O Pedagogo em Ação

O Pedagogo em Ação

O Pedagogo em Ação: Desenvolvendo Seu Trabalho em Programas Sociais

Autor: Alfelina Jacinta de Meira e José Francisco Sousa

Resumo:

Esta pesquisa se destinou a analisar o trabalho do Pedagogo em espaço não escolar. A importância desse tema advém das novas atuações do Pedagogo em espaços não escolares, abrindo o leque para que outros pedagogos se interessem por esse trabalho. A atuação de um Pedagogo nesse espaço contribui na formação das crianças porque se julga ter conhecimento para suportar as fases da criança e suas contínuas mudanças, seu desenvolvimento cognitivo, psicomotor e social. 

1- Introdução

O Objetivo dessa pesquisa foi analisar o trabalho do Pedagogo Social no Programa Esportivo Social e Cidadania do Serviço Social do Comércio (SESC), buscando conhecer seus desafios, limitações e oportunidades.

A pesquisa teve por objetivo geral: Analisar o trabalho do pedagogo dentro de programas sociais e refletir sobre as possibilidades existentes para ele nesse espaço.  Objetivos específicos foram: Verificar a atuação do Pedagogo com as crianças; refletir sobre a formação do Pedagogo e as suas práticas dentro do Programa; verificar a importância do Pedagogo nas ações desenvolvidas nos programas sociais.

Esta pesquisa analisou o trabalho do pedagogo no Programa Esportivo Social e Cidadania (PESC) caracterizando-se como um "estudo de caso".

O instrumento utilizado para coleta de informações foi o questionário estruturado que foi aplicado ao coordenador, à coordenadora pedagógica, pedagogos e à equipe de trabalho envolvida no programa que permitiu a coleta de dados de forma ágil.

A metodologia de estudo de caso foi escolhida a fim de destacar possibilidades e desafios no dia a dia de um pedagogo inserido em contexto de programa social.

 O capítulo seguinte aborda os autores que contribuíram com este tema.

2- O Pedagogo e as Pedagogias

Segundo Aranha (2006), pedagogo era o escravo que conduzia as crianças à escola. Nesta época a Educação para meninos era diferente da educação oferecida às meninas. As meninas eram instruídas aos afazeres domésticos, os meninos eram separados para alfabetização, educação física e musical eles sempre eram conduzidos por um escravo. Werner Jaeger (s/d) conceitua pedagogo de acordo com sua etimologia. Entende que pedagogo vem de Paidagogos que significa "aquele que conduz a criança". Acrescenta ainda que, é com base no surgimento do Pedagogo que surge a Paidéia, um termo criado na Grécia, por volta do século V a.C. E hoje, definido por Ramal (2002), temos o Pedagogo como um profissional ou especialista em pedagogia que começa a assumir um novo perfil atuando de uma forma muito mais importante, como uma espécie de arquiteto cognitivo, que projeta os caminhos que os estudantes deverão percorrer rumo à aprendizagem de sucesso, cabendo a ele ser um dinamizador de grupos, responsável não mais por formar alunos isoladamente, mas por constituir comunidades de aprendizagem capazes de desenvolver projetos em conjunto, se comunicar e aprender colaborativamente.

Segundo Aranha (2006), Herbart trouxe grande contribuição para a Pedagogia como ciência. Ele desenvolveu uma pedagogia social e ética com a finalidade de formar o caráter moral por meio do esclarecimento da vontade, alcançado pela instrução. Para Herbart (1978) a conduta pedagógica acontece por meio de três procedimentos: Governo - forma de controle da agitação infantil a fim de submeter à criança às regras do mundo adulto; Instrução: compreendida como construção da instrução moral e intelectual; e Disciplina: que supõe a autodeterminação do amadurecimento moral. Herbart foi o primeiro a elaborar uma pedagogia que pretendia ser uma ciência da Educação.

Tem-se, até aqui, a pedagogia no espaço escolar. Sabe-se, porém, que os avanços tecnológicos, social e da ciência têm contribuído para a ampliação da atuação do pedagogo em espaços não escolares. Para compreender a atuação do pedagogo em ·programa social é preciso primeiro entender que o campo de atuação do pedagogo tem sido ampliado permitindo que o mesmo exerça sua função em espaços não escolares como em empresas, hospitais e ONGs.

