Módulo II - sistemas operacionais

Módulo II - sistemas operacionais

MÓDULO II – SOFTWARE E SISTEMAS OPERACIONAIS

SOFTWARE 1

- SISTEMA OPERACIONAL WINDOWS XP 2

- INICIANDO O WINDOWS 3

- INICIALIZAÇÃO DO WINDOWS XP 3

- TELA DE LOGON 3

- ÁREA DE TRABALHO OU DESKTOP 3

- ACESSAR AS PROPRIEDADES DE VÍDEO 4

- 1 - ABA TEMAS 5

- 2 - ABA ÁREA DE TRABALHO 5

- 3 - ABA PROTEÇÃO DE TELA 6

- 4 - ABA APARÊNCIA 7

- 5 - ABA CONFIGURAÇÕES 7

- ÍCONES 7

-ATALHO 8

- BARRA DE TAREFAS 8

1 – BOTÃO INCIAR 9

2 – ÁREA DE INICIALIZAÇÃO RÁPIDA 9

3 – BOTÕES DA BARRA DE TAREFAS 9

4 – BARRA DE IDIOMAS 9

5 – ÁREA DE NOTIFICAÇÃO 9

- MENU INICIAR 10

- DESLIGAR O COMPUTADOR 11

- FAZER LOGOFF 11

- MENU DE PROGRAMAS 12

- PROGRAMAS MAIS FREQÜENTE 12

- PROGRAMAS FIXADOS NO MENU INICIAR 12

- IDENTIFICAÇÃO DO USUÁRIO 12

- PASTAS PRINCIPAIS E DOCUMENTOS RECENTES 12

- ATALHOS DE CONFIGURAÇÃO 13

- AJUDA, PESQUISA E EXECUÇÃO DE COMANDOS 13

- JANELAS 13

- ARQUIVOS OU PASTAS 14

- SISTEMAS DE ARQUIVOS 15

- PROGRAMAS 16

- WINDOWS EXPLORER 17

- LIXEIRA 18

- FERRAMENTAS DE SISTEMA 18

- GERENCIADOR DE TAREFAS 19

- PAINEL DE CONTROLE 20

- ALGUMAS TECLAS DE ATALHO 21

SISTEMA OPERACIONAL LINUX 23

- SOFTWARE LIVRE 23

- O LINUX 23

- ALGUMAS CARACTERÍSTICAS DO LINUX 23

- KERNEL 25

- DISTRIBUIÇÃO DO LINUX 25

- ROOT 26

- DIFERENÇAS ENTRE O WINDOWS E O LINUX 26

- UNIDADES DE DISCO 26

- APLICATIVOS 26

- AMBIENTE GRÁFICO 26

- ESTRUTURA DE DIRETÓRIOS DO LINUX 27

-ARQUIVOS NO LINUX 27

- PRINCIPAIS COMANDOS 27

-PERMISSÕES DE ARQUIVOS E DIRETÓRIOS 32

-DESLIGANDO O LINUX 34

EXERCÍCIOS PROPOSTOS 35

SOFTWARE

SOFTWARE são programas executados no computador. O termo software pode denominar um conjunto de programas ou apenas um programa específico.

Um PROGRAMA é uma seqüência lógica de ações, que, após serem executadas, apresentam um resultado, que pode ser correto ou não. Um programa é formado por linhas seqüenciais, mas nem sempre são executadas na ordem em que aparecem, pois pode ocorrer que determinada linha possua um desvio para outro local.

Não há uma classificação rígida e definitiva de softwares. Uma classificação válida é a que segue:

  • Software Básico (ou de sistema)

    • Sistemas Operacionais – software responsável pelo gerenciamento do hardware e pela interface com o usuário. Estabelece a plataforma sobre a qual os programas são executados.

    • Utilitários - softwares relacionados à manutenção do computador e de seus dispositivos, como gerenciadores de memória, desfragmentadores de disco etc.

  • Software aplicativo – são os programas voltados aos usuários, como editores de texto, planilhas, tocadores de áudio e vídeo etc.

  • Linguagens de programação – são softwares utilizados para a criação de outros softwares.

Outro tipo de classificação, que ultimamente é muito comentado, tem relação com a forma de aquisição e distribuição. São os seguintes tipos:

  • Software (Código-Fonte) Aberto (Open-Source) - Programas que têm seu código fonte aberto. Qualquer um pode baixar o código fonte do programa, estudá-lo ou mesmo aperfeiçoá-lo. Open Source não é a mesma coisa que de domínio público. Um programa Open Source continua pertencendo ao seu criador e a quem ajudou no seu desenvolvimento.

  • Software Livre (Free Software) – É um conceito mais amplo que o de Open Source. Software livre é o software que vem com permissão para qualquer um copiar, estudar, usar e distribuir, com ou sem modificações, gratuitamente ou por um preço. Em particular, isso significa que o código fonte deve estar disponível.

  • Domínio Público - Software de domínio público é software não protegido por copyright (direitos de cópia). Isso significa que algumas cópias ou versões modificadas podem não ser livres.

  • Software Proprietário - É aquele que não é livre. Seu uso, redistribuição ou modificação é proibido, ou requer que você peça permissão, ou é restrito de tal forma que você não possa efetivamente fazê-lo livremente.

  • Freeware – O termo freeware não possui uma definição clara e amplamente aceita, mas é muito usado para programas que permitem redistribuição, mas não modificação (seu código fonte não está disponível). Não são software livre, portanto não é correto utilizar o termo freeware para referir-se a software livre.

  • Shareware – É o software que vem com permissão para redistribuir cópias. No entanto as cópias livremente distribuídas contêm restrições de tempo de uso ou de utilização de recursos. Para continuar usando um shareware ou para liberar todos os seus recursos, o usuário deve pagar por uma licença.

  • Software Comercial – É o software que é desenvolvido visando à obtenção de renda por meio do uso do software. É um artigo de consumo. Comercial e proprietário não são termos equivalentes. A maior parte dos softwares comerciais é proprietária, mas existem softwares livres comerciais e softwares não-comerciais e não-livres.

- SISTEMA OPERACIONAL WINDOWS XP

O Windows é um sistema operacional gráfico, desenvolvido pela Microsoft ®, que utiliza imagens, ícones, menus e outros aparatos visuais para ajudá-lo a controlar seu computador. Ele gerencia o trabalho do hardware e interage com o usuário. Porém, antes de falarmos do Windows, vamos comentar um pouco da evolução do Windows até os dias de hoje.

A primeira versão do Windows, conhecida como Windows 3.1, não era, de fato, um sistema operacional, mas apenas uma interface gráfica que rodava sobre o sistema MS-DOS. A primeira versão do Windows como um sistema operacional completo foi o Windows 95.

Windows 95

Lançado em agosto de 1995, projetado para trabalhar com os processadores 80386 e seguintes. Foi o primeiro sistema operacional da família Windows a utilizar os conceitos de menu Iniciar e barra de tarefas, como os conhecemos hoje. Permitia o uso concorrente do MS-DOS. Introduziu o sistema de arquivos com nomes longos. Passou a permitir nomes de arquivos com até 255 caracteres contendo espaços em branco e pontos. Suportava a tecnologia Plug and Play e era compatível com o sistema de arquivos FAT16.

Windows 98

Lançado em junho de 1998, foi o segundo sistema operacional da chamada família Windows “9.x”. Teve uma nova versão, uma espécie de atualização, lançada em maio de 1999 com a correção de várias falhas, o Windows 98/SE (segunda edição). Introduziu o Active Desktop, recurso que possibilitava a visualização de páginas web diretamente na área de trabalho. Tinha suporte a USB, Firewire, AGP, múltiplos monitores e modems e era compatível com os sistemas de arquivos FAT16 e FAT32.

Windows NT

É a primeira versão do Windows voltada para o uso corporativo. Utiliza principalmente o sistema de arquivos NTFS, mas também é compatível com FAT16. À época de seu lançamento, era o único Windows capaz de gerenciar vários usuários (sistema multiusuário) e de implementar controles de acesso a pastas e recursos do sistema.

Windows ME

Era uma espécie de Windows 98 com alguns recursos extras de multimídia, como visualização de imagens e miniaturas. Teve uma vida muito curta, muito em função do lançamento quase simultâneo do Windows 2000. Foi a última versão da família 9.x.

Windows 2000

O Windows 2000 é um descendente direto do Windows NT, a versão "avançada" da Microsoft do seu software de sistema operacional Windows. O Windows tem várias versões do Windows. Mas as duas versões primárias são Professional e Server.

Windows XP

Novo Sistema Operacional da Microsoft, que mudou seu visual em comparação com seus antecessores. Tem as versões Home (criado para substituir o Windows Me no gerenciamento de computadores domésticos) e Professional (para estações de trabalho em ambientes corporativos. Veio substituir o Windows 2000).

Windows Vista

Décima-primeira versão do sistema operacional Windows, da Microsoft. Tem centenas de novas funções, como uma nova interface gráfica do usuário, funções de busca aprimoradas, novas ferramentas de criação multimídia e completamente renovadas aplicações para redes de comunicação, áudio, impressão e subsistema de exibição.

- INICIANDO O WINDOWS

- INICIALIZAÇÃO DO WINDOWS XP

Ao iniciar o windows XP a primeira tela que temos é tela de logon, nela, selecionamos o usuário que irá utilizar o computador.

- TELA DE LOGON

Ao entrarmos com o nome do usuário, o windows efetuará o Logon (entrada no sistema) e nos apresentará a área de trabalho:

- ÁREA DE TRABALHO OU DESKTOP

Estas são as áreas de trabalho do Windows XP e 2000. É a tela principal do sistema, sobre a qual ficam todos os outros elementos gráficos, como janelas, ícones, atalhos e barras. A área de trabalho abrange toda a área útil do monitor de vídeo.

Ambiente de trabalho do Windows XP

Ambiente de trabalho do Windows 2000

Na figura da área de trabalho mostrada observa-se também que ao clicar com o botão direito do mouse em qualquer lugar vazio da área de trabalho tem-se a lista de opções mostrada a seguir:

Na lista mostrada as opções mais usadas são propriedades e novo. A opção novo permite entre as principais funções a criação de um atalho ou uma nova pasta. A opção propriedades leva o usuário às propriedades de vídeo do sistema operacional.

