Diagnóstico ambiental de uma área

Diagnóstico ambiental de uma área

SISTEMA DE ENSINO PRESENCIAL CONECTADO

TECNÓLOGO EM GESTÃO AMBIENTAL

ALINE DE FÁTIMA SILVA ANDRADE. EAD-00379171

BRUNA GRACIELLE MUNIZ MARQUES. EAD-00348334

BALTAZAR MACHADO DOURADO. EAD-00396697

JUCÉLIO DUARTE FERREIRA. EAD-00348339

LILIAM KELLY GOMES MARQUES. EAD-00348343

OREMIRIA SANTOS CARDOSO. EAD-00375648

RENATO SANTOS SOUZA. EAD-00396705

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DE UMA ÁREA

Pirapora MG

2011.

ALINE DE FÁTIMA SILVA ANDRADE. EAD-00379171

BRUNA GRACIELLE MUNIZ MARQUES. EAD-00348334

BALTAZAR MACHADO DOURADO. EAD-00396697

JUCÉLIO DUARTE FERREIRA. EAD-00348339

LILIAM KELLY GOMES MARQUES. EAD-00348343

OREMIRIA SANTOS CARDOSO. EAD-00375648

RENATO SANTOS SOUZA. EAD-00396705

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DE UMA ÁREA

Trabalho apresentado ao Curso Tecnólogo em Gestão Ambiental da UNOPAR - Universidade Norte do Paraná, para a disciplina: Diagnóstico Ambiental de uma Área.

Professores: Ewerton, Jamile, Rodrigo e Willian.

Pirapora MG

2011.

Caracterização da área a ser analisada:

Descrição do local analisado: Cidade: Pirapora Estado: Minas Gerais.

Localizado no Alto Médio São Francisco em Minas Gerais, Pirapora apresenta limites com o município de Buritizeiro do qual se separa ao norte e a oeste pelo Rio São Francisco. Limita-se com o município de Várzea da Palma, do qual se separa ao norte e a leste pelo Rio das Velhas, e, ao sul, pelos Córregos da Onça e Trincheite e pelo Riacho Pedra da Brígida.

Pirapora, está posicionada na interseção das seguintes coordenadas: latitude: 17º 20’ 45” ao sul da linha do Equador; longitude: 44º 56’ 55” a oeste de Greenwich. Sua área é de 581 km2.

A área da nascente analisada possui “latitude de S17º 20.70’38” e “longitude W 44º 56.23’62”.

A vegetação típica é o Cerrado.Esse bioma tem a vegetação de pequeno porte, com troncos tortuosos e ramos retorcidos ,cascas e folhas grossas e relevo do tipo tabular.

Tamanho aproximado do município:

(extensão): 550 kM2

População aproximada:

2011 igual 53.379 hab.

Fonte: http://www.ibge.gov.br/cidadesat/topwindow.htm?1

Localização do corpo hídrico com relação a cidade.

O córrego denominado Entre Rios, nasce em Pirapora ha aproximadamente 4Km num perímetro urbano, foto nº 1 em anexo.

Caracterização do corpo hídrico:

Na realidade nasce de um grande minadouro com água limpa e despoluída, porém, ao longo de seu curso, surgem casas construídas aleatoriamente sem planejamento e com ausência de infra-estrutura adequada, em consequência da falta de planejamento e saneamento básico vão surgindo ligações clandestinas de esgoto doméstico poluindo suas águas, conforme a foto nº 2. Com o crescimento urbano da cidade, sem planejamento a população altera significativamente o relevo, além de poluir os recursos hídricos disponíveis.

Imagem 1 – Localização de Pirapora MG. Fonte: Google Maps – http://maps.google.com.br/maps?hl=pt-br&tab=wl - Acessado em 14 de março de 2011 às 20:15hs.

(Aspecto 1 )

Observação da paisagem: relevo, vegetação, solo, e outras observações.

Paisagem modificada por ação humana?

O relevo predominante da área analisada é do tipo tabular, caracterizado pela presença de chapadões que se aproximam da calha do rio. A vegetação predominante é o cerrado, em suas diversas gradações que foram retiradas pela população local conforme foto nº 3 em anexo. O solo predominante da região apresenta materiais sedimentares como: arenitos conglomeráticos, arenosos e argilosos com grande variedade de resíduos sólidos de grande composição gravimétrica. Muitos moradores jogam resíduos sólidos urbanos e restos de animais poluindo bastante a área da nascente, além de retirar a mata ciliar e fazer queimadas comprometendo significativamente a existência desse recurso hídrico, considerado área de recarga hídrica do Rio São Francisco, foto 4 em anexo.

