IX - Karl Marx

IX - Karl Marx

(Parte 1 de 3)

Grandes Economistas IX: Karl Marx e a contestação do capitalismo

Contribuição de Luiz Machado* 09 de July de 2007

Karl Heinrich Marx nasceu no dia 5 de maio de 1818 em Trier (ou Tréves, segundo os franceses), na região da Renânia, então província da Prússia. A família Marx pertencia à classe média de origem judaica. Seu pai, Hirschel, era advogado e conselheiro de justiça. Sua mãe, Enriqueta Pressburg, apesar de descendente de rabinos, não exerceu sobre o filho a forte doutrinação, habitual nas famílias israelitas, e não teve nenhuma influência intelectual sobre sua formação. Marx casou-se com Jenny von Westphalen, sua amiga de infância, com quem teve seis filhos, dos quais apenas três atingiram a vida adulta. Morreu em Londres, no dia 14 de março de 1883, antes da publicação dos dois últimos volumes de sua grande obra, O Capital.

"A história de todas as sociedades que já existiram é a história da luta de classes. Homem livre e escravo, patrício e plebeu, senhor e servo, chefe de corporação e assalariado; resumindo, opressor e oprimido estiveram em constante oposição um ao outro, mantiveram sem interrupção uma luta por vezes aberta - uma luta que todas as vezes terminou com uma transformação revolucionária ou com a ruína das classes em disputa". Karl Marx e Friedrich Engels - "O Manifesto Comunista"

Karl Heinrich Marx nasceu no dia 5 de maio de 1818 em Trier (ou Tréves, segundo os franceses), na região da Renânia, então província da Prússia. A família Marx pertencia à classe média de origem judaica. Seu pai, Hirschel, era advogado e conselheiro de justiça. Sua mãe, Enriqueta Pressburg, apesar de descendente de rabinos, não exerceu sobre o filho a forte doutrinação, habitual nas famílias israelitas, e não teve nenhuma influência intelectual sobre sua formação. Marx casou-se com Jenny von Westphalen, sua amiga de infância, com quem teve seis filhos, dos quais apenas três atingiram a vida adulta. Morreu em Londres, no dia 14 de março de 1883, antes da publicação dos dois últimos volumes de sua grande obra, O Capital, que só foram publicados em 1885 (o segundo) e 1894 (o terceiro), ambos elaborados por Engels, a partir dos manuscritos deixados por Marx.

1. Uma vida atribulada e marcada por sucessivas dificuldades

Depois de concluir o curso secundário em sua cidade natal, Marx matriculou-se na Universidade de Bonn, com o objetivo de estudar jurisprudência. Sobre essa fase, assim se pronuncia o Prof. José Arthur Giannotti:

Não foram, porém, tempos de muito estudo e trabalho. O jovem Marx descobriu a vida boêmia do estudante romântico, esbanjou dinheiro (ao menos no entender de seu pai) e escreveu versos apaixonados à sua amiga de infância, Jenny von Westphalen. No verão de 1836, voltando de Bonn, ficou noivo dessa jovem de rara beleza e alta posição social. Esse casamento desigual, segundo o comentário de todos, encontrou a mais obstinada oposição de ambas as famílias, e só pôde realizar-se oito anos mais tarde.

Cito essa passagem o Prof. Giannotti extraída da breve introdução sobre a vida e a obra de Marx contida na coleção Os Pensadores, pois acredito que ela reflete uma faceta importante da personalidade de Marx, revelada ao longo de toda a sua vida: a entrega plena e o envolvimento total com aquilo que acredita. Assim foi na vida pessoal, sendo

Conselho Federal de Economia http://www.cofecon.org.brFornecido por Joomla!Produzido em: 18 September, 2011, 15:26 extremamente amoroso com a mulher e os filhos (ainda que ausente a maior parte do tempo), no exercício da profissão de jornalista, no seu trabalho como escritor e, como não poderia deixar de ser, na defesa das idéias em que acreditava.

