60 maneiras das nações unidas fazerem a diferença

60 maneiras das nações unidas fazerem a diferença

(Parte 1 de 3)

60 Maneiras das Nações Unidas fazerem a diferença 60 Maneiras das Nações Unidas fazerem a diferença

60 maneiras das Nações Unidas fazerem a diferença

A Organização das Nações Unidas foi criada há mais de 60 anos para salvar as próximas gerações da guerra, proteger os direitos humanos, estabelecer as condições para a justiça, e promover progresso social e um melhor padrão de vida. Estes objetivos fundamentais continuam sendo mais importantes do que nunca.

Ao mesmo tempo, nessas últimas seis décadas, novos desafios surgiram – do terrorismo internacional às mudanças climáticas, de epidemias de doenças infecciosas a outras ameaças que transcendem fronteiras.

Estes problemas globais nunca poderão ser solucionados por um país agindo sozinho. Como a única verdadeira instituição universal no mundo, as Nações Unidas oferece o melhor – senão o único – fórum para estimular ações globais para enfrentar estes desafios.

Através de breves e específicos exemplos, este folheto ilustra algumas das realizações das Nações Unidas até hoje, e como a Organização pode continuar seu valioso trabalho no futuro, para o bem das gerações que virão.

Ban Ki-moon Secretário-Geral das Nações Unidas

As Nações Unidas foram fundadas logo após uma guerra devastadora, para ajudar a estabilizar as relações internacionais e fornecer uma base mais segura para a paz.

Em meio a conflitos regionais aparentemente intermináveis e a ameaça de uma guerra nuclear, a manutenção da paz se tornou uma preocupação constante da ONU, e as atividades dos capacetes azuis ganharam grande visibilidade.

Mas as Nações Unidas são muito mais do que as forças de paz e um fórum para a solução de conflitos. Freqüentemente sem chamar a atenção, a ONU e sua família de agências, programas e fundos, estão engajadas em uma vasta gama de tarefas que buscam melhorar a vida das pessoas ao redor do mundo.

Sobrevivência infantil e desenvolvimento. Proteção ao meio ambiente. Direitos humanos. Saúde e pesquisa médica. Diminuição da pobreza e desenvolvimento econômico. Desenvolvimento agrícola e aqüicultura. Educação. Progresso das mulheres. Ajuda em emergências e desastres. Navegação aérea e marítima. Uso pacífico da energia atômica. Direitos trabalhistas. E a lista continua. Eis aqui uma pequena amostra do que as Nações Unidas e seus órgãos vêm realizando desde 1945, quando a Organização mundial foi fundada.

1. Manter a paz e a segurança

Ao ter enviado 63 missões de observação e de manutenção da paz para pontos críticos do planeta durante os últimos 60 anos, a ONU conseguiu restabelecer a calma permitindo que muitos países se recuperassem do conflito. Atualmente, há 17 operações de manutenção da paz ao redor do mundo compostas por cerca de 8.500 homens e mulheres de 119 países que estão em lugares onde outros não podem ou não querem ir.

2. Construir a paz

Desde os anos 90, muitos conflitos acabaram tanto através da mediação da ONU ou através do apoio da Organização. A lista inclui El Salvador, Guatemala, Namíbia, Camboja, Moçambique, Afeganistão, Serra Leoa, Burundi e conflito entre o norte o sul do Sudão. Pesquisadores acreditam que 40% do declínio nos conflitos em todo o planeta nos anos 90 deve-se, em grande parte, a ação da ONU nas áreas de prevenção de conflitos e manutenção da paz. A diplomacia preventiva e outras ações preventivas evitaram muitos conflitos potenciais. Além disso, as missões de paz da ONU também auxiliam em situações de pós-conflito e ajudam na construção da paz.

3. Prevenir a proliferação de armas nucleares

Durante cinco décadas, a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), funciona como o inspetor mundial da energia nuclear. Os especialistas da AIEA trabalham para verificar se o material nuclear produzido no mundo é utilizado somente para fins pacíficos. Até hoje, a Agência possui acordos com 163 Estados.

4. Desativar minas terrestres

As Nações Unidas desativam minas terrestres em 42 países ou territórios, incluindo Afeganistão, Angola, Bósnia-Herzegóvina, Iraque, Moçambique e Sudão. As minas terrestres matam ou mutilam milhares de civis a cada ano. A ONU também ensina as pessoas a se protegerem destes artefatos, ajuda as vítimas a se tornarem auto-suficientes, auxilia os países a destruir estoques de minas terrestres e trabalha para que todos os países participem dos tratados internacionais sobre este assunto.

5. Combater o terrorismo

Os Estados-Membros vêem coordenando seus esforços para combater o terrorismo através das Nações Unidas. Em 2006, a ONU adotou uma estratégia global para combatê-lo – a primeira vez em que todos os países chegaram a uma visão comum na luta contra o terrorismo. As agências e programas da ONU vêm ajudando os países a pôr em pratica esta estratégia, provendo assistência legal e promovendo a cooperação internacional contra o terrorismo. A ONU também tem disponibilizado as estruturas legais para combater o terrorismo internacional. Dezesseis instrumentos legais foram negociados sob os auspícios da ONU, incluindo tratados contra a tomada de reféns, seqüestros de avião, bombardeios terroristas, terrorismo financeiro e, mais recentemente, terrorismo nuclear.