(Aspecto 2)

Ocupação humana no entorno do manancial de abastecimento:

A área atende aos requisitos do Código Florestal (ano base 1965)? APP está sendo respeitada?

R= Sim. A área atende ao Código florestal. 

Observa-se que a APP; Área de Preservação Permanente, não está sendo respeitada porque existem constantes queimadas com retirada da mata ciliar entre outras degradações antrópicas contradizendo o código que tem como objetivo: manter inalterado o uso do solo, que deve estar coberto pela vegetação original mantendo a função ambiental de preservar os recursos hídricos, a paisagem, a estabilidade geológica, a biodiversidade, o fluxo gênico de fauna e flora, proteger o solo e assegurar o bem-estar das populações humanas. GODINHO, Tiago de Oliveira, et al.Mapeamento das áreas de preservação permanente(APPs) Disponível em: <http://www.inicepg.univap.br/cd/INIC_2009/anais/arquivos/RE_0954_0530_01.pdf>,acessado no dia 17/03/2011 às 11h:11min

 Urbanização? (núcleos residenciais próximos?)

Sim. Existem fazendas e várias residências nas imediações, foto nº 5.

Industrialização? (destinação incorreta de efluentes?)

Não. Não foi observado nenhuma indústria próxima da área analisada.

Agricultura? (resíduos defensivos e erosão do solo – assoreamento?)

Sim. Existe plantio de culturas de subsistência: milho, feijão e frutas como manga entre outros às margens do córrego. Infelizmente constata-se o uso de queimadas para limpeza do solo provocando o seu empobrecimento, erosão e assoreamento do mesmo conforme foto nº 4 já citada acima.

(Aspecto 3 )

Saneamento

Como os resíduos estão sendo dispostos?

Os resíduos sólidos urbanos estão sendo descartados de maneira inadequada sem a devida segregação dos mesmos, sendo jogados aleatoriamente dentro do córrego que corre a céu aberto após receber todo tipo de dejetos sanitários das residências, além de garrafas pet e resíduos de contrução civil, foto nº 6 em anexo.

Qual a solução dada ao esgoto doméstico? (Lançados em fossa sépticas, rede de esgoto, direto em cursos hídrico).

Infelizmente existem ligações clandestinas de esgoto doméstico correndo a céu aberto feitas por moradores ao longo do curso do córrego conforme podemos constatar na foto nº 2 em anexo já citada acima.

É importante salientar que o referido córrego descarrega no Rio São Francisco, em virtude da capacidade de depuração do mesmo, o nível de poluição ainda não pode ser considerado um risco de saúde muito grave para a polulação local.

A água desse manancial de abastecimento é consumida sem tratamento?

Não. O município possui o SAAE - Serviço Autônomo de Água e Esgoto em Pirapora, atendendo todo o bairro servindo as residências.

Discussão das informações e proposição de medidas para gestão.

LISTA DE IMPACTOS E MEDIDAS PROPOSTAS.

Impactos

Medidas para gestão ambiental

Retirada da cobertura vegetal e da mata ciliar.

Recuperação da mata ciliar com plantio de mudas nativas da região.

Resíduos jogados às margens e leito do córrego.

Limpeza do córrego em trabalho de mutirão.

Construções irregulares as margens do córrego sem planejamento.

Obras de engenharia para preservação das margens do córrego.

Desmatamento

Planejamento de uso adequado do solo.

Lançamento direto de dejetos e resíduos urbanos.

Eliminação de ligações clandestinas de resíduos no córrego.

Descarte inadequado de resíduos sólidos de construção civil às margens e dentro do córrego.

Fiscalização permanente da área.

Queimadas.

Oferecer palestras educativas para a população.

ANEXOS

Foto 1 – Nascente do córrego Entre Rios. Fonte: Arquivo pessoal.

Foto 2 – Ligações clandestinas de esgoto residencial.Fonte: Arquivo pessoal.

Foto 3 Queimadas e retirada da vegetação nativa do Córrego Entre Rios em Pirapora MG. Fonte: Arquivo pessoal.

Foto 4 – Retirada da mata ciliar das margens do córrego Entre Rios em Pirapora MG. Fonte: Arquivo pessoal.

Foto 5 – Residências nas imediações do córrego Entre Rios em Pirapora MG. Fonte: Arquivo pessoal.

Foto 6– Resíduos Sólidos descartados de maneira inadequada lançados no córrego Entre Rios que percorre alguns bairros da cidade de Pirapora MG. Fonte: Arquivo pessoal.

Comentários