Para Nobre (2007), desde sempre o pedagogo tem se caracterizado como profissional responsável pela docência e especialidades na educação. Para ela é importante contemplar as possibilidades de atuação desses profissionais em outros setores do trabalho, qualificação para atuarem no âmbito empresarial, visando os processos de planejamento, capacitação, treinamento, atualização e desenvolvimento do corpo funcional da empresa tendo tais atribuições como foco da Pedagogia Empresarial. Já para Holtz (1999), tanto a empresa como a Pedagogia agem em direção a realização de ideais e objetivos definidos, no trabalho de provocar mudanças no comportamento das pessoas. Esse processo de mudança provocada, em direção a um objetivo, chama-se aprendizagem. E aprendizagem é a especialidade da Pedagogia e do Pedagogo.

Ceroni (2006) discute o trabalho do Pedagogo em espaços não escolares, especialmente em ONGS e traz um pensar nas políticas educacionais no Brasil, na responsabilidade de um comprometimento com a qualidade social voltada para a cidadania e para a inclusão; e propiciar aos pedagogos a compreensão de sua capacidade profissional e o desenvolvimento de competências em ambientes que extrapolem as unidades escolares e ainda, aumentem suas áreas de atuação, para que se tornem cada vez mais empregáveis. As ONGs trabalham como associações sem fins lucrativos, que desenvolvem ações em diferentes áreas. Algumas instituíções exercem trabalhos como estes, temos, por exemplo, a Fundação Itau, onde o pedagogo exerce o papel de educador e na área da saúde. Já na Obra Social Dom Bosco o foco é um aperfeiçoamento da sociedade através da educação.

Mattos e Muggiati (2001) apontam possibilidades para a realização da prática da Pedagogia em hospitais. O Pedagogo seria um mediador entre o paciente, família e o hospital. Para elas, a Pedagogia nesse campo oferece à criança hospitalizada, ou em longo tratamento hospitalar, a valorização de seus direitos à educação e à saúde, como também ao espaço que lhe é devido enquanto cidadão do amanhã. Já para Ceccim (1999), a classe hospitalar, como atendimento pedagógico educacional, deve apoiar-se em propostas educativo escolares, e não em propostas de educação lúdica, educação recreativa ou de ensino para a saúde.

Na Idade Moderna, Comenius pregava a necessidade da interdisciplinaridade, afetividade do educador, ambiente arejado, bonito e com espaços livres e ecológicos. Segundo ele a formação do homem seria religiosa, social, político, racional, afetiva e moral, deixando de ser aprendida apenas em espaços escolares. Assim, o importante seria "ensinar tudo a todos" e não só o que era importante para a escola, mas para a vida. (Comenius, 1997).

Temos estudos recentes e aprofundados que apontam a atuação do pedagogo em Programa Social. E no tópico a seguir veremos com mais clareza o que eles dizem a esse respeito. 

3- A Pedagogia Social

Armani (2000, p. 18) define que "Um projeto é uma ação social planejada, estruturada em objetivos, resultados e atividades, baseados em uma quantidade limitada de recursos e de tempo". Geralmente os Programas sociais visam transformação social e devem ser contextualizados. Para Stephanou (2005) "Os programas sociais estão sempre interagindo, através de diferentes modalidades de relação, com políticas e programas voltados para o desenvolvimento social". (p. 15)

Com vimos, Herbart desenvolveu uma pedagogia voltada ao indivíduo e na sua época, a psicologia era tratada individualmente. Uma realidade que foi mudada quando a psicologia deu importância ao grupo e ao social. Foi entre as décadas de 20 e 30 que o psicólogo romeno naturalizado norte-americano Levy Jacob Moreno trouxe propostas interessantes para se aplicarem aos pequenos grupos humanos. Ele propunha tratar a sociedade através de um Projeto por ele denominado de Sociatria (Tratamento da sociedade), esse projeto envolvia o Psicodrama (mente em ação) e tinha por finalidade melhorar o relacionamento entre os homens e gerar harmonia entre os grupos de convivência. (ALMEIDA, 1990).

