Cartilha-O que devemos saber sobre medicamentos

Cartilha-O que devemos saber sobre medicamentos

(Parte 1 de 4)

MEDICAMENTOS O quE DEvEMOS SAbEr SObrE

Copyright ©2010. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Diretor-PreSiDeNte Dirceu raposo de Mello

ADjuNto De Diretor-PreSiDeNte Pedro ivo Sebba ramalho

DiretoreS Dirceu Brás Aparecido Barbano josé Agenor Álvares da Silva Maria Cecília Martins Brito

ADjuNtoS DoS DiretoreS Luiz Armando erthal Luiz roberto da Silva Klassmann Neilton Araújo de oliveira rafael Aguiar Barbosa

Chefe De GABiNete iliana Alves Canoff eLABorAção unidade técnica de regulação – uNteC

CoLABorAção

Coordenação do Sistema Nacional de Gerenciamento de Produtos Controlados – CSGPC / GGMeD

Coordenação de Biológicos – CPBih / GGMeD Coordenação de fitoterápicos e Dinamizados – CofiD / GGMeD Gerência de Monitoramento de Mercado – GeMoN / NureM ouvidoria - ouViD

Gerência de Monitoramento da Qualidade, Controle e fiscalização de insumos, Medicamentos e Produtos – GfiMP / GGiMP

Gerência Geral de Monitoramento e fiscalização de Propaganda, de Publicidade, de Promoção e de informação de Produtos Sujeitos a Vigilância Sanitária – GGPro

Núcleo de educação, Pesquisa e Comunicação - NePeC

Projeto GrÁfiCo e DiAGrAMAção Gerência Geral de Monitoramento e fiscalização de Propaganda, de Publicidade, de Promoção e de informação de Produtos Sujeitos a Vigilância Sanitária – GGPro

------------------------------------------------------ DISquE ANvISA: 0800 6429782 DISquE-INTOxICAçãO: 0800 7226001 -------------------------------------------------------

APrESENTAçãO

É com muita satisfação que apresento a cartilha “o que devemos saber sobre medicamentos” como mais uma iniciativa da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) voltada para conscientização e orientação ao cidadão.

esta publicação foi elaborada como parte da estratégia de fortalecimento da Participação Social do Programa de Melhoria do Processo de regulamentação da Anvisa em conjunto com iniciativas de educação e mobilização social, como o educanvisa e o VisaMobiliza, e tem por objetivo disponibilizar informações às entidades civis de defesa do consumidor, vigilâncias sanitárias estaduais e municipais e demais atores da sociedade sobre o uso de medicamentos, a fim de instrumentalizálos e despertá-los para a importância e necessidade de difundir orientações e hábitos que possam proteger a saúde da população.

Desse modo, a Anvisa pretende contribuir com iniciativas de prevenção de agravos e riscos à saúde, preocupação constante da Agência, assim como prestar esclarecimentos sobre a importância das Boas Práticas farmacêuticas e da orientação ao cidadão quanto aos cuidados, precauções e atenção à sua saúde.

Assim, consideramos o lançamento desta publicação um importante instrumento para orientar os cidadãos quanto ao uso racional de medicamentos. Ao mesmo tempo, legitima e reafirma o compromisso e a missão da Agência com ações voltadas para a promoção e a proteção à saúde da população.

Conscientizar é o primeiro passo para fortalecer a participação social na regulação como expressão de cidadania e de valorização do ser humano!

Deixamos registrado nossos agradecimentos a todos servidores da Anvisa pelas contribuições oferecidas para elaboração desta cartilha.

Dirceu raposo de Mello Diretor-presidente da Anvisa

ALíVio DoS SiNtoMAS

• Diminuem ou eliminam sintomas (dor, febre, inflamação, tosse, coriza, vômitos, náuseas, ansiedade, insônia, etc), mas não atuam nas causas.

CurA DAS DoeNçAS

• eliminam as causas de determinada enfermidade, como infecçôes e infestações. tem-se como exemplos: antibióticos, sulfas; antihelmínticos (medicamentos contra vermes), antiprotozoários (medicamentos contra malária, giardíase e amebíase); ou

• Corrigem a função corporal deficiente: suplementos hormonais, vitamínicos, minerais e enzimáticos, etc.

