Relatório 04 - Volumetria por Precipitação

Relatório 04 - Volumetria por Precipitação

(Parte 1 de 2)

  1. Assunto:

  • Titrimetria por Precipitação – Método de Volhard

  1. Objetivo:

  • Aferir o padrão secundário de KSCN 0,025 eq.L-1 utilizando um padrão primário de AgNO3 0,05 eq.L-1

  • Determinar a %m/m do sal MgCl2.6H2O e sua real concentração em g/L, que aparentemente está em 5 g/L

  1. Introdução:

A Química Analítica Quantitativa consiste na quantificação de uma certa amostra através da adição de um padrão. Quando se é determinada a concentração da amostra através da adição de um volume de um determinado padrão, denomina-se Análise Volumétrica, ou também Análise Titrimétrica. Dentre os tipos de análise titrimétricas estão: Neutralização, Precipitação, Complexação e Oxirredução.

3.1 Titrimetria por Precipitação

A titrimetria por precipitação consiste em reações de precipitação formando um precipitado insolúvel/pouco solúvel. Através da adição de um determinado volume da solução padrão, este reage quantitativamente com a amostra formando um corpo de fundo, devido à diferença de KPS entre a solução e o produto. Essas titulações não utilizam indicadores gerais pois necessitam de um reagente específico para cada titulação, dependendo da reação química que lhes servem de base.

A Tabela 1 abaixo relaciona alguns métodos de precipitação que necessitam de indicador específicos:

Tabela 1 - Alguns métodos volumétricos de precipitação específicos

Íon Determinado

Reagente Titulante

Produto

Indicador

Cl- ; Br-

AgNO3

AgX

Nitrato de Prata

Cl- ; Br-

Hg2(NO3)2

Hg2X2

Azul de bromofenol

C2O4-2

Pb(OAc)2

PbC2O4

Fluoresceína

F-

Th(NO3)4

ThF4

Vermelho de alizarina

MoO42-

Pb(OAc)2

PbMoO4

Eosina A

Pb2+

MgMoO4

PbMoO4

Vermelho de solocromo B

PO43-

Pb(OAc)2

Pb3(PO4)2

Dibromofluoresceína

SO42-

BaCl2

BaSO4

Tetraidroxiquinona

Zn2+

K4Fe(CN)6

K2Zn3[Fe(CN)6]

Difenilamina

“Os processos de precipitação mais importantes na análise titrimétrica utilizam o nitrato de prata como reagente” (VOGEL,2008, 488p.). Algumas das titrimetrias mais importantes são aquelas que envolvem o íon prata Ag+ e são comumente denominadas de titrimetrias argentiométricas. Neste tipo de titrimetria por precipitação há a precipitação de íons Cl- e Br- através da adição de nitrato de prata AgNO3 formando precipitados insolúveis de AgCl e AgBr.

Baseando-se nos diferentes tipos de indicadores, podendo eles serem de adsorção ou específicos, existem três tipos de formação de precipitados:

  • Formação de um precipitado colorido (Método de Mohr)

  • Formação de um complexo solúvel colorido (Método de Vollard)

  • Formação de um precipitado colorido devido à adsorção de um indicador sobre a superfície do sólido (Método de Fajans)

3.2 Método de Volhard:

Assim como o método de Mohr, o método de Volhard é um método argentiométrico utilizado na titrimetria por precipitação para se determinar concentrações de íons cloreto Cl- e brometo Br- em amostras, porém se diferencia por ser um método indireto. Diferencia-se também pela capacidade de dosar íons iodeto I-, o que não se verifica no método de Mohr devido a faixa de viragem dos íons Cl- e I- serem muito parecidas.

Este método baseia-se na formação de um complexo solúvel e colorido em um meio ligeiramente acidificado com ácido nítrico HNO3. Junto à solução contendo o íon cloreto Cl- é adicionado padrão de nitrato de prata, que reagem com a amostra, e o excesso é titulado com solução padrão de tiocianato de potássio KSCN, utilizando como indicador o íon Fe3+.

