Calendário vacinal

Calendário vacinal

CALENDÁRIO VACINAL

Prof. Lidiane Souza Oliveira Silva

As ações de imunizações são responsáveis por grandes avanços na saúde pública de nossa país, dentre elas temos: certificação internacional da erradicação da poliomielite, controle das doenças imunopreveníveis e solicitação à OMS/Organização Pan Americana de Saúde da certificação de eliminação do sarampo, controle da rubéola e síndrome da rubéola congênita.

  • As ações de imunizações são responsáveis por grandes avanços na saúde pública de nossa país, dentre elas temos: certificação internacional da erradicação da poliomielite, controle das doenças imunopreveníveis e solicitação à OMS/Organização Pan Americana de Saúde da certificação de eliminação do sarampo, controle da rubéola e síndrome da rubéola congênita.

Nos últimos anos, o Brasil realizou além das ações rotineiras de vacinação e campanhas anuais, as maiores campanhas de vacinação já realizadas nas Américas, dentre as quais se destaca a campanha contra rubéola realizada em 2008 e campanha contra influenza A H1N1 no ano de 2010, logrando em ambas grande êxito de público vacinado de acordo com os objetivos propostos para tais campanhas.

  • Nos últimos anos, o Brasil realizou além das ações rotineiras de vacinação e campanhas anuais, as maiores campanhas de vacinação já realizadas nas Américas, dentre as quais se destaca a campanha contra rubéola realizada em 2008 e campanha contra influenza A H1N1 no ano de 2010, logrando em ambas grande êxito de público vacinado de acordo com os objetivos propostos para tais campanhas.

Vacinar é um meio de proteger a pessoa contra vários tipos de doenças graves que podem afetar seriamente a saúde e inclusive levar a morte. A Organização Mundial de Saúde , mediante observação de ocorrência das doenças imunopreveníveis e suas gravidades para o idoso, preconiza a utilização das vacinas contra a inflenza, contra Pneumonia e vacina Dupla tipo adulto (difteria e tétano). Além destas a vacina contra Febre Amarela é utilizada rotineiramente em localidades onde há risco epidemiológico da doença.

  • Vacinar é um meio de proteger a pessoa contra vários tipos de doenças graves que podem afetar seriamente a saúde e inclusive levar a morte. A Organização Mundial de Saúde , mediante observação de ocorrência das doenças imunopreveníveis e suas gravidades para o idoso, preconiza a utilização das vacinas contra a inflenza, contra Pneumonia e vacina Dupla tipo adulto (difteria e tétano). Além destas a vacina contra Febre Amarela é utilizada rotineiramente em localidades onde há risco epidemiológico da doença.

Observa-se que a imunização dos idosos é uma prática possível e segura em nosso meio. Trata-se de um compromisso do governo brasileiro em contribuir para a prevenção de enfermidades que interferem no desenvolvimento das atividades do dia-a-dia da população em foco. Vale ressaltar que essas vacinas recomendadas estão disponíveis na rede pública em sua rotina diária e anualmente na Campanha Nacional de vacinação do idoso lançada pelo Ministério da Saúde através do Programa Nacional de Imunização, o que facilita sobremaneira sua utilização.

  • Observa-se que a imunização dos idosos é uma prática possível e segura em nosso meio. Trata-se de um compromisso do governo brasileiro em contribuir para a prevenção de enfermidades que interferem no desenvolvimento das atividades do dia-a-dia da população em foco. Vale ressaltar que essas vacinas recomendadas estão disponíveis na rede pública em sua rotina diária e anualmente na Campanha Nacional de vacinação do idoso lançada pelo Ministério da Saúde através do Programa Nacional de Imunização, o que facilita sobremaneira sua utilização.

  • Entretanto, cabe aos profissionais da área da saúde e ao idoso incorporar profundamente a ideia de que “prevenir é o melhor remédio”

RECOMENDAÇÕES GERAIS

  • Somente iniciar esquema vacinal, naqueles que não tiver condições de resgatar a história vacinal prévia.

  • Sempre que tiver história vacinal previamente iniciado, se possível, dar continuidade até completar esquema básico.

  • A vacina contra FA deve ser garantida à todas os residentes ou viajantes para áreas endêmicas, de transição e de risco e no caso de deslocamento para fora do país a vacina deverá ser administrada com antecedência de 10 dias do deslocamento.

