Projeto musculação

Projeto musculação

(Parte 1 de 9)

JACOBINA-BA 2010

Proposta de Intervenção apresentada como requisito parcial de avaliação da disciplina Desenvolvimento de Ações Pedagógicas na Educação Física não Formal I sob a orientação do Professor Itamar Sousa

O que é exercício físico? Para Pitanga (1998, p.15) “atividade repetitiva, planejada e estruturada que tem como objetivo a manutenção e melhoria de um ou mais componentes da aptidão física”. Assim sendo, o exercício físico é o momento em que um indivíduo em trabalho com o seu corpo altera a sua homeostase, aumentando os níveis de gasto calóricos. Com os exercícios executados o organismo ira adaptar-se a nova demanda metabólica.

Portanto um dos exercícios físicos que exige a adaptação corporal é a musculação, no qual, esta pautada o planejamento e modos de execução dos exercícios. A musculação são exercícios planejados e de contra resistência à contração muscular executados com pesos.

O exercício físico é importante para o corpo, devido aos benefícios que pode proporcionar. Um desses benefícios é o cardiovascular com os exercícios dinâmicos que são executados de forma continua aumentando a atividade nervosa central.

Nos exercícios dinâmicos, como as contrações são seguidas de movimentos articulares, não existe obstrução mecânica do fluxo sangüíneo, de modo que, nesse tipo de exercício, também se observa aumento da atividade nervosa simpática, que é desencadeado pela ativação do comando central, mecanorreceptores musculares e, dependendo da intensidade do exercício, metaborreceptores musculares (FORJAZ e TINUCCI, 2000, apud BRUM, 2004).

Em consequência aos exercícios, também teremos as respostas cardiovasculares, aja vista, que haverá mudanças na freqüência cardíaca, há uma mudança na pressão arterial nos volumes sistólicos e diastólicos.

Em resposta ao aumento da atividade simpática, observa-se aumento da freqüência cardíaca, do volume sistólico e do débito cardíaco. Além disso, a produção de metabólitos musculares promove vasodilatação na musculatura ativa, gerando redução da resistência vascular periférica. Dessa forma, durante os exercícios dinâmicos observa-se aumento da pressão arterial sistólica e manutenção ou redução da diastólica (FORJAZ et. al., 1998ª, apud BRUM, 2004).

Os exercícios físicos em especial a musculação pode proporcionar benefícios a saúde e melhor qualidade de vida a crianças, jovens, adultos e idosos.

Para enfatizar ainda mais o nosso projeto, vamos definir o que é saúde e qualidade de vida. Visto que, saúde é difícil de defini-la. Pois o conceito de saúde depende de vários fatores, nos quais, o ser humano vive. Por exemplo, fatores ambientais, afetivo, social, higiene pessoal e outros, que são primordiais para uma boa saúde.

A saúde exige uma atenção toda especial para obtê-la, sendo essencial tomar alguns cuidados. Portanto, saúde não é apenas estar bem fisicamente, mas também psicologicamente e socialmente.

Segundo Vilarta (2007, p. 12) “na atualidade, saúde tem sido definida não apenas como a ausência de doenças. Saúde se identifica como uma multiplicidade de aspectos do comportamento humano voltados a um estado de completo bem-estar físico, mental e social”.

Sabendo que a opinião de Vilarta e de vários autores é essencial para uma discussão sobre saúde, o que por nós é visto na maioria das vezes é que nem todos tem acesso a atividades como esportes, lazer, alimentação saudável e outros. Assim, esse bem estar físico, mental e social é difícil de ser alcançado.

Qualidade de vida é um fator importante para a manutenção da saúde e do bem-estar, visto que, está de acordo com os padrões de vida de cada indivíduo.

Ao longo dos anos o conceito de qualidade de vida ampliou as suas margens, englobado o desenvolvimento sócio-econômico e humano e a atitude das pessoas quanto a sua vida, além dos fatores psicossociais e estilo de vida. Sendo assim, qualidade de vida, é uma interação do indivíduo com o meio externo e interno, na qual, há uma harmonia (NAHAS, 2006, p. 13).

Sabemos que o comportamento de forma abusiva aos limites do corpo humano trazem muitos malefícios para a saúde, e principalmente para a qualidade de vida. Assim sendo, para uma melhor qualidade de vida é de fundamental importância um comportamento saudável e estilo de vida ativo.

A musculação por ser um exercício de contra resistência a contração muscular, pode proporcionar um aumento das fibras musculares, a hipertrofia que é o aumento na secção transversa do músculo, e isso significa aumento no tamanho e número de filamentos de actina e miosina e adição de sarcômero dentro das fibras musculares já existentes. Essa hipertrofia muscular é observada por meio dos treinamentos de força tanto em humanos como em animais. A magnitude desse aumento de massa muscular depende de vários fatores, como resposta individual ao treinamento, intensidade e duração do programa de treino e estado prévio do indivíduo para o início do programa. (BOMPA, 2000, p.72)

Os conceitos básicos serão a diferença entre o sucesso e o fracasso de seu treinamento, comandam as reações (respostas) do organismo, podendo elas serem positivas ou negativas. Dependendo da dosagem de cada uma delas; utilização em tempo correto para otimização dos resultados; combinação entre eles; dentre outros. Estaremos caminhando rumo aos nossos objetivos, A beira de lesões ou simplesmente não chegando a lugar algum. Tendo em vista que a montagem de programas nunca alcançará um nível máximo de perfeição, por dois motivos:

O treinamento consciente deverá resguardar o aluno, ou seja, manter uma margem de segurança preservando a integridade física a nível articular, muscular, cardiovascular, etc.

