(Parte 1 de 4)

CONCEITOS LEAN MANUFACTURING - Aplicação e resultado do estudo de Kaizen no setor administrativo.

JARAGUÁ DO SUL MAIO 2011

2 RODRIGO GUIS DA FONSECA

CONCEITOS LEAN MANUFACTURING - Aplicação e resultado do estudo de Kaizen no setor administrativo.

JARAGUÁ DO SUL MAIO 2011

CONCEITOS LEAN MANUFACTURING - Aplicação e resultado do estudo de Kaizen no setor administrativo.

Relatório apresentado para fins de aprovação na disciplina Projeto Industrial do Curso de Engenharia de Produção.

Acadêmico: RODRIGO GUIS DA FONSECA Professor Orientador: REINALDO SOUZA RAMOS

JARAGUÁ DO SUL MAIO 2011

CONCEITOS LEAN MANUFACTURING - Aplicação e resultados de estudo do Kaizen no setor administrativo.

‘Este Trabalho foi julgado adequado para obtenção da aprovação na disciplina Projeto Final do Curso de Engenharia de Produção.’

Prof. Reinaldo Souza Ramos Orientador

Prof. Renato Zanandrea Coordenador do Curso de Engenharia de Produção

Prof. Júlio Cesar Berndsen Professor Articulador

Banca Examinadora:

Nome do Presidente da Banca, Orientador Presidente

5 DEDICATÓRIAS

Dedico este trabalho primeiramente a Deus por me dar esta oportunidade de aprendizado em especial a minha família pelo carinho e incentivo nos momentos mais difíceis desta jornada de trabalho e estudo, lembrando também das Borrachas Wolf que me proporcionou este aprendizado acreditando em meu potencial e a todos os professores que diretamente e indiretamente ajudaram – me a até chegar.

6 AGRADECIMENTOS

Em primeiro lugar gostaria de agradecer meus colegas de trabalho Sra.

Eliana Silva, Sr. Sidnei Roberto Vieira, Sr. Rafael Pereira que participaram da semana Kaizen comigo e sempre buscaram os melhores resultados a este trabalho.

Agradeço ao meu orientador o Sr. Reinaldo Souza Ramos pelas explicações, diretrizes e sistemáticas de meu projeto final.

Agradeço a minha família que sempre me deu amor, carinho, atenção em minha vida e me ajudou na busca de meus objetivos pessoais e profissionais sem deixar de falar em meus colegas de classe que acrescentam sabedoria e alegria a minha vida.

Figura 1 – Ilustração da palavra Kaizen em japonês16.
Figura 2 – Fluxograma de orçamentos técnicos19.
Figura 3 – Número de orçamentos técnicos20.
Figura 4 – Prazo médio2.
Figura 5 – Gestão visual24.
Figura 6 – Gestão visual quadro validado25.
Figura 7 – Novo fluxo de orçamentos técnicos26.
Figura 8 – Caixa e fichas de priorização dos orçamentos27.
Figura 9 – Matriz de responsabilidades28.
Figura 10 – Indicador da Qualidade29.
Figura 1 – Gráfico dos fatores da não conversão29.
Figura 12 – Planilha para sugestão de preço30.
Figura 13 – Formulário 200.202.030442.53.
Figura 14 – Formulário 200.202.030442.5 revisado35.

8 LISTA DE SIGLAS

TPM – Manutenção Preventiva Total

5S – Abreviação para cinco palavras japonesas: Seiri, senso de utilização; Seiton, senso de ordenação; Seisō, senso de limpeza. Seiketsu, senso de normalização. Shitsuke ou Shuukan, senso de autodisciplina.

SMED- Metodologia de Shigeo Shingo

SPIN - Produção em Intervalo Minimizado MAN - Matéria de Acordo com o Necessário

Resumo do Projeto Final apresentado ao Centro Universitário de Jaraguá do Sul - UNERJ para fins de aprovação na disciplina Projeto Industrial do Curso de Engenharia de Produção.

CONCEITOS LEAN MANUFACTURING - Aplicação e resultados de estudos de Kaizen nos setores administrativos.

RODRIGO GUIS DA FONSECA MAIO 2011

Orientador: REINALDO SOUZA RAMOS Área de Concentração: Administrativo / Produção / Processo. Palavras-chave: Lean Manufacturing, Produção Enxuta, Kaizen, Melhoria Continua. Número de Páginas: 46.

