APOSTILA DE ANATOMI E FISIOLOGIA HUMANA

APOSTILA DE ANATOMI E FISIOLOGIA HUMANA

(Parte 1 de 8)

Manual do Atendimento Pré-Hospitalar – SIATE /CBPR

CAPÍTULO 2 ANATOMIA E FISIOLOGIA

1. Introdução 1.1. Planos Anatômicos

Para efeitos de estudo utilizam-se vários planos de divisão do corpo, os chamados planos anatômicos:

1.1.1. Plano Sagital Mediano

É um plano imaginário que passa longitudinalmente através do corpo e o divide em metades direita e esquerda; o plano sagital mediano atravessa as superfícies ventral e dorsal do corpo nas chamadas linha mediana ou média anterior e linha mediana ou média posterior respectivamente.

1.1.2. Plano Frontal ou Coronal

É todo plano que intercepta o plano sagital mediano em ângulo reto e divide o corpo em metades anterior e posterior.

1.1.3. Plano Transversal ou Horizontal Todo plano que divide o corpo em metades superior e inferior.

Vários termos são utilizados para se descrever as posições dos elementos anatômicos e também a posição de lesões. O termo medial significa mais próximo a linha mediana e lateral mais afastado dele. Como exemplos: na mão o polegar é lateral ao dedo mínimo enquanto que no pé, o hálux (dedo grande), é medial ao dedo mínimo; na perna a face correspondente à tíbia é a face medial e a correspondente à fíbula a face lateral; um ferimento do tórax medial ao mamilo está localizado entre o mamilo e a linha média anterior e um ferimento lateral ao mamilo está localizado entre o mamilo e a linha axilar.

O termo proximal significa mais próximo da raiz do membro ou origem do órgão e distal mais afastado.

Assim, no membro superior, o cotovelo é proximal ao punho e distal ao ombro; a articulação interfalangeana proximal é a mais próxima da base do dedo e a interfalangeana

- 5 -

Fig 2.1 – Planos anatômicos

Anatomia e Fisiologia distal a mais próxima da ponta do dedo; se existem dois ferimentos em um membro, por exemplo na coxa, o mais próximo ao quadril (ou seja, a raiz do membro) é o ferimento proximal e o mais distante o ferimento distal. Superior significa mais próximo da extremidade superior e inferior mais próximo da extremidade inferior. Assim, temos o lábio superior e o inferior; a pálpebra superior e a inferior; se existem dois ferimentos em determinada parte do corpo, na parede torácica, por exemplo, um ferimento no terceiro espaço intercostal é superior a um ferimento no quinto espaço intercostal.

2. Divisão do Corpo Humano O corpo humano divide-se em cabeça, tronco e membros. 2.1. Cabeça

A cabeça é dividida em duas partes: crânio e face. Uma linha imaginária passando pelo topo das orelhas e dos olhos é o limite aproximada entre estas duas regiões. O crânio contém o encéfalo no seu interior, na chamada cavidade craniana. As lesões crânioencefálicas são as causas mais freqüentes de óbito nas vitimas de trauma. A face é a sede dos órgãos dos sentidos da visão, audição, olfato e paladar. Abriga as aberturas externas do aparelho respiratório e digestivo. As lesões da face podem ameaçar a vida devido ao sangramento e obstrução das vias aéreas.

2.2. Tronco O tronco é dividido em pescoço, tórax, abdome e pelve. 2.2.1. Pescoço

Contém varias estruturas importantes. É suportado pela coluna cervical que abriga no seu interior a porção cervical da medula espinhal. As porções superiores do trato respiratório e digestivo passam pelo pescoço em direção ao tórax e abdome. Contém também vasos sangüíneos calibrosos responsáveis pela irrigação da cabeça. As lesões do pescoço de maior gravidade são as fraturas da coluna cervical com ou sem lesão medular, as lesões do trato respiratório e as lesões de grandes vasos com hemorragia severa.

Contém no seu interior, na chamada cavidade torácica, a parte inferior do trato respiratório (vias aéreas inferiores), os pulmões, o esôfago, o coração e os grandes vasos sangüíneos que chegam ou saem do coração. É sustentado por uma estrutura óssea da qual fazem parte a coluna vertebral torácica, as costelas, o esterno, as clavículas e a escápula. As lesões do tórax são a segunda causa mais freqüente de morte nas vítimas de trauma.

- 6 -

Manual do Atendimento Pré-Hospitalar – SIATE /CBPR

Está separado internamente do tórax pelo músculo diafragma e contém basicamente órgãos do aparelho digestivo e urinário, portanto da digestão e excreção. Possui, no seu interior, grandes vasos que irrigam as vísceras abdominais e os membros inferiores. E sustentado pela coluna vertebral posteriormente e por uma resistente camada músculoaponeurótica anterior e lateral. As lesões do abdome podem levar à graves hemorragias devido a lesões de grandes vasos ou de vísceras bastante vascularizadas como o fígado, baço e rins e a infecções pelo vazamento do conteúdo contaminado das vísceras ocas para o interior cavidade abdominal.

