A História do Pensamento Economico

A História do Pensamento Economico

(Parte 1 de 9)

UMA INTRODUÇÃO À HISTÓRIA DO PENSAMENTO ECONÔMICO1

Prof. Dr. Nali de Jesus de Souza2

Neste trabalho, será apresentada uma introdução à história do pensamento econômico, com a evolução sumária da Economia através dos tempos, com o objetivo de mostrar que o dia-a-dia das pessoas não está dissociado do aspecto econômico. Tanto a segurança física, a manutenção da vida, como a alimentação e outras necessidades básicas constituem a preocupação fundamental dos seres vivos. Desde que acorda todas as manhãs, o homem procura satisfazer suas necessidades: toma o seu banho, veste-se, alimenta-se, lê o jornal, utiliza-se de um meio de transporte e se dirige para o trabalho. Para pagar por esses bens que consume, para ter um mínimo de conforto, ele precisa de uma renda, que normalmente vem de seu trabalho.

Sempre foi assim através dos tempos. Nas comunidades primitivas, o homem preocupava-se com a caça , a pesca e com a segurança do lar. A mulher cuidava pessoalmente da casa e dos filhos, ou administrava os serviços executados por serviçais. Havia uma divisão do trabalho, que naturalmente variava em parte de uma comunidade para outra, de acordo com os costumes. Essa divisão do trabalho evoluiu através dos tempos. Parte dos bens e serviços obtidos domesticamente passaram a ser produzidos fora da casa ou da comunidade, por pessoas que se especializavam em determinadas profissões; estes foram os artífices ou artesãos. Mais tarde, surgiram as fábricas e o trabalho passou a ser assalariado, dando início ao modo de produção capitalista.

1 - ORIGENS DO PENSAMENTO ECONÔMICO

A Economia surgiu como ciência através de Adam Smith (1723-1790), considerado o pai da

Economia Política. Sua obra, A Riqueza das Nações, publicada em 1776, constituiu um marco na história do pensamento econômico. Antes disso, a Economia não passava de um pequeno ramo da filosofia social, como atestam as contribuições do abade e filósofo francês Turgot (1727-1781), como será visto adiante. Com o Mercantilismo (1450-1750), as idéias econômicas conheceram algum desenvolvimento, mas na Antigüidade e na Idade Média as relações econômicas eram bastante simples, como será visto a seguir.

1.1 RELAÇÕES ECONÔMICAS NA ANTIGÜIDADE

Mesmo nas sociedades primitivas, os homens precisavam organizar-se em sociedade, para defender-se dos inimigos, abrigar-se e produzir comida para sobreviver. A divisão do trabalho daí decorrente permitiu o desenvolvimento da espécie humana em comunidades cada vez maiores e mais bem estruturadas. Na maior parte dos casos, a produção era basicamente para a própria subsistência. Algumas pessoas produziam um pouco mais, permitindo as trocas, o que gerou especialização.

No lar, os homens produziam as ferramentas e utensílios rudimentares para a agricultura, caça, pesca e para trabalhos com madeira (enxadas, pás, machados, facas, arco, flechas e outras armas). Com o tempo, surgiram pessoas com habilidade que se especializaram na produção de cada um dos tipos de bens. Alguns trabalhadores mais habilidosos não só aprenderam uma profissão específica, como passaram a reunir aprendizes e ajudantes. A escala de produção ampliou-se; os produtos adquiriram maior qualidade e os custos de produção se reduziram em função do aumento das quantidades produzidas. Aqueles que produziam armas ou ferramentas específicas tinham pouco tempo para se dedicar à

1 Relatório Pesquisa da área de História Econômica, realizada no NEP PUCRS. 2 Professor do Programa de Pós-Graduação em Economia da PUCRS. Doutor em Economia pela USP.

