TCC Não é um Bicho-de-sete-cabeças

TCC Não é um Bicho-de-sete-cabeças

(Parte 1 de 3)

TCC (Trabalho de Conclusão de Curso) Não é um bicho-de-sete-cabeças (Primeira edição, 2009) Autor: Wilson Correia Número de páginas: 128p. Peso 185,6 gramas Formato: 14 X 21 cm impressão off-set p/b Lombada: 0,8 cm Preço: 26,0 ISBN: 978-85-7393-824-1 Código de barras: 9788573938241 Assunto: Educação / Pesquisa Científica / Metodologia

Sumário Sumário

Sumário * VII Introdução 1

1- Projetos depesquisa:Planejandoapesquisa 7

1.2.1Elementospré-textuais:ênfasenaforma , 1

1.2.1.1Capa- obrigatória 1 1.2.1.2Folha derosto- obrigatória 12

1.2.1.3Sumário- obrigatório , 13 1.3Elementostextuais:ênfaseno conteúdo

-:-·todo.ssãoobrigatórios 14 '1J. 1Introdução 14

1.3.5Hipótesesou questõesnorteadorasdapesquisa 17 1.3.6A delimitaçãodb tema . ,.. ,18

1.3.9Cronograma . ,1.4Elementospós-textuais:ênfasenaforma,...

1.4:1Referênciasbibliográficas- obrigatórias
19

vm* TCC nãoéumbicho-de-sete-cabeças

2- Trabalhosacadêmicos:Executandoo projeto 25 2.1TrabalhoDidático 27

2.1.1ExemplodeapresentaçãodoTrabalhoDidático 28

2.2TrabalhodeGraduaçãoInterdisciplinar(TOI) e TrabalhodeConclusãodeCurso(TCC) "" "" " " 29

2.2.1Elementospré-textuais:ênfasenaforma 30

2.2.1.8Resumoemportuguês- obrigatório 39

2.2.1.11Lista deabreviaturasesiglas- opelona!... 42

Sumário * IX

2.2.2Elementostextuais:ênfaseno conteúdo- obrigatórios43 2.2.2.1Introdução 43 2.2.2.2Desenvolvimento " 43

2.2.2.2.4Discussãodosresultados 4

2.2.2.2.5Conclusão 45 2.3 Pós-textuais:ênfasenaforma 45

2.3.1Referênciasbibliográficas- obrigatórias 45

2.3.3Anexo - opciona146

3" Referênciasbibliográficas:tnfase na forma , 49 3.1Dadosessenciaissobreasreferências 52

4 - Citaçõesbiliográficas: f:nfasena forma , 69 5- Notas: f:nfasenafonna 75

6· Elaboraçãodotrabalho:Ênfaseno conteúdo 81

6.1Aspectostécnicosdoestudo 84 6.2Leitura 84

6.3Indicaçõesquantoaoestilodaescrita 89

6.4Documentaçãoparapesquisabibliográfica 92 6.5Seminário:outraformadeestudar 94

6.6Elaboraçãodotrabalhoacadêmico 96 6.6.1Digitação 97

Conclusão 9

ReferênciasBibliográficas 105 Sobreo autor 1

·.ListadeFiguras ·.ListadeFiguras

FIGURA OI-'Elementosdoprojetodepesquisa 10 FIGURA 02- Exemplodecapadeprojetodepesquisa 1

FIGURA 03·-~xemplodefolhaderostodoprojetodepesquisa . FIGURA 04- Exemplodesumáno 13

FIGURA 05- Exemplosdeverbosparaosobjetivos 16 FIGURA 06- Exemplodecronograma 21

FIGURA 07- Exemplodeapêndice 2

FIGURA 08- Exemplodeanexo ,23 FIGURA 09- ExemplodecabeçalhoparaaapresentaçãodeTD 28

FIGURA 10- ExemplodadisposiçãodoselementosemTA 30 FIGURA li - ExemplodecapadostrabalhosacadêmicosTGI eTCC 31

FIGURA 12- Exemplodefolhaderosto 32 FIGURA 13- Exemplodefichacatalográfica 34

FIGURA 14-'Exemplodeerrata 34

FIGURA 15- Exemplodefolhadeaprovação 35 FIGURA 16- Exemplodededicatória 36

FIGURA 17- Exemplodeagradecimentos 37 FIGURA 18- Exemplodeepígrafe 38

FIGURA 19- Exemploderesumoemlínguavernácula(português) 39 FIGURA 20- Exemplodesumário 40