RESUMO: Este trabalho visa apresentar os conceitos de Lean Manufecturing e da filosofia Kaizen no setor administrativo da Indústria de Artefatos de Borracha Wolf

Ltda. Demonstrando um pouco da história do Sistema Toyota de Produção e o nascimento do Lean, resume conceitos da filosofia japonesa como, por exemplo, a (“Muda”) e a evolução do Kaizen para o Lean Office também conhecido como escritório enxuto. Apresenta-se um estudo de caso relacionado a orçamentos técnicos e as ações de melhoria propostas neste estudo assim como suas dificuldades e as soluções encontras pela equipe multifuncional.

10 SUMÁRIO

LISTA DE FIGURAS7
LISTA DE SIGLAS8
SUMÁRIO10
CAPÍTULO 1 – INTRODUÇÃO1
1.1 Justificativa1
1.2 Objetivo geral12
1.2.1 Objetivos específicos13
2.1 Muda15
2.2 Kaizen16
2.2.1 Kaizen Administrativo17
2.2.2 Escritório Enxuto ou Lean Office20
CAPÍTULO 3 – METODOLOGIA2
3.1 Delineamento da pesquisa2
3.2 Procedimento metodológico23
3.3 Definição da População e Amostra23
3.4 Coleta dos dados24
CAPÍTULO 4 – APRESENTAÇÃO E ANALISE DOS DADOS26
4.1 Análise do método atual26
4.1.2 Problemática28
4.2 Método proposto30
4.4 Ganhos do projeto43
CAPÍTULO 5 – CONSIDERAÇÕES FINAIS4

CAPÍTULO 1 – INTRODUÇÃO

quando surgiram novas fábricas caracterizando a denominada produção enxuta

A função produção, entendida como o conjunto de atividades que levam à transformação de um bem tangível em outro com maior utilidade, acompanha o homem desde sua origem. Quando polia a pedra a fim de transformá-la em utensílio mais eficaz, o homem pré- histórico estava executando uma atividade de produção. A produção em massa aumentou de maneira fantástica a produtividade e a qualidade, e foram obtidos produtos bem mais uniformes, em razão da padronização e da aplicação de técnicas de controle estatísticos da qualidade. O conceito de produção em massa e as técnicas produtivas dele decorrentes predominaram nas fábricas até meados da década de 1960,

Falar sobre o sistema Lean Manufacturing é um desafio muito grande, pois se trata de um sistema oriental com um nome ocidental, mas conhecido como Sistema Toyota de Produção, onde suas filosofias foram agregadas a indústria automobilística que atingiu o seu ponto culminante após a segunda guerra mundial.

A partir da necessidade da redução de custos com poucos recursos disponíveis as empresas japonesas incorporaram a sua cultura na fabricação de produtos, introduzindo assim a filosofia Kaizen na obtenção da diminuição dos desperdícios. Numa tradução podemos chamá-la de melhoria contínua, que para os japoneses não esta associada apenas ao trabalho, mas também a sua vida particular.

Com a evolução da indústria dentro da filosofia Kaizen, a melhoria chegou ao setor administrativo das empresas, apesar de estamos num mundo onde a informação está disponível em diversos meios, ainda temos grandes dificuldades de comunicação em nossas atividades profissionais e o simples estudo de um fluxo de informações entre setores de uma mesma empresa pode apresentar grandes ganhos de tempo e eliminação de desperdícios.

Neste trabalho apresenta-se um estudo de caso em que vivenciei no mercado de trabalho, relacionados a orçamentos técnicos, onde mostrarei os resultados obtidos pela equipe envolvida neste trabalho.

1.1 Justificativa

O consumidor constitui a base de referência de todos os esforços nas empresas modernas. Atendê-las da melhor forma possível deve ser o objetivo de toda a empresa. Torna – se necessário que os produtos e ou serviços estejam à disposição para serem consumidos, devendo estar próximo ao consumidor. As empresas necessitam cada vez mais de esquemas de distribuição rápidos e eficazes, com vários depósitos de produtos acabados junto aos mercados, ou esquema de entregas extremamente ágeis, pois o prazo de entrega é fator essencial na decisão de comprar. A logística empresarial, parte integrante da administração das operações, constitui um conjunto de técnicas de gestão da distribuição e transporte dos produtos finais, do transporte e manuseio interno às instalações e do transporte das matérias – primas necessárias ao processo produtivo.

