AULA 03 - tipos de revestimento

AULA 03 - tipos de revestimento

(Parte 1 de 5)

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA – IFPB DIRETORIA DO CAMPUS JOÃO PESSOA DETALHAMENTO DE PROJETOS PROFESSORA: ANGELA NUNES e-mail: angelanunes2@hotmail.com

aula 03 materiais de revestimentos para piso e parede revestimento cerâmico

Pensar que as incontáveis cerâmicas expostas em lojas e show rooms diferenciamse apenas pela aparência é um erro. Variações na matéria-prima geram resultados distintos na massa e no esmalte. Diferenças como a maior ou menor resistência à absorção de água, à abrasão, a substâncias químicas ou a manchas determinam a qualidade do revestimento e seu uso no projeto. Por sua praticidade, já que é fácil de limpar, não inflamável e antialérgico - não acumula pó nem favorece a cultura de ácaros e fungos, o revestimento cerâmico adapta-se muito bem ao clima de todo o Brasil. Mas para que suas características resistam ao tempo e ao uso é fundamental que sejam seguidas as recomendações de aplicação e utilização, selecionando o material adequado para cada ambiente e a correta disposição das peças.

A denominação dos tipos de cerâmica está ligada à capacidade de absorção de água pelo material. Devido aos diferentes procedimentos de fabricação e aos diversos tipos de materiais aplicados nestes processos, o revestimento passa a reagir de maneira diferente à absorção de água pela impermeabilização das superfícies das peças.

Conhecida como PEI, essa é uma das medidas mais populares e que muitos acreditam determinar a qualidade da cerâmica. É um equívoco, já que este índice aponta a resistência a riscos e ao desgaste das placas cerâmicas, de superfície esmaltada.

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA – IFPB DIRETORIA DO CAMPUS JOÃO PESSOA DETALHAMENTO DE PROJETOS PROFESSORA: ANGELA NUNES e-mail: angelanunes2@hotmail.com

PEI Resistência Indicação 0 Baixíssima Paredes em geral 1 Baixa Banheiros (parede e piso) 2 Média Banheiro, quarto, sala, hall (piso e parede) 3 Média alta Cozinha, banheiro, quarto, sala, corredor e terraço (piso e parede) 4 Alta Todos os pisos (internos e externos) 5 Altíssima Todos os pisos (internos e externos)

Assim como a massa, a superfície esmaltada das cerâmicas tem níveis variados de tolerância a esses produtos. Algumas agüentam apenas produtos de limpeza domésticos. As que revestem piscinas, por sua vez, precisam suportar a ação do cloro. Em qualquer ambiente de uma a casa, no entanto, um índice médio pode ser suficiente.

Sigla Resistência a produtos químicos domésticos e próprios para piscinas GA Elevada GB Média GC Baixa

Essa medida indica se a peça suportará a existência de cargas. Variável conforme o material e a espessura da placa, este índice é dado em Newtons por mm². Também é comum falar em carga de ruptura, que significa o peso suportado por uma placa com espessura maior ou igual a 7,5 m. No revestimento do piso de locais de tráfego intenso, como garagens ou calçadas, por exemplo, é recomendável um tipo que tenha índice maior ou igual a 800 N.

Tipo de cerâmica Resistência mecânica Carga de ruptura para pisos Porcelanato Maior ou igual a 35 N/mm² Maior ou igual a 1300 N Grés Maior ou igual a 30 N/mm² Maior ou igual a 10 N Semigrés Maior ou igual a 2 N/mm² Maior ou igual a 1000 N Semiporoso Maior ou igual a 18 N/mm² Maior ou igual a 800 N Poroso Maior ou igual a 15 N/mm² Maior ou igual a 600 N

Classifica os pisos quanto ao escorregamento. Em locais de trânsito intenso, especialmente escadas, corredores e bordas de piscina, é importante que esse coeficiente seja bem alto. Às vezes, mesmo usando o revestimento adequado, o escorregão pode ser provocado pelo solado do sapato ou algum produto derramado no piso. Portanto, quanto mais rugosa a cerâmica, menos deslizante ela é. Como regra geral, os pisos devem ter um coeficiente maior ou igual a 0,4.

