Conexão Saúde - Deepak Chopra

Conexão Saúde - Deepak Chopra

(Parte 1 de 4)

Deepak Chopra

Como despertar a inteligência do corpo

Tradução de IBRAÍMA DAFONTE TAVARES

Edição revista e atualizada

Título original: Creating Health

Copyright © Deepak Chopra, 1987

Copyright da introdução à edição revista © Deepak Chopra, 1991

Licença editorial para o Círculo do Livro. Todos os direitos reservados.

Direitos exclusivos da edição em língua portuguesa no Brasil adquiridos por Círculo do Livro Ltda., que se reserva a propriedade desta tradução.

EDITORA BEST SELLER uma divisão do Círculo do Livro Ltda.

Al. Ministro Rocha Azevedo, 346 — CEP 01410-901 — Caixa Postal 9442 São Paulo, SP

Fotocomposição: Círculo do Livro Impressão e acabamento: Gráfica Círculo

CONTRA CAPA UM COMPROVADO MÉTODO DE CURA E BEM-ESTAR Considerado o livro sobre saúde mais revolucionário dos últimos tempos, Conexão Saúde revela a chave de um método de cura hoje mundialmente difundido e aceito por sua comprovada eficácia. Nele, o dr. Deepak Chopra mostra como doenças de fundo psicológico, físico e sexual podem ser curadas — de maneira saudável e definitiva. Basta compreender como funciona a sintonia dinâmica entre corpo e mente e, com técnicas simples, ajudar a natureza a trabalhar a nosso favor.

“A saúde perfeita é nosso estado natural. Este livro ensina como alcançá-la.”

— Tony Nader, neurocientista da Faculdade de Medicina de Harvard

“Uma leitura importante para quem está interessado em manter ou restaurar a saúde.”

— Marylin Ferguson, autora de A Conspiração de Aquário

Sumário

Nota à edição revista Introdução

PRIMEIRA PARTE Saúde e doença 1. Como ter saúde perfeita e sentir-se sempre jovem 2. Saúde deficiente 3. Hipertensão, ataque cardíaco e derrame 4. Câncer 5. Fumo, álcool e drogas 6. Controle de peso e obesidade 7. Fadiga crônica 8. Distúrbios gastrintestinais 9. Disfunções sexuais 10. Sono e insônia 1. Estresse e estafa 12. Distúrbios emocionais e depressão 13. A conexão psicofisiológica — Alguns casos dramáticos

SEGUNDA PARTE Preparando os alicerces 14. A saúde tem origem em um só lugar 15. A felicidade e a química cerebral da saúde 16. Pensamentos, impulsos de inteligência — A mente humana, um reservatório de inteligência 17. Evolução

18. Saúde — A soma de impulsos de inteligência positivos e negativos 19. Vida e longevidade — O problema do envelhecimento 20. Do homem ao super-homem

TERCEIRA PARTE Estratégias para gerar saúde 21. Autoconhecimento 2. Vivendo no presente 23. A satisfação do ego 24. A importância da satisfação no trabalho 25. Canalizando o inconsciente — A força do hábito 26. Dieta e destino 27. Ritmo, repouso e atividade 28. Mantendo a mente aberta 29. Encantamento e fé 30. O caminho da compaixão 31. Uma visão da totalidade e do amor

QUARTA PARTE Em direção a uma realidade superior: meditação e metamorfose 32. Realidade, manifesta e não-manifesta 3. A natureza e o alcance da inteligência 34. A mecânica da criação 35. Técnicas de meditação 36. Comportamento intuitivamente ético e estados superiores de consciência 37. Um é tudo e tudo é um

Epílogo: O futuro

Nota à edição revista

Existe um princípio fundamental à vida e à saúde humanas: a mudança constante. Por isso, esta nova edição incorpora vários progressos oriundos do meu mais recente workshop, realizado no Instituto Sharp do Potencial Humano e da Medicina Mental/Corporal, em San Diego. Ao mesmo tempo, Conexão Saúde continua sendo fundamentado nos estudos inspirados por Maharishi Mahesh Yogi, o primeiro a apresentar o conhecimento ayurvédico ao Ocidente, e a quem continuo imensamente grato.

É possível que a mudança mais significativa desta edição sejam as técnicas de meditação atenciosa introduzidas no capítulo 35. Há muitas formas de praticar a meditação, mas o objetivo de todas elas é elevar a consciência acima do caos interior e exterior com o qual todos nós lidamos diariamente, possibilitando-nos a experimentação da consciência calma, tranqüila, que é a essência do espírito humano. Acredito que a meditação centrada na respiração, simples mas poderosa, que você encontrará nestas páginas, é o melhor método para aprender com um livro como Conexão Saúde. A meditação também é um passo importante na direção de técnicas mais avançadas como a meditação dos sons primordiais, que é ensinada no Instituto do Potencial Humano e em vários de meus seminários.