FIGURA 21- Exemplodeilustração 41

XIV * TCC nãoéumbicho-dc-sctc-cabcças

FIGURA 2- Exemplodelistadeabreviaturasesiglas 42 FIGURA 23- Exemplosdeapêndice 46

FIGURA 24- Exemplosdeanexo 46 FIGURA 25- Exemplodeíndice 47 FIGURA 26- Exemplosdeespaçamentodasreferências 51

FIGURA 27- Exemplodenotasderodapé 7 FIGURA 28- Exemplodenotasdefimdetexto 78

FIGURA 29- Exemplodenotasexplicativas : 79 FIGURA 30- Etapasdoestudoparaelaboraçãodoprojeto 83

FIGURA 31- Exemplodefichaparacitaçãodireta 92 /(~

FIGURA 32- Exemplodefichaparacitaçã.:)indireta 93

FIGURA 3- Exemplodedocumentaçãopelocomputador 94

Introdução Introdução

°Artigo 207 da ConstituiçãoFederalbrasileiraestabelecea

"indissociabilidadeentreensino,pesquisae extensão"(BRASIL, 1988).O ensinocentra-sena criaçãodo saberacadêmico,A pes- quisadestina-seàproduçãodenovosconhecimentos,inclusivepara renovaraquelesqle sãomobilizadosemníveldoensino,

A extensão,por suavez,refere-seàaplicaçãodoconhecimento produzidopelapesquisase daquelequecirculanassalasdeaula,

A pertinênciae a relevânciada metodologiacientíficaresidemno fatodeelaservirà sistematizaçãodaproduçãouniversitária,a fim dequea sociedadepossausá-Iaparasolucionarosproblemasque a afligem.

Quandonormalizadosparaatenderàsexigênciasderigor técnico,científicoe filosófico,aproduçãoemnívelsuperiorimplicaa indissolubilidadeentreconteúdoeforma.No entanto,paraelaborar seusescritos,o estudantedevetercompetênciano usodemétodos

etécnicasdepesquisa,bemcomoderedaçãoeelaboraçãoderelatóriose detextosmonográficos,comvistasà apresentaçãodelesà academiae à sociedade(cf. SILVA, PINHEIRO, FREITAS, 2002, p. 17).

É para atendera essasnecessidadesqueestelivro vemà luz, Nele estáreunidoum conjuntodenormasquepodeauxiliaro es- tudantedo ensinosuperiora realizarsuasatividadesacadêmicas demodomaisfluente.Assim, seestudaréessencial,asprescrições aqui apresentadaspodemservirde meio à compreensãode uma parteimportantesobrecomofazê-Io:adanormalização,

4 * TCC nãoéumbicho·de·sete·cabeças

Paratanto,o presentetrabalhoestáfundamentadonasNormas'

BrasileirasRegistradas(NBR), daAssociaçãoBrasileiradeNormas

Técnicas(ABNT), que,no prefácioda NBR 6023:2002,define-se como:

A AssociaçãoBrasileiradeNormasTécnicas(ABNT) é o Fórum Nacional de Normalização.As Normas

BrasileirasRegistradas,cujo conteúdoé deresponsabilidadedos ComitêsBrasileiros(ABNT ICB) e dos

OrganismosdeNormali:~açãoSetorial(ABNT 10NS), sãoelaboradasporComissõesdeEstudo(CE), forma- daspor representantesdos setoresenvolvidos,delas fazendoparte:produtores,consumidorese neutros (universidades,laboratórioseoutros)(p.01).

Da ABNT emanamasnormasdeabrangêncianacional.Motivo

peloqualjulgamosprudentesegui-Ias.Os manuaisdemetodologia científicapodemserusadoscomomateriaiscomplementaresnaelaboraçãodeTrabalhosAcadêmicos,is~o quandoforo casoesesuas regrasnãoseopuseremàsdaABNT.

Essaposturasejustifica porqueas NBRs quea ABNT emite sãofeitastendocomo coautoresas universidadesbrasileiras,que, ao lado de outrosagentesnormalizadores,expressamo consenso normativosobreasmatériasqueIhcsafetam.Os manuais,quenão raro divergementresi, àsvezesterminamexpressandodiletantis- mosnemsempreaconselháveis.