Para se desenvolver é preciso que o ser humano se relacione possibilitando seu crescimento físico, emocional, espiritual e social. Nesse processo de relacionamento é também desenvolvida a comunicação e a partir de então a formação de agrupamentos que terá início no grupo familiar passando pelo grupo escolar, de ruas, da universidade, do ambiente de trabalho, enfim, da vida. Grupo é definido por Almeida (1990) como um aglomerado de pessoas reunidas girando em torno de preocupações cotidianas. Para ele, o psicodrama foi criado em 1921 por J. L. Moreno, com o interesse pelas atividades grupais e se trata de uma das alternativas de tratamento mais amplas e acessíveis à população e propõem a ajudar as pessoas nas inter-relações com os outros.

Nesse sentido, Warat (2004) considera que a vivência de práticas sociais como a que compreende o pano de fundo deste trabalho, propiciam ao participante a oportunidade de formar sua subjetividade e buscar o exercício de seus direitos de forma pacífica ampliando a compreensão de mundo e de si mesmo.

Para compreender melhor o trabalho do pedagogo social vejamos a sua atuação em um programa social, objeto de estudo desta pesquisa, que tem como objetivo mostrar que a atuação do pedagogo não restringe a apenas ao espaço escolar formal, mas em todas as áreas do conhecimento.

4- O Pedagogo Social atuando em um Programa Social: Um Estudo de Caso no SESC do Guará I.

Segundo dados do site do Serviço Social do Comércio - SESC ele é uma Instituição de direito privado, de âmbito nacional, criada em 1946, mantida por contribuição social de caráter compulsório, incidente sobre a folha de pagamento das empresas do Setor de Comércio, Serviços e Turismo. Tem como missão contribuir para o bem-estar dos empregados do Setor, em especial daqueles de menor poder aquisitivo, por meio do atendimento de suas necessidades nas áreas de educação, saúde, alimentação, cultura, ação social, turismo, esporte e lazer e, em caráter complementar, atender os segmentos sociais mais carentes e vulneráveis da sociedade. Suas ações são revestidas de forte conteúdo educativo, informativo e transformador, que estimulam os indivíduos a buscar a melhoria de suas condições de vida pela adoção de hábitos, práticas e comportamentos que assegurem o desenvolvimento pessoal e a cidadania.

O PESC (Programa Esportivo Social e Cidadania) é de cunho social e esportivo custeado pelo SESC-DF e apoiado por parcerias firmadas com escolas da rede pública de ensino, empresas e institutos do Distrito Federal. O PESC direciona-se ao atendimento gratuito de crianças em situação de vulnerabilidade social, nas faixas etárias entre 07 e 12 anos matriculadas em escolas de rede pública das cidades do Gama, Cidade Estrutural e Taguatinga Sul. Esses estudantes recebem atendimento nas Unidades do SESC, usufruindo da infra-estrutura de lazer, esporte, cultura, saúde, educação e assistência por três vezes na semana, no contra turno do horário escolar.

As crianças são selecionadas em escolas de cidades que tenham proximidade com as unidades operacionais do SESC-DF com menor nível de renda do DF e que apresentem problemas de infra-estrutura urbana, além de poucas possibilidades de assistência em saúde, esporte, lazer, educação complementar e demais áreas de atuação, das quais o SESC-DF tem totais condições de disponibilizar seus recursos para contribuir com a melhora da qualidade de vida dessas crianças.

Todas as crianças passam por avaliações individuais no primeiro mês de atividade, sendo elas, avaliação física e médica, nutricional, odontológica, sócio-econômica e pedagógica. Cada avaliação é feita por um profissional da área específica. São desenvolvidas atividades esportivas, reforço pedagógico por meio do desenvolvimento de temas transversais e apoio às atividades escolares, alimentação, ações de saúde, consultas odontológicas, atividades recreativas, de lazer, culturais e turismo civil/ ecológico.

O Programa (PESC) na unidade do SESC-DF Guará I, conta com uma equipe que envolve profissionais das áreas de Educação Física (aluno do curso na função de ministrar aulas com supervisão), Pedagogia (aluno do curso com a função de ministrar aulas com supervisão), Assistência Social, Coordenador do Programa, funcionários que assistem ao Programa sempre que necessário. A supervisão feita aos alunos de Pedagogia e Educação física acontece por meio de acompanhamento de um profissional já formado. No caso do curso de Pedagogia acontece reunião mensal com todos os alunos do curso e o Pedagogo para orientação e supervisão do trabalho desempenhado durante o mês no Programa.

