Diagnósticos de enfermagem frequentes em idosos residentes na área de abrangência de uma Estratégia Saúde da Família

Diagnósticos de enfermagem frequentes em idosos residentes na área de...

(Parte 1 de 2)

Diagnósticos de enfermagem frequentes em idosos residentes na área de abrangência de uma Estratégia Saúde da Família

Nursing diagnosis frequently in elderly residents in an area of coverage of family health strategy

Diagnósticos de enfermeira frecuentes en los residentes mayores en una area de cobertura de la estrategia salud la familia

Gerson de Souza Santos1 Marina Borges Teixeira2

O objetivo deste estudo foi identificar os diagnósticos de enfermagem mais frequentes em idosos residentes em uma área de abrangência da Estratégia Saúde da Família, segundo a Taxonomia I da NANDA. Esta é uma pesquisa quantitativa, exploratória e descritiva. Os dados foram coletados durante a consulta de enfermagem por meio de instrumento sistematizado, com 64 idosos, numa unidade de Saúde da Família da cidade de Guarulhos, em 2009. Os idosos eram, em sua maioria, mulheres na faixa etária de 60 a 69 anos, afrodescendentes, sem cônjuge, com baixa escolaridade, aposentadas, com renda de 1 a 3 salários mínimos. Nos 12 domínios existentes houve alterações, por sua vez, os diagnósticos de enfermagem prevalentes foram: estilo de vida sedentário, 53 (82,8%); interação social prejudicada, 50 (78,1%); e dentição prejudicada, 46 (71,8%). O Processo de Enfermagem deve ser compreendido como o método para a prática profissional dos enfermeiros que atuam na Estratégia Saúde da Família, possibilitando intervenções mais adequadas aos idosos. Descritores: Diagnóstico de enfermagem; Idoso; Programa Saúde da Família.

The aim of study was to identify the most frequent nursing diagnoses in elderly residents in an area covered by the Family Health Strategy, according to the NANDA Taxonomy I. This is a quantitative research, exploratory and descriptive. Data collected during the consultation nursing through systematic instrument with 64 elderly, in the health unit of family in the Guarulhos city, São Paulo, Brazil. Both groups were mostly women, aged 60-69 years old, African descendants, no spouse, with low education, retired, earning 1-3 minimum wages. In the 12 dominions were alterations, and the prevalent nursing diagnoses were: sedentary lifestyle, 53 (82.8%); followed by impaired social interaction 50 (78.1%); impaired dentition and 46 (71.8%). The Nursing Process should be understood as the methodological process for the performance of professional practice of nurses working in the Family Health Strategy, enabling the most appropriate interventions for the elderly. Descriptors: Nursing diagnosis; Aged; Family Health Program.

El objetivo de este estudio fue identificar los diagnósticos de enfermería más frecuentes en los ancianos residentes en un área cubierta por la Estrategia de Salud de la Familia, según la taxonomía NANDA I. Esta es una investigación cuantitativa, exploratoria y descriptiva. Los datos fueron recogidos durante la consulta de enfermería a través del instrumento sistemático, en una unidad de salud de la familia de la ciudad de Guarulhos, São Paulo, Brasil, en 2009. Los ancianos eran en su mayoría mujeres, de 60-69 años de edad, afrodescendentes, sin cónyuge, con bajo nivel educacional, jubilados, ganando de 1-3 salario mínimos. En todos los dominios se observó alteraciones, pero, los diagnósticos de enfermería prevalentes fueron: sedentarismo, 53 (82,8%); interacción social limitada 50 (78,1%); y deterioro de la dentadura en 46 (71,8%). El proceso de enfermería debe ser entendido como método para la realización de la práctica profesional de las enfermeras que trabajan en la Estrategia Salud de la Familia, y que posibilitan mejores intervenciones para los ancianos. Descriptores: Diagnóstico de enfermería; Ancianos; Programa de Salud Familiar.

1. Enfermeiro. Mestre em Enfermagem. Doutorando em Enfermagem na Universidade Federal de São Paulo.

gersonenf@hotmail.com 2. Professora da Universidade de Guarulhos. Doutora em Psicologia Escolar e Desenvolvimento Humano.

35REFACS (online) 2013; 1(1):34-41.

