(Parte 1 de 17)

Curso de Engenharia Florestal

Universidade Regional de Blumenau - FURB Prof. Dr. Alexander C. Vibrans

Eucalyptus deglupta

Posoqueria latifolia

Autores: Dr. Alexander Christian Vibrans e acadêmico Alexandre A. de Oliveira contato: acv@furb.br

Blumenau Fevereiro de 2010

Curso de Engenharia Florestal

Universidade Regional de Blumenau - FURB Prof. Dr. Alexander C. Vibrans Programa

1. DENDROLOGIA GERAL 1.1. Introdução 1.2. Taxonomia vegetal 1.3. Morfologia e descrição dendrológica 1.3.1 Tronco e casca 1.3.2 Ramificação e copa 1.3.3 Folha 1.3.4 Flor 1.3.5 Fruto e semente 1.4 Chaves dendrológicas 1.5 Coleta e preparo de material para coleções (herbário, carpoteca, xilotecas) 1.6 Biologia reprodutiva de espécies arbóreas 1.7 Grupos ecológicos de árvores 1.8 Fenologia

2. DENDROLOGIA ESPECÍFICA 2.1. Espécies importantes e suas características morfológicas, ecológicas e econômicas. 2.1.1. Gimnospermas (coníferas): Araucariaceae, Podocarpaceae 2.1.2. Angiospermas (magnoliófitas): Annonaceae, Arecaceae, Asteraceae, Apocynaceae, Aquifoliaceae, Araliaceae, Bignoniaceae, Boraginaceae, Euphorbiaceae, Fabaceae, Lauraceae, Lecythidaceae, Magnoliaceae, Melastomataceae, Meliaceae, Myrtaceae, Moracaeae, Myristicaceae, Myrsinaceae, Rhamnaceae, Sapindaceae, Sapotaceae, Verbenaceae. 2.2 Espécies exóticas cultivadas no Brasil

Bibliografia recomendada BACKES, P., IRGANG, B. 2002. Árvores do Sul: guia de identificação & interesse ecológico, as principais espécies nativas sul-brasileiras. Santa Cruz do Sul: Instituto Souza Cruz, 326 p.

CAMARGOS, J. A.A. 2001. Catálogo de árvores do Brasil. 2. ed. Brasília, D.F: Instituto Brasileiro do

Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis, 896p.

CARAUTA, J.P.P., DIAZ, B.E. 2002. Figueiras no Brasil. Rio de Janeiro: Ed. da UFRJ, 211p. CARUSO, M.M.L.1983. O desmatamento da Ilha de Santa Catarina de 1500 aos dias atuais.

Florianópolis: Editora da UFSC, 158p.

CORREA, M. Pio, 1984. Dicionário das plantas úteis do Brasil e das exóticas cultivadas. Brasília:

EMBRAPA.1988. Zoneamento ecológico para plantios florestais no Estado de Santa Catarina. Curitiba:

Paulo: Polígono, 466p

GONÇALVES, E.G.; LORENZI, H. Morfologia vegetal. São Paulo: Instituto Plantarum. 2007. 441p. HUECK, K. 1972. As florestas da America do Sul: ecologia, composição e importância econômica. São

IBAMA.1991. Padronização da nomenclatura comercial brasileira das madeiras tropicais amazônicas.

Brasília: IBAMA, 95p.

IBGE. 1990-93. Geografia do Brasil. Volume 1-4. Rio de Janeiro: IBGE _. 1991. Manual técnico da vegetação brasileira. Rio de Janeiro: IBGE, 92p.

Curso de Engenharia Florestal

Universidade Regional de Blumenau - FURB Prof. Dr. Alexander C. Vibrans

1979/80. Ecologia da flora e vegetação do vale do Itajaí. Sellowia. 31/32, p. 1-399.

KLEIN, R.M. 1960. O aspecto dinâmico do pinheiro brasileiro. Sellowia 12:17-4. _ 1982. Contribuição à identificação de árvores nativas nas florestas do sul do Brasil.

Congresso Nacional sobre Essências Nativas. Campos do Jordão. Anais. Vol. I, p.421-440.

LAMPRECHT, H. 1990. Silvicultura nos trópicos. Eschborn: GTZ, 343p. LORENZI, H. 1992. Árvores Brasileiras. Nova Odessa: Editora Plantarum, 352p. _. 1998. Árvores Brasileiras. Vol.I. Nova Odessa: Editora Plantarum, 352p.

_. 2003. Árvores exóticas do Brasil. Nova Odessa: Editora Plantarum, 368p. MAINIERI, C., CHIMELO, J. P. 1989. Fichas de características das madeiras brasileiras. São Paulo:

MARCHIORI, J.N.C.1995. Elementos de Dendrologia. Santa Maria: Ed. da UFSM, 163p. _. 1996. Dendrologia das Gimnospermas. Santa Maria: Ed. da UFSM, 158p.