Classe Coeficiente de atrito úmido Indicação I Maior que 40 / menor que 75 Antiderrapante: áreas externas planas I Maior que 75 Antiderrapante: áreas externas com aclive ou declive

Embora a maioria seja quadrada ou retangular, também podem ser encontrados modelos hexagonais, octogonais e na forma de losangos. Quanto aos tamanhos, variam bastante - desde pastilhas com cerca de 9 cm² (3 x 3 cm) até peças maiores que 2 m². As peças maiores proporcionam um visual mais harmonioso, onde os rejuntes entre elas são quase imperceptíveis. Estas ficam melhores em locais amplos dentro ou fora de casa, como salas, áreas de lazer, garagens ou quintais. Já as pequeninas se encaixam melhor em

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA – IFPB DIRETORIA DO CAMPUS JOÃO PESSOA DETALHAMENTO DE PROJETOS PROFESSORA: ANGELA NUNES e-mail: angelanunes2@hotmail.com

espaços reduzidos e recortados, como banheiros e terraços. Independentemente do formato ou tamanho da peça, no entanto, pode-se recortá-la para formar desenhos ou mosaicos em pisos e paredes. Porém, ao optar por esse recurso, pense que ele personaliza o ambiente, mas também encarece a obra.

PEÇAS DE ACABAMENTO 1. Peças base

Peças utilizadas na extensão ou área do ambiente. 2. tozetos

Pequenas peças quadradas que compõem diversos efeitos decorativos em pisos e paredes. São utilizadas juntas para compor desenhos com peças maiores e arremates.

3. Faixas

Peças retangulares longilíneas, também conhecidas por listelo, filete ou festone, podem ser bem finas, contínuas, lisas ou estampadas. Estas podem separar ambientes, emoldurar pisos ou enfeitar as paredes da cozinha ou do banheiro. Há também as estruturadas com relevo, mais indicadas para arrematar revestimentos de meias- paredes (os rodameios). As arredondadas são ideais para proteger degraus, bancadas e bordas de piscina. Para o arremate de beiradas, as faixas chamadas universais têm a forma de seta ou ondulações que permitem o encaixe perfeito das extremidades.

Conheceremos os tipos adequados de cerâmicas aos vários ambientes de uma casa, de acordo com o uso, o visual e a funcionalidade.

1. Pisos

Independente do ambiente, o revestimento do piso acaba sofrendo algum tipo de desgaste, mas em níveis diferentes. O piso de um corredor de passagem, por exemplo, deverá ser muito mais resistente do que o escolhido para o quarto. Uma exigência comum a todos os pisos, entretanto, é ser antiderrapante, com um coeficiente de atrito de no mínimo 0,4, segundo a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). É importante observar também a capacidade de absorção de água, que, por influenciar diretamente a resistência mecânica (capacidade de suportar cargas pesadas), não deve ultrapassar os 10%, mesmo em ambientes internos.

2. Paredes

Em geral, são as superfícies mais amenas da edificação que permitem inclusive o uso de peças delicadas, aquelas com baixíssima resistência à abrasão (PEI) e alta absorção de água (até 20%), no caso de ambientes internos. Nas paredes, as peças ficam livres de agressões comuns aos revestimentos assentados no piso. Em se tratando de paredes externas, porém, é recomendável peças com absorção de água de no máximo 10%. E, se a

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA – IFPB DIRETORIA DO CAMPUS JOÃO PESSOA DETALHAMENTO DE PROJETOS PROFESSORA: ANGELA NUNES e-mail: angelanunes2@hotmail.com

construção estiver numa região de temperaturas muito frias, é preferível que as cerâmicas tenham absorção de água inferior a 3%, ou seja, menos porosa.