- ACESSAR AS PROPRIEDADES DE VÍDEO

Desde as caixas de diálogo a propriedades de vídeo, podemos configurar tudo relativo à aparência do Windows, além da configuração do próprio monitor, para acessar as propriedades de vídeo:

  1. Clique com o botão direito em qualquer parte da área de trabalho

  2. Selecione a opção propriedades, uma caixa de dialogo será aberta:

- 1 - ABA TEMAS

O Windows XP tem uma série de Temas, que modificam os aspectos ou interface do sistema, nesta tela (1 da figura), podemos alterar os temas do Windows XP, basta selecionar o tema desejado, você verá um preview dele, caso venha a escolher, selecione a opção aplicar.

- 2 - ABA ÁREA DE TRABALHO

Na aba área de trabalho, podemos modificar a imagem que será colocada no fundo do desktop do Windows XP (papel de parede) existe uma galeria de imagens que podemos escolher, caso desejamos, podemos também utilizar uma imagem pessoal, para alterar o Plano de Fundo: clique na aba área de trabalho, selecione a imagem desejada da lista que aparece ou clique em procurar, uma vez escolhida a imagem, clique em aplicar, e você verá a imagem escolhida como fundo da área de trabalho.

- 2.1 - PERSONALIZAR A ÁREA DE TRABALHO

O Windows XP nos permite personalizar nossa área de trabalho, escolhendo quais ícones aparecerão nele, ou se queremos mostrar uma página web como fundo de nossa área de trabalho. Além disso, podemos através de um assistente realizar uma limpeza dos ícones da área de trabalho, o assistente nos permitirá armazenar numa pasta determinada atalhos e ícones não usados recentemente que se encontram no desktop, aqueles atalhos ou ícones que não estivermos usando nos últimos 60 dias serão considerados como ícones inativos. De tempos em tempos o Windows Xp vai lembrando o usuário de que existem ícones inativos na área de trabalho, e se você deseja retira-los do desktop. Estando com a Janela Área de Trabalho aberta, para acessar estas opções basta:

  1. Clicar no botão Personalizar área de Trabalho

  2. Uma caixa de dialogo se abrirá, aonde você poderá escolher quais ícones deseja ativar na área de trabalho, como: Meu Computador, Meus Documentos, Meus Locais de rede, você pode alterar os ícones caso ache necessário.

  3. Pode-se ativar ou desativar o assistente de limpeza da área de trabalho a cada 60 dias ou executa-lo agora.

- 3 - ABA PROTEÇÃO DE TELA

Ao deixar o computador inativo a tela pode sofrer danos ao permanecer estática por um longo período de tempo. Para evitar que isso ocorra, podemos ativar a proteção de tela, para que depois de um tempo específico com o sistema ocioso e seja exibida. Para ativar a proteção de tela:

  1. Clique na aba Proteção de tela

  2. Selecione um tipo de proteção de tela

  3. Você poderá configurar parâmetros da proteção de tela em configurações

  4. Para confirmar as alterações clique em Aplicar.

- 3.1 - OPÇÕES DE ENERGIA

O Windows inclui algumas utilidades de economia de energia, que podemos configurar de modo que decorrido certo tempo de inatividade do sistema o monitor e os discos rígidos sejam desligados, voltando a ligar-se depois que os ativamos, como por exemplo movendo o mouse, tudo isso para economizar energia, por isso chamamos de opções de energia do sistema.

Para acessar estas propriedades:

  1. Na aba proteção de Tela, clique no botão energia

  2. Em Esquemas de energia, selecione a opção que melhor se enquadra ao seu tipo de uso

  3. Selecione a opção que melhor lhe agradar para desligar o monitor.

  4. Após escolher as opções clique em Aplicar e depois em OK.

- 4 - ABA APARÊNCIA

Nesta aba, podemos configurar a cor, o tipo de letra e o tamanho da letra de cada um dos elementos do Windows e de suas janelas, além das barras de menus, ícones, área de trabalho, etc.

- 4.1 - SELECIONE A ABA APARÊNCIA

No item Janelas e Botões, você pode optar entre estilo Windows XP e estilo clássico, o Estilo Windows XP é o que estamos usando no momento, o estilo clássico lembre as versões antecessoras do Windows (98/Me).

No item esquemas de cores, você vai definir as cores pré-definidas para janelas e menus. Vale a pena escolher uma de cada vez e dar um aplicar para ver como elas ficam.

Em tamanho da fonte você vai poder determinar o tamanho da fonte para títulos de janelas e outros textos que o Windows exibe.

Caso queira testar efeitos adicionais clique em Avançada e verá outros efeitos como mudar a fonte das janelas, trocar uma cor específica.

Você pode ativar as configurações clicando em OK ou em Aplicar.

- 5 - ABA CONFIGURAÇÕES

Nesta aba podemos ajustar a resolução da tela, a quantidade e qualidade das cores, veja:

  1. Clique na aba Configurações

  2. Escolha a resolução desejada na opção Resolução de tela

  3. Na opção qualidade de cor você poderá determinar a quantidade de cores que deseja que o Windows trabalhe, pode variar de 256 cores até 32 milhões de cores.

  4. Após escolhidas as opções clique em OK.

- ÍCONES

São símbolos (ou imagens) que facilitam a associação de objetos a arquivos ou pastas. Para qualquer programa, podemos ter um ícone específico. A maioria deles já tem um padrão, mas, se o usuário quiser (em alguns casos), pode alterá-los colocando um outro ícone.

-ATALHO

É uma forma direta de acessar objetos dos quais precisamos com mais freqüência. Atalhos são representados por ícones e podem estar na área de trabalho, na barra de tarefas do Windows ou mesmo em qualquer pasta do sistema. Podemos ter atalhos para arquivos, programas, pastas ou mesmo para endereços da internet. Atalhos são identificáveis pela presença de uma seta no canto inferior esquerdo de seus ícones.

- BARRA DE TAREFAS

É a barra horizontal que atravessa toda a base do Desktop. Essa barra apresenta o Botão Iniciar, a Área de inicialização rápida, a Área de Notificação e os botões dos programas que estão em execução. A Área de Inicialização Rápida é uma pequena área que mantém, caso o usuário queira, alguns ícones que poderão ser iniciados com apenas um clique. A Área de Notificação é a área que apresenta o relógio do computador, entre outros ícones de programas em execução, como antivírus e outros programas residentes na memória.

Os itens numerados de 1 a 5 formam a Barra de tarefas do Windows. Por padrão ela se localiza na parte inferior da tela, mas pode ser movida com o mouse para qualquer extremidade. Desde que a opção Bloquear a barra de tarefas não esteja marcada.

1 – BOTÃO INCIAR

Abre o Menu Iniciar. Um clique com o botão direito do mouse sobre esse botão permite acessar as propriedades do Menu Iniciar, entre outras opções, como abrir uma janela do Windows Explorer, por exemplo.

2 – ÁREA DE INICIALIZAÇÃO RÁPIDA

Área onde colocamos atalhos para os programas mais utilizados, já que nessa área eles ficam visíveis mesmo quando há programas abertos em janelas maximizadas. Ao contrário da maioria, os atalhos dessa área são executados com apenas um clique do mouse.

3 – BOTÕES DA BARRA DE TAREFAS

Área onde ficam botões dos programas em execução no computador. Clicando sobre os botões, alternamos entre os programas abertos ou realizamos operações com suas janelas (maximizar, minimizar etc). No Windows XP, por padrão, há o agrupamento de janelas de um mesmo programa em um único botão, que passa a exibir o número de janelas abertas e uma pequena seta à direita. Por exemplo, se houver várias janelas do navegador de internet abertas, os botões dessas janelas são agrupados em um só. Isso pode ser alterado a partir das propriedades da Barra de tarefas. Para alterar entre essas janelas você também pode utilizar o teclando pressionado as teclas Alt + Tab para navegar entre as janela abrindo um menu onde você pode escolher a janela que deseja chegar, isso pode ser feito pressionado Alt+Tab mantendo pressionado o Alt e pressionando o Tab para escolher a janela correta no menu aberto. Ou Alt + Esc para navegar sem a abertura deste menu.

4 – BARRA DE IDIOMAS

Assim como a Barra Links e a Barra Área de Trabalho, esta é uma barra opcional que pode ser habilitada clicando-se com o botão direito em qualquer parte da Barra de Tarefas. Há ainda a possibilidade de se criar outras barras personalizadas.

5 – ÁREA DE NOTIFICAÇÃO

Área que exibe alguns atalhos de programas que estão ativos na memória (como antivírus) ou exibe mensagens de programas que aparecem temporariamente (como trabalhos na impressora). Além disso, desde o Windows 95, é onde fica o relógio do computador.

Ao clicar com o botão direto do mouse sobre a barra de tarefas em uma área vazio o menu ao lado é mostrado:

A lista mostrada oferece diversas opções para organização das janelas abertas na área de trabalho do sistema operacional. Na opção barra de ferramentas existem as opções que habilitam e desabilitam opções de barras expostas na barra de tarefas. A opção propriedades permite configurar a aparência da barra de tarefas, como por exemplo, mostrar ou ocultar o relógio.

O botão iniciar pode ser configurado. No Windows XP, você pode optar por trabalhar com o novo menu Iniciar ou, se preferir, configurar o menu Iniciar para que tenha a aparência das versões anteriores do Windows (95/98/Me).

Esta guia tem duas opções:

Menu iniciar: Oferece a você acesso mais rápido a e-mail e Internet, seus documentos, imagens e música e aos programas usados recentemente, pois estas opções são exibidas ao se clicar no botão Iniciar. Esta configuração é uma novidade do Windows XP

Menu Iniciar Clássico: Deixa o menu Iniciar com a aparência das versões antigas do Windows, como o windows ME, 98 e 95

- MENU INICIAR

É o botão que dá acesso a todos os recursos e programas no Windows. A partir deste botão podemos iniciar qualquer programa, aplicativo, ou configuração que desejarmos no Windows.

- DESLIGAR O COMPUTADOR

Em espera – o computador fica em um modo que utiliza pouca energia e pode ser inicializado rapidamente. Para hibernar segure a tecla Shift.

