Rb - ed019

Rb - ed019

(Parte 1 de 6)

| Revista BrOffice | w.broffice.org/revista 1Janeiro | 2011Revista BrOffice.org | w.broffice.org/revistaDiagramado no BrOffice.org Draw

Artigos | Dicas | Tutoriais | e muito mais...

Ano 4 | N° 18 | Dezembro 2010

A Campus Party é uma vitrine para os jovens talentos da área de tecnologia exporem suas ideias e projetos. Confira também a participação do BrOffice no evento.

Revista BrOffice | w.broffice.org/revistaDiagramado no BrOffice Draw

Artigos | Dicas | Tutoriais | e muito mais...

Ano 4 | N° 19 | Janeiro 2011

TDF e LibreOffice na Campus Party 2011:TDF e LibreOffice na Campus Party 2011: Situações e antecedentes que levaram à criação daSituações e antecedentes que levaram à criação da

The Document Foundation e o impacto causado na The Document Foundation e o impacto causado na comunidade BrOfficecomunidade BrOffice

Inclusão

Digital:

Telecentros do Estado da Bahia, visa garantir acesso às tecnologias da informação e comunicação ndiceí

Carta do leitor carta do leitor 04

colaboradores Conheça os colaboradores05

artigo Economia solidária e internet06

entrevista

Rotoplastyc 10 Joseph Powers12

novas tecnologias Novas funcionalidades BrOffice 3.314

reportagem

TDF e LibreOffice na Campus Party24 Centro Digital Cidadania - Ouriçangas28

dica rápida Dica rápida31

cultura

Redblade - Episódio 08 - Fire32 Dica de filme - Minority report (A nova lei)34

dica O modo pincel para aplicação de estilos35

espaço aberto Introdução ao PostgreSQL37

resumo resumo do mês39

| Revista BrOffice | w.broffice.org/revista 3Janeiro | 2011 nome para o mês de Janeiro é uma homenagem a Jano, um deus da mitologia grega que tinha duas faces, uma olhando para o passado e outra olhando para o futuro.

É com esse sentimento que iniciamos os trabalhos da Revista BrOffice em 2011. De olho em tudo o que aconteceu em 2010, mas também de olho no futuro. O leitor vai perceber que a Revista ganhou um novo visual alinhado com a mudança para a TDF e LibreOffice. Entre elas, a substituição das gaivotas pela marca da TDF, mudança de cores das seções e alterações nos cabeçalhos. Esperamos, com isso, agradar aos leitores, usuários, colaboradores e parceiros.

E por falar no projeto Internacional, um pouco dessa história foi contada na Campus Party, em São Paulo, em palestra ministrada por Eliane Domingos. Ainda sobre a Campus Party 2011, a visão de um campuseiro é contada por Ricardo Pontes, membro da comunidade BrOffice e Ubuntu, além de colaborador da Revista BrOffice.

Na segunda entrevista da série com desenvolvedores do LibreOffice, Joseph Powers nos faz saber os atrativos de ser colaborador no projeto. Sua principal contribuição foi na limpeza do código base, melhorando a eficiência dos temas de ícones e deixando o LibreOffice mais bonito. Em outra entrevista ficamos sabendo de mais um case bem sucedido para BrOffice da empresa Rotoplastyc, que fica em Carazinho-RS.

Em Novas Tecnologias, um relatório profundo das principais novidades do LibreOffice/BrOffice 3.3. Um trabalho realizado por Gustavo Buzzatti Pacheco, com o apoio do Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso, Cuiabá/MT, e do Tribunal Regional do Trabalho da 4.ª Região, Porto Alegre/RS.

E para finalizar vamos conhecer o Centro Digital Ouriçangas, um projeto de Inclusão Sociodigital do Estado da Bahia.

Claro que não é só isso. Temos ainda as dicas, o novo episódio de Redblade, e uma nova seção que vai trazer as principais novidades das comunidades de Software Livre, começando com um artigo sobre o PostgreSQL.

Boa leitura!!

Luiz Oliveira Editor

Colaboradores desta edição

Redação: André Bordignon Cárlisson Galdino Gustavo Pacheco Leonardo Cézar Luiz Oliveira Natan Reis Santos Ricardo Pontes

Dicas: Klaibson Ribeiro Luiz Oliveira Rubens Queiroz

Tradução e adaptação: Clóvis Tristão Rogerio Luz

Diagramação: Cida Coltro Hélio S. Ferreira Helmar Fernandes Duilio Dias Eliane Domingos

Revisão: Cida Coltro Clóvis Tristão Luiz Oliveira Fátima Conti Renata Marques Vera Cavalcante

Capa: Duilio Neto

Edição: Luiz Oliveira luizoliveira@revistabroffice.org

Revisora responsável: Vera Lúcia Cavalcante Pereira veracape@revistabroffice.org

Jornalista responsável: Luiz Oliveira – Mtb.31064

Coordenador Geral BrOffice.org: Cláudio Ferreira Filho | filhocf@broffice.org

Coordenadora Revista BrOffice: Eliane Domingos de Sousa elianedomingos@revistabroffice.org

