Apostila - Anatomia e Fisiologia - Manual do Atendimento Pré-Hospitalar SIATE-CBPR

Apostila - Anatomia e Fisiologia - Manual do Atendimento Pré-Hospitalar SIATE-CBPR

(Parte 4 de 8)

Todas as células do organismo necessitam de nutrientes para o seu metabolismo normal. Estes nutrientes estão contidos nos alimentos em grandes moléculas que não podem ser absorvidas e aproveitadas pelo organismo em sua forma original. O aparelho digestivo processa estes alimentos de modo a produzir substâncias nutrientes em uma forma que possa ser absorvida e aproveitada pelas células. Tal processo chama-se digestão.

A digestão compõe-se de processos mecânicos e químicos. Os processos mecânicos são a mastigação, a deglutição (o ato de engolir) e a peristalse (ondas propulsivas

Fig 2.19 – Divisão entre o abdome (superior) e a pelve (inferior) Fig 2.20 – Representação esquemática do aparelho digestivo

Manual do Atendimento Pré-Hospitalar – SIATE /CBPR que acontecem em todos os níveis do tubo digestivo desde o esôfago até o reto). São responsáveis pela quebra dos grandes fragmentos alimentares em fragmentos menores, pela propulsão do alimento através do tubo digestivo e por promover a mistura do alimento com as enzimas digestivas.

Os processos químicos são múltiplos e são realizados pelo ácido gástrico e por várias enzimas digestivas que são produzidas pela mucosa do estômago e do intestino delgado e pelas glândulas acessórias. Estes processos são responsáveis pela quebra das moléculas em moléculas menores e absorvíveis pela mucosa do intestino delgado principalmente.

Responsável pela quebra inicial dos blocos alimentares através da mastigação é onde se inicia a digestão química através da amilase salivar.

6.1.2. Faringe Participa no processo da deglutição. 6.1.3. Esôfago Tubo que conduz o bolo alimentar até o estômago. 6.1.4. Estômago

Produz ácido clorídrico e o suco gástrico que contem várias enzimas que participam da digestão química. Possui paredes musculares potentes que promovem uma homogeneização do bolo alimentar e sua mistura às enzimas digestivas.

6.1.5. Intestino delgado

Dividido em duodeno, jejuno e íleo. O duodeno é a primeira porção do intestino delgado e recebe os alimentos do estômago. Produz enzimas digestivas e recebe, através de um orifício chamado de papila duodenal, as secreções digestivas produzidas pelo fígado (bile) e pêlo pâncreas (enzimas pancreáticas). O jejuno e o íleo possuem em conjunto uma extensão de 4 a 8 metros. Além de participarem do processo de digestão química são os maiores responsáveis pela absorção dos nutrientes. Ocupam uma grande parte da cavidade abdominal.

6.1.6. Intestino grosso

Tem aproximadamente 1,5 m de extensão. Possui este nome porque é mais calibroso que o intestino delgado. Ocupa uma posição periférica na cavidade abdominal ao contrário do intestino delgado que está mais ao centro. Se divide em ceco, cólon ascendente, cólon transverso, cólon descendente e cólon sigmóide, mas pode de uma maneira simplificada ser dividido em cólon direito e cólon esquerdo. É responsável principalmente pelo armazenamento e expulsão dos resíduos da digestão, chamados de fezes. A porção final do intestino grosso é o reto que se localiza quase que inteiramente dentro da pelve.

Anatomia e Fisiologia

Quando perfurado promove o vazamento de fezes para o interior da cavidade peritoneal com produção de uma grave peritonite.

O apêndice cecal é um pequeno órgão tubular que se origina no ceco. Não tem função definida no ser humano e quando inflama produz o quadro conhecido como apendicite aguda que é a causa mais comum de cirurgia de urgência abdominal.

Final do aparelho digestivo. Contém os esfíncteres responsáveis pela continência fecal.

É um órgão maciço e volumoso localizado abaixo do diafragma e sob o gradil costal do lado direito. Possui várias funções metabólicas onde se destacam a produção dos devemos da coagulação e de vários outras substâncias essenciais ao organismo. Sua função digestiva se refere à produção da bile que participa da digestão das gorduras no intestino delgado.

Todo o sangue venoso oriundo dos órgãos digestivos intra-abdominais passa pelo fígado antes de cair na veia cava inferior para ser filtrado e para que o fígado assimile as substâncias de que necessita para seu metabolismo. Possui por este motivo um fluxo sangüíneo intenso e quando sofre lesões pode sangrar abundantemente.

6.1.9. Vesícula biliar

Órgão sacular localizado abaixo do fígado e tem a função de armazenar bile até a hora de liberá-la no duodeno.

Órgão sólido retroperitoneal responsável pela produção de várias enzimas di¬gestivas misturadas formando o suco pancreático. É também a glândula endócrina responsável pela produção do principal hormônio regulador do nível de glicose no sangue: a insulina. A falta da insulina produz um aumento dos níveis de glicose no sangue (hiperglicemia) na doença conhecida como Diabetes Mellitus.