Desativar – desliga o computador com segurança. Se o gabinete for ATX essa opção pode ser realizada apertando o botão liga/desliga do gabinete.

Reiniciar – Encerra o Windows e reinicia o computador.

- FAZER LOGOFF

Trocar usuário – Permite a outro usuário a fazer logon enquanto seus programas e arquivos permanecem abertos.

Fazer logoff – Fecha os programas e termina a sessão do Windows.

- MENU DE PROGRAMAS

Passando o mouse sobre essa opção do menu Iniciar, são exibidos os programas instalados no sistema. Usuários diferentes podem ter listas de programas diferentes.

- PROGRAMAS MAIS FREQÜENTE

Aqui ficam os programas utilizados com mais freqüência.

- PROGRAMAS FIXADOS NO MENU INICIAR

Nessa área ficam atalhos que foram fixados no menu Iniciar. Por padrão, o XP já traz atalhos para os programas padrão de internet e de e-mail. Podemos incluir outros atalhos nessa área. Para isso, basta clicar com o botão direito do mouse sobre um atalho qualquer e selecionar a opção Fixar no menu Iniciar.

- IDENTIFICAÇÃO DO USUÁRIO

Aqui são exibidos o nome e o ícone do usuário “logado”.

- PASTAS PRINCIPAIS E DOCUMENTOS RECENTES

Nessa área do menu Iniciar ficam os atalhos para as pastas principais do Windows e a lista dos últimos documentos abertos. Essa lista pode ser desativada, como uma medida de maior privacidade, nas opções avançadas do menu Iniciar.

- ATALHOS DE CONFIGURAÇÃO

O XP separou essa área do menu Iniciar para exibir atalhos mais relacionados à configuração do sistema.

- AJUDA, PESQUISA E EXECUÇÃO DE COMANDOS

Finalmente, essa área do menu Iniciar traz três atalhos clássicos do Windows: Ajuda e suporte, Pesquisar e Executar.

O atalho Executar abre uma pequena janela na qual podemos digitar comandos para abrir pastas, programas ou mesmo endereços da internet. Por exemplo, ao digitarmos “Meus Documentos” e clicarmos em Ok, o Windows abre a pasta Meus Documentos. Digitando www.ieex.com.br, o Windows abre o navegador diretamente no Instituto de Ensino Excelência. Essa janela também pode ser aberta com as teclas WINDOWS + R (R de Run - executar). O atalho Pesquisar abre a janela de pesquisa do XP. O Windows exibe essa janela com uma série de pesquisas mais comuns, pré-configuradas. Basicamente, podemos pesquisar:

  • Arquivos diversos no computador ou em outros computadores ligados em rede;

  • Computadores que estejam ligados em rede;

  • Contatos cadastrados no catálogo de endereços do Windows;

  • Ocorrências na internet.

Sobre a pesquisa de arquivos, vamos aproveitar para entender o conceito de máscaras de pesquisas. Utilizamos alguns caracteres especiais que funcionam como máscaras que substituem ocorrências nos resultados das pesquisas. Os caracteres que utilizamos são o asterisco (*) e o ponto de interrogação (?). O “*” substitui uma quantidade indeterminada de caracteres quaisquer, enquanto que o “?” substitui apenas um caractere, qualquer que seja ele. Funciona assim:

  • Pesquisa por “*.jpg”. Retorna todos os arquivos que terminem com “.jpg”, como: casa.jpg, casamento.jpg, cachorro.jpg e gato.jpg .

  • Pesquisa por “ca*.jpg”. Retorna todos os arquivos que comecem com “ca”, tenham qualquer quantidade de caracteres no meio e terminem com “.jpg”, como: casa.jpg, casamento.jpg e cachorro.jpg. Não retorna gato.jpg .

  • Pesquisa por “ca??.jpg” Æ retorna todos os arquivos que comecem com “ca”, seguidos por dois caracteres quaisquer e que terminem com “.jpg”, como: casa.jpg. Não retorna casamento.jpg, cachorro.jpg, nem gato.jpg

Podemos combinar as máscaras entre si:

  • Pesquisa por “ca??.*” Æ retorna todos os arquivos que comecem com “ca”, seguidos por dois caracteres quaisquer, seguidos por “.” e que terminem com quaisquer caracteres, como: casa.jpg, casa.doc, casa.gif, capa.gif, capa.xls etc.

A janela de pesquisa do Windows XP pode ser aberta a partir do menu Iniciar, pressionando as teclas WINDOWS + F (F de Find – procurar) ou pressionando a tecla F3. Pode ainda ser aberta pressionando o botão Pesquisar do Windows Explorer.

- JANELAS

O Windows é um sistema operacional que baseia sua interface gráfica no conceito de janelas. Elas são a alma da interface do Windows. Em princípio, podemos dizer que todos os programas que são exibidos pelo sistema, o são através de janelas.

Em cada janela, poderemos encontrar:

1 – Barra de Título: Apresenta o nome da janela (que normalmente é o nome de um arquivo, seguido do nome do programa) e os botões de Minimizar, Restaurar/Maximizar e Fechar.

2 – Barra de Menu: Apresenta uma lista de menus suspensos agrupados por categorias. Um clique sobre cada menu abre suas opções. Outra forma de abrir um item do menu é pressionando ALT + LETRA SUBLINHADA DO MENU. A partir daí, podemos navegar pelos itens utilizando as teclas de direção (setas) do teclado e selecionar o item teclando ENTER.

3 – Barra de Ferramentas: Contêm botões para as ações mais comuns de cada programa.

4 – Barra de Botões: É uma espécie de letreiro informativo das janelas. Costuma exibir informações sobre arquivos, ou objetos que estejam sendo tratados pelos programas.

- ARQUIVOS OU PASTAS

Arquivo é apenas a nomenclatura que usamos para definir Informação Gravada. Quando digitamos um texto ou quando desenhamos uma figura no computador, o programa (software) responsável pela operação nos dá o direito de gravar a informação com a qual estamos trabalhando e, após a gravação, ela é transformada em um arquivo e colocada em algum lugar em nossos discos.

Pasta é o nome que damos a certas “gavetas” no disco. Pastas são estruturas que dividem o disco em várias partes de tamanhos variados, como cômodos em uma casa. Uma pasta pode conter arquivos e outras pastas. As pastas são comumente chamadas de Diretórios, nome que possuíam antes.

Os arquivos ou pastas no Windows podem ter nomes de até 255 caracteres. Alguns caracteres são considerados especiais e, por isso, não podem ser utilizados para atribuir nomes a arquivos e pastas. São eles:

\ / : * ? “ < > |

Precisamos entender que as extensões de arquivos são apenas indicativos de seu formato. No Windows, as extensões são utilizadas para associar os arquivos aos programas que devem ser abertos para executá-los. Por padrão, o Windows oculta as extensões dos arquivos conhecidos (o sistema considera que um arquivo conhecido é aquele que já tem um programa associado). Assim, arquivos associados ao Excel, por exemplo, aparecerão apenas com o nome, sem a extensão. Quando estão dessa forma, não conseguimos renomear sua extensão. Vejamos alguns tipos de extensões importantes:

DOC

Documento feito pelo Word;

XLS

Planilha do Microsoft Excel;

EXE

Arquivo executável (um programa);

TXT

arquivo de texto simples - ASCII (feito pelo Bloco de Notas);

PDF

Arquivo no formato PDF, que só pode ser lido pelo programa Adobe Acrobat Reader (esse tipo de arquivo é muito comum na Internet);

HTM ou HTML

Páginas da Web (documentos que formam os sites da Internet);

ZIP

Arquivo ZIPADO (compactado pelo programa Winzip). Seu conteúdo é, na realidade, um ou mais arquivos “prensados” para ocupar um número menor de bytes;

MDB

Arquivo de banco de dados feito pelo programa Microsoft Access;

PPT

Arquivo de apresentação de slides do programa PowerPoint;

RTF

Arquivo de texto que aceita formatação de caracteres, como Negrito, Itálico, etc.(é “quase” um documento do Word);

DLL

Arquivo que complementa as funções de um programa (em vários programas não é suficiente a existência apenas do arquivo EXE). O arquivo DLL é chamado arquivo de biblioteca. Neste tipo de arquivo (que é muito usado pelo sistema operacional Windows), estão armazenadas muitas das funções a serem executadas por um programa. Essas funções são armazenadas aqui para só serem carregadas na memória quando necessário;

JPG ou JPEG

Arquivo de fotografia (muito usado nas páginas da Internet);

GIF

Arquivo de imagem (muito usado nas páginas da Internet);

DOT

Arquivo de Modelo do programa Word;

BMP

Arquivo de imagem Bitmap criado pelo Paint;

WAV

Arquivo de som;

MP3

Arquivo de som em formato compactado (normalmente usado para armazenar músicas);

AVI

Arquivos de vídeo (pequenos filmes);

MPG

Arquivos de vídeo em formato compactado (usado em DVDs de filmes).

ODT

Texto do OpenDocument

OTT

Modelo de Texto do OpenDocument (Broffice)

ODM

Documento mestre do OpenDocument (Broffice)

OTH

Modelo de documento HTML (Broffice)

ODS

Planilha e OpenDocument (Broffice)

OTS

Modelo de Planilha do OpenDocument (Broffice)

ODG

Desenho do OpenDocument (Broffice)

OTG

Modelo de Desenho do OpenDocument(Broffice)

ODP

Apresentação do OpenDocument(Broffice)

OTP

Modelo de Apresentação do OpenDocument (Broffice)

- SISTEMAS DE ARQUIVOS

As regras que o sistema operacional utiliza para ler e gravar as informações em um disco são chamadas de Sistema de Arquivos. Cada sistema operacional tem o seu (ou “os seus”). No Windows, usamos o FAT32 e o NTFS, e um dia usávamos o FAT16. Para CD, as regras usadas pelo Windows (e outros sistemas) são CDFS, ISO9660 (mais usado hoje) e Joliet (Microsoft).

Cada unidade de disco, seja uma partição ou um disco real, tem que ter apenas UM SISTEMA DE ARQUIVOS. Ou seja, se você tem um disco com 3 partições, cada uma delas pode ter um e somente um sistema de arquivos. Porém, podem ser diferentes entre si.