Durante a titulação até o ponto de equivalência, verifica-se a mudança gradativa de coloração atingindo uma cor laranja até o ponto de equivalência e vermelha após o ponto de equivalência, como na figura 01 abaixo:

Fig. 01 – Titulação pelo método de Volhard

Fonte: http://photos1.blogger.com/blogger/5158/2938/1600/collage3.jpg

Após o ponto de equivalência, há a formação de precipitado e de um complexo solúvel vermelho indicado pela presença de Fe3+ com KSCN, formando [Fe(SCN)]+2, como ilustrado na figura 02 abaixo:

Fig.02 – Final da titulação

Fonte: http://tal57.blogspot.com.br/2006_10_01_archive.html

  1. Materiais e Equipamentos:

  • Balão Volumétrico de vidro com capacidade para 100,0 mL

  • Bureta de vidro com capacidade de 25,00 mL e 50,00 mL

  • Erlenmeyer de vidro com capacidade de 250 mL

  • Pera de Borracha (pipetador)

  • Pissete de Plástico

  • Pipeta Graduada com capacidade para 1,00 mL e 10,00 mL

  • Pipeta Volumétrica de vidro com capacidade de 10,0 mL ; 20,0 mL ; 25,0 mL e 50,0 mL

  • Proveta de vidro com capacidade de 25,00 mL

4.1 Amostras:

  • MgCl2.6H2O 5 g/L

4.2 Reagentes:

  • Nitrato de Prata AgNO3 0,05 eq.L-1

  • Tiocianato de Potássio KSCN 0,025 eq.L-1 f= 1,084010

  • Ácido Nítrico HNO3 1:1 v/v

  • Indicador Sulfato Férrico Amoniacal NH4Fe(SO4)2 10% m/v

  • Nitrobenzeno C6H5NO2

  1. Metodologia:

Entrou-se no laboratório devidamente vestido com todos os EPI’s necessários para segurança, em seguida dirigiu-se até a bancada onde foram pegas todas as vidrarias necessárias ao experimento. Logo após, lavou-se e rinsou-se de 2 a 3 vezes todas as vidrarias com água destilada e enxugou-as.

5.1)

  1. Resultados:

6.1 Aferição do padrão secundário de KSCN:

V1 = 18,50mL

V2 = 18,55mL  Vm = 18,45 mL

V3 = 18,30mL

Desvio:

/V1/ - /Vm/ /V2/ – /Vm/ /V3/ – /Vm/

/18,50/ - /18,45/ /18,55/ - /18,45/ /18,30/ - /18,45/

/0,05/ /0,10/ /0,15/

Média do Desvio: (0,05+0,10+0,15)/3

Média do Desvio: 0,10

Precisão: (Desvio X 100)/Vm

Precisão: (0,10 X 100)/ 18,45

Precisão: 0,54%

Resultado não foi preciso pois esteve acima de 0,50%

6.2 Cálculo do fator de correção do KSCN e sua devida concentração real

N x V = N x V x f

0,05 x 10 = 0,025 x 18,45 x f

f = 1,084010

Nreal = Napa x f

Nreal = 0,025 x 1,084010

Nreal = 0,0271 eq.L-1

6.3 Dosagem do MgCl2.6H2O:

V1 = 14,45mL

V2 = 14,50mL  Vm = 14,48 mL

V3 = 14,50mL

Desvio:

/V1/ - /Vm/ /V2/ – /Vm/ /V3/ – /Vm/

/14,45/ - /14,48/ /14,50/ - /14,48/ /14,50/ - /14,48/

/0,03/ /0,02/ /0,02/

Média do Desvio: (0,03+0,02+0,03)/3

Média do Desvio: 0,02

Precisão: (Desvio X 100)/Vm

Precisão: (0,02 X 100)/ 14,48

Precisão: 0,14%

Resultado foi preciso pois esteve abaixo de 0,5%

(Parte 1 de 2)

Comentários