Para ilustrar o carinho por sua mulher, reproduzo outro trecho da apresentação do Prof. Giannotti, coma reprodução de uma carta que ele escreveu a Jenny em 1865, de Trier, onde se encontrava por causa da morte de sua mãe:

Todos os dias fui em peregrinação à velha casa dos Westphalen, na rua dos Romanos, que me interessou mais do que todas as antiguidades romanas, porque me lembrou os tempos felizes de minha juventude, quando ela encerrava meu tesouro mais caro. Além disso, todo o dia e por quase toda parte, me pedem notícias daquela que era então a mais bela jovem de Trier e a rainha dos bailes. É diabolicamente agradável para um homem ver que sua mulher continua a viver assim como uma princesa encantada no espírito de toda uma cidade.

Marx não concluiu seu curso em Bonn, mas para cumprir o desejo de seu pai, que exigia que ele terminasse seus estudos antes do casamento, matriculou-se, em julho de 1836, na Universidade de Berlim. Lá, afastou-se cada vez mais do Direito, interessando-se enormemente pela História e pela Filosofia, área em que a influência intelectual de Hegel era extremamente forte. Hegel havia morrido pouco antes, mas seu pensamento era dominante na Berlim da época e sua filosofia se convertera numa espécie de ideologia oficial.

Marx se viu fortemente atraído por esse clima intelectual, embora discordasse frontalmente do idealismo de Hegel, razão pela qual ao incorporar a dialética hegeliana ao modelo teórico que viria a construir mais tarde, adaptou-a ao materialismo histórico. Nesse sentido, na visão da dialética de Hegel, as mudanças ocorrem primeiro no plano das idéias (ou espiritual), estendendo-se depois para o plano material. Na visão de Marx, ao contrário, as transformações se dão primeiro no plano material (ou econômico), estendendo-se depois ao plano ideológico.

Marx permaneceu em Berlim até 1841, participando ativamente das discussões e dos trabalhos dos intelectuais que foram rotulados por alguns historiadores como grupo de Berlim. De volta a Trier, Marx passa por uma fase de indefinição, durante a qual chega a sonhar com uma carreira universitária, doutorando-se pela Universidade de Iena. Logo, porém, abandona a idéia e resolve se dedicar ao jornalismo, já então tendo se mudado para Colônia, que assim como Trier, também fica na Renânia.

Iniciava-se assim uma vasta sucessão de viagens e mudanças, nem todas por vontade própria, que seria uma outra característica marcante da vida de Marx. Na condição de jornalista, contribuiu com algumas publicações (jornais e revistas), quase todas consideradas radicais. No jornal Rheinische Zeitung, onde trabalhou por mais tempo, logo se tornou um sucesso, o que, segundo Galbraith, não é motivo de surpresa, uma vez que "ele era inteligente, talentoso e extremamente dedicado e, de certa forma, representava uma voz de moderação".

Sob a direção de Marx o Rheinische Zeitung aumentou a circulação e a sua influência se estendeu a outros Estados germânicos, "provocando cada vez mais a atenção dos censores, que todas as noites reviam as provas antes de irem para a impressão". Sendo assim, não causa surpresa o fato de o jornal ter sido fechado pelo governo em março de 1843.

Marx, então, vencendo a oposição dos pais, casou-se e partiu para a França, onde foi um dos diretores (os outros foram Ruge e Heine) dos Anais Franco-Alemães. Estes, porém, não foram além do primeiro número, publicado em fevereiro de 1844. Nesse único número dos Anais Franco-Alemães, entretanto, foi publicado um artigo de Friedrich Engels, Esboço de uma Crítica da Economia Política, o que acabaria sendo decisivo para o futuro da vida de Marx.

A essa altura, Marx estava ainda mais desiludido com as idéias hegelianas, de tal forma que a aproximação com Engels foi mais do que natural. Nas palavras do Prof. Giannotti:

Conselho Federal de Economia http://www.cofecon.org.brFornecido por Joomla!Produzido em: 18 September, 2011, 15:26

A coincidência de perspectivas e de resultados conduziu Marx e Engels a um trabalho comum. O primeiro desses trabalhos, A Sagrada Família, cujo subtítulo é Crítica de uma Crítica Crítica, analisa as conseqüências políticas do neohegelianismo. É uma polêmica feroz contra Bruno Bauer e seus irmãos Edgard e Egbert, os quais, como editores da Gazeta Geral Literária, publicada em Charlottemburgo preconizavam uma política liberal "elitista", como se diria atualmente.

