Colonização do Sertão Baiano

Colonização do Sertão Baiano

(Parte 1 de 8)

Revista África e Africanidades– Ano 2- n. 7- Novembro. 2009- ISSN 1983-2354

Especial- Afro-Brasileiros: Construindo eReconstruindo os Rumos da História w.africaeafricanidades.com

Revista África e Africanidades– Ano 2- n. 7- Novembro. 2009- ISSN 1983-2354

Especial- Afro-Brasileiros: Construindo eReconstruindo os Rumos da História w.africaeafricanidades.com

Colonizaçãodo Sertãoda Bahiae Formaçãode Quilombosem Irará

Jucélia Bispo dos Santos1

RESUMO:A origem das comunidades de quilombos de Irará está relacionada à estrutura social que emergiu a partir da colonização do sertão baiano. A sociedade local foi organizada, conforme um padrão de poder que se estabeleceu através da hierarquização de funções e da apropriação de recursos materiais. Os sujeitos brancos foram privilegiados na aquisição das riquezas e do poder.Estasrelações estavam diretamente vinculadas ao acesso à terra, tendo sido a concentração desta o principal fator responsável pela centralização dos projetos políticos.Assim, foram estruturando as sesmarias, os aldeamentos, as freguesias, as fazendas, os currais e as vilas. Resistindo a essaordem pré-estabelecida, os sujeitos racializados ocupavam terras formando uma estrutura fundiária que se fundamentou nas relações comunitárias, típicas das comunidades de quilombos.

PALAVRAS-CHAVE: história, quilombos, colonização, etnicidade.

IRARÁ HISTORY: povoamento, settling and formation of the communities of quilombo

ABSTRACT:The origin of the communities of quilombos of Irará is related to the social structure that emerged from the settling of the bahian hinterland. The local society was organized, in agreement a standard of being able that it was established through the hierarquização of functions and the appropriation of material resources. The white citizens had been privileged in the acquisition of the wealth and the power. These relations directly were tied with the access to the land, having been the concentration of this the main responsible factor for the centralization of the projects politicians. Thus, they had been structuralizing the sesmarias, the aldeamentos, the clienteles, the farms, the corrals and the villages. Resisting this preset order, the racializados citizens occupied lands forming an agrarian structure that if it based on the communitarian relations, typical of the communities of quilombos.

KEY WORDS: history, quilombos, settling, ethnicity.

1 Mestre em Estudos Étnicos e Africanos pela Universidade Federal da Bahia, professora de Teorias Sociológicas da Faculdade Nobre de Feira de Santana.

Revista África e Africanidades– Ano 2- n. 7- Novembro. 2009- ISSN 1983-2354

Especial- Afro-Brasileiros: Construindo eReconstruindo os Rumos da História w.africaeafricanidades.com

Revista África e Africanidades– Ano 2- n. 7- Novembro. 2009- ISSN 1983-2354

Especial- Afro-Brasileiros: Construindo eReconstruindo os Rumos da História w.africaeafricanidades.com

O município de Irará localiza-se no estado Bahia, na região do Portal do

Sertão, uma faixa de transição entre o Recôncavo e o Sertão.O nome desse município tem origem tupi e designa uma espécie de formiga de asas brancas semelhante aos cupins: é uma alteração da palavra "arará", que por sua vez significa nascida na luz do dia, pois estas formigas surgem ao alvorecer do dia2. No entanto, antes de passar a ser chamada de Irará a localidade era conhecida comoPurificação dos Campos. Essa denominação persistiu até o final do século XIX, quando foi criado o município, a 08 de agosto de 1895.

A colonização de Irará começou na segunda metade do século XVII, com as entradas de Antônio Guedes Brito, mestre de Casa da Ponte.A Casada Ponte abrangia desde o Rio de Contas até os limites de Sergipe, incluindo a Cachoeira de Paulo Afonso3.Anteriormente à entrada desse sertanista, temos a vinda dos jesuítas para essa região, os quais chegaram com a missão de catequizar os indígenas. Dessa iniciativa surgiu o aldeamento da Purificação que, nos dias atuais, pode ser visualizado por meio dos sítios arqueológicos que estão presentes nas seguintes regiões: comunidade de Brotas, vila de Caroba, Bento Simões e o distrito sede, a cidade de Irará.

O Conde da Ponte, João de Saldanha da Gama Mello Torres Guedes de

Brito e a Condessa da Ponte D. Maria Constança de Saldanha Oliveira e Souza, desmembraram, no dia 21 de fevereiro de 1807, a sua gigantesca propriedade. João Peixoto Veigas,um portuguêsque veio para a Bahia por volta de 1640, filho de Fernão Peixoto de Viana e de Barbara Fernandes, passou a comandar parte das terras da Casa da Ponte. Em 1652 estas terras abrangiam as regiões do Paraguaçu, Itapororocas e Água Fria, incluindotambém o atual município de Irará, então pertencente à região deVila de São João Batista de Água Fria4,criada por força de Resolução Régia de 28 de abril 1727.

A colonização só se consolidou, de fato, nos solos do atual município de

Irará a partir do avanço da pecuária no século XVIII, quando ocorreu a instalação de currais de gado em todo o sertão baiano, tais como o do capitão-mor, Antônio Homem de Afonseca e o de Diogo Alves Campos. Nesse período, os colonizadores ensejaram choques com as tribos dos Paiaiás, mas eles ofereceram resistência.

