EXU - Correto

EXU - Correto

Valneli da Silva Melo (1)

; Adriana de Souza Costa (1)

; Francisco de Assis Salviano de Souza (1)

(1) Universidade Federal de Campina Grande - UFCG valnelismello@hotmail.com adriana_scsouza@hotmail.com fsouza@gmail.com

RESUMO: O semiárido nordestino caracteriza-se pela irregularidade espacial e temporal das chuvas com volume anual menor que 800 m. A precipitação é um dos mais importantes elementos meteorológicos e na grande parte do território nacional a escassez de dados meteorológicos é um dos fatores que mais limitam a realização de estudos suficientemente detalhados sobre comportamento climático. As oscilações pluviométricas são importantes para auxilio de informações no represamento e armazenagem de água em qualquer região ou lugar e de posse dessa informação o presente trabalho tem como objetivo analisar a variabilidade climática da precipitação do município de Exu no estado de Pernambuco, enfocando tais variações como um meio para compreender a influencia dos fenômenos meteorológicos El Niño e La Niña. Para realização deste trabalho foram utilizados dados de precipitações mensais no período de 1984 à 2014, os dados foram fornecidos pela ANA (Agencia Nacional das Águas). O conhecimento do comportamento climático de uma região é importante para estudos de previsão do tempo e principalmente para o planejamento agropecuário, e isso fortifica ainda mais esse estudo. Os resultados demonstraram que a influência dos fenômenos El Niño e La Niña sobre a ocorrência de secas ou enchentes na bacia ainda não está bem compreendida, onde se tem anos com atuação dos fenômenos atuantes e precipitação acima ou abaixo das climatológicas; a distribuição da precipitação pluviométrica na área de estudo ocorre de forma irregular e com grande variação durante todo o ano, demonstrando que mesmo em anos de El Niño as chuvas ocorrem praticamente entre a normalidade.

PALAVRAS – CHAVE: Oscilações pluviométricas, precipitação e fenômenos meteorológicos.

A variabilidade climática de uma região exerce importante influência nas diversas atividades socioeconômicas, especialmente na produção de citros. Sendo o clima constituído de um conjunto de elementos integrados, determinante para a vida, este adquire relevância, visto que sua configuração pode facilitar ou dificultar a fixação do homem e o desenvolvimento de suas atividades nas diversas regiões do planeta. Dentre os elementos climáticos, a precipitação tem papel preponderante no desenvolvimento das atividades humanas, produzindo resultados na economia (Sleiman, 2008).

Historicamente a região Nordeste sempre foi afetada por grandes secas ou grandes cheias. Relatos de secas na região podem ser encontrados desde o século XVII, quando os portugueses chegaram à região. Ocorrem com uma frequência de 18 a 20 anos de seca a cada 100 anos (MARENGO & VALVERDE, 2007).

Eventos como La Niña têm sido associados à ocorrência de estações chuvosas mais úmidas que o normal na Região Nordeste do Brasil (NEB) e El Niño tem sido associados às ocorrências de estações mais secas que o normal no NEB (MARENGO & VALVERDE, 2007).

A partir das informações da pluviosidade, é interessante efetivar-se um estudo sobre a variação dessa variável climatológica relacionando-a com fenômenos de grande escala El Niño e La Ninã para se aprimorar informações a respeito das características climáticas do Estado da Paraíba (MARENGO & VALVERDE, 2007).

A partir das informações da pluviosidade, este trabalho tem como objetivo verificar mensalmente a frequência de precipitação durante um período de 30 anos e a influência dos fenômenos meteorológicos El Niño e La Niña nos índices pluviométricos da bacia hidrográfica do rio Brígida.

Exu está localizado na mesorregião Sertão e na Microrregião Araripina do

Estado de Pernambuco, limitando-se a norte com Estado Ceará, a sul com Granito, a leste com Moreilândia, e a oeste com Bodocó. A área municipal ocupa 1493,9 km2 e representa 1.52 % do Estado de Pernambuco. Localiza-se nas seguintes coordenadas geográficas de 07°30’sul e 39°43’longitude oeste com 523 de altitude.

Os dados de precipitações mensais históricos utilizados nesta pesquisa foram obtidos de uma série histórica de 31 anos (1984 a 2014), pela Agencia Nacional das (ANA). Utilizou-se os seguintes dados de precipitação pluviométrica: totais mensais médios e anuais. Para análise dos dados foi utilizado programa em planilhas eletrônicas. Foram analisadas as influências de fenômenos meteorológicos El Niño, La Niña e a atividade das frentes frias na distribuição das precipitações.

Observa-se nas Figuras 1a e 1b, que o mês mais chuvoso é o mês de março apresentando 21% de toda precipitação anual; e os meses menos chuvosos são agosto e setembro, o qual apresenta 1% da precipitação esperada anual. O período chuvoso de janeiro a maio representa 7% da precipitação anual, e no período seco 23% da precipitação anual.

