FUNDAÇÃO FRANCISCO MASCARENHA artigo correção

FUNDAÇÃO FRANCISCO MASCARENHA artigo correção

FUNDAÇÃO FRANCISCO MASCARENHAS

FACULDADES INTEGRADAS DE PATOS

INSTTITUTO DE ENSINO SUPERIOR NATALENSE

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO DE LATO SENSU

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA INSTITUCIONAL E CLÍNICA

GEOVÂNIA DE LIMA FREITAS

INTERVENÇÃO PSICOPEDAGOGICA NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DA LEITURA E ESCRITA

GOIANINHA - RN

2013

GEOVÂNIA DE LIMA FREITAS

INTERVENÇÃO PSICOPEDAGOGICA NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DA LEITURA E ESCRITA

Trabalho de conclusão de curso – Artigo Científico, apresentado ao Programa de Pós-Graduação Latto Sensu do Curso de Especialização em Psicopedagogia Institucional e Clínica das Faculdades Integradas de Patos, em cumprimento as exigências para obtenção do título de especialista.

Orientadora: Profª Ms. Adriana P. de Sousa Almeida

GOIANINHA - RN

2013

RESUMO

Através do presente trabalho é possível perceber esclarecimentos a respeito do assunto: aprendizagem da leitura e escrita onde possibilitou a aquisição de conhecimentos relacionados a percepção das dificuldades, capacidades e possibilidades dos alunos com necessidades de aprendizagens educativas, promovendo e facilitando a interação e evolução destes alunos na escola,tendo como base pesquisas cientificas baseadas em grandes teóricos HENRI WALLON1964,JEAN PIAGET 1970,Lev Vygotsky 1896,Pois os alunos muitas vezes chegam as escolas com laudos médicos constatando algumas deficiências que os deixam apreensivos em relação ao desenvolvimento escolar, mas como o maior problema enfrentado por todas as escolas é aprendizagem e o desenvolvimento da leitura e escrita, após estudos relacionados a isso,com um olhar psicopedagógico vi que o melhor é parar, refletir, discutir e se dispor a achar um caminho que funcione, propondo-se a buscar méritos e recursos para que o aluno possa aprender e se empenhar ao máximo nas atividades a ele propostas.

Palavras-chave: Ensino, Aprendizagem. Problemas

RESUMEN

A través de este trabajo es posible perceceber aclaración al respecto: aprender a leer y escribir, lo que permitió la adquisición de conocimientos relacionados con la percepción de las dificultades, las capacidades y las posibilidades de aprendizaje de los estudiantes con necesidades educativas, promover y facilitar la interacción y la evolución de estos estudiantes en escuela, basada en la investigación científica basada en gran teórico. para los estudiantes a menudo vienen a la escuela con los informes médicos señalando algunas deficiencias que dejan preocupado por ejemplo, en relación con el desarrollo de la escuela, más como el mayor problema que enfrentan todas las escuelas es el aprendizaje y la desarrollo de la lectura y la escritura, después de los estudios relacionados con ella, con una mirada Psicopedagógico vio que lo mejor es parar, reflexionar, debatir y estar dispuestos a encontrar una manera de que funcione, se propone buscar méritos y recursos para que el alumno pueda aprender y las actividades máximos enpenhar que ofrece.

Palabras clave: Enseñanza. El aprendizaje. Problemas

INTRODUÇÃO

O artigo cientifico apresenta informações sobre o desenvolvimento do processo de ensino e aprendizagem na leitura e escrita, constitui-se em importante instrumento de conhecimento e de integração do trabalho na área profissional, bem como para desenvolvimento de habilidades de participação e de atuação em colaboração com a equipe escolar. Esse trabalho tem como objetivo relatar as leituras e estudos desenvolvidos a cerca do tema escolhido. Este trabalho me proporcionou a oportunidade de refletir sobre a relação dialética entre a base teórica aprendida, a realidade do cotidiano escolar.

Enfim serviu como uma contribuição  para uma reflexão sobre a prática docente, e para sedimentar a formação inicial e continuada produtiva, é significante para conhecer a dicotomia entre a teoria e a prática, o ensino e a aprendizagem, e preparar para trabalhar  as exigências de uma educação moderna em um mundo globalizado, que desperte o interesse e a vontade dos estudantes atendendo suas respectivas necessidades quanto a aprendizagem.