VACINA CONTRA INFLUENZA

  • Também é conhecida como vacina contra a gripe. O vírus influenza provoca uma infecção do sistema respiratório (a gripe), cujos sintomas são febre alta, dor de garganta, tosse seca, dores no corpo, fraqueza e mal-estar. Nos idosos a infecção pode evoluir com mais facilidade para pneumonia ocasionando elevado número de internações hospitalares e/ou óbitos. Entretanto, é bom lembrar que a gripe é diferente do resfriado, sendo este último, causado por outros vírus e com sintomas mais fracos.

VACINA CONTRA PNEUMONIA

  • Protege o organismo contra a pneumonia causada pela bactéria pneumococo. Entre os sinais e sintomas da pneumonia estão febre, calafrios, dor no tórax, tosse com catarro e falta de ar. Em pessoas com mais de 60 anos, a doença é 3 vezes mais frequente, além da mortalidade ser maior, razões pelas quais a vacina se torna importante nesta faixa etária.

  • Nos sistema público de saúde, ela é destinada a idosos recolhidos em instituições e acamados crônicos, principalmente, os portadores de cardiopatias, pneumopatias, insuficiência renais, hepáticas, dentre outras.

  • A vacina têm uma única dose, com uma única revacinação após 05 anos.

VACINA DUPLA TIPO ADULTA

  • Protege o organismo contra a difteria e o tétano. A difteria é uma doença bacteriana que tem como principais sintomas náuseas, vômitos, dor de garganta, calafrios, febre e que pode causar complicações sérias ou até mesmo fatais. O tétano acomete com frequência os idosos, devido a ferimentos domésticos e porque algumas pessoas que tem hoje 60 anos não foram na adolescência, infância e fase adulta, alvo das campanhas de vacinação, seja por falta de oportunidade ou por opção. Causado por uma bactéria, o tétano atua nos terminais nervosos, sendo seus principais sintomas espasmos e rigidez muscular.

O esquema vacinal indica que, para quem nunca recebeu a vacina ou desconhece quantas doses tomou, deve receber 03 doses com intervalo de 60 dias (mínimo 30) entre as doses, garantindo uma dose de reforço a cada 10 anos. Em caso de ferimento grave a dose de reforço deverá ser antecipada para 05 anos, além do soro antitetânico e se a pessoa não apresentar esquema vacinal completo, este deve ser atualizado.

  • O esquema vacinal indica que, para quem nunca recebeu a vacina ou desconhece quantas doses tomou, deve receber 03 doses com intervalo de 60 dias (mínimo 30) entre as doses, garantindo uma dose de reforço a cada 10 anos. Em caso de ferimento grave a dose de reforço deverá ser antecipada para 05 anos, além do soro antitetânico e se a pessoa não apresentar esquema vacinal completo, este deve ser atualizado.

VACINA CONTRA FEBRE AMARELA

  • A febre amarela é uma doença infecciosa de curta duração (no máximo 10 dias). Os sintomas gerais são febre, calafrios, prostração, dores de cabeça e musculares, náuseas, vômitos e fotofobia. Nos idosos, a FA pode evoluir para um caso mais grave (queda de pressão, sangramento e ecterícia).

  • Uma única dose da vacina imuniza a pessoa e tem validade por 10 anos. É administrada a partir de 09 meses de vida.

  • A vacina é contraindicada a idosos imunodeprimidos e alérgicos a gema de ovo.

HEPATITE B

  • A hepatite é uma doença do fígado, pode a presentar os seguintes sintomas: febre baixa, dores musculares e articulares, dor abdominal e diarreia. Cerca de 10% dos pacientes não desenvolvem a doença, mas corre o risco de ter cirrose ou CA de fígado com o passar dos anos. No caso dos idosos, o risco é que a hepatite B evolua para formas mais graves.

ESTUDO DE CASO

  • Referente à imunização da pessoa idosa:

O Sr. Francisco Araújo Mendes, 65 anos, trabalhador rural, comparece à UBS apresentando corte provocado por foice, recebeu cuidados médicos e é encaminhado a sala de imunização, a qual VOCÊ é o(a) responsável. Quais as providências a serem tomadas? Quais as vacinas necessárias, sendo que o paciente não apresenta cartão de vacina e relata ter perdido o mesmo? Resolva!

Comentários