Liga o abdome aos membros inferiores e contém, na chamada cavidade pélvica, a porção distal do tubo digestivo e do aparelho urinário e o aparelho reprodutor masculino e feminino. As fraturas da pelve óssea são freqüentes e muitas vezes graves devido à intensa hemorragia interna ou externa resultante.

O corpo humano possui um par de membros superiores e um de membros inferiores. As lesões de membros estão entre as mais freqüentes e possuem risco de vida se envolverem vasos sangüíneos calibrosos.

Com fins didáticos abordaremos a anatomia e fisiologia na mesma seqüência utilizada na avaliação e manejo inicial das vítimas de trauma, ou seja: vias aéreas, aparelho respiratório, aparelho circulatório, sistema nervoso e exposição (restante da anatomia e fisiologia relevantes). Como a anatomia e a fisiologia são intimamente relacionadas falaremos algumas vezes sem separá-las.

O organismo humano consiste em um complexo conjunto de órgãos agrupados em aparelhos ou sistemas. Os órgãos são formados por pequenas unidades vivas chamadas células.

Todas as células do organismo humano necessitam de um suprimento de oxigênio e outros nutrientes para obter energia, para manter sua integridade estrutural e para sintetizar as substâncias essenciais à sua função e à do organismo. A produção de energia, a regulação da atividade celular e a síntese de substâncias são realizadas através de reações químicas; o conjunto destas reações químicas que ocorrem no organismo é chamado de metabolismo. As reações químicas intracelulares produzem substâncias (resíduos ou catabólicos), entre as quais o dióxido de carbono, que necessitam ser eliminados porque o seu acúmulo leva a disfunção celular e finalmente à morte celular. Tanto o suprimento de oxigênio e nutrientes quanto a retirada dos resíduos é feita pelo sangue. O sangue se abastece de oxigênio e se desfaz do dióxido de carbono nos pulmões e se abastece de nutrientes através da absorção de alimentos digeridos no tubo digestivo. Certas células são mais dependentes de um suprimento contínuo de oxigênio do que outras: as fibras musculares cardíacas toleram apenas alguns segundos sem oxigênio, enquanto os

- 7 -

Anatomia e Fisiologia neurônios cerebrais podem suportar de 4 à 6 minutos. Algumas outras células podem passar períodos maiores sem oxigênio e ainda assim sobreviverem como as células musculares e da pele, por exemplo. A falta de oxigênio por um tempo acima do tolerável leva à morte celular que, por conseguinte leva à morte de órgãos e finalmente à morte do organismo.

3. Sistema Respiratório 3.1. Vias Aéreas

O caminho que o oxigênio faz do meio ambiente até a célula é longo e se inicia pelas vias aéreas. As vias aéreas se dividem em superiores e inferiores.

3.1.1. Vias Aéreas Superiores

São compostas pela cavidade nasal, cavidade oral e faringe. O ar passa inicialmente através das cavidades nasais onde é filtrado, aquecido e umedecido. A faringe se localiza posteriormente às cavidades nasal e oral e se divide em uma proporção superior ou nasofaringe, uma porção média ou orofaringe e uma porção inferior ou hipofaringe. A cavidade oral, a orofaringe e a hipofaringe são passagens comuns ao aparelho digestivo e respiratório. Nos indivíduos inconscientes a base da língua pode se projetar posteriormente e obstruir a orofaringe e consequentemente dificultar ou bloquear passagem de ar. Na porção distal da hipofaringe o trato respiratório e o digestivo se separam. Posteriormente, se encontra a abertura superior do esôfago e anteriormente a laringe, que é a primeira parte das vias aéreas inferiores. Os alimentos sólidos e líquidos que chegam a faringe passam ao esôfago e os gases à laringe. Guardando a abertura superior da laringe existe uma membrana com mecanismo valvular chamada epiglote. Durante a deglutição a epiglote se abaixa fechando a laringe e direcionando os

- 8 -

Fig 2.2 – Divisão das vias aéreas Fig 2.3 – Vias aéreas

Manual do Atendimento Pré-Hospitalar – SIATE /CBPR alimentos para o esôfago. Durante a inspiração e a expiração ela se eleva abrindo a laringe para a passagem de gases.