O livro é a extensão da vida do escritor, e toda vida é um trabalho em andamento. Portanto, com o passar do tempo, farei mais revisões neste Conexão Saúde. No presente, posso afirmar que esta edição expressa as melhores idéias que tive no momento em que criava o livro, assim como meus pontos de vista atuais.

Introdução

Conexão Saúde foi escrito de um só fôlego. Saí correndo de

Boston para uma choupana em Vermont e comecei a escrever freneticamente. Meu cérebro havia sido iluminado por uma revelação, meu espírito se elevara à altura das nuvens que cobriam as Green Mountains. Eu tinha a chave! Iria revelar um segredo de valor inestimável.

A inspiração me veio de um princípio simples: a conexão entre corpo e mente. No início essas palavras me soaram um tanto insípidas, mas nelas eu reconheci o poder de destruir barreiras. Mente e corpo havia muito estavam separados por um muro antigo e espesso. A mente era um fantasma e o corpo, uma máquina. No que diz respeito à medicina, ocupavam domínios totalmente distintos. Jamais alguém viu, tocou, mediu ou pesou qualquer conexão entre eles. As mais prestigiadas publicações médicas ridicularizavam o conceito de que a doença e a saúde dependiam de algo tão nebuloso como a mente dos pacientes.

Agora, porém, tudo iria mudar. A conexão mente-corpo era real, e ali estava a prova — uma torrente de “moléculas mensageiras”, pouco compreendidas antes dos anos 70, que fluíam pela corrente sanguínea transformando pensamentos, emoções, crenças, preconceitos, desejos, sonhos e medos em realidade física. A mente se torna matéria, não em um passe de mágica, mas como processo natural dos cinqüenta trilhões de células do corpo. Você não experimenta uma única emoção sem compartilhá-la com as células do coração, dos pulmões, rins, estômago e intestinos. Esses órgãos participam de sua vida mental tanto quanto o cérebro.

Tudo o que a mente pode conceber é projetado numa tela de três dimensões (3-D) que chamamos corpo. Na verdade, não temos um corpo e uma mente, mas um “corpomente”, uma teia de inteligência sem costuras que expressa cada fagulha de intuição, cada alteração na configuração dos aminoácidos, cada vibração dos elétrons. Nossa inteligência não pode ser um fantasma encerrado em uma máquina porque a máquina é inteligente, o que significa que simplesmente não é máquina. Acho que essa é a descoberta mais importante da medicina do século 20.

Escrevi Conexão Saúde para inspirar as pessoas que não se preocupam com a norepinefrina ou a serotonina até verem o que existe por trás dessas áridas denominações químicas. Quando elas enxergam o corpo de verdade, compreendem que ele é totalmente fluido. Ele flui como um rio, e muda tão depressa quanto um relâmpago. O velho modelo que diz que o corpo é uma estátua congelada no tempo e no espaço deve ser descartado, pois ele nos mantém nas garras da doença, do envelhecimento e da ignorância. Como os últimos capítulos deste livro irão mostrar, a conexão mente-corpo nos possibilita superar todas as limitações. Ela é uma trama que começa com o DNA, cruza a soleira do cérebro e conduz ao pórtico do universo.

Esse conhecimento é grande demais para que a medicina o coloque em uma camisa-de-força: ele deve ser experimentado. Nesse sentido, Conexão Saúde é um ousado manual de vida. Parecia-me que as pessoas deveriam sentir o gostinho de estar totalmente livres de limites. A realidade não é algo determinado; é uma possibilidade que moldamos e controlamos. O problema reside no fato de a sociedade não nos ensinar a ser habilidosos construtores da realidade. Em vez disso, somos ensinados a respeitar nossa condição de prisioneiros da realidade. Certa vez, um discípulo indiano perguntou ao mestre: “Por que me sinto tão preso por dentro?” Ao que o mestre respondeu: “Porque todos se sentem assim”. Percebi que muitos leitores estariam sentindo o mesmo tipo de frustração; como conseqüência, tracei o conhecimento de uma realidade superior, baseada no princípio de que a consciência humana foi criada para alcançar a liberdade total.

Não escrevi com nenhuma pessoa em mente, mas espero que estes capítulos façam a diferença para Anna, uma moradora de Boston de meia-idade que veio me visitar na semana passada com uma história emocionante. Muitos anos atrás, descobriu algumas saliências no lado direito do rosto. O medo do câncer cruzou sua mente, mas o dermatologista assegurou que ela tinha apenas quistos sebáceos inofensivos. Ele os removeu, aplicou no local algumas injeções de cortisona e disse que a mulher estava curada. Anna voltou para casa esperando sentir-se aliviada, mas não conseguia eliminar a suspeita de que podia estar mesmo com câncer.