Sendo assim a utilização das múltiplas linguagens, das expressões e dos conhecimentos históricos, sociais, científicos e tecnológicos, sem perder de vista a autonomia intelectual e moral do educando como uma das finalidades da educação. Assim como, a articulação das intenções, prioridades e caminhos escolhidos para realizar sua função social., tomei consciência da multiplicidade dos olhares sobre o educar sabendo-se que o aluno e professor precisam está sempre envolvidos, de forma afetuosa para que o processo ensino-aprendizagem seja enriquecedor e significativo na construção do conhecimento.

COMO SE DESENVOLVE O PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM

Diante da necessidade de que a educação possibilite cada individuo atingir o desenvolvimento do seu potencial criativo,além de perceber as transformações ocorridas na sociedade e atender as exigências.

Os professores devem desenvolver práticas educativas onde possibilite a interação das crianças no processo de aprendizagem. A fase de desenvolvimento da criança ocorre quando o indivíduo aprende através de atividades que lhe chame atenção como por exemplo, com as brincadeiras,os jogos,enfim a ludicidade tem um papel importante no processo da aprendizagem,também há aspectos que norteiam no processo de desenvolvimento,afetivo,cognitivo e social pois ambos fazem parte da vida do ser humano,portanto as crianças possuem determinadas fazes de aprendizagem.

“ A idade de sete a oito anos em média assinala um fato decisivo na elaboração dos instrumentos de conhecimentos”. (PIAGET, 2010, p.134.)

A escrita é um processo psicológico superior avançado já que precisa ser aprendida em um contexto didático e com a consequente tomada de consciência de suas regras.A possibilidade de compreender o que apresenta representa juntamente com a habilidade de reproduzir de forma motora,signos vistos ouvidos e pensados,permite o acesso a um mundo novo que oferece outras formas de expressão.

A criança atravessa diferentes estágios que oscilam entre momentos de maior interiorização e outros voltados para o exterior, sendo possível demarcar alguns deles ao longo do desenvolvimento infantil.

Conforme demonstra Mantoan (2003) o sucesso da aprendizagem está em explorar alentos,atualizar possibilidades de sucesso se, de fato conhecermos as reais necessidades dos alunos e a partir daí,explorarmos os seus talentos.

Faze-se necessárias modificações para motivá-lo no processo de ensino-aprendizagem a fim de desenvolver suas competências, portanto o professor deve contar com o aparato de mecanismos de interação,ações pedagógicas que suplementem,completem e apoiem o saber fazer de maneira flexível,atendendo as necessidades dos alunos e favorecendo seu desenvolvimento escolar.

O termo desenvolver significa,entre outras acepções, desenrolar,tirar do invólucro,aumentar progredir,produzir originar, melhorar e fazer crescer o desenvolvimento do ser humano é o resultado de múltiplas influências

PROBLEMAS NO DESENVOLVIMENTO DA LEITURA E ESCRITA

A escrita é um processo psicológico superior avançado já que precisa ser aprendida em um contexto didático e com a consequente tomada de consciência de suas regras,a possibilidade de compreender o que é a escrita representa, juntamente com a habilidade de reproduzir de forma motora ,signos vistos ouvidos ou pensados,permite o acesso a um mundo novo eu oferece outras formas de expressão.

O fracasso é um processo que se constrói na escola, a partir das formas de ensino das relações que e estabelecem entre professor e aluno e da realidade de vida do aluno e suas possibilidades. A criança atravessa diferentes estágios que oscilam entre momentos de maior interiorização e outros mais voltados para o exterior, sendo possível demarcar alguns deles ao longo do desenvolvimento infantil.

O aprendizado da leitura e da escrita está vinculado a um conjunto de fatores ,adotando como princípios o domínio da linguagem e a capacidade de simbolização.

Alguns fatores prováveis de distúrbios estão relacionados as condições internas e externas de aprendizagem,que podem evidenciar desde uma simples alteração na qualidade do aprendizado especifico da leitura e da escrita,ou de maneira genérica revelar desvios nos processos de aprendizagem, que dentre manifestações secundárias, revelam distúrbios no aprendizado da leitura e escrita.

Destacam-se a integridade motora,onde determina um processo sequencial e seriado de ações neuromusculares que levam a uma mudança progressiva e gradual de posturas e integridade sensorioperceptual,é a informação do ambiente organizada e interpretada para o planejamento e execução da integração do individuo com o meio.