Em lugar do isolamento do Espírito diante das massas, Marx e Engels preconizavam um amplo entrosamento da teoria com os proletários, pois, diziam, nada é mais ridículo do que uma idéia isolada de interesses concretos.

Antes mesmo da publicação do livro, Marx foi expulso da França, em fevereiro de 1845, tendo que se refugiar em Bruxelas, onde redigiu, junto com Engels, a Ideologia Alemã, um balanço de suas próprias consciências filosóficas, no qual levantam uma série de questões com relação ao pensamento de Feuerbach: "Tomar a essência genérica do homem como ponto de partida da história não é aceitar uma concepção muito particular do homem isolado, tal como o vê o pensamento burguês? Essa essência genérica não se resolve no conjunto das relações sociais em que cada pessoa se insere?". A despeito de seu interesse, a Ideologia Alemã não encontrou editor e ficou abandonada. Mas, segundo o Prof. Giannotti, "o principal objetivo, uma visão mais clara dos problemas levantados, tinha sido alcançado".

Em Bruxelas, Marx escreveu A Miséria da Filosofia, em 1846/47, um contraponto à Filosofia da Miséria, de Proudhon, publicado pouco antes. Continuou, também, a se dedicar à política, num ambiente, diga-se de passagem, bastante propício, uma vez que diversas convulsões sociais estavam ocorrendo na Europa, a ponto de Galbraith afirmar que 1848 pode ser chamado de "o ano das revoluções".

Marx havia começado a participar da recém fundada Liga dos Comunistas, que para ele significava a primeira tentativa de superar a contradição entre uma organização internacional e os agrupamentos nacionais em que se aglutinavam os operários. E foi para o segundo congresso da Liga, realizado neste conturbado ano de 1848, que, novamente junto com Engels, Marx escreve o célebre Manifesto Comunista, talvez o mais bem sucedido panfleto político de toda a história. Como bem observa o Prof. Giannotti, o Manifesto Comunista insiste na necessidade de substituir o programa contra a propriedade privada em geral pelo projeto da apropriação coletiva dos meios de produção, atingindo, pois, pela raiz, tanto o funcionamento do modo de produção capitalista, quanto a fonte da alienação do homem que vive numa sociedade desse tipo.

É do Manifesto Comunista uma das citações mais reproduzidas de todos os tempos:

Os comunistas não procuram ocultar seus pontos de vista ou objetivos. Declaram abertamente que suas metas só podem ser atingidas pela derrocada à força de todas as condições sociais existentes. Deixem que as classes governantes tremam de medo diante de uma revolução comunista. Os proletários não têm nada a perder, a não ser seus grilhões. E têm tudo a ganhar. Trabalhadores de todos os países, uni-vos!

Tamanha atividade, porém, não passou despercebida pelas autoridades. O rei Leopoldo da Bélgica, diante de tal agitação, houve por bem dissolver todo tipo de associação operária e perseguir os exilados que haviam fixado residência no país. Marx e sua mulher, depois de serem duramente tratados, acabaram sendo expulsos. Como isso já era esperado, Marx havia combinado com os emigrados alemães que deveria retornar a Paris para dar continuidade aos planos traçados.

A Liga, porém, não resistiu ao próprio crescimento da onda revolucionária a acabou se dissolvendo. Diante disso, Marx foi novamente para Colônia, onde ressuscitou o Rheinische Zeitung, que agora passara a se chamar Neue Rheinische

Conselho Federal de Economia http://www.cofecon.org.brFornecido por Joomla!Produzido em: 18 September, 2011, 15:26

Zeitung. Por meio dele, defendia a aliança do proletariado e dos camponeses com a burguesia, numa soma de esforços visando à liquidação dos restos do Antigo Regime, ainda vigentes na Alemanha.