Santos GS, Teixeira MB Saúde do Idoso

INTRODUÇÃO m vários países, as populações estão envelhecendo. Estudos mostram que o número de pessoas idosas cresce em ritmo maior do que o número de pessoas que nascem, acarretando um conjunto de situações que modificam a estrutura de gastos dos países em uma série de áreas importantes.

No Brasil, o ritmo de crescimento da população idosa tem sido sistemático e consistente. No período de 1999 a 2009, o peso relativo dos idosos (60 anos ou mais de idade) no conjunto da população passou de 9,1% para 1,3%. Com uma taxa de fecundidade abaixo do nível de reposição populacional, combinada ainda com outros fatores, tais como os avanços da tecnologia, especialmente na área de saúde, atualmente o grupo de idosos ocupa um espaço significativo na sociedade brasileira1.

Nesse aspecto, o rápido crescimento da população de idosos no Brasil causa um importante impacto em toda a sociedade, principalmente nos sistemas de saúde. Entretanto, a infraestrutura necessária para responder às demandas desse grupo etário em termos de instalações, programas específicos e mesmo recursos humanos adequados, quantitativa e qualitativamente, ainda é precária2.

A Política Nacional de Atenção Básica, regulamentada pela Portaria GM n.º 648, de 28 de março de 2006, se caracteriza por desenvolver um conjunto de ações de saúde, no âmbito individual e coletivo, que abrange a promoção e a proteção da saúde, a prevenção de agravos, o diagnóstico, o tratamento, a reabilitação e a manutenção da saúde. É desenvolvida por meio do exercício de práticas gerenciais e sanitárias democráticas e participativas, sob a forma de trabalho em equipe, dirigidas às populações de territórios bem delimitados, pelas quais assume a responsabilidade sanitária, considerando a dinamicidade existente no território em que vivem essas populações. Utiliza tecnologias de elevada complexidade (conhecimento) e baixa densidade (equipamentos), que devem resolver os problemas de saúde de maior frequência e relevância em seu território. É o contato preferencial dos usuários com os sistemas de saúde. A Estratégia de Saúde da Família visa à reorganização da Atenção Básica no país, de acordo com os preceitos do Sistema Único de Saúde3.

Dentro dessa nova ótica de atenção à saúde, o enfermeiro vem desenvolvendo intervenções que buscam maiores e melhores resultados. Com a Estratégia de Saúde da Família, o Sistema Único de Saúde (SUS) passou a incorporar atividades de cunho mais coletivo e abrangente, com perspectivas de, juntamente com outros setores, gerar um impacto significativo na qualidade de saúde e de vida da população idosa4.

A assistência sistematizada de enfermagem permite identificar os problemas dos idosos de maneira individualizada, planejar, executar e avaliar o atendimento a cada situação. Para tanto, direcionando a assistência para o nível ambulatorial, a consulta de enfermagem é uma atividade que atende às questões aqui colocadas, e por meio da qual a enfermeira assume a responsabilidade quanto à ação de enfermagem a ser determinada frente aos problemas detectados e estabelece a sua intervenção a partir do diagnóstico5.

Para a Associação Norte-Americana dos Diagnósticos de Enfermagem (NANDA), o diagnóstico de enfermagem é um julgamento clínico sobre as respostas do indivíduo, da família ou da comunidade aos problemas de saúde/processos vitais, reais ou potenciais. O diagnóstico de enfermagem proporciona seleção das intervenções de enfermagem visando alcançar resultados pelos quais a enfermeira é responsável6.

Considerando que o envelhecimento populacional constitui um dos maiores desafios para a Saúde Pública contemporânea, especialmente no Brasil, onde esse fenômeno vem ocorrendo de forma acelerada, o presente estudo teve por objetivo identificar os diagnósticos de enfermagem mais frequentes em idosos residentes em uma área de abrangência de uma Estratégia Saúde da Família, segundo a

36REFACS (online) 2013; 1(1):34-41.

Santos GS, Teixeira MB Saúde do Idoso

Taxonomia I da NANDA (North American Nursing Diagnosis Association).

MÉTODO Trata-se de uma pesquisa descritiva de abordagem quantitativa, realizada em idosos cadastrados numa unidade da Estratégia de Saúde da Família no município de Guarulhos, estado de São Paulo, no período de maio a julho de 2009.