Consultou outro dermatologista e insistiu para que ele fizesse uma biópsia. O médico cedeu com relutância e não se surpreendeu com o resultado negativo. Dessa vez, o diagnóstico de Anna apontava uma “inflamação cutânea não-específica” que, definitivamente, não era maligna. Entretanto, movida por uma intuição qualquer, insistiu numa segunda biópsia, que novamente resultou negativa. Então, o médico instruiu-a com dureza a não se deixar dominar pelo medo, e Anna foi embora. Três dias depois ela recebeu um telefonema constrangido. O laboratório havia misturado os exames, e o médico sentia muito por informá-la de que ela tinha, de fato, um tipo raro de câncer de pele conhecido como melanoma atípico. Anna foi operada imediatamente e fez algumas sessões de radioterapia. Ao final, foi considerada curada.

Para a irritação de todos, Anna não conseguia aceitar esse veredicto. Ainda sentia que alguma coisa estava errada, e logo um raio X de rotina comprovou que o melanoma havia atingido os pulmões. Dessa vez não havia nenhum tratamento que pudesse eliminar o problema, mas depois de algumas sessões de radioterapia Anna foi informada de que a doença havia respondido bem. Seu câncer estava regredindo.

Durante todo esse período, Anna oscilou entre o desespero e a esperança. Seu horror aos médicos aumentou consideravelmente, e, um ano depois, ao ser acometida por uma tosse crônica, que coincidiu com a morte de um parente próximo, ela quase não tolerava mais intervenções médicas. Permitiu que lhe tirassem um raio X com uma condição: “O que quer que encontrem, não me digam o resultado”.

O radiologista concordou, mas algumas horas mais tarde ele voltou ao quarto que ela ocupava no hospital. “Olhe”, disse, “tenho boas notícias. Não quer ouvir?”

“Se forem boas notícias”, Anna murmurou em dúvida, “acho que não faz mal saber”. Foi informada de que o raio X não revelava nenhuma anormalidade. Aparentemente, os pulmões estavam livres da doença.

“Não acredito”, ela retrucou. Ela exigiu que o raio X fosse enviado à prestigiada clínica que cuidava de seu caso. Seu oncologista examinou as chapas e a chamou, confuso. “O que querem dizer com ‘não há nada de anormal?’”, ela perguntou. “Os nódulos malignos ainda estão lá. Este raio X é praticamente idêntico aos anteriores.”

E o caso continua no mesmo pé, desenvolvendo-se em meio a uma tragicomédia de erros médicos e becos sem saída. O único elemento confiável em toda a história eram os sentimentos de Anna, a intuição que tinha sobre si mesma, aquilo que os médicos ignoraram o tempo todo. Hoje Anna está extremamente perturbada e enraivecida. O resultado mais terrível dos exames de Anna não é o câncer, mas o fato de sua principal defesa contra a doença — a capacidade de se sentir confortável e em segurança — lhe ter sido sistematicamente negada.

Assim, o que posso fazer por Anna agora? Tentarei devolverlhe o que lhe foi tirado. Devemos sintonizar a conexão mentecorpo com o canal da vida, que é, afinal, nosso lar. O mesmo profundo conhecimento interior que alertou Anna para a doença também deve ser capaz de curá-la — pelo menos essa é nossa premissa básica de trabalho. Uma vez que algumas pessoas não aceitam essa idéia com facilidade, explicar os detalhes ajuda. Com isso em mente, ofereço Conexão Saúde a Anna e a todos aqueles que querem construir a própria realidade, livres do medo e empenhados em alcançar a liberdade.

PRIMEIRA PARTE Saúde e doença

Como ter saúde perfeita e sentir-se sempre jovem

A saúde é nosso estado natural. Segundo a Organização

Mundial de Saúde, saúde é mais do que a ausência de doença ou enfermidade, é o estado de perfeito bem-estar físico, mental e social. A esta definição podemos acrescentar o bem-estar espiritual, uma condição na qual a pessoa experimenta em todos os momentos alegria e satisfação em viver, a sensação de plenitude e a consciência de estar em harmonia com o universo que a cerca. Trata-se de um estado no qual nos sentimos sempre jovens, animados e felizes. Esse estado não é apenas desejável, mas possível. E não é apenas possível, é fácil de ser alcançado. Este livro vai lhe mostrar como conseguir a saúde perfeita e seguir sentindo-se sempre jovem.

(Parte 1 de 4)

Comentários