O MÉTODO DAS LINGUIÇAS Niemeyer

O MÉTODO DAS LINGUIÇAS Niemeyer

OU COMO APRENDI A PROJETAR COM LE CORBUSIER (Oscar Niemeyer)

No começo dos anos 80, compareci com o Dr. Stélio Dias, superintendente da Fundação Jones dos Santos Neves, ao escritório do arquiteto Oscar Niemeyer, na Av. Atlântica, em Copacabana. Stélio solicitou ao arquiteto que projetasse o prédio da sede da Fundação, na Praia do Suá, já que o Espírito Santo não possuía até então nenhum projeto de sua autoria, dando a entender que seria uma subida honra para o estado contar com essa obra em seu território. O famoso arquiteto declarou sentir-se também honrado com o convite e recebeu o levantamento do terreno e dados sobre a instituição, prontificando-se a estudar uma solução para a nova sede.

Durante os estudos fui enviado para acompanhar o trabalho e convidado pelo arquiteto a sentar-me ao lado dele na prancheta para ver “como havia aprendido a projetar com Le Corbusier” no que chamava “Método das Lingüiças”, utilizado em prédios laminares onde os pavimentos-tipo tinham largura fixa dividida em faixa de circulação e faixa de área-útil que envolvia toda a sua extensão. Tendo todo o programa dimensionado em m², bastava dividir cada área pela largura da faixa-útil para descobrir a extensão de cada compartimento. No final do pavimento, caso sobrasse área, introduzia-se uma copa ou compartimento de guarda de material ou distribuía-se a sobra entre os compartimentos já dimensionados. Era uma receita que explicava sua predileção por partidos em lâminas curvas para projetos institucionais em várias latitudes e com orientações solares diversas. Havia a seu lado uma pilha de livros “A Forma na Arquitetura”, de sua autoria, que autografou e me ofereceu um exemplar. Nessa obra procurava justificar a preocupação apenas plástica de seus projetos, dizendo que a função da forma seria a beleza, preocupado em desprezar um dos princípios Modernistas de que a toda forma deveria corresponder uma função. Evidentemente nosso prédio foi uma lâmina curvada num S suave...

Comentários