A decisão do que denomina distúrbio do aprendizado da leitura e da escrita,deveria partir do conhecimento real das condições individuais de aprendizagem,a escrita é uma das formas mais elevadas da linguagem que vai além da decodificação gráfica,implica na compreensão de que conjuntos de traços visuais possuem valores simbólicos.

Em relação ao aprendizado leitura e da escrita, a necessidade de um processo diagnóstico é determinada pela existência e sintomas e sinais de alteração que comprometem num sentido escrito, a forma e num sentido amplo a funcionalidade da comunicação gráfica, sendo assim existindo distúrbios como disgrafias, dislexia e discalculias. Um dos fatores que pode estar agravando ou interferindo no atraso da leitura e escrita diz respeito a vivencia por parte da criança, de situações ou ambientes pouco favoráveis para o desenvolvimento, pois o domínio da linguagem pela criança é altamente da qualidade das situações de interação com os outros,sendo habilidades sociais comunicativas.

Para PERKINS(1971) a aquisição dos fonemas da-se até os 7 anos mais ou menos.

Já Wallon (1999, p. 35):

Enfatiza o papel da emoção do desenvolvimento humano pois todo o contato que a criança estabelece com as pessoas que cuidam dela desde o nascimento são feito de emoções e não apenas cognições,baseou suas ideias em 4 elementos básicos que estão o tempo todo em comunicação:afetividade,emoções,movimentos e formação do eu.

O individuo aprende através de atividades que lhe chamem atenção como por exemplo, com brincadeiras,jogos enfim a ludicidade tem papel importante no processo da aprendizagem, pois norteia o desenvolvimento social e cognitivo.

Para que se constitua uma situação de aprendizagem e necessário se estabelecer relações entre o ensinante e o aprendente.

A psicopedagogia dedica-se ao estudo da aprendizagem com a finalidade de prevenir ou curar problemas, como aponta Pain (1986, p.38):

Os problemas de aprendizagem se manifestam sempre num quadro multifatorial;em outras palavras a aprendizagem é um fenômeno imensamente complexo e seus distúrbios não podem ser atribuídos a nenhum fator determinante,mas, antes são resultados da concorrência de uma serie de fatores concomitantes; fatores orgânicos,psicogênicos e ambientais

INTERVENÇÃO NA LEITURA E ESCRITA

A argumentação mais comum entre os professores é “precisa-se formar o hábito de ler nos alunos. No entanto, observa-se que grande parte dos professores não lê ou lê muito pouco,as leituras se resumem em revistas ou em outros meios de comunicação básico,mais que na verdade precisasse buscar subsídios para a interação dos aluno com a leitura.

Ler é ver o que está escrito,decifrar,interpretar um texto por meio da leitura compreender o que está sendo dito através dos sinais gráficos;tomar conhecimento do conteúdo de um texto (HOLANDA,1986, p.118).

Além de tudo que foi dito até agora,tem outras implicações como, por exemplo estabelecer um diálogo entre a voz do sujeito /autor e a vos do sujeito leitor.Tal interlocução mediada pelo texto,produz situações dialógicas ilimitadas que constituem leituras possíveis.

Nesse sentido a leitura passa a ser concebida como uma prática social que remete a outros textos, outras leituras e uma atividade mental complexa em que o leitor utiliza diversas estratégias baseadas no seu conhecimento linguístico, sociocultural, enciclopédico.

Sendo a leitura, por excelência um ato de pensamento,um processo de significação,não pode reduzir-se a um ato mecânico que se realiza sem pensar como propõe o conceito de hábito na abordagem associacionista.

A utilização de estratégias na compreensão leitora suspeitas inteligentes,ainda que,arriscadas,sobre o caminho mais adequado que devemos seguir,é necessário uma autodireção(objetivo consciente),e o autocontrole para o caso de necessitar modificar o objetivo.

De acordo com Solé (1998, p. 53) “a aprendizagem significativa é garantida quando ocorre o desenvolvimento global de meninos e meninas,inclusive com o estimulo das competências como leitores”.

A intervenção psicopedagógica no processo de aprendizagem leitura e escrita ocorre de maneira expansiva pois se faz necessário buscar estratégias para a aquisição do conhecimento,utilizando de vários métodos e meios educacionais sempre buscando suprir a necessidade dos aprendentes.

