Antipsicóticos incisivos

Antipsicóticos incisivos

Os antipsicóticos ou neurolépticos são medicamentos inibidores das funções psicomotoras: excitação e agitação.

  • Os antipsicóticos ou neurolépticos são medicamentos inibidores das funções psicomotoras: excitação e agitação.

  • São substâncias químicas sintéticas, capazes de atuar seletivamente nas células nervosas que regulam os processos psíquicos no ser humano.

Antipsicóticos Sedativos

  • Antipsicóticos Sedativos

  • Antipsicóticos Incisivos

  • Antipsicóticos Atípicos e de última geração

ANTIPSICÓTICOS INCISIVOS

ANTIPSICÓTICOS INCISIVOS

  • O grupo farmacológico ao qual pertencem as butirofenonas e substâncias a elas relacionadas.

  • Sua ação antipsicótica deve-se ao bloqueio dos receptores pós-sinápticos dopaminérgicos D2 nos neurônios do SNC (sistema límbico e corpo estriado).

ANTIPSICÓTICOS INCISIVOS

  • Uma melhor atuação naquilo que se chama sintomas produtivos das psicoses (delírios e alucinações) remoção de delírios e alucinações.

  • Baixa capacidade de sedação.

ANTIPSICÓTICOS INCISIVOS

  • Os antipsicóticos incisivos produzem um bloqueio seletivo sobre o SNC,pela competitividade dos receptores dopaminérgicos pós-sinápticos, sistema dopaminérgico mesolímbico, e aumento do intercâmbio de dopaminas no nível cerebral.

ANTIPSICÓTICOS INCISIVOS

  • Além dos receptores D2, outros são afetados, o que gera diferentes efeitos adicionais (bloqueio muscarínico, bloqueio alfa1 adrenérgico, bloqueio H1 histaminérgico), os quais podem ser terapêuticos ou adversos.

  • Têm ação pronunciada sobre alguns sintomas, como tensão, hiperatividade, agressividade, hostilidade, alucinações, delírio, insônia, anorexia, negativismo, isolamento

FLUFENAZINA-Anatensol,

  • FLUFENAZINA-Anatensol,

  • HALOPERIDOL-Haldol,

  • PENFLURIDOL-Semap

  • PIMOZIDA-Orap

  • PIPOTIAZINA-Piportil,

  • ZUCLOPENTIXOL-Clopixol

  • Esquizofrenia,

  • Tratamento de distúrbios psicóticos agudos e crônicos.

  • Fase maníaca do Transtorno Afetivo Bipolar,

  • Psicose Induzida por Substâncias,

  • Transtorno Delirante Persistente,

  • Nas fases piores e mais desadaptadas dos transtornos Esquizóides, Paranóides e Obsessivo-Compulsivos da personalidade.

Problemas severos de comportamento em crianças como Hiperatividade grave, Síndrome de Gilles de La Tourette, Autismo infantil.

  • Problemas severos de comportamento em crianças como Hiperatividade grave, Síndrome de Gilles de La Tourette, Autismo infantil.

  • Alívio da psicopatologia da demência senil.

  • Dor neurogênica crônica.

  • Tratamento coadjuvante do tétano.

Depressão do SNC, grave ou tóxica (induzida por fármacos).

  • Depressão do SNC, grave ou tóxica (induzida por fármacos).

  • Mal de Parkinson.

  • A relação risco-benefício deve ser avaliada em alcoolismo ativo, alergias, epilepsia, disfunção hepática ou renal, hipertireoidismo ou tireotoxicose, glaucoma e retenção urinária

Apesar dos antipsicóticos tradicionais bloquearem ora os receptores adrenérgicos, serotoninérgicos, ora os receptores colinérgicos e histaminérgicos;

  • Apesar dos antipsicóticos tradicionais bloquearem ora os receptores adrenérgicos, serotoninérgicos, ora os receptores colinérgicos e histaminérgicos;

  • Todos eles têm em comum a ação farmacológica de bloquear os receptores dopaminérgicos.

MECANISMO DE AÇÃO

  • Zona do Gatilho (medular) do centro do vômito (Antiemese).

  • Via extrapiramidal → Parkinsonismo, Distonia, Aguda, Acatisia e Discinesia Tardia

  • Hipotálamo → Interferindo com a liberação Hormônio do Crescimento e aumento da Prolactina (inibe)

A ativid.terapêutica dos antipsicóticos está relacionada com o bloqueio da dopamina nos receptores pós-sinápticos do tipo D2.

  • A ativid.terapêutica dos antipsicóticos está relacionada com o bloqueio da dopamina nos receptores pós-sinápticos do tipo D2.

  • Os antipsicóticos tradicionais, como a Clorpromazina e Haloperidol, são eficazes em mais de 80% dos casos de esquizofrenia.

  • Atuam nos sintomas positivos (alucinações e delírios) e, em grau menor, nos sintomas negativos (apatia, embotamento e desinteresse).

Vias mesolímbicas e mesocorticais, são as envolvidas nos efeitos terapêuticos dos antipsicóticos .

  • Vias mesolímbicas e mesocorticais, são as envolvidas nos efeitos terapêuticos dos antipsicóticos .

  • Via mesolímbica: inerva diversos núcleos subcorticais do Sistema Límbico: amígdala, núcleo acumbens, tubérculo olfatório e o septo lateral.

  • Via mesocortical tem suas terminações sinápticas localizadas no córtex frontal, na parte anterior do giro do cíngulo e no córtex temporal medial.

Entre os efeitos colaterais provocados pelos neurolépticos, o mais estudado é o chamado Impregnação Neuroléptica ou Síndrome Extrapiramidal.

  • Entre os efeitos colaterais provocados pelos neurolépticos, o mais estudado é o chamado Impregnação Neuroléptica ou Síndrome Extrapiramidal.

  • É o resultado da ação do medicamento na via nigro-estriatal, onde parece haver um balanço entre as atividades dopaminérgicas e colinérgicas.

  • Desta forma, o bloqueio dos receptores dopaminérgicos provocará uma supremacia da atividade colinérgica e, conseqüentemente, uma liberação dos sintomas ditos extrapiramidais. Estes efeitos colaterais, com origem no SNC.

É importante ressaltar que a associação de duas ou mais medicações antipsicóticas clássicas não potencializa efeito antipsicótico, sendo tão efetiva quanto o uso de uma medicação isolada, enquanto os efeitos colaterais se somam.

  • É importante ressaltar que a associação de duas ou mais medicações antipsicóticas clássicas não potencializa efeito antipsicótico, sendo tão efetiva quanto o uso de uma medicação isolada, enquanto os efeitos colaterais se somam.

Elaborado Por

  • Alunos 4º P.Farmácia

  • Istayner

  • Janaína Cunha

  • Marciano Cândido

  • Rachel Teixeira

  • Rafael Vieira

  • William Alves

  • Veigna Maria

Comentários