caça, à pesca ou à agricultura: eles precisavam trocar os produtos que fabricavam por alimentos e peles para vestuário. Aos poucos, o trabalho de alguns homens passou a ser suficiente para atender às necessidades de um conjunto cada vez maior de pessoas. As trocas se intensificaram, portanto, entre artesãos, agricultores, caçadores e pescadores. A economia adquiria maior complexidade à medida que as relações econômicas realizadas em determinadas localidades alcançavam comunidades cada vez mais distantes. As trocas colocavam em contato culturas diferentes, com repercussões locais sobre os hábitos de consumo e a estrutura produtiva.

bancos, passou a ser emprestada mediante o pagamento de juros

Mais tarde, com o surgimento dos líderes comunitários, formaram-se as classes dos soldados, dos religiosos, dos trabalhadores e dos negociantes. Com a divisão do trabalho e as especializações, ficou bem nítida a formação dos diferentes agentes econômicos: governo, consumidores, produtores, comerciantes, banqueiros. O sistema bancário tornou-se importante com o surgimento da moeda, que passou a circular como meio de troca. Na medida em que ela era depositada nos

Contudo, entre os filósofos gregos, com grande influência no mundo antigo, havia restrições filosóficas aos empréstimos a juros, ao comércio e ao emprego do trabalho assalariado. A busca de riqueza era considerada como um mal, tendo em vista que a ambição é um vício. Esse pensamento dificultava o desenvolvimento da economia. De outra parte, na Grécia antiga, como em Roma, a maior parte da população era composta por escravos, que realizavam todo o trabalho em troca do estritamente necessário para sobreviver em termos de alimentos e vestuário. Os senhores de escravos apropriavam-se de todo o produto excedente às necessidades de consumo dos trabalhadores. A economia era quase exclusivamente agrícola; o meio urbano não passava de uma fortificação com algumas casas, onde residiam os nobres, ou chefes militares.

Para os gregos, a Economia constituía apenas uma pequena parte da vida da cidade, onde se desenrolava a vida política e filosófica, constituindo segundo eles os verdadeiros valores do homem. Por essa razão, a obtenção de riqueza constituía um objetivo bastante secundário na vida dos cidadãos. Para eles, a questão primordial consistia na discussão acerca da repartição da riqueza entre os homens e não como ela se obtinha.

Segundo a filosofia grega, o grande objetivo do homem era alcançar a felicidade, que se encontrava no seio da família e no convívio no interior da cidade, através da interação entre os cidadãos. A busca da felicidade, no entanto, não devia se restringir ao prazer, porque seria voltar à condição de animal e de escravo. A honra era importante na medida em que mostrava ao homem os verdadeiros valores da vida. Segundo eles, embora o comércio não fosse considerado como uma atividade natural, as trocas não eram condenáveis pois permitiam a diversificação das necessidades humanas e levavam à especialização dos produtores. Entretanto, como o comércio era uma atividade que não possuía limites naturais e a moeda facilitava as trocas, criava-se uma classe de comerciantes ricos. Segundo eles, essa possibilidade de riqueza fácil corrompia os indivíduos, que passavam a dar prioridade à busca da riqueza, em prejuízo da prática das virtudes. Pela lógica grega, tornava-se portanto condenável toda prática que levasse à acumulação de moeda, como a existência de trabalho remunerado e a cobrança de juros nos empréstimos.

No pensamento de Platão o comércio e o crescimento econômico associavam-se com o mal e com a infelicidade dos homens. Para ele, o trabalho era indigno porque retirava do cidadão o tempo que ele precisava para o lazer e a prática das atividades políticas e filosóficas. Na livro A República, de Platão, os cidadãos que exerciam altos cargos públicos não deviam “trabalhar” para não “poluir a própria alma”. Eles precisavam ignorar o dinheiro, desvencilhar-se da propriedade de bens e esposa, buscando o que necessitavam na comunidade. Sendo o trabalho necessário para a atividade produtiva, ele precisava ser realizado por escravos. A classe inferior, que trabalhava, podiam possuir bens e trocá-los, bem como acumular riquezas dentro de certos limites para não se tornarem maus trabalhadores. Ele condenava o empréstimo a juros, pois o ganho provém da moeda acumulada e, segundo ele, ela devia ser usada apenas para facilitar as trocas.