Mas, o que é PARTIÇÃO? As unidades de disco (HD, disquete) servem para guardar as informações que necessitamos para trabalharmos no computador. Como exemplo, o Windows XP precisa estar em um HD para poder gerenciar o computador.

Esses equipamentos têm uma forma muito peculiar de armazenar informações, fazendo uso de uma estrutura muito interessante: Trilhas e setores.

Trilhas são os círculos concêntricos que formam o disco e setores são pequenas unidades de armazenamento de dados, organizados nessas trilhas. Quer dizer: setores são efetivamente onde os dados dos arquivos são armazenados e trilhas são reuniões concêntricas de setores. As trilhas contêm os setores. Esses conceitos servem para entender como um disco é preparado para receber as informações. Porém, cada informação será gravada em um cluster. Um cluster é uma reunião de setores que é endereçada de forma individual. É a menor unidade de alocação de arquivos em um disco. Assim, um arquivo vai ocupar, no mínimo, um cluster. Se o arquivo for menor que o espaço do cluster, ele o ocupará por inteiro. Se o arquivo for maior que o cluster, vai ocupar mais de um.

Eu posso também ter, em um mesmo HD (fisicamente), mais de uma unidade de disco (lógica). Nós chamamos de partição. Uma partição é uma divisão de um disco rígido em partes distintas. O sistema operacional enxerga cada partição de um disco como se fosse um disco independente. Para serem utilizadas, as partições devem ser formatadas. O processo de formatação organiza uma partição com um determinado Sistema de Arquivos. Um Sistema de Arquivos contém regras e padrões previamente estabelecidos para que o sistema operacional possa gerenciar os dados armazenados. São estes:

FAT16

não se usa mais. Era usado pelo DOS e Windows 95. Utilizava um endereçamento que se baseava em 16 bits, que permite a existência de 65536 endereços diferentes, ou seja, 65536 clusters diferentes. Com esse sistema, era possível gerenciar partições de até 2GB.

FAT32

é a evolução natural do FAT16. Permite gerenciar até partições de 2TB. Nesse sistema, bem como no FAT16, o tamanho do cluster é proporcional ao tamanho da partição em si, ou seja, quanto menor for a partição, menor é o cluster (observe a tabela abaixo).

NTFS

usado somente pelos windows corporativos (Windows NT, Windows 2000 e Windows XP). Oferece muitos recursos melhores que o FAT32, como a possibilidade de escolher o tamanho do cluster no momento da formatação. Isso é, o usuário poderá escolher qual o tamanho do Cluster, não importando o tamanho da partição que ele está formatando.

TAMANHO DA PARTIÇÃO

TAMANHO DO CLUSTER

Menor que 8GB

4KB

Entre 8GB e 16GB

8KB

Entre 16GB e 32GB

16KB

Maior que 32GB

32KB

Tabela de Comparação entre SO

Tabela de Partição – FAT32

- PROGRAMAS

Além de conhecer os principais componentes do Windows, precisamos nos concentrar nos programas que acompanham o sistema Windows XP. São eles:

  • Windows Explorer;

  • Painel de Controle;

  • Ferramenta Pesquisar;

  • Acessórios:

    • Calculadora;

      • Cientifica

      • Padrão

    • Bloco de Notas;

    • Wordpad;

  • Ferramentas de Sistema:

    • Desfragmentador;

    • Backup;

    • Limpeza de Disco;

    • Informações do Sistema;

    • Restauração do Sistema.

- WINDOWS EXPLORER

O Windows Explorer é o programa gerenciador de arquivos do Sistema Operacional Windows. É através do Windows Explorer que podemos manipular os dados gravados em nossas unidades, copiando, excluindo, movendo e renomeando os arquivos e pastas das nossas unidades de armazenamento.

O Windows Explorer apresenta sua interface dividida em duas partes: a área das Pastas (à esquerda) e a área do Conteúdo (a mais larga, à direita). A área das pastas (ou da árvore) é o painel que mostra a estrutura completa do computador, hierarquicamente, pasta por pasta, unidade por unidade, como um grande organograma. Na área das pastas não há arquivos.

As principais operações com arquivos e pastas, nós poderemos fazer utilizando o Windows Explorer:

Criando uma pasta ou arquivo

Clique em Menu Arquivo, depois em Novo. Aí, você escolherá se quer criar uma pasta, atalho, arquivo...

_______________________________________________________________

Renomeando um arquivo

Selecione o arquivo. Clique em F2, ou clique com o botão direito sobre o arquivo e escolha a opção Renomear.

_________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________

Excluindo um arquivo

Selecione um arquivo e clique na tecla Delete (ou Del) ou clique com o botão direito sobre o arquivo e escolha a opção Excluir. Assim, o arquivo será enviado para a lixeira. Caso você queria excluir sem passar pela lixeira, segure a tecla SHIFT, junto com a tecla Delete.

_________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________

Movendo um arquivo

Selecione o arquivo, clique em , ou então nas teclas CRTL+X, ou clique com o botão direito sobre o arquivo e escolha a opção Recortar. Depois, é só escolher o destino, isto é, aonde você vai colocar este arquivo e clicar em , ou nas teclas CRTL+V, ou clique com o botão direito sobre o arquivo e escolha a opção Colar.

_________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________

Copiando um arquivo

Selecione o arquivo, clique em , ou então nas teclas CRTL+C, ou clique com o botão direito sobre o arquivo e escolha a opção Copiar. Depois, é só escolher o destino, isto é, aonde você vai colocar este arquivo e clicar em , ou nas teclas CRTL+V, ou clique com o botão direito sobre o arquivo e escolha a opção Colar.

_________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________

- LIXEIRA

OK, você exclui um arquivo. Pensando bem, você não está tão seguro se deveria ter excluído este arquivo. Não se preocupe. Há um ícone em sua Área de trabalho chamado Lixeira, onde este arquivo estará guardado. Para você recuperar o arquivo, você precisa utilizar a operação Restaurar. Há duas maneiras: dentro da lixeira, você escolhe o arquivo e clica no menu Arquivo e a opção Restaurar. Ou então, clique com o botão direito sobre o arquivo e escolha a opção Restaurar.

Agora, lembre-se: se você tiver excluído o arquivo utilizando a tecla SHIFT,

então esqueça! Como já comentamos o arquivo nem passará pela lixeira. Será excluído diretamente.

Figura que representa a lixeira vazia.

Figura que representa a lixeira cheia.

Esta janela representa um clique com o botão direito do mouse sobre o ícone da lixeira na área de trabalho.

Nesse caso a lixeira estava no modo cheio.

- FERRAMENTAS DE SISTEMA

Dá-se o nome de Ferramentas de Sistema a um conjunto de programas utilitários que vêm junto com o Windows. Esses programas visam “consertar” certos problemas do computador, melhorando seu desempenho. Vamos a eles:

Podemos acessa-los através do Menu Acessórios, ou abrindo Meu Computador e clicando com o botão direito do mouse sobre a unidade de disco a ser verificada, no menu de contexto, selecione a opção propriedades:

Verificação de Erros (Scandisk)

A principal função do Verificação de Erros é procurar e corrigir, quando possível, erros na superfície de gravação das unidades de disco magnéticas. Esses erros podem ser falhas na gravação das informa-ções ou até mesmo defeitos estruturais na superfície de um determinado setor. O Verificação de Erros deve alertar ao Windows sobre a existência dos erros e corrigi-los quando for possível. Caso o Verifica-ção de Erros encontre um setor defeituoso que não possa ser corrigido, ele marca o referido local como Setor Interditado e o setor não será mais usado pelo sistema operacional. Na verdade, todo o CLUS-TER no qual o setor está localizado será interditado – é o que chamamos de Bad Block.

Desfragmentador de Disco

Ferramenta que organiza os clusters de uma unidade de disco. O que realmente o desfragmentador faz é reunir os clusters (blocos) que fazem parte de um mesmo O Desfragmentador une os pedaços dos arquivos de forma que os blocos do arquivo fiquem em seqüência, para facilitar a leitura por parte do dispositivo mecânico que guia o braço da cabeça de leitura/gravação da unidade de disco.

Backup

O termo Backup refere-se a um processo de cópia de arquivos para a manutenção do sistema. A simples cópia de um arquivo para o disquete, para o caso de se o original se perder, ter outro de prontidão, já constitui um processo de backup. A Microsoft disponibiliza, junto com o Windows, um programa que auxilia o usuário na realização de suas cópias de segurança e na recuperação de dados previamente “backupeados”. O nome do programa é Microsoft Backup.

Limpeza de Disco

É um utilitário que vasculha as unidades do computador à procura de arquivos que possam ser apagados pelo usuário para liberar mais espaço. O utilitário de Limpeza de Disco sugere que podem ser apagados os arquivos que estão na lixeira, os arquivos temporários da Internet e os arquivos temporários que o sistema operacional Windows não apagou.

Restauração do Sistema

Utilitário existente apenas nas mais novas versões do Windows (ME, 2000 e XP), este recurso permite que o Windows retorne a um estado anterior caso haja algum problema de funcionamento causado pela instalação de algum programa. A restauração de sistema retorna, normalmente, ao estado do Windows quando este foi instalado no computador. Caso o usuário queira que o Windows retorne a um estado mais recente, deve criar um Ponto de Restauração. Uma vez criado o ponto de restauração, o Sistema pode ser recuperado a qualquer momento e retornar àquele estado exato.

- GERENCIADOR DE TAREFAS

O Gerenciador de tarefas é uma ferramenta que nos permite controlar as aplicações que estão sendo executadas nesse momento, o rendimento de nosso computador, a conexão de rede, além de podermos saber quais usuários tem uma sessão iniciada, através dele podemos fechar qualquer aplicação que esteja aberta, mesmo que a mesma esteja travada, para abrir o Gerenciador de tarefas:

  1. Clique com o botão direito sobre a barra de tarefas

  2. Clique na opção Gerenciador de tarefas

  3. Selecione a aba Aplicativos

  4. Para finalizar uma aplicação, clique na aplicação que deseja finalizar e depois em Finalizar Tarefa

  5. Para verificar o Desempenho do computador selecione a aba Desempenho

  6. Para checar o status das conexões de rede clique na aba Rede

  7. Para verificar quem e quantos usuários estão usando o computador basta clicar na aba usuários

  8. Ou pressione simultaneamente as teclas Ctrl+Alt+Del

- PAINEL DE CONTROLE

Outro programa muito comum no Sistema Operacional Windows é o Painel de Controle, um programa que permite o ajuste dos principais aspectos funcionais do Windows. O Painel de controle do Windows XP pode se apresentar de duas maneiras básicas: O modo de categorias, que é uma novidade desse sistema e o modo clássico, semelhante às versões anteriores do Windows. Vamos ver algumas funções:

Adicionar Hardware

Auxilia o usuário na instalação de um novo equipamento de hardware. O que este ícone faz é, na verdade, localizar o novo hardware conectado ao computador e instalar seu driver.