3. Banheiro

Este ambiente pede funcionalidade e limpeza. Deve-se preferir, então, as cerâmicas antiderrapantes e fáceis de limpar. Como as pessoas passam pouco tempo nesse ambiente, ele dispensa pisos muito resistentes - basta que as áreas secas ou molhadas tenham PEI igual ou maior que 2. No boxe, é importante que também seja antiderrapante e tenha rejuntes impermeáveis, de preferência epóxi, que não acumula sujeira. No geral, o revestimento ideal para o piso tem o tamanho maior ou igual ao da parede para manter a proporção. Há duas maneiras de assentá-lo, tanto no piso quanto na parede: coincidindo as linhas da cerâmica na parede ou no sentido diagonal.

4. Cozinha

O piso desse ambiente precisa resistir ao impacto de objetos, como facas e panelas, e ser impermeável a manchas. o PEI deve ser maior ou igual a 3 e o índice de resistência a manchas ficar entre 4 e 5. No que diz respeito ao visual, deve-se dar preferência por pisos polidos ou esmaltados, nas cores branca e bege, pela reflexão da luz e pela limpeza do ambiente. O porcelanato, que não lasca e pede juntas estreitas (2 m), é um dos preferidos. Mas é suscetível a manchas de café e vinho nesse caso, aconselha-se a remoção imediata.

5. Sala

O revestimento da sala deve ser resistente e se harmonizar com a decoração. Neste ambiente os moradores costumam passar boa parte do tempo. O que leva a imaginar o entra-esai de pessoas e a quantidade de sujeira que os sapatos soltam pelo caminho. Portanto, nas salas de estar e de jantar, deve-se empregar um piso bem resistente, com PEI 3. Há inclusive a liberdade para utilizar formatos maiores como 40x60cm, 60x60cm ou mesmo 100x100cm para manter a proporção com o espaço. Os tapetes cerâmicos e as molduras são excelentes para separar visualmente esses ambientes.

6. Quarto

É um espaço pouco exigente no que se refere à resistência do piso. Assim, podem ser explorados acabamentos acetinados ou foscos, texturas diferentes e cores mais suaves e aconchegantes. Revestimentos de cor e tamanho homogêneos, com placas perto de 40 x 40 cm, são

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA – IFPB DIRETORIA DO CAMPUS JOÃO PESSOA DETALHAMENTO DE PROJETOS PROFESSORA: ANGELA NUNES e-mail: angelanunes2@hotmail.com

apropriados porque permitem uma ousadia maior na futura decoração.

7. Escada e corredor

Áreas de grande circulação de pessoas, como corredores e escadas, exigem pisos antiderrapantes e super-resistentes. Os preferidos são aqueles de superfície mais rugosa, com relevo ou sulcos decorativos. Assim, o revestimento dessas áreas de passagem deve ser antideslizante, com coeficiente de atrito igual ou maior que 4. A resistência também é importante por causa da alta circulação, com PEI sempre acima de 3.

8. Garagem, quintal, terraço e calçada

Para suportar o peso dos carros e ficar imune às freqüentes manchas de óleo e graxa, o revestimento das garagens precisa ter no mínimo 7,5 m de espessura e atingir o nível 5 em resistência. Já os pisos antiderrapantes, com alto coeficiente de atrito, absorção de água de até 6% e PEI 5, são os melhores para quintais, terraços e calçadas. Por serem as mais expostas a sujeira e manchas, a manutenção será mais fácil se você forem usados revestimentos de cores mais escuras ou com nuances de tons neutros.

9. Piscina

O revestimento em volta da piscina deve ser resistente, antiderrapante (coeficiente de atrito igual ou superior a 0,4) e não acumular a temperatura do sol por muito tempo. Em geral, as cerâmicas destinadas a esse uso têm absorção de água de até 20%. Já a parte interna da piscina pede placas resistentes a cloro, fáceis de limpar e que suportem pelo menos 400 N de carga (devido ao peso da água). As pastilhas cerâmicas, muito usadas, têm superfície brilhante e se assemelham aos azulejos. Fabricadas nos tamanhos 5 x 5 cm ou 10 x 10 cm, estão disponíveis em um gama enorme de cores, o que amplia a possibilidade de combinar tons e criar desenhos decorativos. As bordas merecem atenção especial, pois exigem peças arredondadas no acabamento do piso externo, para evitar acidentes. 1- Lajotas e cantos com bordas arredondadas e canaleta de escoamento.