Como educadora senti necessidade de conhecer melhor o trabalho do pedagogo em programa social. Para isso, foi realizado um estudo de caso desse programa social por meio de um questionário com a equipe que o atende e que é composta por dois professores de Educação Física, um auxiliar administrativo, o coordenador do programa nesta unidade, duas pedagogas e uma coordenadora pedagógica que orienta a equipe que atuam nele. O questionário aplicado foi entregue aos entrevistados, e à medida que eram respondidos, nos eram entregues para análise dos dados ali contidos. Foram distribuídos onze questionários tendo como retorno apenas nove.

Procuramos investigar a função de cada um dentro do programa.  H.S. L(32), casado, Católico, residente na Ceilândia, professor de Educação Física com 12 anos de experiência profissional, atua como coordenador técnico do programa e exerce a função de planejar e executar ações administrativas, relatórios e interfaces entre as áreas de educação, saúde, nutrição e lazer. T.S.R (21), solteira, estudante de Educação Física, católica residente no Guará, atua como professora desta disciplina, "ensinando o respeito entre todos e habilidades motoras". A.R.P (27), solteiro, evangélico, residente no Guará, exerce a função de apoio e auxiliar administrativo da instituição. T.R.M (23), solteira, católica, residente no Lúcio Costa, estudante de educação física, atua como professora de educação física e exerce a função de preparar atividades físicas que desenvolva a motricidade e habilidades motoras das crianças.

Perguntamos se para eles existia interdisciplinaridade entre a equipe. A resposta foi unânime que existia a interdisciplinaridade e as justificativas foram: para H.S.L (32), "existe pois depois de seu ingresso no projeto a equipe passou a se organizar e planejar atividades em conjunto". A.R.P (27) acredita que exista mas não justificou. Para T.S.R (21) e T.R.M (23) ela existe pelo fato, de educação física e pedagogia trabalharem em conjunto os mesmos temas nas aulas aplicadas. Percebemos que os profissionais que estão a frente do trabalho e exercem um papel específico dentro do programa, sentem a existência da interdisciplinaridade, porém, o profissional que lida com o apoio ao programa não justificou a resposta, o que indica o desconhecimento em relação à ministração das disciplinas.

Outra questão abordada no questionário da equipe foi com relação às limitações do programa com relação ao pessoal, material e apoio. H.S.L (32) acredita que falta acompanhamento dos resultados que se perderam ao longo do programa, já o material possui orçamento e o apoio da unidade poderia ser melhor. Para A.R.P (27) o apoio é bom e alcança as pessoas. Segundo T.S.R (21) há limitações em relação ao material, pois há uma demora para o recebimento das verbas. Já para T.R.M (23) a limitação do programa está na questão de faltar uma quadra poliesportiva para a execução de atividades com as crianças uma vez que fica limitada a execução das aulas apenas nas quadras de areia. Para a equipe o programa ainda está em processo e isso mostra que ainda existem limitações a ser superadas. Para ela o apoio pode ser revisto e ampliado e a liberação do material deve ser feita com maior agilidade, o que facilitará e contribuirá para bom andamento do programa.

Para responder sobre a limitação da própria equipe do programa, H.S.L (32) diz que no último mês a maior dificuldade era reunir a equipe o que inviabilizava algumas informações, mas salienta que a equipe é bem unida. A.R.P (27) não respondeu essa pergunta. Para T.S.R (21) a maior limitação parte do cargo superior no que tange a burocracia interna para a resolução dos problemas, que acabam sendo resolvidos pela própria equipe. Já T.R.M (23) acredita que a falta de recurso para se desenvolver mais atividades com as crianças acaba limitando a equipe. Essa pergunta obteve diversas respostas por se tratar da visão que cada um tem sobre suas limitações e sobre as limitações da equipe em geral. As limitações vão desde a dificuldade de reunir a equipe, burocracia para a resolução dos problemas e limitações geradas por alguns recursos que a profissional julgou sentir falta.

Concluindo o questionário com a equipe, procuramos saber deles qual a importância do pedagogo em programa social. Todos acreditam ser importantíssima a presença de um pedagogo dentro desse espaço. A seguir temos a justificativa dessa opinião. H.S.L (32) acredita ser assim pelo fato de que para conduzir qualquer programa o indivíduo tem que ser considerado na sua totalidade: educação (onde precisa do pedagogo e todo seu conhecimento), físico e saúde. Para A.R.P (27) além de ensinar, os pedagogos aprendem com a vida de cada criança. T.R.M (23) diz acreditar nessa importância pela capacidade que o pedagogo tem de ensinar da melhor forma aos alunos. Por fim, segundo T.S.R (21) é importante pois o pedagogo dá base para a estrutura de uma criança. Diz ainda que nesse programa, os temas transversais discutidos entre professores e alunos tornam-se essenciais na vida deles.