Mudança contínua e repentina do nível de força, tempo de recuperação, e até mesmo alterações de humor e níveis de estresse afetam o resultado e desempenho do praticante. Não estamos livres de contratempos, porém ao menor sinal de dores ou desconforto deveremos intervir, evitando que se torne crônico.

Pois bem, os princípios que regem toda essa rede sistemática são: Princípio da individualidade biológica - Esse princípio tem como base a singularidade, ou seja, cada pessoa responderá a determinado tipo de exercício de forma diferente. Por isso os programas e os treinamentos obrigatoriamente tem caráter individual. Não existe “receita de bolo”. Se

Princípio da especificidade - Segue a linha“se você quer isso; faça

tratando de treinamentos resistidos, os pontos a serem observados são de grande importância e requerem atenção especial. (PONTES, 2003). isso!”. Para exemplificar. Seu maior objetivo é o desenvolvimento da potência de membros superiores, então, treine isso como prioridade. Os ganhos são específicos ao estímulo, que foi proporcionado. Treinando prioritariamente potência, nunca ocorrerá aumento nos níveis de resistência (RML) significativo. (PONTES, 2003).

Princípio da adaptação - O corpo se adapta ao estímulo ao qual foi submetido. Geralmente quando somos sedentários, nosso organismo está em um nível de estado estável, estado esse denominado homeostase, as reações e processos estão mais lentos, em um ambiente propício para armazenamento de gorduras, problemas circulatórios, dentre outros. Ao iniciarmos alguma atividade (quebra da homeostase), o corpo se ajusta e desperta os mecanismos antes adormecidos, maximizando gasto calórico, maior eficiência cardiopulmonar e eficiência mecânica e em alguns casos causando dores locais, como é o caso da musculação. É comum no dia seguinte de uma sessão de trabalho com halteres o aluno relatar dores localizadas. O que ocorre na verdade é uma reação inflamatória local normal (desde que em níveis leves), que será reparado pelo seu organismo levando de dois dias a até quatro ou cinco, mas essa já é outra estória. (PONTES, 2003).

Princípio da sobrecarga - Quando o corpo se adapta ao estímulo, é necessário o aumento da intensidade dos exercícios periodicamente, para que não ocorra estagnação do desempenho. Essa mudança dependerá da experiência do treinador. Entenda que a palavra sobrecarga compreende muitas variáveis, e não somente o peso. É composto por peso, velocidade, amplitude, forma de execução, número de séries e repetições, dias de treino na semana. (PONTES, 2003).

Princípio da supercompensação - Quando oferecemos um estímulo forte, submetemos as estruturas a algum tipo de estresse, estamos catabolizando, ou seja, retirando reservas de energia local, diminuindo níveis de força, estressando as estruturas temporariamente, quando esse estímulo é dado de forma correta e é oferecido ao corpo condições de recuperação ocorrerá o fenômeno da supercompensação, que é justamente a devolução de tudo que foi perdido temporariamente, só que em níveis um pouco mais altos do que antes. (PONTES, 2003).

Princípio da interdependência volume-intensidade – De acordo com o aumento das cargas de trabalho ocorrerá a melhoria da performance. Esse princípio observa quando o aumento por conta do volume e o aumento da intensidade se farão necessários. Pode-se dizer que essa relação é inversamente proporcional, ou seja, quando o organismo é submetido a um esforço de alta intensidade, o tempo de duração do exercício será reduzido, e vice-versa. Do contrário corre-se o risco de expor o aluno a alguma lesão e um possível “over trainning”. (PONTES, 2003).

Princípio da continuidade - Presume que para estar bem e manter ou melhorar o desempenho é preciso dar continuidade aos exercícios. Uma vez interrompido o treinamento, dentro de duas semanas estará percebendo mudanças negativas, e boa parte do que foi conquistado será perdido, não totalmente, pois existe algo chamado “memória motora”, que aguarda o momento da retomada das atividades para ajudá-lo no desenvolvimento das atividades. (PONTES, 2003).

A análise desses fatores principais darão as regras básicas do formato dos programas, seja ele, musculação, natação, corrida, ou qualquer outra modalidade. A necessidade de acompanhamento individualizado impõe-se à medida em que o indivíduo desconhece as leis que regem o treinamento físico, desconhece as reações decorrentes de cada tipo de estímulo a nível fisiológico e mecânico, e até mesmo seu próprio corpo. Corpo esse que dá vida aos nossos sentimentos, e que através dele podemos nos expressar e interagir com outras pessoas. Por essa razão não dispense o auxílio de um profissional de educação física.

