Análise de THC-COOH em urina

Análise de THC-COOH em urina

DETERMINAÇÃO DO 1-THC-COOH POR CCD DETERMINAÇÃO DO 1-THC-COOH POR CCD

1. Finalidade

A finalidade da análise é comprovar o uso recente de preparações á base de Cannabis. Essa análise é usualmente solicitada na esfera da toxicologia forense, mas pode ser requerida na reabilitação de farmacodependentes como reforço para manutenção da abstinência ou para verificar a quebra do acordo de abstinência. Outra área de aplicação é a vigilância toxicológica, procedimento adotado por algumas empresas como parte de programas de prevenção ao abuso do álcool ou drogas e que se dedica á monitorização de indivíduos que ocupam posições sensíveis á segurança.

2. Fundamentos dos Métodos

O principal constituinte ativo da planta Cannabis sativa é Δ9- tetraidrocanabinol (Δ9-THC), que no organismo é rapidamente transformado por reações de hidroxilação que formam compostos mais polares, alguns ainda ativos. Reações que ocorrem principalmente pela ação do citocromo P-450. Dentre esses produtos gerados está o ácido 1-nor-9Δtetraidrocanabinol-9- carboxílico (Δ9-THC-COOH) que pode ser identificado a pela técnica de cromatografia em camada delgada, onde a coleta da amostra pode ser feita através da urina do indivíduo.

Figura 1 - Principais vias de biotransformação do Δ9-THC

O Δ9-THC-COOH extraído da urina é separado de outros constituintes da matriz por meio de desenvolvimento da placa cromatográfica, que é posteriormente revelada pela reação com o reagente Fast Blue B, podendo-se observar uma banda cor de rosa.

3. Fluxograma dos Métodos

4. Resultados e Discussão

Na cromatografia em camada delgada, obtivemos os seguintes valores:

Distância percorrida pelo solvente: 8,8 cm Distância percorrida pelo padrão: 4,3 cm Distância percorrida pela amostra: 0,0 cm (ausente)

Calculando o fator de retenção, Rf, temos:

Para o padrão, Rf = 0,48 Para a amostra, Rf = 0,0 (ausente)

5. Laudo frente ao resultado

Para a amostra 3 não foi observado numa banda que após a revelação da placa correspondesse ao padrão, portanto podemos concluir que a amostra três não continha o composto Δ9-THC-COOH. Portanto pode-se afirmar que o

5 mL de urina (amostra

3) em tubo de centrífuga Adicionado 0,5 mL de

NaOH 1N Aquecer em banho de

Resfriar em água Adicionado gotas de HCl até pH 2-3

Adicionado 5 mL de n- hexano (agitação 20 min) Centrifuga (5 min)

Transferir fase orgânica para béquer afunilado (secar em Banho Maria 90⁰c

Ressuspender (3 gotas de clorofórmio:metanol (3:1)) Transferir o extrato para a placa cromatográfica

Deixar a placa secar em temperatura ambiente e eluir em tolueno: hexano Nebulizar o revelador fast blue b 0,2%

Observar a banda cor de rosa indivíduo de qual pertence a amostra, não fez uso de Cannabis sativa que possui o canabinóide Δ9-THC nas 72 horas antes da coleta.

6. Referências Bibliográficas

MEATHERALL, R.C; GARRIOT, J.C. A sensitive thin-layer chromatographic procedura for the detection of urinary 1-nor-9Δ tetrahydrocannabinol-9- carboxylic acid. J. Anal. Toxicol., v. 12, p. 136-140, 1988.

SPINELLI, E; SILVA, O. A. Identificação de usuários de Cannabis por cromatografia em camada delgada de alta eficiência. Ver. Bras. Toxicol., v. 8, p. 21-28, 1995.

Comentários