Através das respostas da equipe podemos perceber que os profissionais estão ainda despreparados para falar sobre a atuação do pedagogo nesse espaço. Dá-se ao fato, de ser ainda a saída do pedagogo da área escolar, um processo embrionário. Não é preciso ir muito longe para se deparar com perguntas como: qual sua função como pedagogo dentro desta instituição, o que é pedagogia e qual é o trabalho exercido pelo pedagogo? Essas dúvidas permeiam espaço não escolar e abrem as portas para esta pesquisa.

Uma vez que o nosso foco é analisar o papel do pedagogo em programa social vamos enfatizar as respostas dos pedagogos, que a seguir responderão nosso questionário específico para conhecermos como eles desenvolvem o trabalho nesse programa social.

O questionário aplicado aos pedagogos do programa se difere do questionário aplicado à equipe, por julgarmos que as informações a serem analisadas seguiam outras vertentes. O questionário foi respondido por duas estudantes de pedagogia que atuam como professoras no programa e a coordenadora pedagógica que acompanha o trabalho realizado por elas.

Assim temos, R.F.F.A (28), casada, católica, residente no Guará, estudante de pedagogia com 3 anos de experiência em educação infantil e atua como professora no período matutino desse programa. A.J.M (25), solteira, cristã evangélica, residente no Guará, estudante de pedagogia, e que atua como professora do período vespertino. M.B.D.S (41) Casada,mãe de dois filhos, Cristã, Coordenadora pedagógica com sete anos de experiência, residente na Asa Norte.

Procuramos investigar qual a preparação para exercer o papel de pedagogo dentro desse programa social. Segundo R.F.F.A (28) ela teve um pouco de dificuldade em trabalhar no programa por falta de um coordenador pedagógico dentro da unidade,  desde o início, tendo em vista que essa era a sua primeira experiência em programa social, mas com o passar do tempo ela conseguiu se adaptar e perceber as necessidades das crianças e assim foi desenvolvendo o trabalho. Para A.J.M (25) a preparação para exercer esse trabalho seguia duas vertentes a primeira foi uma disciplina que cursou em sua graduação que superficialmente estudou a atuação do pedagogo em espaços não escolares. E a segunda a sua experiência em trabalhos voluntários realizados junto ás Igrejas, onde trabalhava aspectos formativos com as crianças. M.B.D.S (41) diz que sua preparação são os cursos pedagógicos e as próprias disciplinas que cursou na graduação, pós-graduação  e mestrado.

A segunda pergunta que fizemos foi se na faculdade foi cursado alguma disciplina ou estágio que desse base para esse trabalho. Para R.F.F.A (28) nesse semestre ela está cursando uma disciplina "Educação em espaços não escolares", mas outras disciplinas como literatura, didática, dentre outras trazem um pouco de contribuição apesar de ser na prática que adquirimos e ampliamos conhecimentos. Segundo A.J.M (25) não cursou uma disciplina e nem um estágio específico, somente uma aula teórica sobre a pedagogia social. M.B.D.S (41)  diz ter cursado mas não justificou a resposta.

A terceira pergunta foi qual a metodologia, conteúdo e avaliação realizada no programa. R.F.F.A (28) e A.J.M (25) trabalham os temas transversais dos PCNs do MEC, por meio de debates, gincanas, paródias, histórias, músicas, poemas, dentre outros. Em relação à avaliação ela acontece durante todo o processo por meio da participação e interesse dos alunos. Para M.B.D.S (41)  os conteúdos são articulados a temas transversais. A avaliação é a diagnóstica que visa à construção do conhecimento do educando.

A quarta pergunta era quem estabelecia o conteúdo a ser trabalhado durante o programa. R.F.F.A (28) e A.J.M (25) dizem que o conteúdo foi estabelecido pelas próprias estagiárias, pois no início do programa na unidade onde trabalhavam não tinha um coordenador pedagógico, hoje porém acontece mensalmente um encontro com a coordenadora pedagógica em outra unidade. M.B.D.S (41)  diz serem as estagiárias, com a sua cooperação.

Comentários