Dessamaneira,se nossoobjetivoé auxiliar na tarefade dimi- nuir dificuldades,não vemosrazõesparacriarmosum paradoxo: alimentá-Iaspor meiodo empregodemateriaisquenãopermitem a unificaçãodasnormasparaa elaboraçãodaproduçãodiscente.

Em últimocaso,asdivergênciasdessesetoracabamsempreresol- vidaspelaABNT, razãopelaqualnosantecipamosa essetipo de demanda.

QuantoàsNBRs emsi,sedevemseraceitasounão,talvezvalha a penapensarno conselhodo velhoSócrates:"emtodaparte,em suma,cumpreou executarasordensdacidadeedapátriaou obter a revogaçãopelasviascriadaspelo direito"(Platão,1978,p. 130). Querdizer,emfacedanorma,podemosassumirduasatitudes:ou lutamospara.revogá-Ia,casodiscordemosdela,ouaacatamoscomo legitima.Ignorá-Ianãonospareceamelhorescolha.

Pensandonessaconsagradalição, envidamosnossosesforços paràtentarfacilitarasatividadesdosacadêmicosedosprofessores emsuapráticadiária.Fazemosissopor meiodeorientaçõessobre a elaboraçãodeTrabalhosAcadêmicos(TAs), quecompreendem, sobretudo:TrabalhoDidático (TD), TrabalhodeGraduaçãoInter- disciplinar(TGI) e Trabalhode Conclusãode Curso (TCC). Não tratamosdaDissertaçãodeMestrado(DM) edaTesedeDoutorado (TD) pelo fato deo objetivodo presentelivro abrangerapenasa orientaçãoquantoàproduçãolatosensu.

Por fim,restamduasconsiderações.

Primeira: pelo fato de os trabalhosacima seremde natureza monográfica,constituindo-seemescritosqueversamsobreum só tema,eumsóproblema,nãoaconselhamosnomearnenhumdeles apenasdemonografia.

Segunda:o TD aindanãomereceuessanomeaçãoporparteda

ABNT. Contudo,julgamosqueessenomeéoquemaisseaproxima daquiloqueeleé:predominantementetrabalhosdesaladeaula.Por isso,asregrasquenormalizamo TGI e o TCC devemserusadas, poranalogia,naexecuçãodoTD, mesmoquenessecasoaindapese bastanteo costumeacadêmicoemgeral.

1.1INTRODUÇÃO

A pesquisacomeçacomumproblemaquevaleapena.Podeter inicio atémesmocomumaindagaçãocorriqueira,mas,noprojeto, eladeveapareceremformadeproblemadepesquisa,o qualconstitui O temaaserinvestigado.Assim,arazãodeserdoprojetoéabusca desoluçãoparao problemaidentificado.

Contudo,o problemanãoé enunciadodequalquermodo.Ele deveserdelimitadoe formuladocom clareza,precisãoe objetivi- dade.Entretanto,o temae os demaiselementosquecompõemo projetopodemsersequenciadosemetapas,asquais,sebemconduzidas,levarãoopesquisadoràsoluçãoalmejada.Issoéo quevamos apresentar,dispondoseuselementospré-textuais,textuaisepós-tex- tuais.A preocupaçãocomo aspectodidáticopresidiráa exposição quevemaseguir.

10*TCC nãoéumbicho-de-sete-cabeças 1.2ESTRUTURA E ELEMENTOS

PROJETO DEPESQUISA Estrutura

Pré-textuais

Textuais

Pós-textuais

Elementos

Capa ! Folhaderosto

Sumário

Introdução Objetivos i Justificativa Revisãodaliteratura

Hipótese/Questõesdapegquisa Delimitaçãodoproblema

! Metodologia

.Cronograma Orçamento

Referênciasbibliográficas

Anexo- opdonal

FIGURA 01- Elementosdoprojetodepesquisa

1.2.1ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS: ÊNFASE NA FORMA

Fonte ounrlultfamanho 14

1.2.1.1CAPA - OBRIGATÓRIA Capa do projetodepesquisa'

JosÉ DOS ANZÓIS PEREIRA

..:.(.. ~~rgem30m' ,--p,/

Apresentanomedo autor,título,localda instituiçãodedestino edata.

FIGURA 02- Exemplodecapadeprojetodepesquisa I Asmedidasdestacapavalemparatodasasdemaisfolhasdotrabalho.

