A Classificação de Risco

A Classificação de Risco

A Classificação de Risco

A Classificação de Risco é um processo dinâmico de avaliação dos pacientes, pois levam em conta as necessidades de atendimento de cada usuário. Os que apresentam quadros muito graves recebem atendimento imediato (área Vermelha). Os demais são avaliados de acordo com o potencial de risco à saúde e grau de sofrimento, para então serem encaminhados para as áreas Amarela Verde e Azul.O Acolhimento por Classificação de Risco visa proporcionar aos usuários e profissionais de saúde, maior segurança e qualidade no atendimento e consequentemente, aumentar o nível de satisfação destes. Durante o atendimento os profissionais possibilitam a escuta e zelam pela resolução dos problemas trazidos pelos usuários.

MISSÕES DO ACOLHIMENTO COM CLASSIFICAÇÃO DE RISCO

  1. Ser instrumento capaz de acolher o cidadão e garantir um melhor acesso aos serviços de urgência/emergência;

  2. Humanizar o atendimento;

  3. Garantir um atendimento rápido e efetivo.

  4. Escuta qualificada do cidadão que procura os serviços de urgência/emergência;

  5. Classificar, mediante protocolo, as queixas dos usuários que demandam os serviços de urgência/emergência, visando identificar os que necessitam de atendimento médico mediato ou imediato;

  6. Construir os fluxos de atendimento na urgência/emergência considerando todos os serviços da rede de assistência à saúde;

  7. Funcionar como um instrumento de ordenação e orientação da assistência, sendo um sistema de regulação da demanda dos serviços de urgência/emergência.

PrincípiosA Classificação de Risco segue alguns princípios, como: promover ampla informação sobre o serviço aos usuários; avaliar os pacientes logo na sua chegada ao hospital; reduzir o tempo para o atendimento médico, fazendo com que o usuário seja avaliado precocemente, de acordo com a sua gravidade; determinar a área de atendimento, encaminhando o paciente diretamente à especialidade correspondente, como: clínico, pediatra, sutura, etc.; Informar o tempo de espera; retornar informações aos familiares.

Área AmarelaEssa área conta com uma sala própria para pacientes já estabilizados, mas que ainda precisam de cuidados especiais (pacientes críticos ou semi-críticos).Por exemplo: pacientes já estabilizados na área vermelha, mas que ainda requerem cuidados especiais; pacientes com cefaleia intensa; dor torácica intensa; antecedentes com problemas respiratórios, cardiovasculares e metabólicos (diabetes); desmaios; alterações dos sinais vitais em pacientes sintomáticos; hemorragias; diminuição do nível de consciência, entre outros.

Amarelos: Pacientes que necessitam de atendimento médico e de enfermagem o mais rápido possível, porém não correm riscos imediatos de vida. Deverão ser encaminhados diretamente à sala de consulta de enfermagem para classificação de risco.

Situação/Queixa:

  • Politraumatizado com Glashow entre 13 e 15; sem alterações de sinais vitais.

  • Cefaleia intensa de início súbito ou rapidamente progressivo, acompanhado de sinais ou sintomas neurológicos, paraestesias,

  • alterações do campo visual, dislalia, afasia.

  • Trauma cranioencefálico leve (ECG entre13 e 15).

  • Diminuição do nível de consciência.Cartilha da PNH 32 Acolhimento com Avaliação e Classificação de Risco

  • Alteração aguda de comportamento

  • agitação, letargia ou confusão mental.

  • História de Convulsão /pós-ictal–convulsão nas últimas 24 horas.

  • Dor torácica intensa.

  • Antecedentes com problemas respiratórios, cardiovasculares e metabólicos (diabetes).

  • Crise asmática.

  • Diabético apresentando sudorese, alteração do estado mental, visão turva, febre,

Vômitos, taquipnéia, taquicardia.

  • Desmaios.

  • Estados de pânico, overdose.

  • Alterações de sinais vitais em paciente sintomático:

  • FC < 50 ou > 140

  • .PA sistólica < 90 ou > 240

  • PA diastólica > 130

  • .T < 35 ou. 4 0Cartilha da PNH

  • História recente de melena ou hematêmese ou enterorragia com

  • PA sistólica,100 ou FC > 120.

  • Epistaxe com alteração de sinais vitais.

  • Dor abdominal intensa com náuseas e vômitos, sudorese, com alteração de sinais vitais (taquicardia ou bradicardia, hipertensão ou hipotensão, febre).

  • Sangramento vaginal com dor abdominal e alteração de sinais vitais; gravidez confirmada ou suspeita.

  • Náuseas/Vômitos e diarréia persistente com sinais de desidratação grave – letargia, mucosas ressecadas, turgor pastoso, alteração de sinais vitais.

  • Desmaios.

  • Febre alta ( 39/40º C).

  • Fraturas anguladas e luxações com comprometimento neurovascular ou dor intensa.

  • Intoxicação exógena sem alteração de sinaisCartilha da PNH 34

  • vitais, Glasgow de 15.

  • Vítimas de abuso sexual.

Escola de Formação Técnica – ESFOTEC

Classificação de Risco.

Aluna : Thaynara leal , Hélia ,

Alexandrina,Lidiane, Marciana ,

Solange, Dherllis.

Prof: Areta

Matéria: Assistência de enfermagem

Ao paciente em estado grave .

Colmeia – To: 29-06-2013

Comentários