A elaboração de estratégias é indispensável, portanto devemos ir de encontro primeiramente com o histórico de vida ou seja a família,pois é ela quem nos transmite as primeiras informações essênciais para a coleta de dados,sendo assim logo após surgiram as habilidades a serem desenvolvidas baseando-se sempre em embasamentos teóricos como: Piaget (1970) ,Wallon (1964),Vygotsky(1896) e outros que abordam assuntos sobre o desenvolvimento da aprendizagem.

Nas estratégias de leitura o conhecimento prévio adequado ou relevante para o leitor não se refere ao fato de saber o conteúdo do texto,mas ao de que entre este e seus conhecimentos.

“Ação humana dizendo que a lógica não é inata, mas que se desenvolve pouco a pouco de acordo com o desenvolvimento intelectual e cognitivo da criança” (RIBEIRO,1999, p.18).

Para Piaget (1948, p. 22):

Aborda estágios em que a criança passa primeiramente pelo sensório motor de 0 a 2 anos,em seguida o pré-operacional de 2 a 7 anos logo após o operacional de 7 a 11 anos e por último o operacional formal de 11 anos em diante,neste ultimo é a ultima fase de construção da inteligência,pois a criança pré adolescente já é capaz de fazer uma operação ao contrario ou, seja lidar com a reversibilidade.

Este biólogo e psicólogo suíço foi o formulador da teoria do desenvolvimento da inteligência humana e é, hoje considerado por muitos como o mais importante teórico nessa área.

A concepção de Vygotsky (1896,p.22) “a aprendizagem é o processo pelo qual o individuo adquire informações,habilidades,atitudes e valores a partir do seu contato com a realidade, com o meio ambiente e com as pessoas”.

Já para Ferreiro e Teberosky (2001, p.v65) “a leitura e a escrita têm sido tradicionalmente consideradas como objeto de instrução sistemática pertencente a escola,as atividades de interpretação e escrita começam antes da escolarização”.

Podemos constatar que a intervenção psicopedagica, no contexto brasileiro começa a se constituir com uma certa consistência por volta da década de 80.

Ao psicopedagogo não interessam as questões de estrutura de personalidade enquanto estas não afetam de forma manifesta o vinculo do individuo com a aprendizagem, o psicopedagogo não trabalha específica e unicamente com conteúdos escolares formais mas antes, com situações cognitivas, com o próprio processo de pensamento e de solução de problemas.

Uma avaliação psicopedagógica com base construtivista parte do principio de que a aprendizagem é uma tarefa de apropriação e de domínio do objeto de reconhecimento, aprendizagem como processo de aquisição nos remete ao entendimento das dificuldades de aprendizagem como questões inerentes ás etapas de desenvolvimento, algo muito diverso de inadequações devidas a patologias.

A inteligência, construída na interação, refere-se á presença de estruturas lógicas,Os transtornos da aprendizagem nos permitem observar os efeitos que ocorrem quando a inteligência está submetida ao desejo.

O processo de intervenção de problemas de aprendizagem busca estabelecer relações entre o eixo do presente e o eixo do passado,este processo busca criar um espaço de confiança.

Fernández (1991) e Paín (1985) sugere, ainda, o uso de jogos considerando que o sujeito através deles pode manifestar, sem mecanismos de defesa, os desejos contidos em seu inconsciente. Além do mais, no enfoque psicopedagógico os jogos representam situações-problemas a serem resolvidas, pois envolvem regras, apresentam desafios e possibilita observar como o sujeito age frente a eles, qual sua estrutura de pensamento, como reage diante de dificuldades. Levando-se em conta que o sujeito possui poucos recursos (vocabulário, por exemplo) para se comunicar, expressar o que sente, o que deseja, pode fazer uso de jogos, desenhos e brincadeiras para manifestar o que sente. Sendo assim, cabe ao psicopedagogo estar atento para fazer a leitura e análise das mensagens que o sujeito está lhe enviando.

Fernández (2001, p. 43) “relata que todo sujeito tem sua modalidade de aprendizagem e os seus meios para construir o próprio conhecimento, e isso significa uma maneira muito pessoal para se dirigir e construir o saber”.

Os problemas de aprendizagem constituem uma situação real presente nas instituições escolares. Portanto, é necessário que todos os envolvidos com questões educacionais realizem pesquisas que possibilitem conhecer cada vez melhor as relações entre os problemas de aprendizagem. Assim, pode-se recorrer ao psicopedagogo para estruturar formas de ações e ou intervenções psicopedagógicas que clareiem o caminho percorrido pelos sujeitos.