A amostra foi composta por 64 idosos com idade igual ou superior a 60 anos. Os critérios de inclusão na pesquisa foram: aceitar participar da pesquisa por meio da assinatura do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE), ser idoso (60 anos ou mais), estar cadastrado na Estratégia Saúde da Família – indivíduos de ambos os sexos. Foi determinado como critério de exclusão indivíduos que, após a aceitação da pesquisa e agendamento do dia e horário da coleta de dados, não fossem encontrados no domicílio até a terceira visita consecutiva ou que, em qualquer momento da pesquisa, desistissem de participar desta. Após serem esclarecidos sobre a pesquisa, os idosos concordaram em participar do estudo e assinaram o TCLE. Esta pesquisa foi apreciada pelo Comitê de Ética em Pesquisa conforme Protocolo n.º 64/2009.

A coleta de dados foi realizada em um ambiente privativo no domicílio de cada idoso, mediante o preenchimento de um instrumento de coleta de dados elaborado pelos pesquisadores e fundamentado na literatura científica. Este continha aspectos relacionados ao perfil sociodemográfico, de saúde e doença, hábitos alimentares, escala de dor. Foi realizado exame físico clínico, sendo esse o objetivo deste estudo, e os pesquisadores assistiram cada participante conforme as necessidades e diagnósticos de enfermagem identificados. Os dados obtidos foram submetidos à criteriosa análise, sendo identificados os diagnósticos de enfermagem com seus respectivos fatores relacionados e características definidoras. Foi realizada frequência simples dos dados a fim de agrupar os diagnósticos mais frequentes.

Na Tabela 1, pode ser vista a distribuição das características socioeconômicas e demográficas dos pesquisados.

Tabela 1. Características sociodemográficas dos idosos cadastrados numa Estratégia Saúde da Família. Guarulhos, 2009.

Feminino Masculino Total

Idade
60-64 0616,2 05 18,5 1 17,2
65-69 0924,3 09 3,3 18 28,2
70-74 0718,9 08 29,6 15 23,4
75-79 0513,5 03 1,2 08 12,5
80 a mais 1027,1 02 7,4 12 18,7
Raça referida
Branca 13 35,2 15 5,5 284,0
Negra 1 29,7 05 18,5 1625,0
Parda 13 35,1 07 26,0 2031,0
Estado civil
Casado 1540,5 14 51,8 29 45,3
Solteiro 025,4 07 26,0 09 14,0
Viúvo 1848,7 05 18,5 23 36,0
Separado 025,4 01 3,7 03 4,7
Escolaridade
Alfabetizado 1232,4 15 5,5 27 42,1
Analfabeto 2567,6 12 4,5 37 57,9
37REFACS (online) 2013; 1(1):34-41.
Ocupação atual
Sem ocupação 038,1 05 18,5 08 12,5
Diarista 025,4 -- ---- 02 3,1
Dona de casa 038,1 -- ---- 03 4,7
Pintor -- ---- 027,4 02 3,1
Renda familiar

Santos GS, Teixeira MB Saúde do Idoso Aposentado 29 78,4 20 74,1 49 76,6 Total 37 100,0 27 100,0 64 100,0 1 a 3 salários 28 75,6 2 81,4 50 78,1 4 a 6 salários 09 24,4 05 18,6 14 21,9

Observou-se que 57,8% dos idosos eram do sexo feminino, 54,6% tinham mais de 70 anos, 56% eram afrodescendentes (se somados negros e pardos), 54,7% não tinham cônjuges, 57,9% eram analfabetos, 76,6% eram aposentados, 78,1% tinha renda familiar de 1 a 3 salários mínimos.

Os principais diagnósticos de enfermagem levantados foram: estilo de vida sedentário, presente em 53 (82,8%) idosos; seguido de interação social prejudicada, 50 (78,1%); e dentição prejudicada, 46 (71,8%).

Destaca-se que, Na população idosa, há predominância de mulheres, e tentativas têm sido feitas para explicar essa diferença. Algumas hipóteses sugerem que os homens têm as mais altas taxas de mortalidade relacionadas à violência, acidentes de trânsito e doenças crônicas. Já as mulheres têm as mais altas taxas de morbidade em quase todas as doenças crônicas não fatais. Além disso, elas são mais inclinadas a prestar atenção aos sinais e sintomas e a procurar assistência mais frequentemente que os homens7.