12*TCC nãoéumbicho-de-sete-cabeças

1.2.1.2FOLHA DE ROSTO- OBRlGAT6RlA

A folhaderostodoprojetorepeteacapa,acrescidadenotadestinatória.Vejanoexemploquesegue.

Folhaderosto

Noto Fonte tim(!sromatlllU orial.

Projeto de Pesquisa apresentadocomo 'elUislto parcialparaa obtençãodo grau dE' bacharelem AdministraçãoGeral ao

Dupartamento de Administração e E(;onomiadaUniversidadeX.

Odentador/a:ProL Me AntônioGilDeYx.

lJNIVF:RSIDADF: X - C IDA DF: 2009

FIGURA 03- Exemplodefolhaderostodoprojetodepesquisa

oprojetoé'divididoempartesqueseinterligamlogicamente. Ostitulasdessas'partesqueconstituemosumáriosãoseguidosdo númerodafolhacorrespondente,comonoexemploaseguir.

ANEXO21

APÊ-:NDICE FIGURA 04- Exemplodesumário

1* TCC ni!oéumnicho-dc-sclc-cancças

1.3ELEMENTOS TEXTUAIS: ~NFASE NO CONTEÚDO - TODOS SÃO OBRIGATÓRIOS

1.3.1lNTRoDuçÃO

Introduzir ou situar o tema implicaa questão: em que pé está o debatesobre o assunto?

Não é todotipo deprojetodepesquisaquecomportaumaintrodução.Porém,nemsempre,acontextualizaçãodeleéóbviapara quemvai avaliá-Ia.Nessesentido,a introduçãosejustifica,principalmente,por familiarizaro leitor··avaliadorcomo assuntodapesquisa.

Dessemodo,naintrodução,o autordoprojetoapresentao problemadapesquisademodoaevidenciarsuasrazõesteóricas,valendo-sedebrevescitaçõesdeelementosquemostremo estadoatual dodebateemtornodoassuntoescolhido,enunciandotambémsuas possíveishipóteses/questões,semprede modo criativoe original. Feitaaintrodução,seguem-seosoutrospassos.

I f

Estabelecerobjetivos é responderà pergunta: o que se quer com esta pesquisa?

Paraestabelecerosobjetivos,o geraleosespecíficos,o estudante deveabordaroproblemadapesquisademodoexplícito.O objetivo geralcorrespondeao resultadofinal do trabalho.Os objetivoses- pecíficossão resultadosparciais.Entretanto,essesúltimosdevem concorrerparaqueo objetivomaisamplosejaefetivamenteconcretizado.

. Ao' elaboraros objetivos,cuidar para não preveralgo muito grari~i?s'o,'universalougenéricodemais,porqueo trabalho,sejaele degrad.uaçãointerdisciplinarou deconclusãodecurso,émonográ- fico:sobreÍlm sotema,ums6problema.Assim,objetivosmenores podemconcorrerparaboascontribuições.Objetivossuperdimen- sionadospodemresultarem algopoucosignificativo.Além disso, observaros verbosempregadosneles,os quaissãoexemplificados asegurr.

16*TCC nãoéumbicho-de-setc-cabeças

Verbosparaobjl:tivos

: VCJbos de I

Apontar ,Descrever Aplicar I Analisar '. Coordenar Apreciar~, .,.._,..,...•",",..,,,,.,,..+'....'''.'''....'....''''''''''''1'' "'.'" ". '" .".

1,~~~~~r~~~~ã~l~~Ú;~~:r""·~~::.:r"·"s~~~··I~~~~] Assinalar; Discutir Demonstrar Calcular Conjugar Aquilatar'4' ._"",.,_. "•• " n_<;I~r:. "~,-,_~xp!i~r:._,;l_E~pr:gar_I C(~pa.r:.ar Construir Av.~l~a~~

~"",~~~~_ "L.]~n.tifi:.a:...Jw~!lustr':!:-:t?ti~_J ...~~m.erar,.\,~sco1he~.J

-~--l- -~-l- "''''''~f!""''''--~E"~"':";E~j 1 Marcar Narrar InventariarDiferenciarli Formular~ Julgar ~

;_._~]~,-±~Tª~:k~1

~.. , Re1a~' I .TraduzirJ .TraçarJ í;~entar r'Pl~ej~" "'validar I!-s:blhili;~~]:"i~~c::~..J,_, ..~;~"=[_~~~:~~'"'~T:~~?~J FIGURA 05- Exemplosde"eI'bosparaosObjetivos

Fonte:CORREIA (1999,p,47),

1.3.3JUSTIFICATIVA

Fazera justificativa é dar respostasà interro-, gação: por que fazer esta pesquisa?