_. 1997. Dendrologia das Angiospermas - Leguminosas. Santa Maria: Ed. da UFSM, 199p.

_. 1997. Dendrologia das Angiospermas - das Magnoliáceas às Flacourtiáceas. Santa Maria: Ed. da UFSM, 271p. _, 2000. Dendrologia das angiospermas: das bixáceas às rosáceas. Santa Maria: Ed.

_, SOBRAL,M. 1997. Dendrologia das Angiospermas – Myrtales. Santa Maria: Ed. da UFSM, 304p.

RAMOS, V. S. et al. 2008. Árvores da floresta estacional semidecidual: guia de identificação de espécies. São Paulo: Edusp/Fapesp, 312p.

_ (ed.) 1965 -Flora Ilustrada Catarinense. Itajaí. Herbário Barbosa Rodrigues.

REITZ, .R. 1959. Os nomes populares das plantas de Santa Catarina. Sellowia 1:9-148. REITZ, P.R., KLEIN, R.M., REIS, A. 1978. Projeto Madeira de Santa Catarina. Itajaí: HBR, 284p. _. sem ano. Projeto Madeira do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Sudesul, 525p. RIBEIRO, J. E. L.da S. et. al. 1999. Flora da Reserva Ducke: guia de identificação das plantas vasculares de uma floresta de terra-firme na Amazônia Central. Manaus: INPA, 798p.

SOBRAL, M.; JARENKOW, J.A. (org.) Flora arbórea e arborescente do Rio Grande do Sul, Brasil. São

SCHULTZ, A. R. 1980. Introdução à botânica sistemática. 5. ed. Porto Alegre: Ed. da URGS. SOUZA, H.M. et al. 2004. Palmeiras no Brasil. Nova Odessa: Editora Plantarum, 416p. SOUZA, V. Castro; LORENZI, H. 2008. Botânica sistemática: guia ilustrado para identificação das famílias de Fanerógamas nativas e exóticas no Brasil, baseado em APG I.2. ed. Nova Odessa: Instituto Plantarum, 704 p.

VELOSO, H.P. et al. 1991. Classificação da vegetação brasileira, adaptada a um sistema universal.

Rio de Janeiro: IBGE, 123p.

WALTER, H. 1986. Vegetação e zonas climáticas. São Paulo: EPU, 325p. WANDERLEY, M. G. Lapa. 2003 - . Flora fanerogâmica do estado de São Paulo. São Paulo: FAPESP, RiMa, vol. 1 - 4.

Curso de Engenharia Florestal

Universidade Regional de Blumenau - FURB Prof. Dr. Alexander C. Vibrans

DENDROLOGIA (Estudo das árvores): definições

Morfologia, nomenclatura, distribuição geográfica, utilidades (Teofrasto, Grécia, século IV a.C.). Nomenclatura, sinônimos, utilização e provérbios, curiosidades Ulisse Aldrovandi (Bologna, 1668). Taxonomia, nomenclatura, morfologia, anatomia, fenologia, distribuição geográfica, importância econômica, sub-espécies, variedades, formas e grupos como gênero e família (Dayton, 1945).

Descrição de características morfológicas, ecológicas e econômicas das árvores

MORFOLOGIA- baseada em caracteres primários (morfologia floral);

- usando também caracteres secundários para o fácil reconhecimento (porte, forma da copa e do tronco; cor, estrutura e aspecto da casca e das folhas; presença de acúleos, espinhos, látex, exsudações, odores, entre outros).

distribuição geográfica natural, exigências de

ECOLOGIA - Autecologia sítio (condições macro e microclimáticas e edáficas), biologia reprodutiva e estratégias de reprodução.

- Sinecologia posição e função das árvores nas comunidades de plantas, as interações com outras plantas e a fauna. - Aspectos históricos histórico da ocorrência das espécies e de sua distribuição geográfica.

ECONOMIA- Importância econômica das árvores

Utilização artesanal e industrial (histórica e atual) de seus produtos; cultivo das espécies para fins produtivos e de conservação (recuperação).

Curso de Engenharia Florestal

Universidade Regional de Blumenau - FURB Prof. Dr. Alexander C. Vibrans

Taxonomia

Família, gênero, espécie; Nomes populares.

Características morfológicas

Aspecto geral (hábito); Tronco, raízes, ramificação; Folhas; Flores e Inflorescências; Frutos e sementes.

Biologia reprodutiva

Fenologia; Vetores de polinização; Vetores de dispersão; Estratégia de reprodução.

(Parte 1 de 17)

Comentários