Adicionar e Remover Programas

Permite instalar ou desinstalar programas no computador, programas componentes do Sistema Operacional Windows e criar disquetes de inicialização, ou discos de boot.

Data & Hora

Permite alterar a data e a hora atuais do computador, o fuso-horário do computador e permite indicar se o computador vai entrar em horário de verão automático ou não. No Windows XP, é possível escolher se o nosso computador vai sincronizar a hora do seu relógio com um servidor de horários na Internet.

Fontes

Adiciona, Exclui, gerencia, organiza as fontes (tipos de letra) que o nosso computador utiliza.

Mouse

Define a velocidade do ponteiro pela tela, a função dos botões e altera a velocidade do duplo clique.

Impressoras e Aparelhos de Fax

Adiciona e exclui impressoras, configura as impressoras existentes, define a impressora padrão e gerencia tarefas de impressão inacabadas ou que ainda não começaram a ser impressas.

Opções de Energia

Configura o padrão de funcionamento do computador para economia de energia elétrica, define tempos de desligamento para monitores e ou dispositivos em computadores ociosos.

Opções de Internet

Configura as opções a respeito da navegação nas páginas da Internet. Esta opção pode ser encontrada dentro do Internet Explorer, em Ferramentas / Opções da Internet.

Opções Regionais e de Idioma

Define quais os formatos dos dados usados no país em que o Windows está funcionando, o formato da moeda, data e hora o formato do número.

Opções de Acessibilidade

Fornece padrões de funcionamento do Windows mais adequados para pessoas com problemas visuais, auditivos ou motores. Configura as teclas de aderência, para que um usuário não precise segurar SHIFT, CTRL, ALT ou a tecla . Configura as teclas de alternância, para que o Windows emita sons quando as teclas NUM LOCK, SCROLL LOCK e CAPS LOCK forem pressionadas. Configura as teclas de filtragem, para que o Windows ignore teclas pressionadas repetidamente e diminua a taxa de repetição do teclado. Permite que seja configurado o controle do mouse a partir do teclado.

Vídeo

Permite mudar o papel de parede e a proteção de tela. Permite configurar o Active Desktop. Configura a resolução e a quantidade de cores que o Windows pode apresentar. Permite configurar a utilização de dois monitores em paralelo. Permite corrigir problemas com a placa de vídeo.

Sistema

Apresenta um resumo das propriedades de todo o computador. Apresenta uma lista do hardware instalado no computador, que permite alterar os componentes instalados e até mesmo desinstala-los do Windows.

Barra de Tarefas e Menu Iniciar

Permite configurar as opções da Barra de Tarefas e do Menu Iniciar, bem como bloquear a barra de tarefas, ocultar ou mostrar o relógio na área de notificação, definir se a barra de tarefas vai ficar na frente das demais janelas ou não.

Ferramentas Administrativas

Permite configurar políticas para a administração do computador, configurar a segurança e diretrizes de acesso aos recursos do computador.

Opções de Pasta

Permite configurar as opções visuais de ícones, barras de ferramentas e painéis especiais relacionados às janelas que apresentam conteúdo de pastas no Explorer, definir um papel de parede diferente para cada pasta do seu computador;

Opções de Telefone e Modem

Permite configurar o número de telefone da linha ligada ao computador, configurar os modems instalados no computador e certos provedores de serviços telefônicos.

Contas de Usuário

Permite configurar os usuários que terão acesso ao computador, criar novas contas de usuários, excluir e alterar as já existentes.

- ALGUMAS TECLAS DE ATALHO

Há outros ícones no Painel de Controle, mas alguns são colocados por outros programas instalados posteriormente ao Windows e que, portanto, não acompanham o Sistema Operacional. É mais recomendado que você também vasculhe o Painel de Controle à procura de ícones diferentes, e até mesmo para confirmar tudo o que foi visto nesta listagem.

Para finalizar este módulo, achei interessante colocar algumas teclas de atalho que o “Ser Mau” pode cobrar em sua prova:

Atalhos utilizando a tecla (Windows)

Windows

Exibe ou oculta o Menu Iniciar

Windows + BREAK

Exibe a caixa de diálogo Propriedades do Sistema

Windows + D

Minimiza todas as janelas e exibe a área de trabalho. Se pressionado novamente, restaura as janelas abertas.

Windows + E

Abre o Windows Explorer.

Windows + F

Abre a janela de pesquisa.

Windows + CTRL + F

Procura por computadores na rede.

Windows + L

Bloqueia a área de trabalho.

Windows + M

Minimiza todas as janelas.

Windows + R

Abre a janela de “Executar”.

Windows + TAB

Alterna entre as janelas abertas.

Atalhos com a tecla CTRL

SISTEMA OPERACIONAL LINUX

- SOFTWARE LIVRE

Softwares Livres são programas que possuem o código fonte incluído (o código fonte é o que o programador digitou para fazer o programa) e você pode modificar ou distribuiílos livremente. Existem algumas licenças que permitem isso, a mais comum é a General Public Licence (ou GPL). Os softwares livres muitas vezes são chamados de programas de código aberto (ou OSS).

- O LINUX

Tela do Linux

O Linux é um sistema operacional criado em 1991 por Linus Torvalds na universidade de Helsinky na Finlândia. É um sistema Operacional de código aberto distribuído gratuitamente pela Internet. Seu código fonte é liberado como Free Software (software gratuito) o aviso de copyright do kernel feito por Linus descreve detalhadamente isto e mesmo ele está proibido de fazer a comercialização do sistema.

Para rodar o Linux você precisa, no mínimo, de um computador 386 SX com 2 MB de memória e 40MB disponíveis em seu disco rígido para uma instalação básica e funcional.

O sistema segue o padrão POSIX que é o mesmo usado por sistemas UNIX e suas variantes. Assim, aprendendo o Linux você não encontrará muita dificuldade em operar um sistema do tipo UNIX, FreeBSD, HPUX, SunOS, etc., bastando apenas aprender alguns detalhes encontrados em cada sistema.

Outro ponto em que ele se destaca é o suporte que oferece a placas, CD-Roms e outros tipos de dispositivos de última geração e mais antigos (a maioria deles já ultrapassados e sendo completamente suportados pelo sistema operacional). Este é um ponto forte para empresas que desejam manter seus micros em funcionamento e pretendem investir em avanços tecnológicos com as máquinas que possui.

- ALGUMAS CARACTERÍSTICAS DO LINUX

É de graça e desenvolvido voluntariamente por programadores experientes, hackers, e contribuidores espalhados ao redor do mundo que tem como objetivo a contribuição para a melhoria e crescimento deste sistema operacional.

Muitos deles estavam cansados do excesso de propaganda (Marketing) e baixa qualidade de sistemas comerciais existentes.

  • Convivem sem nenhum tipo de conflito com outros sistemas operacionais (com o DOS, Windows, Netware) no mesmo computador.

  • Multitarefa real

  • Multiusuário

  • Suporte a nomes extensos de arquivos e diretórios (255 caracteres)

  • Conectividade com outros tipos de plataformas como Apple, Sun, Macintosh, Sparc, Alpha, PowerPc, ARM, Unix, Windows, DOS, etc.

  • Proteção entre processos executados na memória RAM

  • Suporte ha mais de 63 terminais virtuais (consoles) ·

  • Modularização: O GNU/Linux somente carrega para a memória o que é usado durante o processamento, liberando totalmente a memória assim que o programa/dispositivo é finalizado

  • Devido a modularização, os drivers dos periféricos e recursos do sistema podem ser carregados e removidos completamente da memória RAM a qualquer momento. Os drivers (módulos) ocupam pouco espaço quando carregados na memória RAM (cerca de 6Kb para a Placa de rede NE 2000, por exemplo)

  • Não há a necessidade de se reiniciar o sistema após a modificar a configuração de qualquer periférico ou parâmetros de rede. Somente é necessário reiniciar o sistema no caso de uma instalação interna de um novo periférico, falha em algum hardware (queima do processador, placa mãe, etc.).

  • Não precisa de um processador potente para funcionar. O sistema roda bem em computadores 386sx 25 com 4MB de memória RAM (sem rodar o sistema gráfico X, que é recomendado 8MB de RAM).

  • Já pensou no seu desempenho em um 486 ou Pentium ;

  • O crescimento e novas versões do sistema não provocam lentidão, pelo contrario, a cada nova versão os desenvolvedores procuram buscar maior compatibilidade, acrescentar recursos úteis e melhor desempenho do sistema (como o que aconteceu na passagem do kernel 2.0.x para 2.2.x).

  • Não é requerida uma licença para seu uso. O GNU/Linux é licenciado de acordo com os termos da GNU

  • Acessa sem problemas discos formatados pelo DOS, Windows, Novell, OS/2, NTFS, SunOS, Amiga, Atari, Mac, etc.

  • Utiliza permissões de acesso a arquivos, diretórios e programas em execução na memória RAM.

  • VIRUS NO LINUX! Em todos esses anos de existência, o número de registro de vírus no LINUX foi quase zero. Isto tudo devido a grande segurança oferecida pelas permissões de acesso do sistema que funcionam inclusive durante a execução de programas e o fato do código fonte ser aberto.

  • Rede TCP/IP mais rápida que no Windows e tem sua pilha constantemente melhorada. O GNU/Linux tem suporte nativo a redes TCP/IP e não depende de uma camada intermediária como o Winsock. Em acessos via modem a Internet, a velocida de de transmissão é 10% maior.