A justificativaevidenciaarelevânciadoproblemaaserinvestigado, nasperspectivasacadêmica,tecnológica,científica,f1!osóficaousocial. Paratanto,devedestacaro impactopositivoqueoestudotraráaesses setores.É nessapartequeéfeitaacontextualizaçãominuciosadopro- blema,evidenciandoseudesenvolvimentohistórico-cronológicoeteó- rico-conceitual.Porisso,arelevânciaeleveapontaremqueapesquisaa serfeitacontribuiráparaodebatedotemapropostonoprojeto.

i I

I! Ii

Capítulo 1* 17 1.3.4REVISÃO DA LITERATURA

Respondeà questão: que trabalhosjá foram produzidossobre o problema adotado no projeto?

Revisãodaliteraturaimplicalevantarecitara literaturasobreo tema-assuntodoprojeto.E, porestarligadaao históricodoproble- maa serresolvido,podeserinseridanajustificativa.Sema revisão bibliográfica,o trabalhopoderádeixara desejarno quesitofunda- mentaçãoteórica,o quenãoéaceitávelnaacademia.

1.3.5HIPÓTESEs OU QUESTOESNORTEADORAS DA PESQUISA

Aponta-se uma solução provisóriaparao problema. Responde-seà questão: de ante- mão, como podeser vista a solução parao problemaformulado?

No contextodoprojeto,ashipótesesou questõesconstituem-se em respostasprovisóriasqueorientamo trahalhoinvcstigativo.F umaproposiçãodesolUÇãodoproblema,passíveldeseralteradaao finaldapesquisa.Por exemplo:"o modelodeeducaçãoéticaFor- maçãodoCaráterpodecontribuirparaamelhoriado atendimento c da satisfaçãodo cliente".As hipóteses/questõespodematéser incluídasnajustificativa,umavezqueseassociamintimamenteà relevânciadainvestigação.

]8 * TCC nãoéumbicho·dc·sctc·cabcças 1.3.6A DELI1v.fITAÇÁO DO TEMA

Essa etapa respondeà seguintequestão: o que pesquisar?

Neste passo, pergunta-se: qual éa especificidade do problemaa ser pesquisado? oassuntodo projetonão devesergenéricodemais.É preciso delimitarotema.Não épossívelabarcaromundocomumobjetode estudomuitoamplo.O melhoréterpresentequesetratadeestudo monográfico,para'a resoluçãode umproblema,comojá foi dito. Assim,quantomaisespecíficoelefor,melhor.

Dessemodo,oestudantepodeproporoestudodecaso:"O tema da pesquisaéo modelode educaçãoéticaFormaçãodo Caráter, aplicadoaprocessosdeatendimentoaoclientedaLoja 'X'''.Pode, ainda,empregaroscritériosespacialecronológico:"O impactona economiadomésticaprovocadopelapolíticadepreçosdoShopping 'Y' noanode2004".

Delimitandoo tema,o autorpodemostrarcomoseinterêssou peloassunto.SegundoPaulValéry,"nãoháteoriaquenãosejaum fragmento,cuidadosamentepreparado,deuma qualquerautobiografia"(apudNÓVOA, 2005,p.2).

É O momentoem que se respondeàs

Indagações:que procedimentosserão executados?Como serãoas técnicasde abordagemdo objeto da pesquisa?

Paraexpora metodologia,primeiramenteé necessárioesclare- cerqualéo tipodepesquisaqueseráfeito:bibliográfica,documental, estudodecaso,empírico-analítica,experimental,pesquisadecam- po, entreoutras.Exemplo: "Esta investigaçãoconstitui-seem um estudodecaso,poiso problemadaéticanosnegócios,relacionado ao modeloFormaçãodo Caráter,aplicadoao processodeatendimentoaocliente,circunscreve-seaoâmbitodaLoja 'X"'.

Escolhidootipodepesquisa,o autorforneceinformaçõessobre ascaracterísticasdo objetodeestudo,justificandoa opçãopor ele.

Exemplo:"A escolharecaiusobreLoja 'X' porqueela foi o esta- belecimentocomercialmaislembradoemrecentespesquisassobre satisfaçãodosclientes(A&V, 2004,p. 7)2.

(Parte 1 de 3)

Comentários