Cidadania e exclusão social

Cidadania e exclusão social

12

SISTEMA DE ENSINO PRESENCIAL CONECTADO

Tecnólogo em gestão ambiental

jucelio duarte ferreira

CIDADANIA E EXCLUSÃO SOCIAL.

Pirapora MG

2009

JUCÉLIO DUARTE FERREIRA

CIDADÂNIA E EXCLUSÃO SOCIAL

Trabalho apresentado ao Curso Tecnólogo em Gestão Ambiental da UNOPAR - Universidade Norte do Paraná, para a disciplina Economia e Responsabilidade Socioambiental

Prof. VALQUÍRIA GASPAROTTE.

Pirapora MG

2009

1 Cidadania e exclusão social.

Introdução

Neste trabalho abordaremos questões como desigualdades sociais, aumento da pobreza e exclusão social, agravados pela aplicação de recursos públicos de forma ineficaz ou indevida, externidade negativa e poluição.

A importância da ação e responsabilidade socioambiental para o crescimento econômico sustentável necessita de uma atenção especial para os problemas causados pela má distribuição de renda, que criou um abismo entre as classes sociais que demonstra a falencia do atual modelo econômico.

Em consequência da incapacidade de nossos governantes em melhorar a distribuição de rendas para erradicação da miséria e da pobreza no país, cabe à sociedade incentivar e valorizar iniciativas voluntárias para adotar práticas socioambientais mais humanas visando melhor qualidade de vida para o maior número de pessoas possível, investindo em melhoria da a infra-estrutura oferecendo melhor qualidade de vida e saúde para a população.

Desenvolvimento

Desde os idos tempos mais remotos da humanidade, o homem tem retirado da natureza tudo que necessita para sobreviver, a busca pelo alívio da dor e pela cura das doenças, sempre foi tentada. Espera-se com esse trabalho, abordar e buscar soluções que dizem respeito às questões socioambientais, buscando formas de evitar a crescente agressão praticada pelo homem contra a natureza, sem contudo, deixar de progredir com responsabilidade socioambiental, pois não há como pensar em qualquer atividade sem a presensa humana.

Segundo os autores, Gasparote, Casagrande, Geidelis,

“A participação comunitária ativa é componente decisivo na proteção do meio ambiente. Trata-se de um processo de conquista construído constantemente pela abertura de espaços, parte integrante do exercício democrático e alicerce de cidadania.”1Pag153

Vale lembrar que existe um grande abismo provocado peladiferença entre as classes sociais. Enquanto o centro da cidade é bem cuidado, na periferia de Pirapora, existe esgoto correndo a céu aberto pondo em risco a saúde da população.

Segundo a lei nº6.938, de 31 de agosto de 1981 da Política Nacional do Meio Ambiente,

“Art.2º A Política Nacional do Meio Ambiente tem por objetivo a preservação, melhoria e recuperação da qualidade ambiental propícia à vida, visando assegurar no País, condições ao desenvolvimento sócioeconômico, aos interesses da segurança nacional e à proteção da dignidade da vida humana.”2Pag 155

Conclusão

Após a análise dos fatos apresentados, conclui-se que, é necessário criar uma rede permanente de solidariedade para promover atitudes que proporcionem uma mudança de comportamento frente às questões socioambientais.

2 MUNICÍPIO

Pirapora MG, norte de Minas, uma região de IDH muito baixo.

3 INÍCIO E TÉRMINO PREVISTO:

Início:26 de Setembro de 2009-09-10

Término: 02 Março de 2010

4 RESPONSÁVEL PELA ELABORAÇÃO E EXECUÇÃO DO PROJETO.

Jucelio Duarte Ferreira.

Fases distintas:

1 – Identificar, obter informações, avaliar e utilizar essas informações para antecipar e interferir de forma positiva na solução de possíveis problemas, buscando oportunidades para melhoria.

2- Determinação dos recursos necessários, fazendo levantamento e gerênciando o capital resultante.

5 LOCALIZAÇÃO DO PROJETO.

ASCARP (Associação de catadores de materiais recicláveis do município de Pirapora MG)

A associação foi fundada em 2002, sendo composta por 22 associados, em média. recicla grande parte do lixo do nosso município contribuindo com o meio ambiente. Atualmente passa por dificuldades financeiras, principalmente por falta de apoio do poder público. As mulheres que lá trabalham são pessoas humildes, trabalham com determinação e acreditam que podem contribuir ainda mais na questão ambiental, se obtiverem mais apoio da população no sentido de separar o lixo domiciliar e melhorar a eficiência da reciclagem do mesmo.

6 VINCULAÇÃO COM ALGUM PROGRAMA

Foi adquirido através de doação de uma ONG sócio-ambiental,

ARPA (Associação Regional de Proteção Ambiental), um caminhão para recolher materiais recicláveis. Tendo como Presidente/Coordenadora a Sr. Delvane Maria Fernandes, membro titular do Comitê do Rio São Francisco.

7 JUSTIFICATIVA

O presente se faz necessário, para melhorar as condições de trabalho dos recicladores de lixo que contribuem para melhorar o meio ambiente em nosso município.

O caminhão usado está muito velho e não oferece condições seguras para recolher e fazer o transporte do material reciclado.