O interesse em estudar o sistema enxuto de produção (Lean Manufacturing) foi um fator decisivo para escolha deste tema, juntamente com a oportunidade de participar de trabalhos de melhoria continua utilizando o Kaizen obteve-se então a possibilidade de aprender em campo as praticas utilizada atualmente na indústria, bem como, adquirir conhecimento sobre os princípios destas metodologias.

A metodologia Kaizen possui conceitos sólidos que mostram que se uma equipe esta dedicada a resolução de problemas podemos atingir resultados concretos, tanto quanto qualitativos, quanto quantitativo, num curto espaço de tempo com poucos recursos, aumentando a eficiência e conseqüentemente à lucratividade. O termo Kaizen é formado a partir de KAI, que significa modificar, ZEN que significa para melhor. O Kaizen foi introduzido na administração partir de 1986 por Masaaki Imai e tem sido associado à idéia de melhoria continua, não só no trabalho como também no lar e na vida social.A exemplo de outras idéias lançadas pelos japoneses , como o Just – in – time, os conceitos iniciais do Kaizen se expandiram para uma filosofia organizacional e comportamental.É, pois uma cultura voltada à melhoria contínua com foco na eliminação de perdas em todos os sistemas de uma organização e implica na aplicação de dois elementos , ou seja , na melhoria , entendida como uma mudança para melhor e na continuidade , entendida como ações permanentes de mudança.

1.2 Objetivo geral

estabelecendo a melhoria contínua

Aplicar o conceito da filosofia Kaizen para aumentar o fluxo das informações e qualidade dos orçamentos técnicos realizados pela Ind. De Artefatos de Borracha Wolf

Estabelecer a melhoria continua dos serviços prestados aos clientes internos e externos estabelecendo objetivos específicos, criando métodos de trabalho aos usuários, gestão visual e criação de indicadores.

13 1.2.1 Objetivos específicos

Analisar o fluxo atual de orçamentos identificando entradas e saídas de cada etapa envolvida no processo.

Conhecer qual o tempo médio para cada orçamento e se o mesmo possui diferenças entre si, analisando o seguimento do cliente, complexidade técnica e necessidade de mercado.

Analisar Aplicar a filosofia Kaizen com o objetivo de reduzir o prazo de entrega de orçamentos.

Apontar quais os orçamentos que geram gargalos. Apresentar as melhorias oriundas da implantação no fluxo do processo administrativo.

14 CAPÍTULO 2 – FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

O conceito básico para o Lean poderia ser “produzir mais e mais com cada vez menos (menos esforços humanos, menores tempos, utilização de menos recursos etc.)”. (Womack e Jones, 1998).

Para começar a falar em Lean Manufacturing, temos que possuir conhecimento sobre suas origens históricas assim como os seus princípios básicos, sendo de suma importância conhecer o Sistema Toyota de Produção.

automobilística

Por tanto não podemos deixar de falar em Shigeo Shingo e Taiicho Ohno, dois gênios da engenharia da produção, aplicando suas filosofias primeiramente na indústria

Os métodos e técnicas do Sistema Toyota de Produção são diversas, tais como,

Just-In-Time, Sistema de Produção Enxuta, Kamban, Sistema Ohno, Célula de Produção, TPM, 5S, Poka Yoke, SMED, Kaizen, SPIN, MAN e a Construção Enxuta constituem esse modelo.

O Sistema Toyota de Produção vem demonstrando historicamente se constituir em uma potente estratégia dentro da competição inter-capilalista. Seu objetivo central consiste em capacitar as organizações para responder com rapidez às constantes flutuações da demanda do mercado através do alcance efetivo das principais dimensões da competitividade, flexibilidade, custo, qualidade, atendimento e inovação. (SHINGO, 1996).

Podemos dizer que o Lean Manufacturing inicia-se após a segunda guerra mundial surgindo dentro da Toyota Motor Co em 1937. Os primeiros conceitos do sistema surgiram quando Sakichi Toyota inicia o projeto sobre teares automatizados no inicio do século através da Toyota Automatic Loom Works, que teve sua falência durante a guerra.