Paín (1981, apud RUBINSTEIN, 1996, p. 121) considera a dificuldade para aprender como um sintoma, que cumpre uma função positiva tão integrativa como o aprender, e que pode ser determinado por:

1. Fatores orgânicos: relacionados com aspectos do funcionamento anatômico, como o funcionamento dos órgãos dos sentidos e do sistema nervoso central;

2. Fatores específicos: relacionados às dificuldades específicas do indivíduo, os quais não são passíveis de constatação orgânica, mas que se manifestam na área da linguagem ou na organização espacial e temporal, dentre outros;

3. Fatores psicógenos: é necessário que se faça a distinção entre dificuldades de aprendizagem decorrentes de um sintoma ou de uma inibição. Quando relacionado ao um sintoma, o não aprender possui um significado inconsciente; quando relacionado a uma inibição, trata-se de uma retração intelectual do ego, ocorrendo uma diminuição das funções cognitivas que acaba por acarretar os problemas para aprender;

4. Fatores ambientais: relacionados às condições objetivas ambientais que podem favorecer ou não a aprendizagem do indivíduo.

A formação de leitores competentes requer uma prática constante de leitura de textos de fato a partir de um trabalho que deve se organizar em torno da diversidade de texto que circulam socialmente.

Nesse contato sistemático dos alunos com bons materiais de leitura e com adultos leitores que ofereçam atividades de leituras eficazes é a prática mas proeficiente para proporcionar aos alunos uma interação significativa com textos cuja a finalidade não seja apenas a resolução de pequenos problemas mais sim o prazer de estar no mundo de leitores. Portanto, intervir no processo de aprendizagem não é apenas dá subsídios mais sim aberturas para um ser que merece adquirir uma diversidade de conhecimentos.

CONCLUSÃO

Todos envolvidos na educação devem assegurar o processo de ensino-aprendizagem através de uma proposta curricular apropriada,estratégias de ensino onde promovam a interação entre família e escola,esse envolvimento é fundamental para a superação de obstáculos como a ignorância e o preconceito e torna mais fácil a inclusão do aluno com deficiências de aprendizagem de escrita e leitura.

“As formas através das quais as escolas promovem a inclusão e previnem a exclusão constituem o cerne da qualidade de viver e aprender experimentado por todas as crianças” (MITTLER, 2003, p.139).

Portanto, o sucesso da aprendizagem está em explorar talentos, atualizar possibilidades, desenvolver predisposições naturais de cada aluno.Mas só existe essa possibilidade de sucesso se, de fato, conhecermos as reais necessidades dos alunos e, a partir daí, explorarmos seus talentos.

REFERÊNCIAS

BRASIL, MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Coleção Educadores. Recife - PE: Massangana da Fundação Joaquim Nabuco, 2010.

BRASIL, MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Brincar para todos. Disponível em: http://portal.mec.gov.br. Acessado em: 10 jun. 2013.

BOSSA,NA.fracasso escolar .Um olhar psicopedagogico.Porto Alegre. RSArtmed Editora, 2002

CARVALHO, Rosita Edler. Escola inclusiva: a reorganização do trabalho pedagógico. Porto Alegre: Mediação, 2008.

(1998).Pátio- revista pedagógica/Artes médicas.Porto Alegre/RS,5(2)p.p.48-51.

Documento subsidiário á política de inclusão.Secretária de Educação Especial/ Mec.

Disponivel em :http://portal.mec.gov.br/ seesp/arquivos/pdf/ docsubsidiariopolitica deinclusao.pdf

FERNANDEZ, Alícia. A inteligência aprisionada. Porto Alegre: Artes Médicas, 1990.

PIAGET,J. A construção do real na criança. trad. Alvaro Cabral. Rio de Janeiro: Zahar,1970.

MANTOAN, Maria Teresa Eglér. Integração x Inclusão: escola de qualidade.

Piaget,vygotsky,wallon:teorias psicogenéticas em discussão/Yves de La Taille,Marta Kohl de Oliveira,Heloysa Dantas. São Paulo: Summus,1992.

VYGOTSKY, L. S., LURIA, A. R., LEONTIEV, A. N. Linguagem, desenvolvimento e

aprendizagem. Tradução: Maria de Penha Villalobos. 6ª ed. São Paulo: Ícone: Editora

da Universidade de São Paulo. 1998.

Comentários