The Document Foundation Brasil: Olivier Hallot olivier.hallot@documentfoundation.org

Escreva para a Revista BrOffice: contato@revistabroffice.org Edições anteriores: w.broffice.org/revista

O conteúdo assinado e as imagens que o integram são de inteira responsabilidade de seus respectivos autores, não representando necessariamente a opinião da revista BrOffice e de seus responsáveis. Todos os direitos sobre as imagens são reservados a seus respectivos proprietários

O que é o BrOffice É o produto, ferramenta de escritório multiplataforma, livre, em bom português, desenvolvido sob os termos da licença LGPL, composto por editor de texto, planilha de cálculo, apresentação, matemático e banco de dados, mantido pela comunidade e OSCIP, que trabalha para a difusão do SL/CA no País.

Desenvolvimento Esta revista foi elaborada no BrOffice, editor de texto, planilha eletrônica, apresentação e, diagramação. A reprodução do material contido nesta revista é permitida desde que se incluam os créditos aos autores e a frase: “Reproduzido da Revista BrOffice – w.broffice.org/revista em local visível.

A Revista BrOffice declara não ter interesse de propriedade nas imagens. Os direitos sobre as mesmas pertencem a seus respectivos autores/proprietários.

O conteúdo da Revista Broffice está protegido sob a licença Creative Commons BY-NC-SA, disponível no w.creativecommons.org.br. Esta licença não se aplica a nenhuma imagem exibida na revista, e para utilização delas obtenha autorização junto ao respectivo autor.

editorial

Patrocinadora:

Jano, o deus das portas O

| Revista BrOffice | w.broffice.org/revista 4Janeiro | 2011 Arquivo pessoal

Estou utilizando o BrOffice recentemente e gostando muito. Dou parabéns a todos os envolvidos nesse projeto. Gostaria de contribuir com uma pequena participação: como utilizava muito Excel, estou utilizando o Calc e percebi que a função Procv não funciona quando a matriz utiliza fórmulas ou funções.

André Rebello

Olá André, obrigado pelo contato e pela contribuição. Enviamos o teu arquivo para a lista usuarios@pt-br.libreoffice.org para que a comunidade possa avaliar o seu caso e se possível encontrar uma solução.

Ilmo. Srs.

Sabemos que planilhas, processadores de texto, programas de apresentação e outros, fazem parte de nosso cotidiano, seja no lazer, na vida profissional enfim, como dizem, é parte de nossa "vida".

Orgulho do século passado, a informática resplandece no século 21, e sem dúvida alguma, revoluciona o modo de ser. O pacote BrOffice, LIVRE , cresce dia a dia. Aquilo que só era observado nos meios universitários, chega até o grande público, de maneira versátil. Eis um pacote revolucionário, onde inúmeros colaboradores , somam esforços, para , assim dizer, realizar uma grande transformação em termos de informática.

(...)Li, todos os números da revista disponíveis para download: excelentes!

Preciso de uma pequena ajuda "operacional": Como importar textos, através de um scanner, direto para o BrOffice? Existe a possibilidade ?

Grato, Continuem 2011, com muito SUCESSO ! João Paulo Vargas

Olá João,

Ficamos felizes que tenha gostado da Revista e fica o convite para fazer parte da produção colaborativa. Para isso é só entrar em contato conosco através do e-mail contato(a)revistabroffice.org. Em relação à sua dúvida, existe sim a possibilidade. Uma vez que o scanner esteja corretamente instalado em sua máquina, basta abrir o BrOffice Writter, acessar o menu Inserir > Figura > Digitalizar, em seguida selecionar a origem, ou seja, o seu scanner.

Introdução ao PostgreSQLIntrodução ao PostgreSQL Esta é a sua seção! Na “Carta do Leitor”, você pode tirar dúvidas sobre o BrOffice, seja produto, comunidade ou desenvolvimento, enviar críticas ou sugestões que possam enriquecer ainda mais a nossa revista. Envie um email para cartadoleitor@revistabroffice.org Participe! carta do leitor

(...)Recebo esta bela noticia vinda como um presente de natal pela revista BrOffice.org edição n° 18, onde se lê que a comunidade se desvencilhou do grilhão da Oracle. Isso é muito importante e um marco na historia das GPL's, GNU's e qualquer forma de lei que englobara e garantira aos usuários de todo mundo as quatro liberdades do software livre: a liberdade de utilizá-lo para qualquer fim, comercial ou não, acesso aos códigos e seu estudo, as melhorias que podem ser feitas nos códigos e a sua redistribuição sem dever nada a ninguém.(...)

Wanderson B. Paula Taguatinga – DF

Olá Wanderson,

Interessante sua “declaração de amor” ao BrOffice e ao Linux. Como sua mensagem ficou um pouco grande e atendendo ao seu pedido, resolvemos publicar o seu texto na íntegra no portal BrOffice.org, ok?

Desejo à todos vocês um Feliz Natal e que o Ano Novo só reserve Boas Novas e Grandes Desenvolvimentos!

