Apostila - Anatomia e Fisiologia - Manual do Atendimento Pré-Hospitalar SIATE-CBPR

Apostila - Anatomia e Fisiologia - Manual do Atendimento Pré-Hospitalar SIATE-CBPR

(Parte 5 de 8)

Fig 2.23 – Comparação entre o aparelho masculino e feminino

Fig 2.24 – Referências anatômicas Fig 2.25 – Divisões anatômicas

Anatomia e Fisiologia

A região superior do abdômen pode ser chamada de epigástrio no seu terço médio e hipocôndrios (direito e esquerdo) nos terços laterais, a região em volta da cicatriz umbilical pode ser chamada de periumbilical, as regiões próximas aos ligamentos inguinais podem ser chamadas de regiões inguinais e as regiões logo acima das inguinais de fossas ilíacas (direita e esquerda), a região superior à pube pode ser chamada de hipogastro. Abaixo está uma tabela que exemplifica como a localização extema da lesão pode nos levar a pensar em que órgãos internos possam ter sido lesados (esta tabela é simplificada, apenas o conhecimento adequado de anatomia pode levar a uma correta suspeita de lesão de órgãos intra-abdominais).

Tabela 2.1 Tabela de distribuição dos órgãos por região lesionada

Região LesadaÓrgãos Possivelmente Atingidos

Quadrante superior direitoFígado, vesícula biliar, pâncreas, estômago, duodeno, cólon direito, diafragma, rim direito e veia cava inferior.

Quadrante superior esquerdo

Baço, estômago, cauda do pâncreas, cólon esquerdo, rim esquerdo e diafragma.

Quadrante inferior direitoIntestino delgado, cólon direito, vasos ilíacos. Quadrante inferior esquerdoIntestino delgado, cólon esquerdo, reto, vasos ilíacos.

7. SISTEMA MUSCULO-ESQUELETICO

O corpo humano é um sistema bem estruturado cuja forma, postura e movimentos são fornecidos pelo sistema músculo-esquelético. As lesões do sistema músculo-esquelé-

Fig 2.26 – Posicionamento dos órgãos

Manual do Atendimento Pré-Hospitalar – SIATE /CBPR tico estão entre as mais comuns a serem remanejadas pelos socorristas no ambiente préhospitalar.

Os músculos são formados por um tecido especial que possui a capacidade de contrair-se quando estimulado. Todos os movimentos do corpo resultam da atividade dos músculos, quer seja o movimento voluntário de andar ou correr ou o movimento invisível a olho nu da contração de um vaso sangüíneo. Existem três tipos de músculos no corpo humano: músculos esqueléticos, músculos lisos e músculo cardíaco. Cada tipo tem características próprias e desempenha funções distintas.

- 31 - Fig 2.27 – Visão anterior do corpo humano

Anatomia e Fisiologia

7.1.1. Músculos esqueléticos

São chamados de esqueléticos porque estão ligados aos ossos do esqueleto.

Também são chamados de músculos voluntários por serem responsáveis pelos movimentos voluntários e de estriados porque apresentam estriações quando vistos ao microscópio. Estão sob o controle do sistema nervoso central. Áreas específicas do cérebro enviam suas ordens através de estímulos nervosos que seguem pela medula espinhal e pelos nervos periféricos até chegarem ao músculo, que se contrai ou relaxa dependendo do tipo de movimento desejado. Todos os movimentos corporais resultam da contração ou relaxamento dos músculos esqueléticos. Certos movimentos mais complexos envolvem a ação de vários músculos simultaneamente.

Fig 2.28 – Aspecto anatômico do braço Fig 2.29 – Visão anterior do sistema muscularFig 2.30 – Visão posterior do sistema muscular

Manual do Atendimento Pré-Hospitalar – SIATE /CBPR

Os músculos estão ligados aos ossos através de segmentos de tecido fibroso espesso chamados de tendões.

A carne que faz parte da alimentação habitual do ser humano são os músculos dos animais, que possuem uma estrutura e função semelhantes aos dos humanos.

7.1.2. Músculos lisos

São chamados de lisos por não apresentarem estriações á microscopia. São também chamados de músculos involuntários por ser sua atividade independente de comando central consciente. Estão sob o controle do sistema nervoso autônomo.

Os músculos lisos são encontrados na parede da maioria dos órgãos tubulares do organismo como os do tubo digestivo, aparelho urinário, vasos sangüíneos e brônquios. A contração e o relaxamento destes músculos altera o calibre dos órgãos tubulares influindo assim no fluxo de substancias através da sua luz (parte oca do órgão). Como exemplos: são responsáveis pela vasoconstrição e vasodilatação dos vasos sangüíneos e também são responsáveis pela rnotilidade gastrointestinal, que promove a progressão do bolo alimentar através do tubo digestivo.