Não foi, no entanto, o que aconteceu. A vitória de seus adversários obrigou Marx a, uma vez mais, buscar o exílio. A esta altura, porém, as condições financeiras da família estavam debilitadíssimas, uma vez que até a herança que ele acabara de receber havia sido gasta na abertura do jornal. Pobre como nunca, depois de uma rápida passada por Paris, cruzou o Canal da Mancha em 24 de agosto de 1849 e fixou-se definitivamente em Londres. Seria a sua última mudança; ficou na capital inglesa o resto de sua vida.

Com a ajuda financeira de Engels e um rendimento proveniente do New York Tribune, Marx procurou recomeçar a vida e retomar seus planos em Londres. Os primeiros anos, entretanto, foram muito difíceis, durante os quais a família de Marx teve que mudar de endereço várias vezes, o que sua esposa Jenny, pelo que se sabe, aceitou com infinita resignação.

Inicialmente, aproveitando a recesso político que se seguiu à extrema agitação do final da década de 1840, Marx escreveu, em 1852, O 18 Brumário de Luís Bonaparte, no qual analisa o golpe de Estado de Napoleão I. Era também uma forma de tentar ganhar algum dinheiro, diante das privações que sua família estava enfrentando. Mas não foi fácil editar O 18 Brumário, o que só acabou ocorrendo em Nova York, quando um emigrado alemão ofereceu suas economias, uns 40 dólares, a um amigo e colaborador de Marx, Weydemeyer, que no Novo Mundo continuava sua propaganda política.

Depois disso, Marx resolveu retomar os trabalhos de Economia e se impôs uma disciplina rígida, chegando todos os dias ao Museu Britânico às 9 horas, para só de lá sair por volta das 19 horas, continuando, não raras vezes, o trabalho madrugada adentro. Depois de anos de muito esforço, concluiu, em 1859, a redação do texto de Para a Crítica da Economia Política. Por conta, porém, de sua difícil situação econômica, o manuscrito teve que esperar alguns dias para ser enviado ao editor, na Alemanha, porque faltava dinheiro para os selos. A respeito dessa situação, numa carta a Engels, Marx fez um interessante comentário:

Seguramente é a primeira vez que alguém escreve sobre o dinheiro com tanta falta dele. A maioria dos autores que escreveram sobre esse tema estava numa magnífica harmonia com o objeto de suas investigações.

O livro, porém, não teve quase nenhuma repercussão. Apesar disso, Marx continuou trabalhando com afinco, naquela que foi provavelmente sua fase mais produtiva e que resultou na publicação do primeiro volume de sua obra magna, O Capital, em 1867 (os outros dois só foram publicados após a sua morte).

Afora seu trabalho como escritor, vale destacar ainda as atividades políticas desenvolvidas por Marx durante sua permanência em Londres. Talvez a mais importante delas tenha sido o tempo precioso empregado por ele nos trabalhos de organização de um projeto no qual ele depositava grande confiança, e que continham as fundações da revolução que ele esperava e que, segundo Galbraith, vez por outra acreditava estar iminente:

O instrumento da revolução seria uma organização que uniria, num propósito comum, a ação dos trabalhadores de todos os países industrializados - os proletários que, como Marx ardentemente afiançava, não tinham pátria. Conhecida hoje como Primeira Internacional Socialista, essa organização nasceu em Londres, numa grande assembléia de trabalhadores realizada no Saint Martin's Hall, no dia 28 de setembro de 1864. Foi eleito um conselho diretivo, do qual Marx era o secretário geral.

Apesar das nobres intenções, a história revelou que o futuro da Internacional foi muito diferente do que pretendiam seus criadores, o que foi reconhecido pouco tempo depois pelo próprio Marx, numa carta a Bolts em novembro de 1971, quando essa associação já entrava em seu ocaso:

Conselho Federal de Economia http://www.cofecon.org.brFornecido por Joomla!Produzido em: 18 September, 2011, 15:26

A Internacional foi fundada para substituir as seitas socialistas ou semi-socialistas por uma organização efetiva socialista ou semi-socialistas por uma organização efetiva da classe operária que a levasse à luta. Os estatutos primitivos, assim como a alocução inaugural,mostram-no desde o primeiro instante. Além disso, a Internacional não poderia afirmar-se se a marcha da História já não tivesse despedaçado o regime de seitas.