A musculação recebe atualmente um destaque todo especial, principalmente em decorrência da evolução científica que apresentou nas últimas décadas com a publicação de pesquisas e artigos sobre seus benefícios e segurança na prática (Pontes, 2003). Conceitualmente, Bittencourt (1984) coloca esta atividade física como sendo a utilização de exercícios contra resistência que tem como áreas de aplicação o ambiente competitivo, profilático, terapêutico, recreativo, estético e de preparação física.

Atualmente, com os diversos estudos científicos realizados, a musculação atravessa uma fase evolutiva em sua história, sendo considerada como um importante meio de obtenção de benefícios que proporcionam melhorias significativas na qualidade de vida daqueles que a praticam.

Segundo Costa (2004), no que se refere a prática da musculação no ambiente recreativo, gera quatro importantes benefícios para a melhoria na qualidade de vida dos praticantes. São eles: diminuição do stress, aumento da interação social, maior dedicação ao tempo de lazer e diminuição do sedentarismo. O principal elemento que deve ser observado com a prática da musculação neste ambiente é a realização da atividade física de forma prazerosa, tornando-a um verdadeiro hábito de vida.

No meio estético, a musculação gera dois importantes benefícios: o aumento da massa corporal metabolicamente ativa e a melhoria da autoimagem. Neste ambiente, o principal elemento que deve ser observado com a prática da musculação é a modelagem do corpo, respeitando a individualidade biológica de cada praticante. Com uma imagem corporal mais bem delineada, o praticante sente-se mais auto-confiante para o estabelecimento de relações interpessoais. (PONTES, 2003).

A musculação em populações especiais, onde ela atua como agente de auxílio profilático e terapêutico. Neste contexto, a prática da musculação traz importantes benefícios para pessoas com problemas de aterosclerose, hipertensão arterial, obesidade, diabetes e osteoporose. Aqui o principal elemento que deve ser observado com a prática da musculação é a adequação que o profissional de Educação Física deve realizar na hora de prescrever o exercício perante as limitações inerentes a cada tipo de doença analisada.

Em razão de tudo isso que foi dito anteriormente, a conclusão final é que a prática da musculação, quando bem orientada, proporciona importantes alterações fisiológicas no organismo, que nada mais são do que benefícios físicos, mentais e sociais, os quais se constituem como elementos fundamentais para a melhoria da qualidade de vida do ser humano.

IDENTIFICAÇÃO DA PROPOSTA INSTITUIÇÃO: Fátima Academia

ENDEREÇO: Avenida Lomanto Junior, Centro, Jacobina - Bahia
bom estado de saúde, com a faixa etária entre 20 e 25 anos

PÚBLICO: Frequentadores da academia de ambos os sexos que estejam em

QUANTIDADE DE PARTICIPANTES: Serão acompanhados os alunos freqüentadores da academia cedidos pelos instrutores.

DIAS E HORÁRIOS DE INTERVENÇÃO: 06h00min às 7h30min dias de quinta-feira e 19h00min às 21h00min segundas, terças, quartas e sextas-feiras.

Desenvolver a capacidade de criar, controlar e orientar programas de treinamento de musculação tendo por base o conhecimento científico buscando proporcionar o bem estar físico e mental dos freqüentadores da Academia. E através dos exercícios de musculação proporcionar a melhoria das valências físicas, como: força, flexibilidade, velocidade, agilidade entre outras.

Melhorias na socialização e nos relacionamentos interpessoais do estagiário e os alunos através da comunicação interpessoal e explicitando os conhecimentos adquiridos no meio acadêmico.

Possibilitar o desenvolvimento da força, flexibilidade, agilidade velocidade entre outros.

Proporcionar com o exercício de musculação o aumento do bem estar físico e mental, melhora da auto estima, tendo em vista os componentes voltados para a saúde dos alunos praticantes.

CONHECIMENTO E VIVÊNCIAS Exercícios

Grupo Muscular: Costas

Puxada Posterior – Execução do movimento: Realizando a pegada pronada e afastada (um pouco maior que a largura dos ombros), sentar no banco, mantendo os joelhos fixos sob o apoio. Partindo dessa posição, tracionar a barra na direção do 1/3 superior do trapézio (adução de ombros) até tocá-lo. Retornar à posição inicial e, sem descanso, repetir o movimento. Observações: Não utilizar pegadas extremamente abertas. Cuidado com a intensidade; caso escolha treinar com muito peso, utilizar o exercício Remada na polia alta (puxada pela frente com barra trapézio), diminuindo, assim, a probabilidade de lesões (manguito rotador).

Articulação Movimento Músculo – motor primário

Ombro Adução Latíssimo do dorso

Redondo maior

Peitoral maior (parte abdominal)

Escápulo – Torácica (Cintura Escapular)

(Parte 1 de 9)

Comentários