Em relação à raça referida, encontrou-se 4% de brancos, 25% de negros, 31% de pardos. Considerando a soma de negros e pardos, tem-se um total de 56% de idosos afrodescendentes.

Quanto ao estado civil, 45,3% dos idosos eram casados, 36% viúvos, 14% solteiros e 4,7% separados. Considerando o percentual de viúvos, solteiros e separados, encontrou-se 54,7% de idosos sem companheiro. Diversos estudos têm chamado a atenção para a importância do apoio social na vida dos idosos, dentre os quais destacam-se os que foram realizados com idosos atendidos pela Estratégia Saúde da Família. As redes sociais formadas por familiares e amigos significativamente reduzem os efeitos do estresse nos indivíduos mais velhos; elas oferecem suporte social na forma de amor, afeição, preocupação e assistência. Pessoas que não têm esse tipo de suporte tendem a ter mais dificuldade para lidar com o estresse. que aquelas que têm o suporte social.

Normalmente, a A ausência de parentes, por sua vez, especificamente parentes os mais próximos, tais como o cônjuge ou os filhos, está associada com doença e mortalidade entre pessoas idosas8,9.

Há baixo nível de escolaridade nos pesquisados, sendo que apenas 42,1% dos idosos estudados são alfabetizados, os demais, 57,9%, são analfabetos. O nível educacional é um dos indicadores na caracterização do perfil socioeconômico da população. No caso da população idosa, o indicador de alfabetização é considerado um termômetro das políticas educacionais brasileiras do passado. Da década de 1930 até, pelo menos, os anos 1950, o ensino fundamental ainda era restrito a segmentos sociais específicos. Nessa medida, o baixo saldo da escolaridade média dessa população é um reflexo desse acesso desigual10.

Tratando-se da ocupação dos idosos, observou-se que 49 (76,6%) eram aposentados e um baixo percentual exercia atividades laborais. Nesse sentido, estudos evidenciam que a presença do idoso aposentado favorece as relações de transferências intergeracionais, haja vista que, com a garantia de renda fixa e por meio

38REFACS (online) 2013; 1(1):34-41.

Santos GS, Teixeira MB Saúde do Idoso da corresidência, propiciam-se as práticas de transferências de recursos em ambas as direções, dos filhos adultos para os pais idosos e vice-versa. No entanto, importa destacar que muitas dessas relações não se estabelecem de forma pacífica e harmoniosa, como o caso de idosos aposentados que são explorados e sofrem violência, ou são abandonados por parte de seus familiares, muitas vezes devido a diferenças de interesses, apresentando-se como um conflito potencial entre os membros da família11,12.

de medicamentos, entre outros12

Quanto à renda familiar, observou-se que 50 (78,1%) tinham renda familiar de 1 a 3 salários mínimos. Possivelmente, a renda familiar representa um forte indicador na qualidade de vida do indivíduo, pois esta interfere diretamente na possibilidade de aquisição de bens e consumo, alimentação, moradia e outros. Tratando-se de idosos em muitas situações, a renda familiar atua como suporte em tratamentos de saúde, compra

Nesta etapa, se descreverá os diagnósticos de enfermagem encontrados segundo a Taxanomia I; estes foram divididos entre os 12 domínios propostos pela linguagem para facilitar sua categorização. O diagnóstico de enfermagem prevalente foi estilo de vida sedentário, presente em 53 (82,8%) idosos; seguido de interação social prejudicada, 50 (78,1%) e dentição prejudicada, 46 (71,8%).

Inserido no domínio 1 – Controle ineficaz do regime terapêutico foi identificado em 35 (54,6%) idosos; trata-se de um diagnóstico muito útil para a enfermagem na maioria das instituições. Os indivíduos e as famílias, apresentando uma série de problemas de saúde, agudos ou crônicos, geralmente enfrentam programas de tratamento que exigem mudanças no funcionamento ou no estilo de vida. Ainda na perspectiva da promoção da saúde, o diagnóstico manutenção ineficaz de saúde foi verificado em 25 (39,6%) idosos. Esse diagnóstico pressupõe a incapacidade do indivíduo de identificar, controlar e/ou buscar ajuda para manter sua saúde6.

(Parte 1 de 2)

Comentários