2- Com 0,52 de coeficiente de atrito, as placas de cerâmica branca criam uma bonita trama no piso.

3- Apesar da superfície lisa, estas plaquetas e faixas cerâmicas têm um alto índice antiderrapante (0,6).

4- Revestimento com placas de cerâmica vermelha tem uma superfície lisa fácil de limpar.

RESUMO 1. Parede Externa

Resistência a manchas 4 ou 5 (manchas removidas com facilidade) Absorção de água de 0 a 10% (do porcelanato ao semiporoso) Resistência química Elevada (GA) ou média (GB) Resistência mecânica e carga de ruptura Não é necessária Resistência a abrasão Não é necessária Coeficiente de atrito Não é necessário

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA – IFPB DIRETORIA DO CAMPUS JOÃO PESSOA DETALHAMENTO DE PROJETOS PROFESSORA: ANGELA NUNES e-mail: angelanunes2@hotmail.com

2. Parede Interna

Resistência a manchas 4 ou 5 Absorção de água de 0 a 20% (do porcelanato ao poroso) Resistência química Elevada ou média Resistência mecânica e carga de ruptura Não é necessária Resistência a abrasão Não é necessária Coeficiente de atrito Não é necessário

3. Piso em geral

Resistência a manchas 4 ou 5 Absorção de água de 0 a 10% Resistência química Elevada ou média Resistência mecânica e carga de ruptura O índice menor (em ambientes de pouco tráfego) Resistência a abrasão 3 (cozinha), 1 (banheiro), 3 (sala), 2 (quarto), 4 (quintal e terraço), 5 (escada, corredor e rampa) Coeficiente de atrito Igual ao superior a 0,4 (quintal, banheiro, sala, escada, corredor, rampa e cozinha)

4. Piso de garagem e calçada

Resistência a manchas 4 ou 5 Absorção de água de 0 a 6% (do pocelanato ao semigrés) Resistência química Elevada ou média Resistência mecânica e carga de ruptura Superior a 800 N Resistência a abrasão Igual ao superior a 4 Coeficiente de atrito 0,4

5. Piscina

Resistência a manchas 4 ou 5 Absorção de água de 0 a 20%. Nas regiões frias, de 0 a 3% Resistência química Elevada ou média Resistência mecânica e carga de ruptura Superior a 400 N Resistência a abrasão Não é necessária Coeficiente de atrito 0,4 (áreas que circundam a piscina)

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA – IFPB DIRETORIA DO CAMPUS JOÃO PESSOA DETALHAMENTO DE PROJETOS PROFESSORA: ANGELA NUNES e-mail: angelanunes2@hotmail.com porcelanato

O porcelanato é um tipo de revestimento com matéria-prima e processo de fabricação que resulta em um produto de muito mais qualidade e durabilidade do que a cerâmica convencional. A massa, constituída de argila feldspato (elementos de sódio, potássio ou cálcio presente em rochas) e corantes, tem baixíssima absorção de água e sofre o processo de monoqueima, isto é, passa pelo forno apenas uma vez a uma temperatura que pode chegar a 1.250°C, fora ser submetida a altas pressões de compactação.

A diferença básica entre a cerâmica e o porcelanato é a absorção de água. Enquanto o produto tradicional apresenta absorção menor que 6%, os porcelanatos absorvem menos que 0,5%. Por isso, o porcelanato tem alta resistência mecânica à abrasão, ao gelo e à química. Ele pode ser assentado com juntas mínimas, o que promove um acabamento menos rebuscado e facilita a aplicação, além de ser muito fácil de limpar.

(Parte 1 de 5)

Comentários