O desenvolvimento das seitas socialistas e o movimento operário real mantêm uma relação inversa constante. Enquanto tais seitas se justificam, a classe operária não está madura para um movimento autônomo. Tão logo atinja essa maturidade, todas as seitas se tornam reacionárias por essências. No entanto, na história da Internacional repetese o que a história mostra em toda parte: o que envelheceu procura reconstruir-se e manter-se no próprio interior da forma recém adquirida. E a história da Internacional foi uma luta contínua do Conselho Geral contra essas seitas e tentativas amadorísticas que, no quadro da Internacional, procuravam se afirmar contra o movimento real da classe operária.

Entre essas "seitas reacionárias", Marx cita os proudhonianos franceses, os lassallianos alemães e a Aliança Democrática Socialista, de Bakunin (1814-1876), de tendência anarquista. A Primeira Internacional, já profundamente enfraquecida pelas disputas intestinas, foi declarada fora da lei por Bismark e logo a seguir pela Terceira República. Sua sede transferiu-se para a Filadélfia, segundo Galbraith, "um lugar pouco adequado à conscientização da agitação de classes; e aí, alguns anos mais tarde, expirou. Em 1889, como união dos partidos trabalhistas e sindicatos de classe, ela ressurgiu - a Segunda Internacional. Marx não viveu para ver isso acontecer".

Viveu, porém para testemunhar ainda alguns momentos importantes da luta revolucionária à qual dedicou praticamente toda a sua vida, o mais significativo dos quais ficou conhecido como "A Comuna de Paris", que teve lugar em 1871. Foi, segundo Galbraith, "a primeira revolução que usaria, com seriedade, embora de maneira inexata, a palavra raiz de "comunismo". E seria a única que Marx presenciaria".

Marx viveu mais doze anos após a revolta de Paris, ao longo dos quais deu continuidade à sua obra, procurando ser, segundo Galbraith, "o juiz supremo, porém não inconteste, do que era considerado certo e errado no pensamento socialista". Foi em conseqüência de um desses seus julgamentos que surgiu uma de suas mais eloqüentes frases. Vale a pena reproduzir mais um trecho de Galbraith a esse respeito:

Nos anos que se seguiram à Fuerra Franco-Prussiana, a classe trabalhista na Alemanha viu sua força política aumentar rapidamente. Uma vez mais, a conseqüência de uma guerra. Não apenas um mas dois partidos trabalhistas surgiram, e em 1875 eles se reuniram em Gotha, na Alemanha central, para fundir-se e concordar num programa comum. O resultado foi extremamente desagadável para Marx: o programa colidia profundamente com os princípios marxistas, e mais uma vez a reforma substituía a revolução. A sua Crítica do Programa de Gotha afirmava, entre outras coisas, que depois de os trabalhadores terem assumido o poder, a cicatriz dos hábitos e do pensamento capitalistas teria que desaparecer primeiro. Só então viria o grande dia em que a sociedade "inscreveria em suas bandeiras: de cada um segundo a sua capacidade, a cada um segundo as suas necessidades!" É possível que estas últimas quatorze palavras tenham arrebatado para as fileiras marxistas mais seguidores do que as centenas de milhares que Marx escreveu em seus três volumes de O Capital.

Seus últimos anos foram anos bastante desfavoráveis. Além da saúde abalada, em grande parte graças à vida atribulada, às noites mal dormidas, ao fumo e à bebida, Marx viu sua esposa, Jenny, contrair câncer em 1881, vindo a falecer em dezembro daquele ano. Alguns meses mais tarde, ela foi seguida pela filha mais velha e mais querida de Marx. "Profundamente abalado e solitário", assinala Galbraith, "Marx também parou suas atividades em todo o sentido. A 13 de março de 1883, com Engels, o sempre fiel Engels, à cabeceira de seu leito de morte, ele expirava. Nunca, desde o Profeta, a influência de um homem foi tão pouco diminuída devido à sua morte".

2. Quadro geral das idéias de Marx

Conselho Federal de Economia http://www.cofecon.org.brFornecido por Joomla!Produzido em: 18 September, 2011, 15:26

(Parte 1 de 3)

Comentários