Morcegos do Brasil (Reis et al.) 2007

Morcegos do Brasil (Reis et al.) 2007

(Parte 1 de 9)

Morcegos do Brasil

Nelio R. dos Reis

Adriano L. Peracchi

Wagner A. Pedro Isaac P. de Lima (Editores)

Nelio Roberto dos Reis

Doutor em Ciências pelo INPA - 1981.

Titular da área de ecologia da Universidade Estadual de Londrina. Área - Ecologia de Mamíferos.

Adriano Lúcio Peracchi

Doutor em Ciências pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro 1976.

Livre Docente da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro 1976. Área - Zoologia de Mamíferos.

Wagner André Pedro

Doutor em Ecologia e Recursos Naturais pela Universidade Federal de São Carlos 1998.

Livre Docente em Ciências do Ambiente da Unesp – Araçatuba. Área - Diversidade e História Natural de Vertebrados.

Isaac Passos de Lima

Mestre em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual de Londrina 2003.

Doutorando em Zoologia Animal pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Área - Zoologia e Ecologia de Mamíferos.

Nelio R. dos Reis

Adriano L. Peracchi Wagner A. Pedro Isaac P. de Lima (Editores)

Morcegos do Brasil

Londrina 2007

M833Morcegos do Brasil / Nelio Roberto dos Reis ...[et al.]. - Londrina: Nelio

R. dos Reis, 2007. 253p. :il.

Vários Colaboradores. Inclui bibliografia e índice.

ISBN 978-85-906395-1-0

1. Morcego - Classificação. 2. Mamífero - Classificação. 3. Taxonomia animal - Brasil. 4. Zoologia - Brasil. I. Reis, Nelio Roberto.

CDU 599.4

Dados internacionais de Catalogação-na-Publicação (CIP)

Depósito legal na Biblioteca Nacional Impresso no Brasil/ printed in Brazil

Capa e Ilustrações: Oscar Akio Shibatta Design gráfico e Diagramação: Isaac Passos de Lima

Catalogação na publicação elaborada pela Divisão de Processos Técnicos da Biblioteca Central da Universidade Estadual de Londrina.

Apresentação

Com a intenção de se atualizar os dados taxonômicos e informações sobre os quirópteros

Em decorrência de sua visão adaptada apenas à luz do dia, os humanos primitivos desenvolveram um temor e um respeito atávicos pelas trevas noturnas, extensivos aos seres que são ativos nelas. Assim, se desenvolveram mitos e fantasias sobre a coruja, o sapo, as grandes mariposas (também conhecidas como bruxas) e o morcego, entre outros tipos de animais. Tais fantasias atravessaram os tempos e, na Europa, por exemplo, deram origem a lendas sobre seres meio humanos meio demônios como as bruxas, o lobisomem e o vampiro. Tratados no singular, como se fossem espécies únicas, esses animais passaram a ser temidos porque, além de serem “feios”, seriam “nocivos”: a coruja por seu mau agouro, o sapo por ter verrugas e espirrar leite venenoso nos olhos das pessoas, as mariposas por seu pó capaz de cegar e os morcegos por serem todos capazes de sugar o sangue dos humanos. Já no século XVII, o naturalista Guilherme Piso, tratando da flora e fauna brasileiras, relatava que a mordida do “andirá” (morcego) era da mesma natureza que a peçonha do cão raivoso. Felizmente, por seus hábitos crípticos e por serem ativos em período do dia diferente daquele da maioria dos humanos, esses animais, que não são formas únicas (só de morcegos voam no Brasil ao menos 167 espécies distintas), estão relativamente protegidos de sua extinção. Os quirópteros, se por um lado algumas entre suas espécies frutívoras são capazes de provocar danos em pomares e as hematófagas de disseminar o vírus da raiva, por outro, e a balança pende significativamente a seu favor, são importantíssimos no controle dos insetos, que as formas insetívoras consomem às toneladas em cada noite, na polinização de inúmeras espécies de plantas florestais, que desapareceriam sem o concurso das formas nectarívoras, e na disseminação de sementes pelas frutívoras, tanto pelo abandono das sementes maiores após devorarem a polpa, como pela eliminação das menores junto com as suas fezes. Só o papel de conservadores das nossas florestas justificaria o empenho que muitos pesquisadores atualmente demonstram no sentido de melhor conhecê-los, tanto no aspecto taxonômico, como em sua distribuição, ecologia e hábitos reprodutivos. brasileiros, para atender aos diversos pesquisadores sobre morcegos, tanto os mais antigos como aqueles que estão se iniciando, Nélio Roberto dos Reis, Adriano Lucio Peracchi, Wagner André Pedro e Isaac Passos de Lima reuniram-se para editar este livro, contando com a colaboração de mais outros 18 autores, todos especialistas no assunto e igualmente pesquisadores em instituições de ensino superior e de pesquisa brasileiras. Trata-se, portanto, de obra indispensável para todos aqueles que desejarem se atualizar ou aumentar seus conhecimentos sobre esse interessante grupo de animais tão importantes para a preservação do meio ambiente.

Eugenio Izecksohn Professor Emérito da UFRRJ

Dedicatória

Este livro é oferecido aos professores

Valdir Antônio Taddei (In memoriam) e

Adriano Lúcio Peracchi pelas grandes contribuições para o conhecimento da

Ordem Chiroptera no Brasil, pela manutenção de respeitadas Coleções Zoológicas e pela formação de um grande número de profissionais nesta área.

A eles o nosso mais profundo respeito.

Nelio Roberto dos Reis Wagner André Pedro Isaac Passos de Lima

“Só podemos preservar o que amamos, só podemos amar o que entendemos, só podemos entender o que nos foi ensinado.” (Autor desconhecido)

Agradecimentos Aos revisores

Carlos Eduardo de Alvarenga Julio (Dr.) Biólogo, Professor Adjunto - Zoologia/Invertebrados - Departamento de Biologia Animal e Vegetal - Universidade Estadual de Londrina (UEL).

Cibele Rodrigues Bonvicino (Dra.) Bióloga, Instituto Nacional do Câncer, Coordenadoria de Pesquisa, Divisão de genética (INCA).

Edson Aparecido Proni (Dr.) Biólogo, Professor associado do Departamento de Biologia Animal e Vegetal da Universidade Estadual de Londrina (UEL).

Enrico Bernard (Ph.D.) Biólogo, York University, Toronto, Canadá/Gerente de Projetos para a Amazônia - Conservação Internacional.

Erica Marisa Sampaio-Czubayko (Ph.D.) Bióloga, Pesquisadora Associada doNational Museum of Natural History - Mammals Division/Estados Unidos e Department of Experimental Ecology - University of Ulm/Alemanha.

Fabiana Rocha Mendes (M.Sc.) Bióloga, Doutoranda em Ciências Biológicas, Zoologia - Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (UNESP - Rio Claro - SP).

João Alves de Oliveira (Ph.D.) Biólogo, Professor adjunto do Departamento de Vertebrados, Museu Nacional – Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Marcelo Passamani (Dr.) Biólogo, Prof. Setor de Ecologia, Departamento de Biologia da Universidade Federal de Lavras (UFLA).

(Parte 1 de 9)

Comentários