Wiliam A. Pereira São Carlos - São Paulo - Brasil

| Revista BrOffice | w.broffice.org/revista 5Janeiro | 2011 Arquivo pessoal colaboradores

Conhecendo os colaboradores

| Revista BrOffice | w.broffice.org/revista 6Janeiro | 2011 Arquivo pessoal

Por André Bordignon

Economia Economia solidária e solidária e internetinternet artigo

A Internet é uma grande e democrática ferramenta de comunicação. Ela nos abre inúmeras possibilidades para colaboração e cooperação. A certeza dessa afirmação pode ser constatada pelo forte ataque que as grandes corporações capitalistas, aliadas com os governos liberais, vem fazendo à liberdade da rede. O tratado do ACTA¹ é um bom exemplo disso. O ACTA é um tratado que reúne os grandes países para definir e regular a questão dos direitos autorais. As corporações capitalistas estão fazendo de tudo para limitar a liberdade da Internet. Quem tem medo da Internet?

Em seu artigo Quem tem Medo da Internet, o sociólogo Emir Sader aponta que, os poucos poderosos do setor de comunicação, que sempre dominaram a cena nacional com a veiculação de notícias homogêneas de uma visão única quase sempre questionáveis, são os mais relutantes em aceitar essa liberdade propiciada pela Internet, agora que ela vai se tornando mais popular. Emir Sader cita “Tenhamos claro que os que têm medo da internet são os que usufruem monopólios, os que se submetem aos patrões que lhes pagam salários e lhes garantem espaços de que eles acreditavam que dependeríamos para conhecer o Brasil e o mundo. São os que acusam governos, partidos, movimentos sociais de não serem democráticos, mas estão a favor da censura e da ditadura, como agora fica claro”. E continua “Quem tem medo da internet, tem medo da democracia, tem medo da cidadania, tem medo do povo”. A Internet, apesar de ter sido originalmente concebida em um ambiente militar, também incorporou os valores de liberdade e colaboração da década de 60 que estava passando por uma transformação social profunda.

Por outro lado, temos um movimento que vem ganhando força nos últimos anos no Brasil que é o movimento da Economia Solidária. Esse modelo de economia se apresenta como alternativa ao modelo colocado atualmente.

A Economia Solidária tem quatro características muito marcantes que são: Cooperação, Autogestão, Atividade Econômica e Solidariedade. Com esse modelo, se espera uma sociedade organizada economicamente de maneira mais justa e solidária de forma que cada trabalhador e cada trabalhadora tenha o suficiente para viver de maneira digna. No Brasil já existe uma secretaria - Secretaria Nacional de Economia Solidária - para cuidar dos assuntos relativos à Economia Solidária.

Será que a Internet pode ser utilizada para alavancar os empreendimentos de economia solidária?

G o o g l e

| Revista BrOffice | w.broffice.org/revista 7Janeiro | 2011 artigo Arquivo pessoal

Arquivo pessoal

Por André Bordignon

Do ponto de vista de valores, percebemos que a Internet e Economia Solidária se conectam. Se percebemos valores na Internet que podem estar em sintonia com a Economia Solidária porque então ela não pode ser um instrumento de alavancagem para esse modelo de economia?

O que vemos hoje de utilização da Internet pela Economia Solidária são simples sites de empreendimentos solidários, com os produtos desenvolvidos e um sistema de busca desses produtos. Isso não é suficiente para uma alavancagem mais forte dessa economia. É necessário um estudo mais profundo dessa ferramenta com o foco na Economia Solidária para desvendar suas inúmeras e reais possibilidades.

O Atlas da Economia Solidária de 2005 mostra que poucos empreendimentos utilizam a Internet no seu processo produtivo e de gestão.

Segundo o mesmo atlas, somente 7% dos empreendimentos de Economia Solidária comercializam seus produtos no território nacional e somente 2% com outros países, mostrando que a grande maioria dos produtos é comercializado localmente. Evidentemente, aí percebemos que temos um grande potencial para ampliar a abrangência da comercialização. E a Internet, como forma de divulgação e comercialização a um custo baixo, poderia ser a potencializadora através do comércio eletrônico.

Outro aspecto importante dos empreendimentos da Economia Solidária é a gestão coletiva. Esse tipo de gestão requer disponibilização das informações relativas ao empreendimento para as tomadas de decisões nas assembleias e reuniões. A Internet propicia a facilidade da disponibilização de todas essas informações online. Com as informações de fácil acesso, as decisões podem ser tomadas de maneira autônoma, minimizando a influência direta da diretoria dos empreendimentos, tornando a gestão altamente participativa.

Outra iniciativa que pode ser alavancada com o uso da Internet é a troca de saberes entre os empreendimentos. Sabemos que a maioria dos empreendimentos de Economia Solidária são formados sem grande captação de recursos e, muitas vezes, até nenhuma captação. A Internet pode ser um canal de troca de informação para melhoria dos empreendimentos com um custo muito baixo.

(Parte 1 de 6)

Comentários