  • Roda aplicações DOS através do DOSEMU. Para se ter uma idéia, é possível dar o boot em um sistema DOS qualquer dentro dele e ao mesmo tempo usar a multitarefa deste sistema.

  • Roda aplicações Windows através do WINE

  • Suporte a dispositivos infravermelho

  • Suporte a rede via rádio amador

  • Suporte a dispositivos Plug-and-Play

  • Suporte a dispositivos USB

  • Vários tipos de firewalls de alta qualidade e com grande poder de segurança de graça

  • Roteamento estático e dinâmico de pacotes

  • Ponte entre Redes

  • Proxy Tradicional e Transparente ·

  • Possui recursos para atender a mais de um endereço IP na mesma placa de rede, sendo muito útil para situações de manutenção em servidores e redes ou para a emulação de "mais computadores" virtualmente.

  • O servidor WEB e FTP podem estar localizados no mesmo computador, mas o usuário que se conecta tem a impressão que a rede possui servidores diferentes.

  • O sistema de arquivos usado pelo Linux (Ext2) organiza os arquivos de forma inteligente evitando a fragmentação e fazendo-o um poderoso sistema para aplicações multi-usuárias exigentes e gravações intensivas.

  • Permite a montagem de um servidor Web, E-mail, News, etc. com um baixo custo e alta performance. O melhor servidor Web do mercado, o Apache, é distribuído gratuitamente junto com o Linux. O mesmo acontece com o Sendmail

  • Por ser um sistema operacional de código aberto, você pode ver o que o código fonte (o que foi digitado pelo programador) faz e adapta-lo as suas necessidades ou de sua empresa. Esta característica é uma segurança a mais para empresas sérias e outros que não querem ter seus dados roubados (você não sabe o que um sistema sem código fonte faz na realidade enquanto esta processando o programa).

  • Suporte a diversos dispositivos e periféricos disponíveis no mercado, tanto os novos como obsoletos

  • Pode ser executado em 10 arquiteturas diferentes (Intel, Macintosh, Alpha, Arm, etc.)

  • Consultores técnicos especializados no suporte ao sistema espalhados por todo o mundo

Bem, uma característica que comentaremos é a capacidade do Linux de trabalhar em conjunto com outro sistema operacional. Chamados de DUAL BOOT a presença de dois sistemas operacionais em uma mesma máquina, o que é muito comum com Windows e Linux.

Quando o BIOS (lembram???) finaliza a configuração inicial do computador, ele chama o sistema operacional para começar a gerenciar a máquina. Porém, quando temos dois sistemas operacionais, ele irá chamar um programa chamado Gerenciador de Boot.

Um Gerenciador de Boot é um programa que mostra um menu ao usuário. Esse menu apresenta, como opções, os sistemas operacionais que o usuário pode iniciar na máquina. Há vários gerenciadores atualmente, sendo que os mais comuns são os programas que acompanham o Linux: LILO (Linux Loader) e GRUB.

Então, se você pretende usar o Windows e o Linux simultaneamente, instale primeiro o Windows, porque se você instalar o Linux primeiro, quando o Windows for instalado, ele vai apagar o gerenciador de boot colocado pelo Linux. Quando se instala o Windows primeiro, ele escreve suas informações iniciais. Depois disso, o Linux, quando for instalado, vai colocar o Gerenciador de Boot e permitir o acesso aos dois sistemas.

- KERNEL

Todo sistema operacional é complexo e formado por diversos programas menores, responsáveis por funções distintas e bem específicas. O Kernel é o centro do sistema operacional, que entra em contato direto com a CPU e os demais componentes de hardware do computador, sendo, portanto, a parte mais importante do sistema.

O Kernel é um conjunto de subprogramas, revistos e alterados pela Comunidade Linux o tempo todo, ou seja, existem milhares de pessoas no mundo todo, nesse momento,alterando alguma característica do Kernel do Linux no intuito de melhorá-lo.

- DISTRIBUIÇÃO DO LINUX

Distribuição Conectiva Linux

Uma Distribuição do Linux é criada quando uma pessoa ou instituição pega o Kernel do Linux, une esse programa a outros, criados por ele ou por outrem, formando um produto, dando-lhe nome e oferecendo suporte a ele.

Seguem algumas das principais distribuições do Linux:

  • Conectiva Linux: é a distribuição da empresa brasileira Conectiva. Um dos mais amigáveis Linux para o Brasil, apresenta uma interface de instalação muito boa, ou seja, é de fácil instalação. O Conectiva pode ser usado tanto em casa como em servidores;

  • Red Hat: Uma distribuição americana que recentemente deixou de ser distribuída gratuitamente. A empresa Red Hat simplesmente fornece seu Linux para servidores de rede, não mais para usuários de computadores.

Lembrem-se: todas as distribuições têm como base o Kernel do Linux. Todos eles são Linux, porém, cada um, com uma roupagem diferente.

- ROOT

O Linx pode trabalhar com diversos usuários, cada um com seu login e sua respectiva senha. Porém, quando o Linux é instalado no computador, é criada uma conta que dá direito a fazer qualquer coisa no sistema: o ROOT ou Super-Usuário.

O Root é o Administrador do Sistema. Com ele, só se trabalha para configurações ou manutenção. Lembre-se: com o Root, você pode tudo! Portanto, se você é o proprietário da conta de

super usuário, não use a conta de root constantemente para fazer qualquer coisa. Ao invés disso, crie uma conta de usuário qualquer (sem privilégios administrativos) para poder realizar as tarefas cotidianas.

- DIFERENÇAS ENTRE O WINDOWS E O LINUX

Como era de se esperar, vamos agora apontar algumas diferenças entre os dois Sistemas Operacionais:

- UNIDADES DE DISCO

Enquanto o Windows trabalha com letras para definri as unidades de disco (Unidade C:, D:), no Linux, todos os diretórios são subordinados a um grande diretório pai de todos: o diretório (ou pasta) raiz, também conhecido como / (barra). É como se o diretório raiz representasse, simplesmente, o “universo” dentro do sistema Linux. Os demais diretórios estão dentro do sistema de arquivo.

Como exemplo, podemos dizer que, quando se vai salvar algo no Linux, não se define aquele manjado endereço de C:\pasta\arquivo. No Linux, a gente salva um arquivo em /pasta/arquivo, porque tudo, no micro, está localizado dentro de “/” - que, no endereço, é a primeira barra,antes do nome da pasta.

- APLICATIVOS

Todos os aplicativos do Windows não rodam no Linux e vice-versa. Para cada Sistema Operacional, deveremos ter aplicativos próprios para trabalhar com determinado SO. Como exemplo, podemos citar o OpenOffice.org Writer, editor de texto open-source do Linux, que se compara com o Microsoft Word.

- AMBIENTE GRÁFICO

Todo sistema operacional deve prover uma interface para o usuário. O objetivo da interface é fornecer uma maneira pela qual o usuário possa informar suas “vontades” ao sistema operacional. Existem basicamente dois tipos de interface: textual e gráfica.

Em uma interface textual, os usuários precisam necessariamente conhecer uma série de comandos para se comunicarem com o sistema operacional. Um exemplo de sistema operacional com interface textual é o DOS, da Microsoft. Uma interface gráfica, por sua vez, não exige que o usuário conheça previamente comandos e mais comandos, pois ela consegue ser intuitiva.

Vamos a um exemplo: para copiar um arquivo de uma pasta para outra no Windows, usando sua interface gráfica, podemos abrir o Windows Explorer, clicar com o botão direito do mouse no arquivo, selecionar copiar, ir para a pasta de destino e selecionar colar. Para fazer isso no DOS, em sua interface textual, precisamos digitar um comando como: copy c:\pasta\arquivo.txt c:\outrapasta. Ou seja, se não sabemos de antemão qual o nome e a sintaxe correta do comando, não conseguimos sequer copiar um arquivo de uma pasta para outra.

O Linux possui uma interface textual. A aparência lembra a do prompt do Windows, mas a diferença é que no console do Linux podemos fazer qualquer coisa com o sistema. A interface textual é a que dá maior controle ao usuário, apesar de ser mais difícil de dominar. O Linux não possui uma interface gráfica. Possui várias interfaces gráficas! Podemos escolher aquela que queremos usar. Em uma única distribuição, pode haver várias interfaces gráficas disponíveis. Isso mesmo. Podemos, por exemplo, ter uma única distribuição Linux instalada no computador e mesmo assim podemos escolher, durante o uso, qual interface queremos utilizar para trabalhar.

- ESTRUTURA DE DIRETÓRIOS DO LINUX

Todo o sistema está organizado a partir do diretório chamado raiz, representado por uma barra(/). No diretório raiz, ou root, estão todos os outros diretórios, arquivos, configurações de usuários, aplicativos e dispositivos de hardware. Em 1994 foi lançado o FHS (Filesystem Hierarchy Standard-padrão para sistema de arquivos hierárquico) para estabelecer uma padronização de diretórios para os sistemas Unix-like. De acordo com as especificações do FHS, resumidamente, esta é a estrutura de diretórios que devemos encontrar em um sistema Unix-like:

/

Diretório raiz ou root

/root

diretório local do superusuário (root);

/home

diretórios dos usuários;

/bin

arquivos executáveis (binários);

/sbin

arquivos de sistema essenciais;

/boot

arquivos de inicialização;

/etc

configuração do sistema da máquina local;

/dev

arquivos de dispositivos de entrada/saída;

/tmp

arquivos temporários;

/usr

arquivos de acesso por usuários;

/var

informação variável.

/lib

arquivos das bibliotecas compartilhadas;

/mnt

ponto de montagem de partição temporária;

-ARQUIVOS NO LINUX

Assim como no Windows, os nomes dos arquivos e diretórios no Linux podem ter até 255 caracteres e aceitam espaços em branco Um arquivo é considerado oculto no Linux quando seu nome começa com um “.” (ponto).

- PRINCIPAIS COMANDOS

- Shell

É um programa que permite ao usuário iteragir com o sistema operacional através de comandos digitados do teclado. No DOS o shell era o command.com, que permitia executar alguns comandos como: cd, dir, .

- O arquivo .cshrc

Para a “shell” csh, o arquivo de configuração correspondente será o .cshrc. Outras “shells” disponíveis: ksh (.kshrc), bash (.bashrc);

tsh (.tshrc); etc.

