(Parte 1 de 9)

Presidente da FIEMG Robson Braga de Andrade

Gestor do SENAI Petrônio Machado Zica

Diretor Regional do SENAI e Superintendente de Conhecimento e Tecnologia Alexandre Magno Leão dos Santos

Gerente de Educação e Tecnologia Edmar Fernando de Alcântara

Elaboração/Organização Geraldo Magela de Oliveira

Unidade Operacional Centro de Formação Profissional Pedro Martins Guerra

APRESENTAÇÃO
1. AR COMPRIMIDO
1.1 Desenvolvimento da Técnica do Ar Comprimido
1.2 Produção do Ar Comprimido
1.3 Distribuição do Ar Comprimido
1.4 Preparação do Ar Comprimido
2. ELEMENTOS PNEUMÁTICOS DE TRABALHO
2.1 Movimentos Lineares
2.2 Movimentos Rotativos
2.3 Motores Pneumáticos
3. VÁLVULAS PNEUMÁTICAS
3.1Válvulas Direcionais
3.1.1Tipos de Válvulas Direcionais
3.2 Válvulas de Bloqueio
3.3 Válvulas de Fluxo
3.4 Válvulas de Pressão
3.5 Combinações de Válvulas
4. CONSTRUÇÃO DE CIRCUITOS PNEUMÁTICOS
4.1 Cadeia de Comandos
4.2 Designação dos Elementos
4.3 Possibilidades de Representação dos Movimentos
4.4 Desenvolvimento do Esquema de Comando
5. SIMBOLOGIA PNEUMÁTICA
5.1Símbolos Especiais – Não Normalizados
6. COMANDOS HIDRÁULICOS
6.1 Princípios Básicos
6.2 Fluxo em Sistemas Hidráulicos
6.3 Força do Atuador
6.4 Velocidade do Fluido (Atuador Linear e Encanamento)
6.5 Potência em um Sistema Hidráulico
6.6 Fluidos Hidráulicos
6.6.1Principais Fluidos Hidráulicos
6.7 Exercícios
6.8 Reservatórios
6.8.1Construção
6.9 Filtros
6.10 Exercícios

Sumário

7.1 Tipos
7.2 Grupo de Acionamento
7.3 Função das Bombas Hidráulicas
7.4 Exercícios
8. ATUADORES
8.1Atuadores Lineares
9. ACESSÓRIOS
9.1 Acumuladores
9.2 Pressostatos
9.3 Intensificadores
9.4 Manômetros
9.5 Rotâmetros
9.6 Exercícios
SISTEMAS HIDRÁULICOS – DIN ISO 1219
10.1 Unidades
10.2 Esquemas Hidráulicos
10.3 Guia Para Localização de Defeitos
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

10. SIMBOLOGIA DE COMPONENTES E

Apresentação

“Muda a forma de trabalhar, agir, sentir, pensar na chamada sociedade do conhecimento. “ Peter Drucker

O ingresso na sociedade da informação exige mudanças profundas em todos os perfis profissionais, especialmente naqueles diretamente envolvidos na produção, coleta, disseminação e uso da informação.

O SENAI, maior rede privada de educação profissional do país,sabe disso , e ,consciente do seu papel formativo , educa o trabalhador sob a égide do conceito da competência:” formar o profissional com responsabilidade no processo produtivo, com iniciativa na resolução de problemas, com conhecimentos técnicos aprofundados, flexibilidade e criatividade, empreendedorismo e consciência da necessidade de educação continuada.”

Vivemos numa sociedade da informação. O conhecimento , na sua área tecnológica, amplia-se e se multiplica a cada dia. Uma constante atualização se faz necessária. Para o SENAI, cuidar do seu acervo bibliográfico, da sua infovia, da conexão de suas escolas à rede mundial de informações – internet- é tão importante quanto zelar pela produção de material didático.

Isto porque, nos embates diários,instrutores e alunos , nas diversas oficinas e laboratórios do SENAI, fazem com que as informações, contidas nos materiais didáticos, tomem sentido e se concretizem em múltiplos conhecimentos.

O SENAI deseja , por meio dos diversos materiais didáticos, aguçar a sua curiosidade, responder às suas demandas de informações e construir links entre os diversos conhecimentos, tão importantes para sua formação continuada !

Gerência de Educação e Tecnologia

1AR COMPRIMIDO

1.1 DESENVOLVIMENTO DA TÉCNICA DO AR COMPRIMIDO

Embora a base da pneumática seja um dos mais velhos conhecimentos da humanidade, foi preciso aguardar o século XIX para que o estudo do seu comportamento e propriedades se tornasse sistemático. Porém, pode-se dizer que somente após o ano de 1950 é que ela foi realmente introduzida no meio industrial.