Este órgão parenquimatoso está situado no hipocôndrio esquerdo, sob o diafragma e protegido pelo gradil costal esquerdo. Sua função é a de produzir leucócitos e retirar células sangüíneas envelhecidas da circulação, além de participar na defesa do corpo contra infecções por determinados microorganismos. É um órgãos bastante vascularizado e relativamente friável. As lesões do baço são comuns, principalmente no trauma abdominal contuso, e causam hemorragia que pode levar a choque hipovolêmico. O ser humano pode viver sem o baço porque na sua ausência suas funções são assumidas pelo fígado.

Manual do Atendimento Pré-Hospitalar – SIATE /CBPR

6.2. Aparelho urinário

O aparelho urinário promove a filtragem de todo o sangue do organismo retirando resíduos provenientes do metabolismo celular. Estes resíduos precisam ser eliminados porque são tóxicos se acumulados no organismo. E composto pelos rins, ureteres, bexiga urinária e uretra.

São órgãos retroperitoneais, localizados um em cada lado da coluna vertebral e sob o gradil costal posterior e inferior. O sangue passa pelos rins e é filtrado. O resultado desta filtração é um líquido contendo água e várias substâncias residuais do metabolismo celular chamado de urina.

Estreitos órgãos tubulares que levam a urina dos rins até a bexiga urinária. São retroperitoneais e dificilmente são lesados no trauma.

6.2.3. Bexiga urinária

Órgãos muscular oco localizado na pelve anterior responsável pelo armazenamento da urina até a hora da sua eliminação. Possui paredes bastante elásticas e pode armazenar grandes volumes de urina. Pode ser lesada quando há fraturas de quadril por estar intimamente acolaplada ao púbis internamente.

Órgão tubular que faz a comunicação da bexiga com o meio externo. E mais curta na mulher que no homem, já que neste passa pelo interior do pênis. Também a sua porção inicial pode ser lesada quando houver fraturas do quadril e com quedas “a cavaleiro”.

6.3. Aparelho reprodutor

Destina-se à perpetuação da espécie. Compõem-se de: órgãos responsáveis pela produção das células reprodutoras e dos hormônios sexuais, órgãos destinados à realização da cópula ou ato sexual e, na mulher, órgãos destinados a abrigar o embrião desde a sua concepção até o nascimento.

6.3.1. Aparelho reprodutor masculino E composto pelos testículos, vias espermáticas, glândulas acessórias e o pênis. 6.3.1.1. Testículos

São responsáveis pela produção dos espermatozóides que são as células com capacidade de fecundar o óvulo feminino e dar origem um embrião. Localizam-se dentro da bolsa escrotal e também produzem os hormônios masculinos. Os espermatozóides depois de produzidos são conduzidos pelas vias espermáticas e acumulados até o momento da ejaculação.

Anatomia e Fisiologia

São o epidídimo, o ducto deferente, o ducto ejaculatório e a uretra.

6.3.1.3. Glândulas acessórias

Produzem o líquido seminal que, ao juntar-se aos espermatozóides, produz o esperma; são as vesículas seminais, a próstata, as glândulas bulbo-uretrais e as glândulas uretrais.

É o órgão copulador.

6.3.2. Aparelho reprodutor feminino

E composto pelos ovários, tubas uterinas, útero, vagina e vulva. Os ovários, as tubas uterinas e o útero são órgãos intra-peritoneais situados profundamente na pelve.

Produzem e armazenam as células reprodutoras femininas, os óvulos. A mulher ao nascer já possui todos os seus óvulos formados. A cada mês o ovário libera um óvulo amadurecido para dentro da tuba uterina no processo chamado de ovuIação. 0 ovário também produz os hormônios sexuais femininos.

Órgãos tubulares através dos quais os óvulos descem em direção ao útero e onde geralmente se dá o encontro com os espermatozóides.

Fig 2.21 – Aparelho reprodutor masculino Fig 2.2 – Aparelho reprodutor feminino

Manual do Atendimento Pré-Hospitalar – SIATE /CBPR

Órgão impar, oco, muscular, com o tamanho e formato aproximado de uma pêra localizado na pelve. Todo mês o útero se prepara para uma possível gravidez. Se um óvulo não for fecundado ele serão eliminado justamente com a mucosa uterina congestão no fenômeno chamado de menstruação. Se o útero receber um ovo (óvulo fecundado pelo espermatozóides) este se implanta na mucosa uterina e dá inicio à gestação (gravidez). Durante a gravidez o útero se expande gradualmente para acomodar o bebê.

6.3.2.4. Vagina Órgão copulador feminino. Recebe o esperma. 6.3.2.5. Vulva Órgão genital externo feminino; recobre a abertura vaginal.

6.4. Anatomia de Superfície do abdome

A fim de facilitar a descrição da localização das lesões e sintomas abdominais o abdome é dividido em algumas regiões usando para isto referências anatômicas.

Várias outras divisões podem ser usadas mas quase todas possuem em comum o seguinte:

(Parte 4 de 8)

Comentários