Sistema Toyota de Produção

Com a criação destes teares automatizados que substituíram operações manuais mas que possuíam algumas deficiências, tal como exemplo, quando os fios se partiam nasceu à necessidade de aperfeiçoar a automação que surge como um dos pilares do

Com o nascimento da Toyota Automatic Loom Works iniciou-se pesquisas com motores de pequeno porte, movidos a gasolina. No pós-guerra a economia japonesa estava destruída, assim a Toyota adota-o e desta forma, como estratégia de sobrevivência no mercado a busca pela redução dos desperdícios, assim foram definidos os sete grandes desperdícios, onde ações de melhorias da empresa foram concentradas em sua eliminação e redução. Este conceito de trabalho tornou-se a base do Sistema Toyota de Produção onde ficou conhecido no ocidente como Lean Manufacturing.

Tudo o que se faz é olhar o tempo de ciclo do momento que o cliente faz o pedido até a entrega do produto acabado. E estamos reduzindo este tempo através da eliminação de desperdícios (“MUDA”) que não agregam valores. TAIICHI OHNO (1988).

A simples tradução da palavra Muda é desperdício, mas as suas origens dentro do Sistema Lean podem ser classificadas em três processos. Na manufatura quando não há lugar definido e determinado para alocar os materiais, quando o processo vem produzindo defeitos, então se opta por produzir a mais para compensar a quantidade de peças defeituosas.

O desperdício também é encontrado no transporte, como por exemplo, no deslocamento de matérias em longas distancias quando o layout produtivo não é eficiente. Outro processo que gera perdas é a inspeção excessiva do produto quando temos um aumento na reclamação dos clientes internos e externos fazendo com que aumente o numero de inspetores no gemba (linha de produção). Atualmente atuamos na eliminação de diversas causas dos desperdícios, como descrito a seguir.

Super produção de itens para os quais não existe demanda, o que gera diversas perdas de pessoal, estoque e transporte. Exemplo: Compra de itens antes da necessidade de processar ordens de fabricação antes da necessidade da célula.

Inventário ou estoques, sua perda caracteriza pelo excesso de matéria-prima de estoque em processo ou de produtos acabados gerando tempos de fabricação mais extensos. Exemplo: Produção em lotes, ordens e peças empilhadas no local de trabalho.

Espera (Tempo sem trabalho), funcionários que ficam vigiando máquinas automáticas, ou aguardando o próximo passo no processamento, suprimentos, ferramentas, peças, informações entre outros. Exemplo: Aprovações, atrasos de materiais.

Transporte desnecessário, movimentação de estoques em processo em longas distancia movimentação de peças entre processos e buscas de ferramentais durante as trocas de ferramentas.

Movimentação desnecessária, qualquer movimento desnecessário que um funcionário tem que executar durante o trabalho, tais como, procurar, pegar, empilhar peças, ferramentas. Exemplo: Procurar por informações em diversos locais, buscar ferramentas em armários para executar a operação.

Processamento incorreto, ou seja, passos desnecessários para processar uma peça ou tarefa, processamentos ineficientes devido a ferramentas ou projetos de baixa qualidade. Exemplos: Eliminar rebarbas de peças estampadas.

Produção de produtos defeituosos ou correção. Exemplo: Retrabalho de peças, inspeções de qualidade.

Não aproveitar a criatividade dos funcionários significa uma perda de tempo, idéias, habilidade, melhorias e oportunidades de aprendizagem por não ouvir seus funcionários.

2.2 Kaizen

Traduzindo para o japonês, podemos dizer mudança para melhor, podendo também significar melhoria contínua, gradual em todos os aspectos da vida pessoal, familiar, social e no trabalho.

Este conceito de trabalho surgiu nos anos 50 no Japão, onde o estudo da administração clássica de Taylor e as críticas delas decorrentes para renovar a indústria criaram a filosofia Kaizen, buscando o aprimoramento das operações continuamente.

Pode-se dizer que esta prática é uma filosofia de vida oriental, ou seja, uma cultura que tem o objetivo de mudar não somente a empresa, mas o homem que nela trabalha. Em busca de resultados melhores as empresas utilizam muitas ferramentas para se organizarem, atuando de forma ampla para identificar e eliminar desperdícios, seja em processos produtivos ou em projetos, novos produtos, manutenção de máquinas ou ainda em processos administrativos.

Um dos conceitos básicos do Kaizen é simplesmente citado por TAIICHI OHNO (1988) “Vá e Veja” “Dados certamente são importantes, mas eu ponho grande ênfase nos fatos.”

Com base neste pensamento é correto afirmar que o primeiro passo, para redução e eliminação de desperdícios é a ação imediata diante de um problema vivenciando o mesmo.

(Parte 1 de 4)

Comentários