Antes, porém, já existiam alguns campos de aplicação e aproveitamento da pneumática, como por exemplo, a indústria de mineração, a construção civil e a indústria ferroviária (freio a ar comprimido).

A introdução de forma mais generalizada da pneumática na indústria, começou com a necessidade, cada vez maior, da automatização e racionalização dos processos de trabalho.

Apesar de sua rejeição inicial, quase que sempre proveniente da falta de conhecimento e instrução, ela foi aceita e o número de campos de aplicação tornou-se cada vez maior.

Hoje, o ar comprimido tornou-se indispensável, e nos mais diferentes ramos industriais instalam-se equipamentos pneumáticos.

Vantagens

Quantidade: o ar, para ser comprimido, se encontra em quantidades ilimitadas praticamente em todos os lugares.

Transporte: o ar comprimido é facilmente transportável por tubulações, mesmo para distâncias consideravelmente grandes. Não há necessidade de preocupação com o retorno do ar.

Armazenamento: no estabelecimento não é necessário que o compressor esteja em funcionamento contínuo. O ar pode ser sempre armazenado em um reservatório e, posteriormente, tirado de lá. Além disso é possível o transporte em reservatórios.

Temperatura: o trabalho realizado com ar comprimido é insensível às oscilações da temperatura. Isto garante, também em situações térmicas extremas, um funcionamento seguro.

Segurança: não existe o perigo de explosão. Portanto, não são necessárias custosas proteções contra explosões. (cuidado com explosões mecânicas).

Limpeza: o ar comprimido é limpo. O ar que eventualmente escapa das tubulações ou outros elementos inadequadamente vedados, não polui o

ambiente. Esta limpeza é uma exigência, por exemplo, nas indústrias alimentícias, madeireiras, têxteis e químicas.

Construção dos elementos: os elementos de trabalho são de construção simples e portanto, de custo vantajoso.

Velocidade: o ar comprimido é um meio de trabalho rápido, permitindo alcançar altas velocidades de trabalho. (A velocidade de trabalho dos cilindros pneumáticos oscila entre 1-2m/Seg.).

Regulagem: as velocidades e forças de trabalho dos elementos a ar comprimido são reguláveis sem escala.

Proteção contra sobrecarga: os elementos e ferramentas a ar comprimido são carregáveis até a parada total e portanto seguros contra sobrecargas.

Limitações

Preparação: o ar comprimido requer uma boa preparação. Impureza e umidade devem ser evitadas, pois provocam desgastes nos elementos pneumáticos.

Compressibilidade: não é possível manter uniforme e constante as velocidades dos cilindros e motores pneumáticos mediante ar comprimido.

Forças: o ar comprimido é econômico somente até uma determinada força, limitado pela pressão normal de trabalho de 700 kPa (7 bar), e também pelo curso e velocidade. O limite está fixado entre 20.0 a 30.0 N (20 a 30 kPa).

Escape de ar: o escape de ar é ruidoso. Com o desenvolvimento de silenciadores, este problema está atualmente solucionado.

Fundamentos Físicos

A superfície terrestre é totalmente cercada por uma camada de ar. Este ar, que é de interesse vital, é uma mistura gasosa da seguinte composição:

− Nitrogênio aproximadamente 78% do volume. − Oxigênio aproximadamente 21% do volume.

Além disso, o ar contém resíduos de Dióxido de Carbono, Argônio, Hidrogênio, Neônio, Hélio, Criptônio e Xenônio.

Para melhor compreender as leis e o comportamento do ar, devemos antes considerar as grandezas físicas e sua classificação nos sistemas de medidas. Com o fim de estabelecer relações inequívocas e claramente definidas, os cientistas e técnicos na maioria dos países estão empenhados em definir um só sistema de medidas que será válido para todos, denominado “SISTEMA INTERNACIONAL DE MEDIDAS”, abreviadamentre “SI”.

A seguinte apresentação estabelece a relação entre “SISTEMA TÉCNICO DE MEDIÇÃO” e novo “SISTEMA DE UNIDADES SI”

Grandezas Fundamentais

Unidade Símbolo Sistema Técnico Sistema S.I.

Comprimento L Metro (m) Metro (m) Massa m Kp.s2/m Kilograma (kg) Tempo t Segundos (s) Segundos (s) Temperatura T Celcius (ºC) Kelvin (K) Intensidade de Corrente I Ampére (A) Ampére (A) Intensidade Luminosa I Candella (cd) Quantidade de Substância n Mol (mol) Tabela 1.1

Grandezas Derivadas

Unidade Símbolo Sistema Técnico Sistema S.I.

(Parte 1 de 9)

Comentários