O ser humano não possui qualquer comando voluntário sobre estes músculos.

7.1.3. Músculo cardíaco

Tipo de músculo especial que possui estriações à microscopia, mas que é involuntário. Está presente apenas no coração. A massa muscular cardíaca recebe o nome de miocárdio e é responsável pela função de bombeamento do coração.

O esqueleto humano é composto de 206 ossos. Os ossos estão unidos formando uma estrutura que além de manter a forma corporal permite a sua movimentação.

O esqueleto fornece proteção aos órgãos internos do organismo:

●O encéfalo situa-se dentro do crânio. ●Os pulmões, o coração e grandes vasos dentro do tórax.

●Parte dos órgãos abdominais, como o fígado e o baço, encontra-se sob o gradil costal inferior.

●A medula espinhal aloja-se no interior da coluna vertebral.

Os ossos são estruturas vivas como qualquer órgão do corpo humano, possuem vascularização e inervação e dependem também de oxigênio e de nutrientes para sua sobrevivência. Todos os ossos possuem uma camada externa chamada de córtex (camada cortical) e uma camada interna chamada de medula (camada medular). O córtex é rígido devido ao depósito de cálcio. A medula óssea é macia e é responsável pela produção das

Anatomia e Fisiologia hemácias e das plaquetas e por alguns tipos de leucócitos. E desta camada que se faz o transplante de medula óssea.

Os ossos crescem durante a infância e a adolescência. Na criança os ossos são mais flexíveis e, portanto, com uma tendência menor às fraturas, somente na idade adulta adquirem sua rigidez final. À medida que o indivíduo envelhece os ossos tornam-se progressivamente mais frágeis, chegando a um estado de enfraquecimento ósseo generalizado conhecido como osteoporose. A osteoporose é mais comum em mulheres após a menopausa e torna os ossos e sujeitos a fraturas mesmo com traumatismos leves, esta é uma das razões pelas quais ocorrem tantas fraturas do colo do fêmur entre os idosos. Sempre que se atender uma vítima idosa deve-se considerar sua maior propensão às fraturas.

8.1. Classificação dos Ossos De acordo com o formato os ossos podem ser classificados em quatro tipos: 8.1.1. Longos

Comprimento maior que a largura e a espessura. Exemplos: fêmur, rádio, ulna e falanges. Possuem uma parte média longa chamada de diáfise e extremidades chamadas de epífise. Nas crianças existe uma camada entre a epífise e a diáfise chamada de placa epifisária responsável pelo crescimento em comprimento do osso.

Comprimento, largura e espessura aproximadamente iguais: Exemplo: ossos do carpo.

Comprimento e largura se equivalem e predominam sobre a espessura. Exemplos: escápula.

8.1.4. Irregulares Exemplos: ossos da base do crânio. 8.2. Partes do Esqueleto

O esqueleto axial é formado pela cabeça e o tronco. O esqueleto apendicular é formado pelos membros e sua cintura de ligação com o esqueleto axial.

- 34 - Fig 2.31 – Aspecto frontal do esqueleto

Manual do Atendimento Pré-Hospitalar – SIATE /CBPR

O crânio é uma caixa óssea rígida que dá proteção ao encéfalo e possui orifícios de saída para os nervos cranianos e para a medula espinhal e fornece abrigo para órgãos dos sentidos como os olhos e as orelhas internas (órgãos da audição). É composto de vários ossos que formam junturas imóveis. Sua parte superior é convexa e recebe a denominação de calvária e sua parte inferior é denominada base do crânio. Seus ossos são:

●Pares - parietais e temporais

●Ímpares - frontal, occipital, etmóide e esfenóide.

É composta basicamente de vários ossos fundidos e o único osso móvel da cabeça, a mandíbula responsável pela mastigação. Localizam-se na face as cavidades onde se abrigam os órgãos dos sentidos do paladar, do olfato e da visão (esta em conjunto com o crânio). As cavidades nas quais se abrigam os olhos são chamadas de órbitas e são formadas por partes de vários ossos do crânio e da face. O nariz é formado pelos ossos nasais e na sua maior parte por tecido cartilaginoso. Os dentes se implantam nas maxilas e na mandíbula. As fraturas dos ossos da face podem levar a hemorragias severas e obstrução das vias aéreas.

(Parte 5 de 8)

Comentários