Em 2007, com o incêndio da sede da associação, para que as mulheres não passassem fome, tiveram que recolher cestas pela cidade porque a carga de papel se queimou, juntamente com o pouco que tinham.

A associação vive atualmente grandes dificuldades, principalmente por falta de recursos financeiros.

8 OBJETIVOS GERAIS

Resgatar a qualidade de vida em busca da cidadania.

Promover conscientização da sociedade, mobilizando as pessoas em busca da consciência da responsabilidade de cada um para a sustentabilidade do planeta, valorizando iniciativas para a preservação ambiental.

9 OBJETIVOS ESPECÍFICOS

Fazer uma reforma no caminhão, para oferecer condições de segurança aos associados. Conseguir junto ao poder público que seja assegurado aos moradores do bairro o direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado e o direito a sadia qualidade de vida.

Segundo os autores, Gasparote, Casagrande, Geidelis, vêm enfatizar a importância do meio ambiente equilibrado, para o bem comum do povo,

“Capítulo VI Art.225 Do meio ambiente. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao poder público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá-lo para as presentes e futuras gerações” 3. Pag. 154

10 METAS E/OU AÇÕES

Melhoria dos resultados, em relação à preservação do meio ambiente, contribuindo na questão da inclusão social, dignidade e cidadania das classes mais pobres do Brasil, melhorando a qualidade ambiental do nosso município.

11 METODOLOGIA

1º Etapa

Trabalho de campo entrevista com a população/comunidade local, buscando identificar os problemas encontrados no meio urbano.

Objetivo: Avaliar a infra-estrutura da área e a questão ambiental através da percepção da população sobre seus problemas em relação à cidadania.

2º Etapa

Como resultado prévio da pesquisa, observou-se que o lixo é coletado duas vezes por semana pela Prefeitura de Pirapora.

É válido comentar que muitos moradores separam o lixo para os catadores. Com relação à água, denotou-se que 100% dos entrevistados são favorecidos pela água do SAAE e que é bem distribuída.

Na questão saneamento (esgoto), percebeu-se que os entrevistados possuem fossa séptica, 100% das pessoas reclamam da ocorrência de esgoto a céu aberto próximo às suas residências, trazendo riscos aos moradores atingidos. Portanto, pode-se dizer que a questão do esgoto a céu aberto é consideravelmente grave, exigindo urgência na solução do problema.

O crescimento urbano sem planejamento vem provocando profundas transformações que nem sempre são benéficas ao meio ambiente. O processo de urbanização faz surgir diversas áreas com infra-estrutura inadequada, incapaz de atender a população. Falta saneamento básico no bairro.

Resumo

Essa pesquisa analisou os problemas causados pelo crescimento urbano sem planejamento causando impactos na saúde, trabalho e meio ambiente. A questão continua sendo o jogo de interesses, a população foi conscientizada, falta ação do poder público.

É evidente a necessidade de acompanhamento e medição dos resultados, buscando a avaliação e melhoria contínua da gestão socioambiental.

12 RECURSOS MATERIAIS

Reforma do caminhão.

13 RECURSOS HUMANOS

Será oferecido treinamento gratuito aos membros da associação através da representante da ONG presidente da ARPA, Associação Regional de Proteção Ambiental, que tem ajudado muito, com palestras, orientações para a associação de catadores de lixo.

14 RECURSOS FINANCEIROS

Treinamento e orientação oferecidos Delvane Maria Fernandes, presidente/Coordenadora e membro titular do Comitê do Rio São Francisco e região.

15 CRONOGRAMAS FÍSICOS E FINANCEIROS

Período de execução da reforma 06 meses.

16 – INVESTIMENTOS

TOTAL R$7, 984,00

Reforma do caminhão = R$2, 500,00

Sete pneus 900 x Ld35 = R$649,00 Cada. Total = R$4, 553,00

Câmaras Valor unitário=R$73,00 x Sete = R$511,00

Protetor Valor Unitário=R$30,00 x Sete = R$210,00

Mão de obra Unidade = R$30,00 x Sete = R$210,00

Anexos

Localização do Projeto

Sede da associação e espaço cultural.

Bairro Cidade Jardim

Pirapora MG

Vínculo com atividade que o Estado e Cidade já desenvolve.

Agosto de 2007, quando a Associaçãopegou fogo.

O que parecia o fim, foi o recomeço.

Caminhão usado, comprado com recursos doados por uma ONG sócio-ambiental

O caminhão está trabalhando em condições. Por falta de recursos financeiros.

No Brasil existem milhões de pessoas vivendo abaixo da linha da pobreza e em Pirapora não é diferente. Como podemos verifica nas imagens do esgoto correndo a céu aberto.

ESGOTO A CÉU ABERTO

FALTA SANEAMENTO

REFERÊNCIAS:

1,2,3Luiz, Leliana Aparecida Casagrande

Economia e responsabilidade socioambiental: gestão ambiental

Leliana Aparecida Casagrande Luiz, Valquíria Gasparotte, Wilson Geidelis Junior.

- São Paulo: Pearson Prentice hall, 2009.

Bibliografia.

ISBN 978-85-7605-553-2 1. Economia 2. Gestão ambiental – Estudo e ensino 3. Meio ambiente 4.Responsabilidade social das empresas 1. Gasparotte, Valquíria. ll. Geidelis Junior, Wilson. lll. Título.

CDD-333.707

Comentários