eficiente na Inglaterra. Na educação e na cultura também. Existe uma rede de bibliotecas atualizada e bem organizada em todo canto, pelos diferentes bairros e escolas (públicas, bem entendido, e com professores preparados e respeitados, bem pagos, e que valem o que ganham). Assim, o Pete pode consultar livros de medicina e saúde e artigos especializados. Afinal de contas, volta e meia os professores lhe pedem trabalhos sobre o

No mais, esse delicioso adolescente hipocondríaco é um cara como todos os outros de sua idade, em qualquer lugar. Não faz mal que haja pequenas diferenças entre sua sociedade e a nossa — e que esta tradução fez questão de manter sem adaptações no texto, até mesmo para a gente ficar sabendo. Por exemplo: as estações do ano são ao contrário das do hemisfério sul, liga-se aquecimento nas casas em novembro, e em janeiro é preciso se agasalhar e ter cuidado para não escorregar no gelo que se forma nas ruas (e na primavera há problemas com o pólen no ar e a febre do feno). As pessoas costumam ter dois nomes e um só sobrenome — mas raramente usam o nome do meio. Não existe empregada doméstica (daí que Pete e as irmãs têm sua escala de quem faz o que para ajudar com a limpeza e a louça) e por isso ele diz que a mãe acumula vários empregos, mas ela não é cozinheira nem faxineira, e sim dona-de-casa. Casa mesmo, aliás. Quase não há edifícios residenciais em Londres, esses prédios altos das nossas cidades. Mora-se em casas. Ou são antigas mansões enormes, de outros séculos, redivididas em alguns apartamentos com banheiro e cozinha modernizados, ou são menores, como a do Pete, grudadas na casa do lado, em imensas fileiras de casas iguais (muitas vezes com portas pintadas de cores diferentes e bem contrastadas, para distinguir), construídas na mesma época. Todas com seu jardinzinho na frente e quintal atrás. Esquadrias de metal nas janelas. E quartos onde os adolescentes têm “livros por tudo quanto é canto’, como o Pete. Entre eles, não pode faltar o Adrian Mole, um bestseller absoluto, em vários volumes, que talvez você conheça, porque os dois primeiros foram publicados também no Brasil (“Diário secreto de um adolescente”, Editora Bertrand).

O sistema de transportes em Londres é muito eficiente, com uma ótima rede de metrô, trens urbanos e linhas de ônibus — aqueles vermelhões de dois andares onde é proibido viajar em pé (a não ser um máximo de cinco passageiros, esperando vagar um assento). Mas custa caro. Então, é muito, mas muito freqüente mesmo, que as pessoas façam como Pete e seus amigos e andem de bicicleta pra todo lado. Motorista respeita ciclista e há estacionamento para bicicleta em todo canto, inclusive nas escolas.

Como aqui, adolescente gosta de jogar futebol, conversar com os amigos, namorar, ir a festas. Como aqui, nas férias todo mundo que pode gosta de viajar: aqui para outra cidade ou estado, lá para outro país, que as distâncias européias são pequenas. Como aqui, os parques ficam cheios aos domingos — só que lá há mais parques, são mais limpos e bem tratados, e têm segurança. Por isso todo mundo tem mania de fazer piquenique em parque no verão. E também como aqui, há uma época do ano em que o grande barato popular é soltar fogos — mas para eles não é para marcar São João e outras festas juninas, e sim em 5 de novembro, para celebrar Guy Fawkes, um conspirador que em 1606 queria explodir o parlamento e orei Jaime I (até hoje a Inglaterra tem monarquia parlamentarista, com primeiro-ministro, mas isso você sabe...).

Mais alguma coisa? O café da manhã deles é fantástico, a melhor refeição do dia, como você vai notar quando Pete fala de dieta. E é proibido vender cigarro para menores de quatorze anos — além de haver um controle rígido para a entrada em cinema que passa filme impróprio. Mas essas pequenas coisas você mesmo vai descobrir quando ler o livro. Uma curtição a mais. Além de conhecer um cara super legal, como é o Pete, vai ficar por dentro da vida cotidiana na cidade onde ele mora, Londres, uma das mais gostosas do mundo.