Figura 1. (a) Distribuição mensal da precipitação em Exu; (b) Distribuição mensal da precipitação e seus percentuais em Exu.

Na Tabela 1, são apresentados os anos que ocorrem os eventos de El Niño e o La

Niña, observa-se que o ano de 1985 houve maior precipitação sendo um ano de ocorrência de La Niña e no ano de 1989 também é possível constatar a influencia desse evento, pois esse ano também apresenta precipitações acima da média histórica. Assim é possível dizer que esta flutuabilidade está relacionada aos eventos de La Niña (anos com tendências de precipitações acima da média) e os eventos de El Niño (anos com tendências de precipitações abaixo da média) para região do Nordeste Brasileiro. Segundo Medeiros (2013), em todos os anos de acontecimento de El Niño cerca de 50% a 65% dos mesmos apresentaram chuvas abaixo da média para área estudada, isso podese ver na Figura 3, onde os anos de 1997 a 1998, apresentam menores precipitações, esses foram considerados anos com El Niño forte.

Tabela 1. Intensidade de eventos El Niño e LaNiña baseada no padrão e magnitude das anomalias da TSM do Pacífico Tropical

Ocorrência de El Niño Intensidade Ocorrência do La Niña Intensidade

1972 - 1973 Forte 1970 - 1971 Moderada 1976 - 1977 Fraco 1973 - 1976 Forte 1977 - 1978 Fraco 1983 - 1984 Fraco a b

1979 - 1980 Fraco 1984 - 1985 Fraco 1982 - 1983 Forte 1988 - 1989 Forte 1986 - 1988 Moderada 1995 - 1996 Fraco 1990 - 1993 Forte 1998 - 2001 Moderada 1994 - 1995 Moderada 2007 - 2008 Forte 1997 - 1998 Forte 2002 - 2003 Moderada 2004 - 2005 Fraco 2006 - 2007 Fraco 2009 - 2010 Fraco

Fonte: CPTEC/INPE (2013).

Na Figura 3, observa-se a distribuição anual de precipitação pluviométrica e a média histórica para o município de Exu. Estas variabilidades são decorrentes dos sistemas atmosféricos atuantes durante os períodos estudados. Pode-se ver que a influencia desses sistemas atmosféricos em alguns anos merecem destaque, pois flutuabilidade anual tem-se 14 anos com chuvas abaixo da média histórica, 3 anos com precipitações acima da normalidade e alguns anos com chuvas entre a normalidade histórica.

Figura 3. Variação da precipitação anual e média histórica.

A distribuição da precipitação pluviométrica no município de Exu-PE ocorre de forma irregular e com grande variação durante todo o ano, demonstrando que mesmo em anos de El Niño as chuvas ocorrem praticamente entre a normalidade, porém, é possível ver que em alguns anos a influencia desse evento pode ser bem visível. Os resultados alcançados com esse estudo, mostram que ao longo da série amostral, a precipitação teve uma grande diminuição, mostrando com isso anos mais secos.

Sugere-se um estudo com uma série de maiores anos para que possam verificarse as flutuações e as contribuições dos fenômenos El Ñino e La Ñina em toda a área de estudo. .

AGRADECIMENTOS A CAPES pela concessão da bolsa de estudo.

REFERÊNCIAS CALBETE, N. O.; CALBETE, S. R.; ROZANTE, J. R.; LEMOS, C. F. Precipitações intensas ocorridas no período de 1986 a 1996 no Brasil, 1996. Disponível em:

http:/w.cptec.inpe.br. Acesso em: 29 abr. 2013. EMATER-PI. Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado do Piauí. KÖPPEN, W.; GEIGER, R. “Klimate der Erde. Gotha: Verlag Justus Perthes”. Wallmap 150cmx200cm. 1928. MARENGO, J. A.; VALVERDE, M. C.; Revista Multiciência, v. 8, 2007. MARENGO, J., SILVA DIAS, P.,: Mudanças climáticas globais e seus impactos nos recursos hídricos. Capitulo 3 em Águas Doces do Brasil: Capital Ecológico, Uso e Conservação, 2006, p.63-109, Eds. A. Rebouças, B., Braga e J. Tundisi. Editora Escrituras, SP. MEDEIROS, R. M. Estudo agrometeorológico para o Estado da Piauí. 2013. 120p. SLEIMAN, J, SILVA, M. E. S. A Climatologia de Precipitação e a Ocorrência de

Veranicos na Porção Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul. SIMPGEO/SP, Rio Claro, 2008. SUDENE. Dados pluviométricos mensais do Nordeste: Estado do Piauí. Recife, 1990.

Comentários