Aristóteles compartilhava da maioria das idéias de seu mestre Platão, mais rejeitou a comunidade de bens por considerá-la injusta por que não compensava o indivíduo segundo o seu trabalho. Como os indivíduos não são iguais, eles não deviam ter a mesma participação na posse dos bens. Concluía Aristóteles que a comunidade acabava produzindo mais conflitos do que a desigualdade em si. Segundo ele, o indivíduo devia preocupar-se mais com aquilo que lhe pertence e não com a partilha dos bens existentes. A comunidade, ao desestimular a propriedade, produz a pobreza. Considerava que o trabalho agrícola devia ser reservado aos escravos, ficando os cidadãos livres para exercer a atividade política no interior da cidade.

Para a maioria da população, a cidade constituía um local de refúgio em caso de ataques inimigos. Constituía também um local de compras, em que o camponês levava seus produtos para vender e abastecia dos gêneros de primeira necessidade, sobretudo de bens manufaturados. Porém, as cidades da Antigüidade eram pequenas e insalubres, salvo algumas capitais e centros administrativos. A urbanização expandiu-se um pouco com o desenvolvimento das trocas comerciais. Surgiram cidades relativamente grandes, para os padrões da época, como Atenas, Esparta, Tebas, Corinto e Roma. Devido à pobreza do solo para o cultivo, a navegação tornou-se uma necessidade crucial para os gregos, a fim de aumentar as riquezas de suas cidades, que eram independentes politicamente umas das outras.

No mundo grego antigo justificava-se a escravidão pela idéia de que alguns homens possuíam uma inferioridade inata. Esse regime de trabalho atrasou o desenvolvimento da humanidade, pois, como o trabalho era considerado tortura, os escravos nada faziam para aumentar a sua eficiência. O domínio da Filosofia sobre o pensamento econômico implicava nas idéias de igualdade entre os cidadãos e no desprezo pela riqueza e o luxo. O homem devia procurar o aprimoramento de sua alma, dedicando a maior parte de seu tempo à meditação, com prejuízo de sua atividade econômica. Necessitava levar uma vida simples, o que não favorecia o consumo e a produção. Essa posição filosófica dificultava, portanto, o desenvolvimento das relações econômicas. A busca e a posse de riquezas era sinônimo de vaidade, orgulho e luxúria.

Já entre os romanos o pensamento econômico estava ligado à política e ao aumento dos domínios nacionais. O espírito imperialista dos romanos levou à expansão das trocas entre Roma e as nações conquistadas. A riqueza era sempre bem-vinda, o que se obtinha pela dominação: os povos conquistados eram obrigados a produzir os bens que os romanos necessitavam consumir. Os romanos, por seu turno, construíram muitas estradas e aquedutos na Europa e partes da África, com o fim de facilitar o transporte e o abastecimento das tropas; essas construções possuíam, portanto, um fim político e não econômico.

Roma surgiu em torno de 750 a.C. e entre 260 e 146 a.C. ela conquistou a atual Itália, ao vencer seu rival Cartago (reino da África do Norte, que criou colônias na Itália e Espanha). Posteriormente (Séculos I e I), ela transformou a Grécia em uma província romana e conquistou sucessivamente a Ásia Menor, a Judéia, a Síria, a Espanha e a Gália. Este foi o primeiro império. O segundo império romano estendeu-se entre os Séculos I e V da era cristã. As artes se desenvolveram desde o primeiro império. As cidades se organizavam em torno de um centro político, o fórum. Em volta do fórum, ficavam os mercados, os templos, os banhos públicos e os teatros. O abastecimento urbano de água era feito por aquedutos, que eram estruturas áreas sustentadas por grandes pilares. As águas desciam das fontes pelos aquedutos e abasteciam as termas, os edifícios públicos e os domicílios.