3.1.2. Vias aéreas inferiores

São formadas pela laringe, traquéia, brônquios e brônquios. A laringe é uma estrutura complexa formada por ossos e cartilagens e contém as duas cordas vocais e os músculos responsáveis pelo seu funcionamento. A laringe não tolera a presença de qualquer corpo estranho sólido ou líquido e responde com acesso de tosse ou espasmo das cordas vocais. O edema de glote nas reações (anafiláticas), ocorre neste nível das vias aéreas. O “Pomo de Adão” ou proeminência laríngea corresponde à cartilagem tireóide que forma a parte anterior da laringe. Abaixo da cartilagem tireóide localiza-se um anel cartilaginoso chamado de cartilagem cricóide. A compressão da cartilagem cricóide posteriormente con-

tra a coluna vertebral é realizada ocasionalmente para se facilitar a visualização da laringe e obstruir o esôfago auxiliando assim a entubação orotraqueal. Entre a cartilagem tireóide e a cartilagem cricóide se localiza a membrana cricotireoidea, através da qual se fazem as cricotireoidostomias. Abaixo da cartilagem cricóide se inicia a traquéia, composta por uma série de anéis cartilaginosos que é facilmente palpável na linha média do pescoço. A traquéia se divide em dois tubos dentro do tórax: o brônquio principal direito e o brônquio principal esquerdo, que se dirigem ao pulmão direito e esquerdo respectivamente. Estes brônquios por sua vez vão se subdividindo em ramificações cada vez menos calibrosas até formarem os bronquíolos, que são a última parte das vias aéreas antes dos alvéolos. A aspiração de sangue e vômito normalmente causa obstrução ao nível dos brônquios menos calibrosos ou dos bronquíolos.

O aparelho respiratório é composto pelas vias aéreas, que já foram detalhadas acima, e pelos pulmões. O ser humano possui dois pulmões: um direito e um esquerdo, loca-

- 9 -

Fig 2.4 – Vias aéreas inferiores e pulmões

Anatomia e Fisiologia lizados dentro do tórax. O tórax é um cilindro oco formado por doze pares de costelas que se articulam posteriormente com a coluna vertebral e anteriormente com o esterno. Os pulmões ocupam as porções laterais da cavidade torácica. A porção central do tórax é chamada de mediastino e contém a traquéia, os brônquios principais, o esôfago torácico, o coração e os grandes vasos torácicos. Todas estas estruturas podem ser lesadas nos traumatismos torácicos.

Os pulmões são órgãos macios, esponjosos e elásticos e contem milhões de microscópicos sacos de ar em formato de cacho de uva chamados alvéolos pulmonares. Estão suspensos dentro da cavidade torácica apenas por alguns ligamentos e pelos hilos que contém seus vasos e brônquios e os ligam às estruturas do mediastino. Os pulmões não possuem capacidade intrínseca para expansão ou contração porque não possuem músculos, portanto necessitam de outro mecanismo que os façam acompanhar o movimento da caixa torácica e do diafragma para se expandirem e se contraírem; isto é possível graças a uma delgada membrana chamada de pleura que também reveste a face interna da cavidade torácica. A pleura que reveste os pulmões é chamada de pleura visceral e a que reveste a cavidade torácica é chamada de pleura parietal. Entre a pleura parietal e a pleura visceral existe um espaço potencial chamado de espaço pleural. Este espaço é potencial porque as duas superfícies da pleura estão praticamente em contato uma com a outra, separadas apenas por uma delgada camada de líquido. De fato as duas superfícies da pleura são mantidas unidas por esta camada de líquido, de modo análogo ao que duas lâminas de vidro podem ser unidas por uma gota de água. Quando o tórax se expande os pulmões se expandem por causa da força exercida através das superfícies pleurais intimamente acopladas. No caso das duas superfícies pleurais serem separadas pela presença de sangue (hemotórax) ou de ar (pneumotórax), provindo de um ferimento na parede torácica ou do parênquima pulmonar, este mecanismo se perde e os pulmões podem

Fig 2.5 – Estruturas importantes do tórax

Manual do Atendimento Pré-Hospitalar – SIATE /CBPR colabar parcialmente ou mesmo comprometer-se caso a quantidade de sangue ou de ar for suficientemente grande. O espaço pleural pode acomodar potencialmente até três litros de sangue em um adulto. Os pulmões podem então perder parcialmente ou totalmente sua função. A drenagem do tórax com drenos introduzidos através da parede torácica tem o objetivo de esvaziar o ar ou sangue que se acumularam no espaço pleural permitindo assim a reexpansão pulmonar.

3.3. Fisiologia

A respiração é o processo biológico através do qual ocorre a troca de oxigênio e gás carbônico entre a atmosfera e as células do organismo. Possui dois componentes: a ventilação e a perfusão. A ventilação é o processo mecânico através do qual o ar rico em oxigênio entra pelas vias aéreas até os pulmões e o ar rico em dióxido de carbono segue o caminho inverso. A perfusão consiste na passagem do sangue pelos capilares alveolares pulmonares para captar o oxigênio do ar alveolar e liberar o dióxido de carbono para ser excretado.

3.3.1. Ventilação Pulmonar

(Parte 1 de 8)

Comentários