PreVeNção De DoeNçAS

• Atuam restabelecendo funções corporais, auxiliando o sistema imunológico ou na proteção contra microorganismos,. Alguns exemplos são: soros, vacinas, antissépticos, complementos vitamínicos, minerais e enzimáticos, profiláticos da cárie, etc.

DiAGNóStiCo

• Auxiliam o diagnóstico ou avaliam o funcionamento de órgãos, como por exemplo os contrastes radiológicos.

Ao utiLizAr uM MeDiCAMeNto É iMPortANte ter

BeM CLAro QuAL A Ação eSPerADA --------------------------------------------------------------------

Medicamentos são produtos especiais elaborados com a finalidade de diagnosticar, prevenir, curar doenças ou aliviar seus sintomas, sendo produzidos com rigoroso controle técnico para atender as especificações determinadas pelo órgão regulador.

o efeito do medicamento se deve a uma ou mais substâncias ativas com propriedades terapêuticas reconhecidas cientificamente, que fazem parte da composição do produto, denominadas fármacos, drogas ou princípios ativos.

os medicamentos obedecem a normas rígidas para poderem ser utilizados, desde a sua pesquisa e desenvolvimento, até a sua produção e comercialização.

Para que os medicamentos façam o efeito desejado, eles devem ser usados de forma racional e com orientação médica e farmacêutica.

No dia-a-dia, é muito comum notar pessoas ou meios de comunicação utilizando a palavra remédio como sinônimo de medicamento. No entanto, elas não significam a mesma coisa.

A idéia de remédio está associada a todo e qualquer tipo de cuidado utilizado para curar ou aliviar doenças, sintomas, desconforto e mal-estar.

Alguns exemplos de remédio são: banho quente ou massagem para diminuir as tensões; chazinho caseiro e repouso em caso de resfriado; hábitos alimentares saudáveis e prática de atividades físicas para evitar o desenvolvimento de doenças crônicas nãotransmissíveis; medicamentos para curar doenças, entre outros.

já os medicamentos são substâncias ou preparações elaboradas em farmácias (medicamentos manipulados) ou indústrias (medicamentos industriais), que devem seguir as determinações legais de segurança, eficácia e qualidade.

Assim, um preparado caseiro com plantas medicinais pode ser um remédio, mas ainda não é um medicamento; para isso, deve atender uma série de exigências do Ministério da Saúde, visando garantir a segurança dos consumidores. (SCheNKeL, 2004).

------------------------------------------------------------------- toDo o MeDiCAMeNto É uM reMÉDio,

MAS NeM toDo reMÉDio É uM MeDiCAMeNto. -------------------------------------------------------------------

O quE SãO FOrMAS FArMACÊuTICAS?

São as diferentes formas físicas que os medicamentos podem ser apresentados, para possibilitar o seu uso pelo paciente.

quAIS SãO AS FOrMAS FArMACÊuTICAS?

• Comprimidos • Cápsulas, pós e granulados

• Xaropes

• Soluções (gotas, nasais, colírios, bochechos e gargarejos e injetáveis) • Supositórios, óvulos e cápsulas ginecológicas

• Aerossóis/pressurizados

• Pomadas e suspensões

POr quE ExISTEM AS DIFErENTES FOrMAS FArMACÊuTICAS?

• Para facilitar a administração; • garantir a precisão da dose;

• proteger a substância durante o percurso pelo organismo;

• garantir a presença no local de ação; e • facilitar a ingestão da substância ativa.

---------------------------------------------------------------------------- em alguns casos, as formas farmacêuticas servem para facilitar a administração de medicamentos por pacientes de faixas etárias diferentes ou em condições especiais. Para uma criança, por exemplo, é mais fácil engolir gotas em um pouco de água do que engolir um comprimido. ----------------------------------------------------------------------------

O quE É vIA DE ADMINISTrAçãO?

