Consulta de enfermagem na prevenção

Consulta de enfermagem na prevenção

(Parte 1 de 3)

Consulta de enfermagem na prevenção do câncer do colo de útero e de mama

Profª Érika Andrade

Estimativa no Brasil:

• Segundo tipo de câncer mais comum entre as mulheres, sendo responsável pelo óbito de, aproximadamente, 230 mil mulheres por ano.

• Em 2008: Estimativas da Incidência de Câncer no

Brasil apontaram a ocorrência de 18.680 novos casos de câncer do colo do útero (19 casos a cada 100.0 mulheres)

A incidência: faixa etária de 20 a 29 anos;

Risco aumenta rapidamente até atingir seu pico geralmente na faixa etária de 45 a 49 anos.

Até a década de 90: Papanicolaou constituiu-se na principal estratégia utilizada em programas de rastreamento para o controle.

Novos métodos de rastreamento: testes de detecção do DNA do HPV e inspeção visual do colo do útero utilizando ácido acético ou lugol são apontados, em vários estudos, como eficazes na redução das taxas de mortalidade por câncer do colo do útero.

No Brasil, o exame citopatológico é a estratégia de rastreamento recomendada pelo Ministério da Saúde prioritariamente para mulheres de 25 a 59 anos.

Cerca de 70% dos casos de câncer do colo são diagnosticados no Brasil em fase avançada.

É estimado que uma redução de cerca de 80% da mortalidade por este câncer pode ser alcançada através do rastreamento de mulheres na faixa etária de 25 a 65 anos como teste de

Papanicolau e/ou tratamento das lesões precursoras com alto potencial de malignidade ou carcinoma "in situ".

O Câncer de colo do útero trata-se de uma afecção progressiva, com história natural bem conhecida e etapas definidas, iniciada com transformações intra-epiteliais, que podem evoluir para um processo invasor, num período que varia de 10 a 20 anos

Infecção causada pelo Papilomavírus humano (HPV)

•Baixo Risco: Tipos de HPV 6,1,42,43 e 4

•Alto risco:Tipos de HPV 16,18,31,3,35,39,45, 46,51,52,56,58,59 e 68

Início precoce das atividades sexuais

Multiplicidade de parceiros sexuais

Parceiro sexual masculino com múltiplas parceiras

Tabagismo

Infecções genitais de repetição .

A consulta de Enfermagem A consulta de Enfermagem

A consulta ginecológica possui algumas peculiaridades por abordar informações muito íntimas, que muitas vezes levam ao constrangimento da mulher.

Existe ainda o temor que muitas mulheres possuem em relação ao exame em si, o que exige do profissional postura ética impecável e a construção de um vínculo baseado na confiança, simpatia , respeito e cumplicidade.

A entrevista, além de fornecer elementos básicos para o diagnóstico, proporciona a oportunidade de conquistar a confiança da mulher, e deixá-la mais segura. A história deve ser contada de modo mais natural possível, devendo contudo, o profissional conduzir a entrevista para que seja objetiva e produtiva.

Deve-se obter as seguintes informações:

Naturalidade:UF:
Cor/Etnia: ( ) Branca ( ) Parda ( ) Amarela ( ) Preta ( ) Indígena

Nome: Data de nascimento: Data da consulta: Profissão/Ocupação atual:

União consensual( ) Outros

Estado civil: ( ) solteira ( ) casada ( )Viúva ( ) separada ( ) Nº do cartão SUS: Nome da mãe: Grupo Sanguíneo:

Possui deficiência ( tipo) : ( ) visual ( ) Auditiva ( ) Física ( ) Mental ( ) outras deficiências/síndromes:

Escolaridade: É chefe de família: ( ) sim ( ) Não Ocupações anteriores:

Município de Residência

Logradouro (rua, av.)

Complemento:

Bairro:

Telefone para contato:

Nº do prontuário na Unidade de saúde

Menarca, DUM, Idade da 1ª relação sexual

Ciclos menstruais (periodicidade;duração/intensidade do fluxo)

Orientação sexual

Antecedentes Obstétricos:

Complicações pós parto

Amamentação

Métodos anticoncepcionais utilizados/ método atual

Acompanhamento do climatério: Sintomas, tratamentos

Doenças Sexualmente Transmissíveis: Quais, quando, tratamentos.

Uso de Preservativos: Tipo e frequência Patologias Ginecológicas Pregressas

Antecedentes familiares: Especificar o grau de parentesco

Antecedentes pessoais:

(Parte 1 de 3)

Comentários