3 Coelenterata

3 Coelenterata

Phyllum Coelenterata

Phyllum Coelenterata

  • Filo Cnidária

Gr. Knide = irritante + L. Ária = muito

  • Ou Coelenterata

Gr. Kiolos= oco + enteron = intestino

Phyllum Coelenterata

  • Simetria radial, ao redor de um eixo oral-aboral

  • Dois tipos básicos: pólipo e medusa

  • Diblásticos: epiderme e gastroderme, com o espaço entre elas preenchido por mesogléia;

  • Algumas espécies podem ser triblásticos: Mesogléia com células e tecido conjuntivo (ectomesoderma).

  • Cavidade gastrovascular: Normalmente ramificada ou septada com abertura única que funciona como boca e ânus.

  • Boca ou região oral geralmente rodeada por tentáculos móveis

  • Acelomados

Formas anatômicas

Phyllum Coelenterata: Características

  • Nematocistos ou organela urticantes dispostas sobra a epiderme, gastroderme ou ambas, principalmente abundantes nos tentáculos, distribuídos em anéis ou agrupados em baterias;

  • Liberam substância urticante que pode paralisar as presas e provocar séria queimaduras ao homem.

    • Acninocongestina

Phyllum Coelenterata: Características

Phyllum Coelenterata

  • Sistema muscular tipo epitélio-muscular, com camada externa de fibras longitudinais na base da epiderme e uma camada interna de fibras circulares na base da gastroderme.

  • Algumas spp podem apresentar feixes de fibras independentes na mesogléia.

  • Reprodução: Metagênese

    • a) Assexuada  Brotamento em pólipos;
    • b) Sexuada  Por gametas, em todas as medusas e alguns pólipos. Espécies monóicas e dióicas.

Phyllum Coelenterata

  • Reprodução: Metagênese

    • a) Assexuada  Brotamento em pólipos;
    • b) Sexuada  Por gametas, em todas as medusas e alguns pólipos. Espécies monóicas e dióicas.

    • Desenvolvimento Indireto:
      • larva plânula.

Phyllum Coelenterata: Classificação

  • Classe Hydrozoa

  • Habitat: Marinho, com espécies dulcícolas; (Hydra sp.)

  • Colônias (polimórficas) ou vivem isolados;

  • Formas básicas: Pólipo e medusa

    • medusas pequenas (com véu).
  • Distribuição:

    • Águas rasas e tropicais;

  • Estrutura do pólipo:

    • Cilíndrico oco;
    • Disco basal;
    • Hipostômio com boca;
    • 6 a 10 tentáculos

  • Boca se abre na cavidade gástrica;

Phyllum Coelenterata

  • Epiderme

    • Células epitélio-musculares  revestimento e contração;
    • Células intersticiais  Células tronco;
    • Células glandulares  localizadas no disco basal, secretam substâncias adesivas para fixação ou bolhas para flutuação;
    • Cnidócitos  Urticantes;
    • Células sensoriais  Localizadas entre outras células, principalmente ao redor da boca. São receptoras de estímulos táteis e químicos.
    • Células nervosas  multipolares;

  • Mesogléia  Esqueleto elástico.

Classe Hydrozoa: Reprodução

Classe Hydrozoa

Classe Scyphozoa

Classe Cubozoa

Classe Anthozoa

  • Representada exclusivamente por formas polipóides isoladas como as anêmonas-do-mar (Actínia sp ou rosa-do-mar) , ou coloniais como os corais. Estes últimos secretam esqueleto calcário e formam os recifes de corais. · reprodução assexuada por bipartição ou brotamento. · reprodução sexuada com formação de larva plânula

Classe Anthozoa Sub-classe Zoantharia

Classe Anthozoa Sub-classe Ceriantipatharia

Classe Anthozoa Sub-classe Ceriantipatharia

Classe Anthozoa Subclasse Alcyonaria

Classe Anthozoa Subclasse Alcyonaria

Importância Econômica

Os esqueletos dos corais (Corallium rubrum) são usados nas industrias de bijuterias.

Importância ecológica

Comentários