6. Promover o desenvolvimento

A ONU devotou sua atenção e recursos para melhorar os padrões de vida e as habilidades e potencial humanos ao redor do mundo. Desde 2000, esse trabalho está sendo guiado pelos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM). Praticamente todos os fundos para a assistência ao desenvolvimento da ONU provem de doações dos países. O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento ( PNUD), por exemplo, com funcionários em 166 países, apóia projetos para reduzir a pobreza, promover a boa governança, contornar as crises e preservar o meio ambiente. O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) trabalha em 155 países, principalmente na proteção à infância, imunização, no combate ao HIV/aids e na educação de meninas. A Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD) ajuda os países em desenvolvimento a aproveitar as melhores oportunidades de comércio. Além disso, o Banco Mundial fornece aos países em desenvolvimento empréstimos e subvenções, e já apoiou mais de 10 mil projetos de desenvolvimento desde 1947.

7. Reduzir a pobreza no meio rural nos países em desenvolvimento

O Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA) oferece empréstimos com baixas taxas de juros e pequenas quantias para populações rurais muito pobres. Desde 1978, o FIDA investiu mais de 105 bilhões de dólares e ajudou cerca de 300 milhões de homens e mulheres a melhorarem suas rendas e o sustento de suas famílias. Hoje, o FIDA administra mais de 200 programas e projetos em 81 países em desenvolvimento.

8. Focalizar o desenvolvimento da África

A África continua sendo uma prioridade para as Nações Unidas. Em 2001, Chefes de Estados Africanos criaram um plano de desenvolvimento próprio, chamado Nova Parceria para o Desenvolvimento da África. O plano foi endossado pela Assembléia Geral de 2002 como a principal estrutura de apoio internacional para a África. O continente recebe 38% das despesas do Sistema ONU com desenvolvimento, a maior parcela entre as regiões do mundo. Todas as agências das Nações Unidas mantêm programas especiais em benefício da África.

9. Promover o bem-estar das mulheres

As Nações Unidas ajudaram a promover a igualdade entre homens e mulheres e o bem-estar das mulheres. O Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher ( UNIFEM) e o Instituto Internacional de Treinamento e Pesquisa para o Progresso das Mulheres (INSTRAW) ajudaram a melhorar a qualidade de vida das mulheres e a promover os seus direitos em mais de 100 países. O INSTRAW desenvolve pesquisas e atividades de capacitação e o UNIFEM apóia projetos que buscam combater a violência contra a mulher, reverter a

Nações Unidas devem levar em conta as necessidades das mulheres

expansão do HIV/aids e promover a segurança econômica das mulheres, aumentando, por exemplo, o acesso ao trabalho e aos seus direitos a terra e herança. Todas as agências das 10. Lançar as bases para os negócios

A ONU é boa para os negócios. Tem fornecido a infra-estrutura “so ft” para a economia global, negociando padrões técnicos universalmente aceitos em áreas tão diversas como estatísticas, legislação comercial, procedimentos alfandegários, propriedade intelectual, aviação, navegação e telecomunicações, facilitando a atividade econômica e reduzindo os custos de transação. Forneceu a base para o investimento nas economias em desenvolvimento, promovendo estabilidade política e boa governança, lutando contra a corrupção e induzindo a observação das políticas econômicas e legislação adequada.

1. Apoiar a indústria nos países em desenvolvimento

A Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial (UNIDO), tem servido como intermediária na cooperação industrial norte-sul e sul-sul, promovendo empreendedorismo, investimento, transferência de tecnologia e o desenvolvimento industrial sustentável e de baixo custo. Ajudou os países a gerirem o processo de globalização de forma suave e reduziu a pobreza.

12. Lutar contra a fome

A Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) lidera os esforços globais de longo prazo para vencer a fome. O objetivo de assegurar a todas as pessoas em todos os lugares do mundo o acesso regular a uma alimentação de alta qualidade para poder levar uma vida saudável, é o centro do trabalho desta agência. Servindo tanto a países desenvolvidos como a países em desenvolvimento, a FAO atua como um fórum neutro, onde todas as nações se reúnem como iguais para negociar acordos e debater políticas. A FAO também auxilia países em desenvolvimento a modernizar e aperfeiçoar práticas agrícolas, florestais e pesqueiras, de forma a conservar os recursos naturais e melhorar a nutrição.

13. Aperfeiçoar relações comerciais globais

A Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e o Desenvolvimento (UNCTAD) tem ajudado os países em desenvolvimento a negociar acordos comerciais e a ganhar tratamento preferencial para suas exportações. A UNCTAD tem negociado acordos internacionais sobre produtos primários, assegurando preços justos para países em desenvolvimento, aumentando a eficiência de suas infra-estruturas comerciais e ajudando-os a diversificar suas produções e a se integrar na economia global.