No decorrer dos anos, a região de Irará foi conquistando espaço político no projeto da colonização. Como exemplo desse sucesso ocorreu a criação da Vila da

Purificaçãoem 1842,com a mudança da vila de São João Batista da Água Fria ( atual

Água Fria)

. Com a implantação da vila ocorreu aereção doPelourinho, na atual Praça 2 NOGUEIRA, Aristeu.Histórico do Município de Irará. Prefeitura Municipal de Irará, 1988.

3 NEVES, Erivaldo Fagundes.Da Sesmaria ao Minifúndio ( um estudo de história regional e

.Salvador: Editora da Universidade Federal da Bahia; Feira de Santana: Universidade

Estadual de Feira de Santana, 1998. 4 Idem.

Revista África e Africanidades– Ano 2- n. 7- Novembro. 2009- ISSN 1983-2354

Especial- Afro-Brasileiros: Construindo eReconstruindo os Rumos da História w.africaeafricanidades.com

Revista África e Africanidades– Ano 2- n. 7- Novembro. 2009- ISSN 1983-2354

Especial- Afro-Brasileiros: Construindo eReconstruindo os Rumos da História w.africaeafricanidades.com

Pedro Nogueira, o qual era um poste de madeira com argolas de ferro em que os condenados pela justiça eram amarrados e chicoteados. Assim era exercida a justiça: através da aplicação das penas de açoite ou mutilação5. Naquele espaço, também eram afixados os editais, anúncios e outras ordens municipais de interesse público. A presença do pelourinho representou a efetivação e o reconhecimento da posse das terras, isto é, simbolizou o poder constituído.

A vila foi elevada à condição de cidade através lei estadual de 08.08.1895 com a denominação de Irará. Nesse período, o município era governado por intendentes, cujo primeiro fora Pedro Nogueira Portela. Posteriomente, surgiu a administração dos interventores: Elpídio Nogueira foi o primeiro a assumir o cargo em Irará. Somente em 1948 a cidade passou a ser a adminstrada por prefeitos, tendo Elísio dos Reis Santana como o primeiro representante6.

Atualmente, Irará possui 25.531 habitantes e uma área total de 271,7 km², distando sua sede cerca de137 km de Salvador, capital do Estado. Este município possui as seguintes rodovias: a BA-084, via Coração de Maria ( de ligação à capital do estado ) ; a BA-504 via Santanópolis ( que liga à cidade de Feira de Santana)

Sua zona político-administrativa é a do Paraguaçu, que é composta de 42 municípios que, em sua maior parte, localizam-se no semi-árido baiano.Essa região tem uma área de 34.129 km², ocupando, portanto, 6,05% do território Estado da Bahia7.De acordo coma regionalização do IBGE, Irará pertence à microrregião de Feira de Santana e à mesoregião centro norte-baiano, a qual é consideradauma das regiões mais povoada do território do estado: sua densidade demográfica em 2000, de 36,63hab./ km².Esse espaço limita-se ao recôncavo baiano e ao do agreste de Alagoinhas.

A lei estadual de n. 614, de 18 de agosto de 1905 esclerece os limites do município de Irará8:

O município de continuará a ter os seus limites antigos, excluída dele a parte que constituiu a frequezia do Santissímo Coração de Maria, em virtude da lei n. 489 de 6 de junho de 1853, e que mais tarde constituiuse, pelo acto de 28 de março de 1891, vila sob a mesma denominação do Santíssimo Coração de Maria, com seus limites declarado e conhecidos.

Os atuais limites do território de Irará são assim configurados:ao norte,

Água Fria; ao sul, Coração de Maria; ao leste, Ouriçangas; ao oeste, Santanópolis; ao sudeste, Pedrão.Apresenta-se nesse municípiouma rede hidrográfica modesta, sem

5 ARAGÃO,Antônio.Pelourinhos da Madeira, Funchal, 1959, Luís Chaves,OsPelourinhos de Portugal, Gaia, 1930.

6 NOGUEIRA, Aristeu.Histórico do Município de Irará. Prefeitura Municipal de Irará, 1988. 7IBGE.Enciclopédia dos municípios brasileiros. Rio de Janeiro:IBGE, 1957. 8IBGE. Bahia, limites municipais regulados por ordens régias, leis municipais e estaduais. Enciclopédia dos municípios brasileiros. Rio de Janeiro:IBGE, 1957.

Revista África e Africanidades– Ano 2- n. 7- Novembro. 2009- ISSN 1983-2354

Especial- Afro-Brasileiros: Construindo eReconstruindo os Rumos da História w.africaeafricanidades.com

Revista África e Africanidades– Ano 2- n. 7- Novembro. 2009- ISSN 1983-2354

Especial- Afro-Brasileiros: Construindo eReconstruindo os Rumos da História w.africaeafricanidades.com rios perenes, sendo divisor de águas de dois importantesrios: o rio Seco e o rio Parmirim9.

Figura1: Divisão territorial da Bahia, região do Paraguaçu e do município de Irará

Irará está centrado numa zona de transição, entre o recôncavo e os tabuleiros semi-áridos do Nordeste.Essa região apresenta um clima seco, solos rasos e pedregosos.Sua vegetação é constituída de espécies que se misturam: floresta tropical, na região leste e caatinga ( cactos, pequenas árvores e arbustos)

(Parte 1 de 8)

Comentários