Exemplo de .cshrc:

Para habilitar o .cshrc:

$ source .cshrc (no diretório raiz do usuário)

- Passos para acessar o Linux

Reiniciar o sistema; Reiniciar o sistema;

“Escolha versão Linux” no menu; OU Digitar linux no boot;

Entrar com login e password. Entrar com login epassword.

- Como sair do Linux.

do prompt: Clique Ctrl+Alt+Del.

de uma janela: primeiro Clique Ctrl+Alt+Backspace, depois Ctrl+Alt+Del.

NUNCA dê Reset: danificará seu sistema de arquivos.

- Comandos Básicos do Linux

man mostra informações sobre comandos em geral.

$ man ls (informações sobre o comando ls)

bdiff compara dois arquivos textos grandes.

$ bdiff big1.txt big2.txt (mostra diferenças na tela)

cal exibe um calendário.

$ cal 2002 (exibe calendário de 2002)

cat mostra o conteúdo e cria arquivos.

$ cat arq.txt (mostra na tela o conteúdo de arq.txt)

$ cat arq1.txt > arq.txt (sobrescreve arq.txt com arq1.txt)

$ cat arq2.txt >> arq1.txt (adiciona arq2.txt em arq1.txt )

$ cat > novo.txt

(digitação do texto) (cria arquivo via teclado)

Ctrl_d

cd muda de diretório.

$ cd (vai para o diretório raiz do usuário)

$ cd docs (vai para o sub-diretório docs)

$ cd .. (volta um nível)

chmod muda permissões de arquivos.

proprietário: ugo – user, group, others

permissão: rwx – read, write, execute

$ chmod ugo+w arq.txt (permite que todos escrevam)

$ chmod u+x prog (permite que o usuário execute prog)

$ chmod go-r arq.txt (não permite que group e others leiam)

clear limpa a tela. (análogo ao cls do DOS)

$ clear

cmp compara dois arquivos; mostra a localização (linha e byte) da primeira diferença entre eles.

$ cmp arq1.txt arq2.txt (mostra resultado na tela)

comm compara dois arquivos para determinar quais linhas são comuns entre eles.

$ comm arq1.txt arq2.txt txt (mostra resultado na tela)

cp copia arquivos.

$ cp arq.txt arq2.txt (faz cópia de arq.txt com nome de arq2.txt)

$ cp arq.tgz ~/ (copia arq.tgz para o diretório raiz do usuário)

date retorna a data e a hora do sistema.

$ date

df mostra espaço usado, livre e capacidade partições/HD.

$ df -k

diff compara dois arquivos textos.

$ diff arq1.txt arq2.txt (mostra diferença na tela)

$ diff arq1.txt arq2.txt > lixo (grava diferenças em lixo)

du relatório de uso do disco.

$ du –sk ~ (lista subdiretórios do usuário, em Kbytes)

env mostra a configuração das variáveis do sistema.

$ env | more (mostra configuração, página por página)

expr chamado comando “bombril” (1001 utilidades).

$ expr length “teste” (retorna: 5 – n. de caracteres)

$ expr 2 \* 3 (retorna: 6 – resultado do produto)

$ $ expr 15 / 4 (retorna: 3 – trunca p/ o menor inteiro)

find procura um arquivo no HD.

$ find / -name “arq.txt” –print (procura arq.txt a partir do raiz)

finger mostra informações dos usuários.

$ finger silva (mostra informações de todos usuários que têm silva)

fold formata arquivos textos.

$ fold –s –w60 arq.txt > arq2.txt (corta texto na coluna 60, mantendo “strings” inteiras)

free exibe a memória livre, usada, e os buffers da RAM.

$ free

gcc compilador C e C++.

$ gcc –c programa.c (compila, criando programa.o)

$ gcc –o prog programa.c (compila e cria executável prog)

g77 compilador Fortran.

$ g77 –c programa.f (compila, criando programa.o)

$ g77 –o prog programa.f (compila e cria executável prog)

grep procura por uma determina “string”.

$ grep linux arq.txt (busca “string” linux no arquivo arq.txt)

gzip compacta arquivo.

$ gzip arq.txt (compacta arquivo arq.txt ­ arq.txt.gz)

gunzip descompacta arquivo.

$ gunzip arq.txt.gz (descompacta arquivo arq.txt .gz­ arq.txt)

head exibe o início de um arquivo

$ head –f arq.txt (mostra as 10 primeiras linhas de arq.txt)

less mostra conteúdo de um arquivo.

$ less letter.txt (mostra o conteúdo de letter.txt)

logout sai da sessão atual.

$ logout

lpr imprime arquivo.

$ lpr –Php4mv letter.ps (imprime letter.ps na impr. Hp4mv)

ls lista arquivos. (mesma função que o dir do DOS)

$ ls (lista nomes arquivos)

$ ls –a (lista nomes arquivos ocultos)

$ ls *.txt (lista todos os arquivos com extensão .txt)

$ ls –l (mostra permissões, bytes, diretório, etc.)

$ ls | more (exibe conteúdo da lista, página por página)

$ ls –lt (lista arqs. classificados pela hora de criação/alteração)

$ ls –lu (lista arqs. classificados pela hora do último acesso)

mail usado para ler ou enviar emails.

$ mail (ambiente para manipulação de e_mail´s)

$ mail –s “assunto” brunoguilhen@gmail.com < arq.txt (envia conteúdo de arq.txt para o e_mail indicado)

mkdir cria diretório.

$ mkdir docs (cria diretório docs no diretório corrente)

$ mkdir ~/temp/docs (cria subdiretório docs no diretório temp)

more exibe conteúdo de um arquivo página por página.

$ more arq.txt([barra de espaço] muda tela; [enter] muda linha)

mv move e/ou renomeia arquivos.

$ mv teste.hp ~/docs (move arquivo)

$ mv arquivo1.txt arquivo2.txt (renomeia arquivo)

$ mv arq1.txt ~/docs/arq2.txt (move e renomeia arquivo)

passwd muda a senha.

$ passwd (pede-se a senha antiga e 2 vezes a nova senha)

ps lista processos ativos.

$ ps aux | more (lista processos ativos, tela por tela)

rm apaga arquivos.

$ rm arquivo.txt (apaga arquivo)

$ rm –i arquivo.txt (pede confirmação antes de apagar)

rmdir apaga um diretório.

$ rmdir docs (apaga diretório docs vazio)

$ rmdir –r dcos (apaga diretório docs cheio)

sleep atrasa o comando.

$ sleep 60 && echo “testando...” (mostra msg. após 60 s)

sort classifica conteúdo de arquivo.

$ sort arq.txt > arq_ord.txt (ordena arq.txt e salva em arq_ord.txt)

tail exibe o fim de um arquivo.

$ tail –f arq.txt (mostra as 10 últimas linhas de arq.txt)

tar (“tape archive”) agrupa arquivos para backup.

$ tar -cvf arq.tar ~/* (gera backup a partir do raiz do usuário)

$ tar –cvf docs.tar *.doc (gera backup de todos os arqs. .doc)

$ tar -xvf arq.tar (restaura backup)

$ tar –tvf arq.tar (lista o conteúdo de um backup)

uname exibe a versão do Linux.

$ uname –a (exibe todas as informações)

wc exibe detalhes sobre o arquivo.

$ wc –lwc arq.txt (mostra nº. de linhas, palavras e caracteres)

who mostra quem está logado na máquina.

whoami mostra o username com que “logou” na máquina.

write enviar mensagens para outro usuário, na mesma máquina.

$ write usuario1

$ (mensagem) (envia mensagem p/ usuario1)

$ Ctrl_d

Curingas

* p/ todos os arqs., exceto os ocultos ($ ls *)

.* p/ todos os arqs. ocultos ($ ls .*)

*.* p/ somente os que tiverem extensão ($ ls *.*)

? p/ substituir uma letra qualquer ($ rm arq?.txt)

?? p/ substituir duas letras quaisquer ($ rm arq??.txt)

-PERMISSÕES DE ARQUIVOS E DIRETÓRIOS

O primeiro caractere de cada linha indica o tipo de arquivo listado. Os próximos três caracteres de cada arquivo indicam respectivamente a possibilidade de se ler (Read), escrever (Write) e executar (eXecute) os arquivos ou diretórios.

Vamos tomar como exemplo o arquivo.txt, que mostra o seguinte:

-rw-rw-r-- 1 root root 50,2K Mar 9 03:12 arquivo.txt

Como vimos anteriormente, esse arquivo tem as seguintes informações:

-rw-rw-r-- : permissões de acesso ao arquivo.

1: quantidade de atalhos que apontam para esse arquivo

root root: esse arquivo pertence a um usuário chamado root e a um grupo chamado root

50,2K : tamanho do arquivo

Mar 9 03:12: data e hora da última alteração do arquivo.

Quanto às permissões, que são o nosso alvo de interesse, é bom que se saiba que há três tipos de permissões para arquivos e diretórios:

r (read - leitura): essa permissão diz que o arquivo pode ser lido (aberto);

w (write - escrita): informa que o arquivo pode ser escrito (modificado, salvo);

x (eXecute - executar): indica que o arquivo pode ser executado (ou seja, ele será considerado executável e poderá ser colocado na memória RAM como um programa, sem necessitar de outro programa qualquer para isso). Essa permissão, no caso de diretórios (pastas) é necessária para que a pasta seja acessada (ou seja, para que se possa ver seu conteúdo), então, em resumo é: para que um diretório seja acessado (seu conteúdo seja visto), é necessário que o indicador de x (execução) esteja ativado.

Outra coisa: há três pessoas (ou grupos de pessoas) que podem ter permissões distintas sobre um arquivo qualquer:

Usuário Dono (User): é o usuário cujo nome está descrito na primeira coluna do proprietário (no caso acima, root)

Grupo Dono (Group): é o grupo de usuários ao qual o arquivo pertence, que no caso anterior é root (um arquivo pode pertencer a somente um grupo)

Outros usuários (Other): todos os demais usuários do sistema que não pertencem ao grupo dono.