14. Promover re formas econômicas

O Banco Mundial e o Fundo Monetário Internacional (FMI) têm ajudado muitos países a melhorar a administração de suas economias, provendo assistência financeira temporária a países para ajudálos a reduzir problemas de balanço de pagamentos e oferecendo treinamento para funcionários públicos da área econômica.

15. Melhorar o transporte aéreo e marítimo

Agências das Nações Unidas são responsáveis por estabelecer padrões de segurança para o transporte aéreo e marítimo. A Organização Internacional de Aviação Civil (ICAO) tem contribuído para tornar a viagem aérea o modo mais seguro de transporte. Em 1947, quando 21 milhões de pessoas viajavam pelo ar, 590 morriam em acidentes aéreos. Em 2007, o número de mortes foi de 581 em 2,2 bilhões de passageiros. Da mesma maneira, a Organização Marítima Internacional (IMO) tem ajudado a tornar o mar mais limpo e seguro. Estatísticas mostram que a navegação está se tornando mais segura e que essa atividade está aperfeiçoando seus cuidados com o meio ambiente. Mortes e perda de embarcações estão diminuindo, os incidentes poluidores e a poluição total por óleo estão sendo reduzidos, e a poluição do ar e a causada por esgotos estão sendo controladas, enquanto o montante de carregamento transportado pelo mar continua aumentando.

16. Gerar um compromisso mundial de apoio às crianças

De El Salvador ao Líbano e do Sudão à antiga Iugoslávia, o UNICEF tem promovido ações pioneiras como o estabelecimento de “dias de tranqüilidade” e a abertura de “corredores de paz” para fornecer vacinas e outros tipos de ajuda das quais crianças envolvidas em conflitos armados necessitam desesperadamente. A Convenção sobre os Direitos da Criança tornou-se lei em 192 países. Em seguimento à Sessão Especial da ONU sobre a Criança, de 2002, 190 governos comprometeram-se com uma série de objetivos com prazos específicos nas áreas de saúde, educação, proteção contra o abuso, a exploração e a violência e a luta contra o HIV/aids.

17. Transformar favelas em assentamentos humanos decentes

Hoje, as cidades são lar de metade da humanidade. São o centro de boa parte da produção e consumo nacionais – processos econômicos e sociais que geram riqueza e oportunidades. Mas são também o local de doenças, crimes, poluição e pobreza. Em muitas cidades, principalmente em países em desenvolvimento, os moradores de favelas são mais de 50% da população e têm pouco ou nenhum acesso a abrigo, água e saneamento. O Programa das Nações Unidas para Assentamentos Humanos (UN-HABITAT), com mais de 150 programas técnicos e projetos em 50 países ao redor do mundo, trabalha com governos, autoridades locais e organizações nãogovernamentais para desenvolver soluções inovadoras para municípios e cidades. Elas incluem oferecer garantia de posse aos pobres das cidades, que por sua vez é um catalisador para investimento em moradias e serviços básicos para os mais pobres.

18. Prover acesso local a uma rede global

A União Postal Universal (UPU), facilita o intercâmbio do correio internacional e desenvolve comunicações sociais, culturais e comerciais entre as pessoas e o comércio com serviços e produtos postais atualizados. Cerca de 660 mil correios formam uma das maiores redes do planeta, facilitando a transferência de informação, mercadorias e dinheiro. A Internet e as novas tecnologias abriram novas portas para os serviços postais, especialmente na área do e-comércio, a partir do momento em que mercadorias compradas pela web ainda não podem ser enviadas eletronicamente. O correio continua sendo uma ponte fundamental entre as operações digitais e as financeiras, além de ser um parceiro fundamental para o desenvolvimento global.

19. Aprimorar as telecomunicações globais

A União Internacional de Telecomunicações (ITU) reúne os governos e a indústria para desenvolver e coordenar a operação de redes e serviços de telecomunicação globais. A ITU vem coordenando o uso compartilhado do espectro rádio, promovendo a cooperação internacional na determinação de órbitas de satélites, trabalhando para aperfeiçoar a infra-estrutura de telecomunicação nos países em desenvolvimento e negociando os padrões mundiais que garantem a interconexão perfeita de uma vasta gama de sistemas de comunicação. Da Internet banda-larga às tecnologias sem fio de última geração, da navegação aeronáutica e marítima à rádio astronomia e à meteorologia baseada em satélites, de serviços de telefonia a transmissões de TV e redes de última geração, a ITU ajuda o mundo a se comunicar.

20. Melhorar a educação e a alfabetização em países em desenvolvimento

Hoje 83% dos adultos nos países em desenvolvimento podem ler e escrever e 84% das crianças freqüentam escolas primárias. O objetivo agora é garantir que até 2015 todas as crianças possam completar a educação primária. Os programas dirigidos a promover a educação e o avanço das mulheres ajudaram a elevar, nos países em desenvolvimento, o nível de alfabetização feminino de 36%, em 1970, para 79%, em 2007. Agora, o objetivo é assegurar que todas as meninas completem a educação primaria e secundária até 2015.

(Parte 1 de 3)

Comentários