CRÍTICA DO LIVRO por Adrian Mole

Finalmente! Um livro escrito para hipocondríacos e adolescentes sofisticados como eu! Li o livro inteiro numa noite só, e descobri (quando aqueles passarinhos histéricos estavam começando a fazer a sua barulheira matutina) que pelo menos tinha 110 doenças. Quinze eram graves e dez fatais.

Fui imediatamente ao consultório barato do Dr. Grey para me consultar. Ele deu uma folheada no livro, e depois se ajeitou na cadeira para ler com mais calma. Meia hora mais tarde, a enfermeira entrou irada no consultório e disse:

— Dr. Grey, tem 15 pacientes na sala de espera. O Dr. Grey largou o livro e disse:

— Preciso comprar um para mim. Vá embora, Mole. Você está ótimo. Chega de desperdiçar o meu precioso tempo.

Ao reler o livro, fiquei surpreso com a franqueza e a objetividade com que se falava de sexo. A minha neurose sobre este assunto, principalmente no que diz respeito ao tamanho do meu “negócio”, diminuiu bastante. O livro traz as respostas para todas as coisas que eu nunca tive coragem de perguntar.

Lembro de quando perguntei ao meu pai como os bebês saíam da barriga das mulheres. Eu tinha quatro anos. Meu pai ficou completamente vermelho, acendeu um cigarro fedorento, tomou um uísque, coçou a cabeça, ajeitou as calças E NUNCA CHEGOU A RESPONDER. Que covarde! Fui até a cozinha, arrastando o meu ursinho de pelúcia, e fiz a mesma pergunta á minha mãe. Sabe o que ela disse?

— Você por acaso é algum pervertido?

Ela achava que era válido usar uma linguagem de adulto com as crianças. Passei anos a fio achando que as mulheres tinham um zíper na barriga. Na verdade (morro de vergonha de dizer) foi só aos 1 anos que Barry Kent me contou OS FATOS DA VIDA. A gente estava sentado na beira do canal. Isso foi um pouco antes dele me atirar dentro do canal. Mas eu não fiquei muito zangado. Eu estava mesmo precisando esfriar um pouco a cabeça. Eu tinha começado a sentir calor e estava muito perturbado. Ele não tinha poupado nenhum detalhe.

Até que ia ser legal conhecer o autor deste livro. A gente tem muito em comum (apesar, é claro, de eu ser um gênio e um intelectual, e ele não). Nós dois temos uma vida familiar péssima, uma saúde delicada e espinhas que nos deixam o rosto desfigurado.

Deixei a cópia que me mandaram do livro em cima da mesa da cozinha, ao lado do cinzeiro, para que meu pai e minha mãe achem com facilidade. Eu gostaria que ele tivesse sido publicado há alguns anos. Isso teria me poupado muitas angústias.

Pandora, o amor da minha vida, vem aqui ler sobre ‘aspectos da saúde relacionados às meninas” (como ela diz). Ela começou a ter tensão pré-menstrual faz algum tempo (aliás, ela só não, todo mundo em volta dela). Tem alguns dias do mês em que ela se transforma num verdadeiro monstro. A criação do Dr. Frankenstein parece a Branca de Neve perto da Pandora, quando ela está num de seus dias.

Sim, esse é o livro da minha geração. Adolescentes hipocondríacos do mundo, uni-vos! Não temos nada a perder, além da nossa saúde!

SOBRE O AUTOR DESTE DIÁRIO Informações Gerais NOME: Peter H. (não tenho coragem de dizer o resto) Payne. APELIDO: “Pete Sabe-Tudo” DATA DE NASCIMENTO: 17 de dezembro de 1972.

IDADE: 14 anos e um mês.

LOCAL DE NASCIMENTO: segundo a minha mãe, no meio do corredor do hospital, a caminho da sala de parto

ENDEREÇO: Cllfton Road, n° 18, Hawsley, Londres.

HORBIES: limpar o nariz com o dedo, ver televisão, pensar em mim mesmo, implicar com a minha irmã mais nova, encher o saco das pessoas bancando o “Sabe-Tudo”, colecionar informações sobre medicina, ler revistas de fotografia, sofrer acidentes.

(Parte 1 de 7)

Comentários