Aquelas informacoes sobre permissões, localizadas na primeira coluna da descrição mostrada no comando ls, são justamente as informações sobre leitura, escrita e execução destes três grupos... Veja só:

- Primeiro caractere: Se for um "d", indica um diretório... Se for um "l", indica um atalho (link), se for um "-" (traço), indica que é um arquivo (isso não tem nada com as permissões, é apenas um indicativo do tipo do objeto).

rw- (primeiro conjunto de três caracteres): permissões dadas ao USUÁRIO DONO do arquivo.

rw- (segundo grupo de três caracteres): permissões dadas ao GRUPO DONO do arquivo.

r-- (terceiro grupo de três caracteres): permissões dadas aos OUTROS USUÁRIOS do sistema.

Cada um dos grupos de três caracteres pode ter rwx, onde, claro, r indica read, w indica write e x indica execute... O Traço (-) indica que aquela permissão não está dada (ou seja, não se tem permissão de realizar aquela operação). Portanto, rw- significa direito de ler e modificar (escrever) um arquivo, mas não o direito de executá-lo Então, um conjunto de permissões rw-rw-r-- no arquivo instrucoes.doc significa que este arquivo pode ser lido e modificado (rw-) pelo seu DONO (joao), também pode ser lido e modificado (rw-) pelos usuários que pertencem ao seu GRUPO (users) e pode ser apenas lido (r--) pelos OUTROS usuários do sistema. Esse arquivo não poderá ser executado (jogado na RAM como um programa) nem pelo DONO, nem pelo GRUPO nem pelos demais usuários.

É interessante entender que quando um arquivo é criado (um documento, como esse do exemplo, na primeira vez que é salvo), ele recebe imediatamente as permissões padrão do sistema (essas.. rw-rw-r--), mas essas permissões podem ser mudadas ao longo da utilização do sistema através do uso do comando chmod.

-DESLIGANDO O LINUX

Comando: Shutdown

Desligar o sistema de forma segura em 10 minutos (600 segundos), exibindo mensagem de alerta e desligando o computador ao final.

$ shutdown -h +600 “O sistema será desligado em 10 minutos para manutenção preventiva. Previsão de retorno após duas horas. Salvem seus trabalhos."

Desligar o sistema de forma segura iniciando o processo imediatamente.

shutdown now

Existem outros comandos que desligam o sistema de forma mais brusca, como o halt e o poweroff. Contudo, o shutdown é o mais seguro, visto que toma uma série de providências para evitar danos ao sistema e perda de dados antes de desligar totalmente o micro.

Bom, como primeira visão do Linux, acho que já chega! Depende de vocês aprimorarem o conhecimento sobre este incrível Sistema Operacional. Existem vários outros conceitos que podem ser estudados, de fácil aprendizagem e que estão disponíveis na Internet.

EXERCÍCIOS PROPOSTOS

1 - No Windows XP, a tecla de atalho que permite renomear um item selecionado é:

a) F1.

b) F2.

c) F3.

d) F4.

e) F5.

2 - Sobre o Windows XP, julgue corretos os itens abaixo:

I. O Windows apresenta diversos acessórios, como, por exemplo, a calculadora, utilizada para realizar cálculos matemáticos

II. No painel de controle, existe um ícone para Mouse, que permite, por exemplo, ajustar a velocidade do clique duplo do mouse

III. A barra de tarefas mostra as janelas que estão abertas no momento, mesmo que algumas estejam minimizadas ou ocultas sob outra janela, permitindo assim, alternar entre estas janelas ou entre programas com rapidez e facilidade

IV. Ícones são figuras que representam recursos do computador, como, por exemplo, um texto, música, programa, fotos, etc.

Escolha a alternativa correta.

a) I e III.

b) I e IV.

c) II e III.

d) II e IV.

e) I, II, III e IV.

3 - Nas configurações de instalação padrão do Windows XP, em qual local é possível alterar configurações regionais, do sistema, teclado, mouse, vídeo, adicionar e remover programas, entre outros?

a) Nos Acessórios.

b) Em Atualizações do Windows.

c) Na Windows Explorer.

d) No Painel de Controle.

e) No Gerenciador de Tarefas

4 - Qual a função do desfragmentador de discos do Windows?

a) Reorganizar os arquivos, reunido-os em blocos, e deixando muitas vezes o computador mais rápido.

b) Formatar o computador.

c) Procurar por vírus ocultos armazenados nos dados

d) Procurar por áreas defeituosas no hard disk.

5 –

A figura acima mostra parte da área de trabalho de um computador que tem como sistema operacional o Windows XP. Com relação a essa figura e ao Windows XP, julgue os itens seguintes.

( ) Ao se clicar o ícone com o botão direito do mouse, o arquivo associado a esse ícone será aberto.

( ) Ao se clicar o ícone e, em seguida, se clicar o botão , o aplicativo associado a esse ícone será iniciado.

( ) Ao se pressionar a tecla e, mantendo-a pressionada, se teclar , será aberta a janela denominada Gerenciador de tarefas do Windows, que permite, entre outras coisas, visualizar uma lista dos aplicativos que estão sendo executados no computador.

6 –

Considerando a figura acima, que ilustra uma janela do Windows XP, julgue os itens a seguir.

( ) Caso se clique o botão, será criada uma pasta, com nome Nova pasta, contendo uma cópia dos dois arquivos mostrados na figura acima.

( ) Ao se clicar, sucessivamente, o ícone e o botão , será realizada uma procura, no disco rígido do computador em uso, de arquivos do Word cujos nomes sejam formados pelos termos “Relatório”, “mensal” ou “Relatório mensal”.

( ) Na situação da figura mostrada, é correto afirmar que a Barra de status do Windows está oculta. Caso se deseje visualizar essa barra, é possível fazê-lo por meio de opção encontrada no menu .

( ) O arquivo associado ao ícone será excluído sem que seja enviado à Lixeira do Windows e, portanto, não poderá mais ser recuperado usando-se funcionalidades da Lixeira, ao se realizar a seguinte seqüência de operações: clicar o referido ícone; pressionar e manter pressionada a tecla ; teclar ; liberar a tecla ; na janela disponibilizada após essas ações, confirmar a exclusão do referido arquivo.

7 - O Windows Explorer pode

A) impedir a invasão de vírus no computador.

B) gerar arquivos de documentos de segurança no formato xst.

C) enviar e receber arquivos por meio da opção do menu Ferramentas.

D) criar pastas e organizar arquivos

8 - As extensões de nome de arquivo

A) indicam o tamanho do arquivo.

B) indicam a quantidade de informações que podem ser armazenadas no arquivo.

C) encontram-se após o ponto de um nome de arquivo e indicam o tipo de informação armazenada nele.

D) encontram-se sempre ocultas, mas apresentam informações referentes ao tamanho e ao tipo do arquivo

9 - O utilitário do Windows XP que ajuda a criar uma cópia das informações no disco rígido é o(a)

A) backup.

B) central de controle.

C) configurador.

D) gerenciador de sistemas.

10 –

Considerando a figura acima e conceitos relacionados ao sistema operacional Windows XP, assinale a opção correta.

A) A janela de computador ilustrada na figura acima refere-se ao Internet Explorer, programa que permite organizar arquivos e pastas.

B) O símbolo ao lado da imagem indica que a subpasta Administrativo possui subpasta.

C) Ao se clicar , o cursor irá para o topo da página.

D) O ícone identifica uma pasta que contém arquivos do Word.

11 - No sistema operacional Linux, o comando

a) pwd - mostra a senha de sua conta.

b) mkdir - destrói um diretório.

c) shutdown –r +5 - faz com que o sistema reinicie após cinco minutos.

d) who - mostra a versão do Linux e a quantidade de memória do computador.

e) ls - lista os usuários conectados na máquina via rede

12 - No Sistema Operacional Linux, o comando que altera o usuário dono de determinado arquivo ou diretório é:

a) chown.

b) stat.

c) chroot.

d) attrib.

e) chmod.

13 - No Sistema Operacional Linux, qual comando mostra os arquivos de um determinado diretório?

a) ls

b) grep

c) df

d) rm

e) ps

14 - No Linux, o comando para se alterar a senha de usuários é:

a) cp

b) pwd

c) passwd

d) chown

e) chusrpassword

15 - O comando ls é muito utilizado pelos usuários do Linux. Uma das funções do comando ls é:

a) criar diretórios.

b) listar os arquivos de um diretório.

c) mudar o diretório corrente.

d) modificar a permissão de acesso de arquivos.

e) abrir uma conexão telnet com outro computador.

16 - Ao executar o comando more /etc/passwd como usuário root em um computador rodando o sistema operacional Linux, pode-se:

a) trocar a senha do usuário root.

b) visualizar a lista de usuários do sistema.

c) bloquear o acesso ao sistema via rede.

d) forçar os demais usuários a trocar suas senhas no próximo login.

e) aumentar o espaço em disco disponível para o usuário root.

17 - Um usuário do Linux executou a seguinte seqüência de comandos na linha de comandos:

Considerando que todos os comandos foram bem sucedidos e que o usuário tem as permissões necessárias para exeutar todos os comandos apresentados acima, bem como o espaço em disco necessário, que listagem de arquivos a última linha de comandos irá exibir?

a) myfile.txt myfile.zip myfile2.txt

b) myfile.txt myfile.txt.zip myfile2.txt

c) myfile.txt myfile2.txt

d) myfile.txt.gz myfile2.txt

e) myfile.gz myfile2.gz

18 - No Linux, que comando altera o usuário dono de um arquivo?

a) xargs

b) pwd

c) cwd

d) chmod

e) chown

19 - No Linux, que comando lista os processos ativos?

a) listproc

b) kill

c) cd

d) ps

e) grep

20 - O comando Linux usado para

I. alterar permissões de arquivos ou diretórios é o chmod.

II. mostrar as partições usadas é o df.

III. mostrar o tamanho de um diretório é o finger.

Está correto o que consta em

a) II e III, apenas.

b) I, II e III.

c) I e III, apenas.

d) I e II, apenas.

e) I, apenas.

Gabarito

1

2

3

4

5

B

E

D

A

F – F – F

6

7

8

9

10

F – F – V - V

D

C

A

B

11

12

13

14

15

C

A

A

C

B

16

17

18

19

20

B

D

E

D

D

E DITORA IEEX 1/39

Comentários