A via de administração é a maneira como o medicamento entra em contato com o organismo, é sua porta de entrada, podendo ser via oral (boca), retal (ânus), parental (injetável), tópica (pele), vaginal, nasal (nariz), oftálmica (olhos), sublingual (embaixo da língua), dentre outras.

Cada via é indicada para uma situação específica, e apresenta vantagens e desvantagens.

uma injeção, por exemplo, é sempre incômoda e muitas vezes dolorosa, mas possui um efeito mais rápido.

quAL A DIFErENçA DE MEDICAMENTOS GENÉrICOS, rEFErÊNCIA E SIMILAr?

MeDiCAMeNto De referêNCiA

• Medicamento inovador que possui marca registrada, com qualidade, eficácia terapêutica e segurança comprovados através de testes científicos, registrado pelo órgão de vigilância sanitária no país.

• Sua principal função é servir de parâmetros para registros dos posteriores medicamentos similares e genéricos, quando sua patente expirar.

MeDiCAMeNto SiMiLAr

• São produzidos após vencer a patente dos medicamentos de referência e são identificados por um nome de marca.

• Possuem eficácia, segurança e qualidade comprovados através de testes científicos, registrado pelo órgão de vigilância sanitária no país.

• Possuem o mesmo fármaco e indicação terapêutica que o medicamento de referência, diferem em características relativas ao tamanho e forma do produto, prazo de validade, embalagem, rotulagem, excipientes e veículos.

• Não são intercambiáveis com o medicamento de referência nem com o medicamento genérico.

MeDiCAMeNto GeNÉriCo

• É igual ao medicamento de referência e possui qualidade, eficácia terapêutica e segurança comprovados através de testes científicos, registrado pelo órgão de vigilância sanitária no país.

• Não possui nome de marca, somente a denominação química de acordo com a Denominação Comum Brasileira (DCB).

• Pode ser intercambiável (substituído) com o medicamento de referência pelo profissional farmacêutico.

GENÉrICO = rEFErÊNCIA --------------------------------------------------------------------------

--------------------------------------------------------------------------- IMPOrTANTE todo medicamento genérico traz na sua embalagem uma faixa amarela com o “G” de genérico em destaque e a identificação “Medicamentos Genérico”.

OS MEDICAMENTOS DE ACOrDO COM A PrESCrIçãO os medicamentos são diferenciados já em sua embalagem se eles podem ser adquiridos com ou sem prescrição médica, através de uma tarja vermelha ou preta.

entre os medicamentos que necessitam de prescrição, alguns possuem um controle especial do governo, devendo ter a sua prescrição retida no momento da compra, sendo obrigatória a identificação do comprador e seu cadastro no Sistema Informatizado de Gerenciamento de Produtos Controlados da Anvisa (SNGPC).

MeDiCAMeNtoS iSeNtoS De PreSCrição (MiP) São medicamentos que não necessitam da prescrição, mas devem ser utilizados de acordo com a orientação de um profissional farmacêutico.

MeDiCAMeNtoS CoM PreSCrição Devem ser prescritos pelo profissional médico ou dentista e são divididos em dois grupos:

• Sem retenção de receita - apresentam tArjA VerMeLhA na embalagem contendo o seguinte texto: VeNDA SoB PreSCrição MÉDiCA.

• Com retenção de receita - apresentam tArjA VerMeLhA ou tArjA PretA na em-

balagem contendo o seguinte texto: VeNDA SoB PreSCrição MÉDiCA Só PoDe Ser VeNDiDo CoM reteNção DA reCeitA.

COMO DEvE SEr uMA rECEITA? reCeitA DA Cor BrANCA ela é prescrita por médicos e dentistas para a dispensação dos medicamentos que possuem tarja vermelha.

toda receita deverá estar escrita de modo legível, contendo:

• Nome e endereço do paciente • Nome do medicamento, concentração e quantidade

• Modo como deve ser utilizado o medicamento

• Nome e CRM do médico

• Data e assinatura do médico

NotifiCAção De reCeituÁrio DA Cor AzuL

A notificação é emitida pelo médico ou dentista para dispensação medicamentos que possuem um controle especial.