Com a fundação de Constantinopla em 330 d.C. e a transferência da corte romana para essa cidade, Roma entrou em decadência. Houve uma substancial redução dos gastos públicos e redução da massa salarial da cidade. O comércio foi enfraquecido, assim como as atividades econômicas, parte das quais havia mudado para a nova capital. O Império do Oriente era uma potência industrial, enquanto o Império do Ocidente definhava em termos econômicos. As rotas comerciais que levavam a Roma foram abandonadas e as invasões dos bárbaros ajudou a afundar o Império do Ocidente.

1.2 RELAÇÕES ECONÔMICAS NA IDADE MÉDIA Considera-se como Idade Média o período entre o desaparecimento do Império Romano do

Ocidente, no ano de 476, e a queda de Constantinopla, tomada pelos turcos em 1453. Esse período caracteriza-se particularmente pela pulverização política dos territórios e por uma sociedade agrícola dividida entre uma classe nobre e uma classe servil, que se sujeitava à primeira. A economia conhece um retrocesso, principalmente entre os séculos V ao XI. As trocas passaram a se realizar em nível local, entre Senhor e os servos; as antigas estradas romanas deixaram de ser conservadas e tornaram-se intransitáveis (Hugon,1988, p. 45).

Na base do sistema feudal estava o servo, que trabalhava nas terras de um senhor, o qual, por seu turno, devia lealdade a um senhor mais poderoso, e este a um outro, até chegar ao rei. Os senhores davam a terra a seus vassalos para serem cultivadas, em troca de pagamentos em dinheiro, alimentos, trabalho e lealdade militar. Como retribuição a essa lealdade, o senhor concedia proteção militar a seu vassalo.

O servo não era livre, pois estava ligado à terra e a seu senhor, mas ele não constituía sua propriedade, como o escravo. As trocas restringiram-se ao nível regional, entre as cidades e suas áreas agrícolas. A cidade, com seus muros, constituía o local de proteção dos servos, em caso de ataque inimigo. Aos poucos, porém, passou a ser o local onde se realizavam as trocas, o mercado. Desenvolveram-se o comércio, as corporações de ofício, surgindo a especialização do trabalho. Com as Cruzadas, a partir de 1096, expandiu-se o comércio mediterrâneo, impulsionando cidades como Gênova, Pisa, Florença e Veneza.

A Teologia católica exerceu um poder muito grande sobre o pensamento econômico da Idade

Média. A propriedade privada era permitida, desde que fosse usada com moderação. Resulta desse fato a tolerância pela desigualdade. Havia uma idéia de moderação na conduta humana, o que levava às concepções de justiça nas trocas e, portanto, de justo preço e justo salário. Nenhum vendedor de um produto ou serviço poderia tirar proveito da situação e ganhar acima do valor considerado normal, ou justo. “O justo preço é aquele bastante baixo para poder o consumidor comprar (ponto de vista econômico), sem extorsão e suficientemente elevado para ter o vendedor interesse em vender e poder viver de maneira decente (ponto de vista moral)” (Hugon, 1988, p. 51).

Similarmente, o justo salário é aquele que permite ao trabalhador e sua família viver de acordo com os costumes de sua classe e de sua região. Essas noções de justiça na fixação de preços e salários implicava também a idéia de justiça na determinação do lucro. Em outras palavras, o justo lucro resultava da justiça nas trocas: ele não devia permitir ao artesão enriquecer. Havia, portanto, julgamentos de valor na conduta econômica, ou seja, a Filosofia e a Teologia dominavam o pensamento econômico. Foi mais tarde que o racionalismo e o positivismo tomaram conta do pensamento econômico, já no século XVIII.

(Parte 1 de 9)

Comentários