A notificação deve sempre acompanhar uma receita branca, porque ela fica retida na farmácia e drogaria para comprovação de que o medicamento foi dispensado da forma correta.

CuIDADOS COM O uSO DAS PLANTAS MEDICINAIS E FITOTErÁPICOS:

• Utilize sempre plantas que você conhece bem.

• Nunca colete plantas medicinais junto a locais que possam ter recebido agrotóxicos.

• As plantas medicinais devem ser secas à sombra, até tornaremse quebradiças antes de serem utilizadas.

• Não armazenar as plantas medicinais por um longo período, pois podem perder os seus efeitos.

• Evite misturas de plantas medicinais, a combinação entre elas pode resultar em efeitos imprevisíveis.

• Não utilize durante a gravidez, a não ser sob orientação médica.

• Evite utilizar chás laxantes ou diuréticos para emagrecer.

AS PLANTAS MEDICINAIS E OS FITOTErÁPICOS

As plantas medicinais são utilizadas na medicina popular dos diversos povos, desde tempos pré-históricos, como remédios para auxiliar nos problemas de saúde, mas também são usadas pela medicina atual na produção de medicamentos fitoterápicos.

Os medicamentos fitoterápicos devem seguir, como qualquer outro medicamento, a todas as normas sanitárias e os cuidados para o seu uso, e devem possuir registro no Ministério da Saúde (Anvisa).

o consumo de medicamentos fitoterápicos, bem como de plantas medicinais in natura, tem sido estimulado com base no mito “se é natural não faz mal”, porém, ao contrário da crença popular, eles podem promover reações como intoxicações, náuseas, irritação da mucosa, edema (inchaço) e até a morte, como qualquer outro medicamento.

homeopatia é um termo criado para designar uma terapia alternativa que se baseia no princípio “os semelhantes curam-se pelos semelhantes”.

o tratamento homeopático, consiste em fornecer a um paciente sintomático doses extremamente pequenas dos agentes que produzem os mesmos sintomas em pessoas saudáveis, quando expostas a quantidades maiores. Deste modo, o sistema de cura natural da pessoa é estimulado e estabelece uma reação de restauração da saúde por suas próprias forças, de dentro para fora.

COMO SãO PrODuzIDOS OS MEDICAMENTOS HOMEOPÁTICOS? o medicamento homeopático é preparado em um processo que consiste em diluição sucessiva da substância e “dinamização” (ou “potencialização”), em uma série de passos.medicamentos e devem seguir as todas as normas sanitárias e os cuidados para o seu uso, como qualquer outro medicamento e deve possuir registro no Ministério da Saúde (Anvisa).

o medicamento homeopático pode ser utilizado com segurança em qualquer idade, até mesmo em recém-nascidos ou pessoas com idade avançada, desde que acompanhada pelo clínico homeopata.

MEDICAMENTOS bIOLÓGICOS

Poucas pessoas tem idéia do que sejam medicamentos biológicos, mas a verdade é que eles existem há muito tempo. As vacinas são um exemplo, outros são os hemoderivados (medicamentos derivados do sangue) e alérgenos (medicamentos contra alergias).

COMO SãO PrODuzIDOS OS MEDICAMENTOS bIOLÓGICOS? o processo produtivo difere substancialmente do empregado na produção química convencional, pois os medicamentos biológicos são produzidos a partir de células vivas que atuam como uma fábrica. É um processo complexo, em que estas células devem permanecer sob condições de temperatura específicas e com alimentação na hora e quantidade certa durante semanas ou meses.

os produtos biológicos medicamentosos de alto custo são ofertados gratuitamente aos usuários do Sistema Único de Saúde – SuS, após prévio cadastro na Coordenação da Assistência farmacêutica local (estadual/Municipal/Distrito federal).

-------------------------------------------------------------------- CuIDADOS os produtos biológicos e congêneres, como quaisquer outros medicamentos, também podem apresentar riscos configurados em agravos e danos, pelas suas reações adversas manifestadas, especialmente, quando do uso inadequado. Portanto, o seu uso deve ser acompanhado pelos profissionais competentes, médicos e farmacêuticos.

(Parte 1 de 4)

Comentários